Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Eu quero ser campeão mais do que tu

Há falta de desequilíbrios significativos nos planteis - veremos, veremos - o que se tem visto a separar o FC Porto do Sporting são diferenças milimétricas que, justificam a atual diferença de pontuação no campeonato. Ambas as equipas partilham o raro facto de dependerem estritamente de si para serem campeãs nacionais de futebol masculino ao mesmo tempo que se mantém em todas as frentes possíveis.

O FC Porto tem feito esquecer as fraquezas quantitativas do seu plantel por via de uma vontade de querer ganhar que há muito não se lhe via ou reconhecia. O Sporting, ligeiramente menos histriónico nas demonstrações de querer, tem conseguido potenciar o maior conforto quantitativo e razoável equilíbrio qualitativo entre primeiras e segundas linhas do seu plantel para se manter em todas as competições neste início de 2018.

Ambas as equipas estão bem encaminhadas para ganhar o campeonto ainda que com estratégias diferentes. A do Sporting Clube de Portugal parece-me mais sustentável mas nem assim oferece garantias absolutas de sair vencedora. Afinal de contas, isto é futebol, mesmo sendo um campeonato.

 

O que fazer para melhorar as probabilidades de sucesso no final das contas?

No essencial (o detalhe vê-se mais abaixo), devemos manter o caminho sem grandes agitações e estar especialmente atentos  - como até aqui - à necessidade de manter o foco: no Sporting os jogadores têm que querer ganhar mais o campeonato do que os jogadores do FC Porto.

No Porto tudo é usado para galvanizar as hostes, desde as más arbitragens desfavoráveis, aos vaticínios de patinho feio que ia rebentar a meio da época que tantos fizeram no início do ano futebolístico. E depois há a campanha de denúncia do maior escândalo no futebol nacional desde o último protagonizado pelo próprio FP Porto há alguns anos. Um desígnio em que o Sporting também vai participando de forma razoavelmente competente.

Por cá temos conseguido manter maior serenidade - apenas ligeiramente ensombrada pela pálida imagem que demos na Luz - e temos conseguido ter sucesso onde antes falhávamos mais do que os nossos rivais, muito à conta de um plantel de melhor qualidade do que no passado e de um treinador que tem estado mais certeiro nas suas opções e leituras do que no passado.

 

Janeiro e o plantel

Entretanto, talvez janeiro traga algum reforço efetivo ao plantel numa área onde, de facto, não melhorámos tanto quanto desejável face ao ano anterior: o meio campo. O simpático filho de Bebeto não calou os críticos como sucedeu com Mathieu ou Piccini e tem servido com irrepreensível esforço para descansar outros artistas nas taças da cerveja e quejandas.  Bataglia é um jogador valioso em muitos jogos do nosso campeonato mas a quem falta o extra para nos garantir uma desenvoltura de destreza da transição que tantas vezes nos beneficiaria se aquele passe adicional se pudesse evitar e se fosse ele a protagonizá-lo. Em suma, veremos daqui a algumas semanas se Wendel é jogador para 2017/2018 ou apenas para 2018/2019, mas não contemos com isso como decisivo. Que seja um bónus, se possível.

Para a linha da frente, falta-nos uma maior eficácia e arrogância dos nossos goleadores, além de Bas Dost. Doumbia cumpriu exemplarmente na champions e na generalidade dos jogos em que tem participado, mas como disse JJ, não encaixa com Dost e é como se não existisse no campeonato. É talvez da zonas mais decisivas e na qual estamos atrás claramente atrás do FC Porto. É por aqui que justifico que não me choca a atual pontuação no campeonato. Como resolver isto?

No ano passado por esta altura fomos resgatar Podence para o plantel e ajudou de facto mas a história era outra. O da época do Sporting e a do jogador. Este ano, dificilmente teremos retornos a meio da época da prata da casa com entrada direta como titular.

 

O que falta do campeonato

O momento das três equipas que estão no topo de compeonato faz-me acreditar que se vão perder mais pontos na segunda volta do que na primeira, o que, teoricamente, favorece quem está a correr atrás do prejuízo e só tem o campeonato por objetivo.

Muito sinceramente, neste preciso momento em que escrevo, a classificação do campeonato parece-me justa. E sendo necessário introduzir algumas melhorias para conseguirmos ser campeões (admitindo que os adversários não fraquejam) com igual franqueza acredito que, apesar do que ainda nos falta, temos pela frente a melhor oportunidade de sermos campeões em muitos, muitos anos, ou seja, desde que fomos campeões pela última vez, provavelmente no longínquo ano de 2015/2016.

Força Sporting!

 

ADENDA: Entretanto, um dos melhores a jogar à bola no nosso campeonato passou a ser jogador do Sporting e este sim, pode perfeitamente disputar desde já a titularidade: Ruben Ribeiro.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D