Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Entre as oito melhores selecções do mundo

Portugal, 0 - Marrocos, 1

descarregar.webp

João Félix tenta furar, sem êxito, a muralha magrebina: Marrocos "equipou à Portugal"

 

Pode ser coincidência. Mas o facto é que Portugal perdeu os dois únicos jogos neste Mundial do Catar quando Cristiano Ronaldo estava fora do onze nacional em campo. Na primeira vez, contra a Coreia do Sul (1-2), já tinha saído do indicação do seleccionador. Ontem, frente a Marrocos, ainda não tinha entrado. Quando isso aconteceu, aos 52', já a selecção magrebina tinha marcado o golo solitário e estacionado o autocarro dentro da sua área - cenário que não mudaria até ao fim.

A diferença entre os dois jogos foi esta: o primeiro ocorreu na fase de grupos, quando a equipa das quinas já tinha assegurado presença nos oitavos-de-final; ontem era a eliminar, não havia salvação possível perante uma derrota.

A imagem do melhor jogador de todos os tempos a abandonar o relvado sem conter as lágrimas, após o apito final, é já uma das mais impressivas deste Mundial agora reduzido a quatro selecções. Fernando Santos ficou prisioneiro das suas opções e será julgado em função disso. Não creio que prolongue o vínculo à Federação Portuguesa de Futebol.

Sai acompanhado, nesta fase decisiva, por três outros seleccionadores que também caíram nos quartos-de-final: Tite (Brasil), Van Gaal (Holanda) e Gareth Southgate (Inglaterra). Com o mérito, no entanto, de ter conduzido a Portugal aos quartos-de-final, o que só sucedeu pela terceira vez num campeonato do mundo da modalidade. E é o primeiro treinador português a consegui-lo: antes dele aconteceu com os brasileiros Otto Glória (1966) e Luiz Felipe Scolari (2006).

 

O jogo foi deplorável, sonolento, indigno de um Mundial. Como vários outros a que assistimos (vi poucos, como já tinha advertido) deste certame das Arábias. Com os marroquinos a marcarem no final do primeiro tempo, na única oportunidade que tiveram, e o jovem guarda-redes Diogo Costa a sair mal no retrato. Mas, vendo bem, nenhum dos nossos merece nota positiva. Talvez João Félix fosse o menos mau.

Um contraste em toda a linha com a outra partida de ontem destas meias-finais: o França-Inglaterra, de resultado incerto até ao fim, com intensidade do primeiro ao último minuto. Foi uma final antecipada. Passou a França, com um golo decisivo de Giroud (suplente do lesionado Benzema), aos 78', e duas assistências do luso-gaulês  Griezmann. Reveja-se a jogada do primeiro golo, marcado por Tchouameni (17'), construída em sete toques e tendo Mbappé entre os intervenientes: uma obra-prima do futebol. A Inglaterra empatou de penálti (54') por Harry Kane, que aos 84' falhou a segunda grande penalidade atirando a bola para a bancada. Falhanço fatal.

Saímos, portanto, já no terço final da prova. E com a certeza de que integramos o restrito lote das oito melhores selecções do mundo. Antes fôssemos assim em quase tudo, fora do âmbito desportivo.

 

Restam, para quem esteja interessado, o Argentina-Croácia (terça-feira, 19 horas) e o França-Marrocos (quarta, 19 horas), além da final.

Poderíamos ter feito melhor?

Sim, se tivéssemos chegado às meias-finais - objectivo que nem em sonhos passaria pela cabeça dos profetas da desgraça, os mesmos que desde ontem rasgam as vestes porque a equipa das quinas caiu nesta fase. Talvez, apesar das palavras de desprezo que disseram e escreveram, ambicionassem mesmo o título mundial que sempre nos fugiu. 

 

Antes deste confronto com Marrocos, selecção que já contribuíra para o afastamento da Bélgica (segunda da tabela da FIFA) e a eliminação de Espanha (sétima na mesma tabela) alguns invocaram a alegada "vingança de 1986" como motivação adicional, aludindo ao Mundial do México, quando o país africano também nos afastou, embora isso tivesse acontecido ainda na fase inicial da prova. 

Esqueceram que essa vingança já tinha ocorrido. Foi na nossa vitória contra Marrocos, por 1-0, no Mundial de 2018 - precisamente com golo de Cristiano Ronaldo. Talvez não haja mesmo coincidências...

100 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

{ Blogue fundado em 2012. }

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D