Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Em defesa de Marco Silva

 

Bastou apenas um jogo, saldado com um empate fora de casa marcado pela equipa adversária a dois minutos do apito final, para vermos regressar um dos piores vícios dos adeptos leoninos: o tiro ao treinador.

Marco Silva, confrontado ao longo da semana com uma situação muito delicada do foro disciplinar que o fez perder em simultâneo dois jogadores muito importantes, começou a ser alvo de críticas duríssimas por parte daqueles que gostariam de ver Alvalade transformar-se novamente em cemitério de treinadores.

 

A verdade é que ontem à noite tudo poderia ter terminado de forma bem diferente se o melhor jogador do Sporting não tivesse sido também o pior. Refiro-me ao muito desgastado Carrillo, à beira da exaustão, que com um corte disparatado no centro da área leonina, aos 90 minutos, permitiu o golo da Académica que empatou a partida.

Marco Silva, que já se vira forçado a esgotar as substituições, não tem culpa disso. Como não tem culpa de que Cédric se tivesse lesionado ao terminar a primeira parte ou que William Carvalho cometesse uma falta evidente, em zona não-perigosa do terreno, quando já tinha um cartão amarelo.

 

São razões de sobra para não começar a alvejar o treinador quando apenas foram cumpridos 90 minutos de jogo oficial na nova temporada. Lendo o que se tem escrito em alguns blogues e redes sociais, só faltou proclamar Paulo Sérgio - que tão criticado foi em Alvalade - como melhor treinador do que Marco Silva.

Nenhum projecto se constrói sem tempo. Alguns dos que agora contestam o ex-técnico do Estoril, suspirando com saudades de Leonardo Jardim, são precisamente os mesmos que há um ano acolheram com desconfiança a chegada do técnico madeirense ao clube enquanto suspiravam com saudades do antecessor, Jesualdo Ferreira.

Este é outro vício antigo no Sporting: quem esteve é sempre superior a quem está.

Quanto ao resto: não vale a pena falar mais de Rojo, como não vale a pena falar de Dier. O Sporting só deve contar com quem continua no clube e com quer jogar. Não pode contar com quem já partiu nem deve contar com quem recusa vestir a camisola verde e branca.
Há quem conteste, referindo que isto são frases de quem professa uma fé cega nos destinos leoninos. Mas não: trata-se apenas da afirmação de um princípio de base.

Se não vigorasse este princípio, podíamos fechar a loja. Seríamos outra coisa qualquer, mas não o Sporting Clube de Portugal.

16 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D