Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Elas na história do Sporting (7): Madalena Gentil

Repito o que tenho dito e reafirmei ao iniciar esta série, no texto dedicado a Lídia Faria: sou um devotado sportinguista, educado a gostar de um clube eclético e habituado a vitórias e conquistas nas mais diversas modalidades, e não um simples apaixonado pelo futebol, para quem o Sporting se esgota nas suas competições e refregas. E, porque sei que essa vida só faz sentido num clima de competição com adversários capazes, poderosos e igualmente orgulhosos dos seus nomes e das suas histórias, estou, também, preparado para as derrotas que, inevitavelmente, hão-de vir a par dos triunfos.

 

A minha paixão pelo clube foi crescendo nesta luta, com muitas vitórias e muitas derrotas, nas variadíssimas modalidades que, ao longo dos anos, foram correspondendo ao desejo de um Sporting tão eclético quanto possível - às vezes, há quem pense, desmesuradamente eclético - levando-me, atraído pelo brilho das vitórias de que ia tomando conhecimento, a apreciar desportos a que o grande público  prestava, em geral, pouca atenção e a admirar nomes que, pela excelência do seu desempenho, se iam furtando ao anonimato. Um destes é o de uma excepcional praticante de ténis de mesa, uma mulher que correspondeu por inteiro ao caminho idealizado pelos fundadores do clube e que foi percorrido, no decurso de mais de um século, por tantos milhões de adeptos.

 

 

Estou a referir-me a Madalena Gentil, uma das mais brilhantes praticantes, ou mesmo a mais brilhante, da história deste desporto no nosso país. Apaixonadamente sportinguista, Madalena Gentil iniciou-se no clube com quinze anos, tendo tido, até se retirar, um percurso notabilíssimo. Em singulares, foi campeã nacional por seis vezes, entre 1968 e 1978, a primeira delas ainda com dezasseis anos, e, em pares, foi igualmente campeã nacional por cinco vezes, entre 1967 e 1979, com estreia, portanto, aos quinze anos. Foi campeã nacional de pares mistos duas vezes, em 1974 e 1978, e, em representação do Sporting, foi cinco vezes campeã nacional de equipas, entre os anos de 1972 e 1977. A sua carreira pode ser apreciada em mais pormenor no Armazém Leonino, a cujos autores agradeço algumas das informações que menciono. Poder-se-á verificar que, além destes títulos nacionais, Madalena Gentil obteve ainda muitas vitórias noutras provas, entre as quais Taças de Portugal e Campeonatos de Lisboa, e que foi, igualmente, campeã ibérica de pares mistos, fazendo equipa com o também atleta do Sporting Óscar Lameira. Outras excelentes praticantes da modalidade, como Marília Santamarina, Ana Lia ou Anabela Fernandes, foram decisivas, com os seus muitos títulos, para a posição de marcada proeminência que o ténis de mesa do Sporting, neste caso feminino, foi adquirindo, principalmente no último quartel do século passado, mas Madalena Gentil é, pelo seu extenso e cintilante currículo, credora de uma admiração muito especial.

 

 

Retribuindo os preciosos serviços prestados ao ténis de mesa e ao clube, o Comité Olímpico Português, a Federação Portuguesa de Ténis de Mesa e o Sporting   coroaram esta nossa grande atleta com diversas distinções, de que realço o Prémio Stromp, em 1978, e o Prémio Rugidos de Leão, em 1991.

 

Muitos sportinguistas, entre os que nunca ouviram falar e os que se lembram mal de Madalena Gentil, recordar-se-ão certamente dela ao verem as fotografias que ilustram o presente texto. É que esta grande sportinguista não se limitou a ser uma gigante nos palcos da sua actividade desportiva, dedicou quase uma vida ao nosso clube, onde passou perto de quarenta anos nos serviços administrativos, exercendo funções que a mantinham em contacto com os sócios. Os tantos e tantos milhares de sportinguistas que com ela, por isso, se relacionaram podem, também neste âmbito, testemunhar o seu inestimável contributo, na qualidade de funcionária competente e dedicada, para o crescimento, consolidação e sucesso de um modelo de clube que não podemos correr o risco de ver definhar.

 

 

Madalena Gentil partiu cedo, estando quase a perfazer-se um período de dois anos depois da sua morte. Espero que esta pequena homenagem concorra para um melhor conhecimento de tão insigne sportinguista e desportista, cujo nome, não tenho dúvidas, figurará  com merecidíssimo destaque na história do Sporting Clube de Portugal. Com tanto mais fulgor quanto o Sporting souber honrar a sua história e continuar a ser um clube que se distinga, com imenso orgulho, por um inalienável ecletismo. 

3 comentários

Comentar post

{ Blogue fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D