Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

"Devo tudo o que sei sobre moral ao futebol", diz o escritor Albert Camus

Olhando para o nosso lado...

«VALE TUDO

 

Em 1988, jornalista mexicano Miguel Ángel Ramirez denunciou uma fonte de juventude. Alguns jogadores da selecção juvenil do México, que tinham ultrapassado a idade permitida em dois, três e mesmo seis anos, tinham sido banhados nessas águas mágicas: os dirigentes tinham falsificado as suas certidões de nascimento e arranjado passaportes falsos. Submetido a esse tratamento prodigioso, um dos jogadores tinha conseguido ser dois anos mais novo do que o seu irmão gémeo.

Então, o vice-presidente do Guadalajara declarou:

- Não digo que seja uma coisa boa, mas sempre se fez.

E Rafael del Castillo, que era o manda-chuva do futebol juvenil, perguntou:

Porque é que o México não pode ser intrujão, quando por norma, outros países o são?

Pouco depois do Mundial de 1966, o inspector da Associação de Futebol Argentino, Valentín Suarez, declarou:

- Stanley Rous é um homem desonesto. Organizou o Mundial para que a Inglaterra ganhasse. Eu faria o mesmo se disputasse na Argentina.

A moral do mercado, que no nosso tempo é a moral do mundo, autoriza todas as chaves para a obtenção do sucesso, mesmo que sejam gazuas. O futebol profissional não tem escrúpulos, porque integra um sistema inescrupuloso que compra eficácia a qualquer preço. E ao fim e ao cabo, o escrúpulo nunca foi grande coisa. Escrúpulo era a menor medida de peso, a mais insignificante, na Itália do Renascimento: Cinco séculos depois, Paul Steiner, jogador alemão do Colónia, explicava:

- Jogo por dinheiro e por pontos. O rival quer tirar-me o dinheiro e os pontos. Por isso tenho de lutar contra ele recorrendo a todos os meios.

E o jogador holandês Ronald Koeman justificava assim o pontapé do seu compatriota Gillhaus , que deu cabo do francês Tigana, em 1988:

- Foi um gesto de grande classe. Tigana era o mais perigoso e era preciso neutraliza-lo a todo o custo.

O fim justifica os meios, e qualquer rasteira é aceitável, embora convenha passa-la dissimuladamente. Basile Boli, Olympique de Marselha, um defesa acusado de maltratar tornozelos alheios, contou o seu baptismo de fogo: em 1983, estatelou com uma cabeçada Roger Milla, porque este estava a enlouquecê-lo com as suas cotoveladas. E Boli revelou a experiência:

- Eis a lição iniciática: bate antes que batam, mas bate discretamente.

 É preciso bater longe da bola. O árbitro, como as câmara de televisão, tem os olhos postos na bola. No Mundial de 1970, Pelé sofreu com a marcação do italiano Bertini. Depois elogiou-o assim:

- Bertini era um artista a cometer faltas sem ser visto. Esmurrava-me as costelas ou o estomago, dava-me pontapés no tornozelo… Um artista.

Entre os jornalistas argentinos são frequentes os aplausos às trapaças atribuídas a Carlos Bilardo, por ter sabido executá-las com habilidade e com bons resultados. Segundo dizem, quando era jogador, picava os adversários com uma agulha e fazia cara de santo. E quando foi director técnico da selecção argentina, conseguiu enviar um cantil cheio de água com vomitivo a Branco, um jogador brasileiro sedento, durante o jogo mais difícil do Mundial de 1990.

Os jornalistas uruguaios costumam chamar jogo de perna forte à falta traiçoeira, e não foi só um que celebrou a eficácia do pontapé de abrandamento para intimidar os rivais nos jogos internacionais. O tal pontapé deve ser dado nos primeiros minutos de jogo. Mais tarde corre-se o risco de expulsão. No futebol uruguaio, a violência foi filha da decadência. Anteriormente, garra charrúa (nr: Charrúas = uruguaios) era o nome da valentia, e não dos pontapés.

No Mundial de 1950, sem ir mais longe, aquando da célebre final do Maracanã, o Brasil perpetrou o dobro das faltas que o Uruguai cometeu. No Mundial de 1990, quando o técnico Óscar Tabárez consguiu que a selecção uruguaia voltasse ao jogo limpo, alguns comentadores locais tiveram o prazer de confirmar que isso não dava bons resultados. E são numerosos os adeptos, e também os dirigentes, que preferem ganhar sem honra a perder com nobreza.

Pepe Sasía, avançado uruguaio, dizia:

- Atirar areia para os olhos do guarda-redes? Os dirigentes acham mal, quando se nota.

Os adeptos argentinos disseram maravilhas do golo que Maradona marcou com a mão, no Mundial de 1986, porque o árbitro não viu. Nas eliminatórias do Mundial de 1990, o guarda-redes do Chile, roberto Rojas, simulou uma ferida, cortando a testa, e foi apanhado. Os adeptos chilenos, que o adoravam e o chamavam de Condor, transformaram-no de repente no mau da fita porque o truque não resultou.

No futebol profissional, como em tudo o resto, o delito não tem importância se o álibi for bom. Cultura significa cultivo. O que cultiva em nós a cultura de poder? Quais serão as tristes colheitas de um poder que dá impunidade aos crimes dos militares e ao saque dos políticos, e os transforma em façanhas?

O escritor Albert Camus, que foi guarda-redes na Argélia, não se referia ao futebol profissional quando dizia:

- Devo tudo o que sei sobre moral ao futebol.»

 

In.: GALEANO, Eduardo - Futebol ao sol e à sombra. 1ª ed. Lisboa : Antígona, 2019. pp. 221-224

3 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D