Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Desculpem lá, mas hoje eu sinto-me mesmo assim

 

Começou a caminho do estádio. Em cima da hora para o jogo, cruzava apressado o campus da Faculdade de Ciências quando me apercebi de um homem - vestido à Sporting, mas isso é o menos importante - a cambalear e a sentir-se mal. Procurei ajuda e felizmente consegui alertar para a situação um grupo de polícias que se encontravam nas redondezas, certamente por ser um local de afluência ao estádio num dia de jogo. Os polícias dirigiram-se prontamente para o local onde o adepto se encontrava, e com certeza terão prestado a melhor ajuda possível.
Tinha levado uma contribuição em géneros alimentícios, modesta mas de boa vontade, para o povo de Moçambique, conforme havia sido solicitado pelo clube. Num passado recente já havia participado noutras ações de solidariedade como esta, da iniciativa do Sporting, nomeadamente de auxílio aos bombeiros. À volta do estádio, procurei pontos de recolha, como das outras vezes. Não encontrei nenhum. Dada a enorme fila de adeptos para entrar, acabei por me colocar na mesma, decidido a procurar os pontos de recolha no fim do jogo. Afinal, pensei ingenuamente, talvez até houvesse pontos de recolha no interior do estádio.
Aqui faço um parêntesis na minha história, para lamentar profundamente toda a desorganização envolvida nesta operação de recolha de auxílio para o povo de Moçambique, quando comparada com a organização de eventos semelhantes anteriores. Compreendo que talvez fosse difícil, se não mesmo impossível, compatibilizar uma organização eficiente com os requisitos de segurança de um jogo como o de hoje. Talvez fosse melhor, por isso, esta campanha ter sido feita num jogo previsivelmente mais tranquilo como o do próximo fim de semana. O que não faz sentido foi fazer sportinguistas que responderam ao apelo do clube passarem pela situação que eu e muitos outros passámos.
Voltando à história. Estava eu na fila para entrar quando, finalmente, ao chegar a minha vez de ser inspecionado, o segurança me diz que não posso entrar com nenhum tipo de comida no estádio. Nem mesmo para o auxílio a Moçambique. Esta deve ser uma regra geral e justificável, mas que não me passou pela cabeça. Perguntei-lhe onde era a recolha de géneros, e ele disse-me que era só na Porta 1, do outro lado do estádio. Perguntei-lhe se ele ou os colegas não poderiam guardar o que eu trazia, nem que fosse até ao fim do jogo e depois eu levá-la-ia à porta 1. O segurança repetiu que eu não poderia entrar assim. Quanto muito poderia abandonar os géneros que tinha trazido à porta do estádio, mas ninguém se poderia responsabilizar por eles. Faltando pouco tempo para o início do jogo, ainda pensei em abandonar ali a modesta contribuição que tinha trazido, mas desistir nunca foi comigo. Dirigi-me a correr à porta 1 do Estádio. Procurei por algum ponto de recolha e não encontrei nenhum. Perguntei a outro segurança que disse que não sabia e não tinha nada a ver com isso. Em desespero de causa, perguntei a uma senhora junto do bengaleiro ao lado da entrada VIP, que me informou que afinal a recolha era, não na porta 1, mas junto ao Pavilhão João Rocha. Já mesmo sem tempo para lá ir, perguntei-lhe se ela própria não poderia responsabilizar-se por recolher a doação. Ela respondeu-me que excecionalmente poderia aceitar, e que já tinha feito o mesmo a pedido de outros adeptos.
Neste ponto da história volto a fazer outro parêntesis: por respeito pelos adeptos que aderem a estes apelos, estas iniciativas, a serem feitas, devem ter um mínimo de organização. A organização desta iniciativa, desta vez, foi uma vergonha, e o que mais me entristeceu esta noite.
Voltei a correr para a minha porta de entrada, sujeitei-me mais uma vez à fila de adeptos (felizmente já bem mais pequena). Não encontrei o segurança da primeira vez, ou ter-lhe-ia dito que espero que ele nunca venha a estar numa situação como aquela em que se encontra o povo da Beira. Consegui entrar mesmo a tempo do início do jogo, e com a agradável sensação de que tinha feito tudo o que deveria. E quando é assim nada mais se pode exigir. Em campo, a equipa do Sporting hoje também fez tudo o que deveria fazer. E quando é assim é mais fácil conseguir-se o que se quer. Mesmo como se tem a sensação, que eu tive hoje, de que deve ter sido com a colaboração de algum anjo. Talvez chamado Bruno.

3 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D