Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Azevedo, Damas, Rui Patrício…

Ontem, o leitor Orlando Marinho num comentário a um texto meu, a propósito dos números imortais que envergaram a camisola, neste caso a número 1, do Sporting, escreveu:

«Provavelmente é a posição onde tivemos e continuamos a ter o privilégio de ver mais grandes jogadores e, dentro desses temos vários jogadores "Made in Sporting C.P.". Gostaria de acrescentar ao grupo alguns que, embora não tenham jogado no nosso clube, contribuíram para enriquecer o nosso futebol, tais como: Michel Preud'homme, Vítor Baía, Bento e Józef Młynarczyk»

Relembro uma crónica de Dinis Machado.

 

«Guarda-redes - o lugar e o risco

 

Apetece-me escrever acerca dos acerca dos guarda-redes. Nunca tive o prazer do lugar nas minhas andanças futebolísticas. Andei sempre na linha avançada, um bocado maniento do golo. E do drible. Quando, nos «treinos», fazia uma perninha na baliza, acabava-me com pouco jeito. Não tinha bem tempo de saída, nem a adivinhação ou a atenção concentrada que é um autêntico sexto sentido. E tinha (no fundo, era isso) o enorme gozo de jogar com os pés.

Nada disto impedia, antes pelo contrário, que sempre admirasse muito os guarda-redes, a sua particular vocação e a beleza e a emoção que davam ao jogo. E a valentia que mostravam. Por não me ver a atirar-me aos pés de um gal- farro com botas cheias de traves e ceguinho por fazer golo é que eu admirava os guarda-redes. Santa pachorra, a de levar, às vezes, pontapés na cabeça.

Estou a tentar explicar-me no jogo de há muitos anos. E diz-se, falando disto: o futebol perdeu alguma da sua inocência. E certo. Como em todas as actividades humanas da entrega pelo prazer no seu sinal de partida, na sua relação lúdica e pouco calculada com o objecto de satisfação, na sua naturalidade ainda não infiltrada de premeditações, o futebol nostálgico (passe o termo) lembra o amor à camisola e a vontade de fazer o jogo pelo jogo. Sabemos que se trata de uma ideia com alguns fundamentos, mas também aparece aqui o eco da distância que limpa um pouco os horizontes que ficaram para trás. E que já existiam tácticas (embrionárias, embora), mesmo no futebol escolar. Mas convenhamos: o futebol ainda não tinha entrado no laboratório, na grande congeminação. E não mexia com milhões de outras coisas. Era um pouco (como dizer?) «heroico».

Heroico. O jogador heroico (com aspas, é bom sublinhar), na sua noção simplista, existiu mesmo? Acho que sim, em certos aspectos. E ainda existe, também em certos aspectos. Por exemplo, os grandes habilidosos sujeitos a marcações impiedosas (hoje, até mais do que ontem). Mas também ressaltam diferenças. E volto aos guarda-redes.

Antigamente, defender a baliza requeria uma certa dose de coragem suicidária. Assumia-se o risco do lugar da maneira quase inconsciente. Os guarda-redes, para além dos atributos específicos de atenção e elasticidade, punham muitas vezes nas mãos do acaso a sua integridade física. Explicando-me melhor e como já disse um pouco atrás: atiravam-se aos pés. Evidenciavam uma certa bravata relacionada com as características especiais da posição.

Este «atiravam-se aos pés» (frase do vulgo), quando os avançados surgiam isolados, no momento do remate, foi responsável por muitos pontapés na cabeça. Havia, naturalmente, a irresponsabilidade do acto «heroico». O futebol deve ser um lugar de combatividade, mas não de perigo. Ai entrava a inocência de evitar o golo a todo o custo - e a obrigação de exibir essa inocência.

Hoje, os guarda-redes (até por razões naturais do progresso do jogo e das suas exigências científicas) são mais precavidos e calculistas. O termo é: profissionais, mesmo amadores. É certo que ainda encontramos razoáveis cultores desse excesso de temeridade. Ainda há guarda-redes que se «atiram aos pés». Mas as técnicas de defender a baliza sofisticaram-se: há uma utilização do corpo mais eficaz e menos perigosa, defendem-se mais remates com os pés, fecha-se melhor o ângulo, faz-se a mancha. A ligadura na cabeça ou, mesmo, o hospital ficam mais longe. Ainda bem.

A viagem do guarda-redes através dos tempos é, como tudo na vida, um caminho de aprendizagem. Enfim: aprende-se com os outros, escolhe-se pelo lado melhor. Se nos lembrarmos de que o futebol (ou o seu esboço) começou em antiguidades muito remotas, com guerreiros vencedores a utilizarem, como bolas, as cabeças dos adversários (a natureza humana é capaz, às vezes, de barbaridades quase inimagináveis), já não é mau chegarmos às portas do novo século com regras de prudência e de civismo. E há que melhorar, há sempre. Realmente, os pontapés na cabeça não fazem falta nenhuma no futebol. Para dar pontapés está lá a bola.»

 

In: MACHADO, Dinis - A liberdade do drible : crónicas de futebol. 1ª ed. Lisboa : Quetzal, 2015. p. 53-55

(texto original no jornal A Bola de 7 de Maio de 1994)

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D