Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Armas e viscondes assinalados: Uma surpresa que já tardava em chegar

Sporting 3 - Sp. Braga 0

Liga NOS - 22.ª Jornada

17 de Fevereiro de 2019

 

Renan Ribeiro (3,0)

Conseguiu terminar um jogo sem sofrer golos, feito assinalável mesmo tendo em conta que os avançados bracarenses pouco ou nada fizeram ao longo de mais de 90 minutos, ficando de tal forma encadeados pela surpresa táctica de Marcel Keizer que pareciam estar a fazer um remake da goleada sofrida na última deslocação à capital. De tal forma assim foi que o guarda-redes brasileiro teve de inventar um momento de suspense, ao fintar um adversário na grande área, e fez a sua melhor defesa ao sair em voo para afastar um cruzamento quando o árbitro assistente já tinha assinalado fora de jogo.

 

Tiago Ilori (3,0)

Coube-lhe ser o central descaído para o flanco direito e cumpriu a missão com brio e sem excessivas dificuldades. A única excepção foi um alívio disparado contra um adversário que levou a bola a encaminhar-se para a sua grande área, felizmente a tempo de o problema ser resolvido pelo senhor do costume.

 

Coates (3,5)

Ministro da Defesa que se preze rende em qualquer sistema. E assim foi: o central uruguaio controlou todas as movimentações terrestres e aéreas, garantiu que nenhuma incursão pelo seu território surtiria efeito e chegou ao final do jogo com a rara recompensa de não ter sofrido qualquer golo. Algo que compensa perfeitamente que tenha estado menos afoito a integrar-se no ataque, ao ponto de nem sequer subir para a maioria dos lances de bola parada.

 

Borja (3,0)

Contratado para acautelar a saída de Acuña, eis que o lateral colombiano deu por si a tomar o lugar do indisponível Mathieu. Facto é que não comprometeu enquanto central descaído para a esquerda, combinando bastante bem com Acuña na hora de lançar contra-ataques.

 

 

Ristovski (3,5)

Grande beneficiário da nova táctica, o macedónio serviu-se da velocidade e rapidez de execução para fazer muitos estragos à ala esquerda dos visitantes. Tanto assim é que na primeira parte foi o principal fornecedor de Bas Dost, oferecendo-lhe aquele que deveria ter sido o primeiro golo do jogo. Depois do intervalo foi menos solicitado pelos colegas, destacando-se sobretudo nas missões defensivas.

 

Gudelj (2,5)

Começa a parecer que nenhum sistema de jogo se consegue adequar ao trinco que não é trinco sérvio. A companhia mais esclarecida de Wendel disfarçou os seus inconseguimentos na posse e distribuição de bola, tal como o poderio físico deu jeito perante adversários tão dados ao “full contact”, mas passa por ser o maior equívoco dos onze titulares do Sporting.

 

Wendel (3,5)

Foi o médio de transição por excelência, acelerando o jogo leonino de uma forma que há muito não se via. Pagou essa ousadia com inúmeras pancadas nas pernas, raramente punidas pelo árbitro Jorge Sousa, conivente com a experiência científica conduzida pelos visitantes em que procuravam apurar se os joelhos do médio brasileiro são capazes de dobrar ao contrário. Quando finalmente teve direito a descanso já estava o resultado feito e pela frente aparece o desafio de virar a eliminatória da Liga Europa em Espanha.

 

Acuña (3,0)

Já foi lateral, já foi extremo, já foi médio de transição e agora tornou-se qualquer coisa como um híbrido de interior e extremo-esquerdo. Serviu-se da sua técnica e domínio de bola para dar dores de cabeça à defesa contrária, mas o mais impressionante foi o modo calmo (ao ponto de parecer induzido por medicamentos) com que lidou com as decisões do árbitro e a cobertura dos adversários.

 

Bruno Fernandes (4,0)

Tão grande é o seu grau de confiança que perto do final do jogo tentou repetir o golo com que gelou o Estádio da Luz, esquecendo-se de que Tiago Sá é bastante mais promissor do que Svilar. Teria sido magnífico bisar, algo que já tentara minutos antes, com um remate de longa distância que saiu pouco ao lado do poste, mas a missão do capitão cada vez menos interino do Sporting estava cumprida. Aproximado da baliza adversária pelo novo sistema, Bruno Fernandes inaugurou o marcador logo na primeira parte, com outro livre directo bem cobrado ao ponto de até meter impressão. E, fruto das combinações com Ristovski e Diaby na direita, ainda serviu Bas Dost no lance do 3-0.

 

Diaby (3,5)

Assentou-lhe como uma luva o papel de segundo avançado que tira partido da velocidade. Várias tentativas na primeira parte serviram de aquecimento para a jogada iniciada junto à linha de meio-campo em que suportou faltas de quatro adversários até ser derrubado na grande área do Sporting de Braga.

 

Bas Dost (3,5)

Ficou a dever a si próprio um hat trick que lhe devolveria a liderança isolada da lista de goleadores da Liga NOS, pois desperdiçou um passe para concretização de Ristovski e chegou atrasado a um bom cruzamento do macedónio. Nada disso apaga a forma gelidamente calma como marcou o pénalti e o posicionamento perfeito para desviar o cruzamento de Bruno Fernandes e fazer o 3-0. Teve direito a uns minutos de descanso e espera-se que na quinta-feira esteja cheio de força.

 

Luiz Phellype (2,0)

Ainda não foi nesta noite que justificou a contratação, preocupando-se mais com o contacto físico do que a bola.

 

Raphinha (2,0)

Mais um jogo pouco conseguido do extremo brasileiro, pouco eficaz no papel de avançado solto que interpretou durante um quarto de hora.

 

Idrissa Doumbia (3,0)

Entrou para que o departamento médico pudesse soldar as fissuras nas pernas de Wendel, o que não o impediu de ser o único suplente lançado por Marcel Keizer a deixar boa impressão, tanto nas missões defensivas como no lançamento de contra-ataques.

 

 

Marcel Keizer (4,0)

Única reclamação: não poderia ter antecipado a surpresa há alguns jogos, poupando-se a queda no abismo que levou decerto muitos dos 27 mil que se deslocaram ao Estádio de Alvalade a não saírem de casa sem levar um lenço branco? Certo é que o 3-4-1-2 cumpriu a missão de manietar o Braga e os destaques individuais encaminharam os leões para uma vitória contundente que no início da tarde de domingo ninguém adivinharia.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D