Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Armas e viscondes assinalados: Uma reviravolta de mão-cheia

Sporting 5 - Nacional 2

Liga NOS - 13.ª Jornada

16 de Dezembro de 2018

 

Renan Ribeiro (3,0)

Deu por si a encaixar dois golos sem culpa nenhuma, mas por volta da meia-hora põs travão ao descalabro em curso. Fez uma excelente defesa a impedir que um livre directo levasse o Sporting a recolher ao balneário com uma desvantagem de 0-3 e não mais permitiu veleidades à ameaça do nacional-madeirismo. Voltou a destacar-se na segunda parte ao impedir aquilo que seria o 3-3 e deu boa conta de si, não obstante ocasionais imperfeições na reposição de bola.

 

Bruno Gaspar (2,0)

Contam-se os minutos até que um dos youtubbers da moda faça um vídeo com as tentativas de cruzamento do lateral-direito contratado à Fiorentina por um ex-presidente leonino que continua suspenso. Voltou a atrapalhar-se quando tinha boas condições para fazer duas assistências para golo (na segunda parte, muito bem assistido dentro da área, até poderia inscrever o nome na lista de marcadores) e a bola começa a temer rumar à sua zona de influência tal qual os navios temem o triângulo das Bermudas. Bastante mais razoável a defender, diga-se de passagem.

 

Coates (3,0)

Uma das suas duas arrancadas pelo meio-campo adversário deu origem ao primeiro golo do Sporting, tal como na quinta-feira outra arrancada permitira o golo de Miguel Luís. Contrariada a estatística nesse ponto, segue-se o golo de cabeça que tarda em aparecer... Nas missões defensivas esteve tão bem quanto pode estar um central que vê a equipa sofrer dois golos, mesmo condicionado por um amarelo que o retira da difícil deslocação a Guimarães.

 

Mathieu (3,5)

Convém assinalar que o francês foi testemunha ocular do pontapé e do cabeceamento que deram vantagem à equipa visitante. Mas não só levou a equipa para a frente nos períodos de maior desorientação da primeira parte como consumou a reviravolta no resultado com um golo de livre directo que o ex-colega de equipa Lionel Messi decerto aplaudiria. 

 

Jefferson (2,0)

Voltou a provar que sabe fazer bons cruzamentos, e num deles permitiu que Bas Dost testasse os reflexos do guarda-redes adversário. Pena é que esteja cada vez mais apático, não raras vezes suicidário na abordagem aos lances de ataque do Nacional da Madeira. A boa notícia é que Acuña regressa na próxima jornada.

 

Gudelj (3,0)

Começou o jogo perdido no meio-campo e soterrado pela avalancha madeirense, melhorando numa segunda parte em que esteve perto de fazer estragos na baliza contrária. Ao contrário de Coates não viu o amarelo que o afastaria da próxima jornada, mas também há que reconhecer que para um natural da Sérvia Guimarães deve parecer a Disneylândia.

 

Bruno Fernandes (4,0)

Aquela velha história de o futebol ser um jogo de onze contra onze em que a Alemanha vence no fim encontra paralelismo na série de exibições do melhor jogador da época passada. Nos períodos mais negros da noite chegou a ser avistado perto dos centrais, iniciando jogadas que outros que não queriam ou não podiam iniciar. Ainda ouviu gritos de Bas Dost por tentar o remate cruzado num lance em que poderia ter tentado cruzar para o encosto do holandês, mas na segunda parte aproveitou a boa companhia de Miguel Luís para iniciar um recital que incluiu um golo fácil ao “ir às sobras” de Bas Dost, um remate de muito longe que ficou perto de surpreender o guarda-redes, uma tentativa de marcar em jogada individual e o último tento da noite, assumindo a recarga à queima-roupa do seu próprio remate de cabeça. 

 

Bruno César (2,0)

Escolhido para a titularidade por Marcel Keizer, andou desfasado do resto da equipa e nunca conseguiu provar que tinha um papel a desempenhar neste jogo. Só poderia ter regressado ao relvado após o intervalo se Alvalade ainda vivesse no tempo do outro senhor.

 

Nani (2,5)

Esteve longe de ter a noite mais feliz da carreira, primando pela lentidão no ataque e pelo alheamento nas acções defensivas. Leva como maior influência no jogo o cabeceamento defeituoso na jogada do primeiro pénalti sobre Bas Dost, um remate de longe e um passe longo para a área que seria açucarado caso chegasse a outros pés que não os de Bruno Gaspar. Saiu com problemas físicos que, a manterem-se, podem abrir a porta ao regresso do ex-vimaranense Raphinha ao onze inicial na próxima jornada.

 

Diaby (3,0)

Fez da velocidade e da vontade de ajudar a equipa forças que compensam as ocasionais falhas técnicas difíceis de resolver numa fase tão adiantada da carreira. O melhor cartão de visita foi uma arrancada de um lado ao outro do campo e a assistência para o golo anulado a Bas Dost em que o fiscal de linha viu o maliano em posição irregular e o videoárbitro manteve a decisão por falta de imagens de uma câmara avariada.

 

Bas Dost (4,0)

Invejosos vão dizer que as faltas que deram origem aos dois pénaltis que converteu (três se contarmos com a primeira marcação do segundo, mandado repetir devido à entrada de outros jogadores na grande área) são extremamente parecidas com as sofridas pelo mítico avançado benfiquista conhecido por Vidoso, tantas vezes ocorre o “pénalti do Vidoso”, mas bisou e voltou a colocar-se no topo da lista dos melhores marcadores, ao lado do bracarense Dyego Sousa. E ainda teve tempo para um golo anulado e para servir Bruno Fernandes no lance do 2-2, compensando uma ocorrência na primeira parte em que se esqueceu da aura de “bom gigante” e berrou com o colega após desferir um pontapé num poste que fez abanar a baliza.

 

Miguel Luís (3,5)

Entrou no início da segunda parte e deixou a impressão de que chegava com atraso de 45 minutos mais descontos. Dotado para as trocas no meio-campo em que assenta o modelo de jogo keizeriano, o jovem habituado a festejar títulos europeus mostrou que por ele também se pode festejar títulos nacionais. Líder absoluto nos passes para finalização, selou nova boa exibição com o cruzamento que quase permitiu a Bruno Fernandes marcar de cabeça.

 

Jovane Cabral (3,0)

Voltou a dar cartas em poucos minutos, executando o excelente passe para Bas Dost que levou ao primeiro golo de Bruno Fernandes. E mexeu sempre com o jogo de uma forma que Nani não ousaria fazer.

 

Marcel Keizer (3,0)

Ele bem avisou que prefere vencer por 3-2 em vez de 1-0, mas não deveria estar à espera de começar com um 0-2 e de ver o Nacional a encostar o Sporting às cordas antes de passar a ter o melhor ataque da Liga. Errou ao escolher Bruno César para o onze, corrigindo o passo em falso ao intervalo, só que os 45 minutos da segunda parte duram mais quando toda a gente se diverte, o que se aplica tanto ao relvado quanto às bancadas. Voltou a prescindir da terceira substituição, a conseguir ser feliz sem demasiado esforço e a deixar para mais tarde o inevitável dia em que tudo correrá pior.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D