Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Armas e viscondes assinalados: Para quê pedir a Lua se temos as estrelas?

Sporting 3 - Rio Ave 0

Liga NOS - 28.ª Jornada

7 de Abril de 2019

 

Renan Ribeiro (3,5)

Voltou a terminar um jogo sem sofrer golos, mas desta vez não contou com as facilidades decorrentes da inépcia dos avançados benfiquistas, pelo que teve mesmo de se esforçar para travar as investidas do Rio Ave. Deu nas vistas ao antecipar-se a um avançado com um corte de cabeça à saída da grande área e, já com o resultado feito, ao encaixar um remate muito forte e colocado, tendo ainda reflexos suficientes para impedir a bola de passar leve, levemente, pela linha de golo.

 

Ristovski (2,5)

Não foi um jogo em que os laterais se tenham destacado muito. Mas no caso do macedónio pode falar-se em culpa por associação, pois a presença de Diaby na direita não só impediu jogadas com cabeça, tronco e membros como levou a que o resto da equipa optasse por uma saudável ostracização desse sector.

 

Coates (3,0)

Melhor seria se não tivesse apostado em incursões catastróficas com bola pelo meio-campo contrário. Não estava no seu dia para aventuras dessas, ao contrário do que sucedeu na prestação defensiva, novamente ao nível dos seus pergaminhos pela relva e pelo ar.

 

Mathieu (3,5)

Não só desfez uma ou duas asneiras cometidas pelo parceiro de eixo central como cumpriu a habitual quota de cortes e antecipações. Mas ainda mais impressionante foi a qualidade com que iniciou jogadas e deu cartas enquanto lateral-esquerdo (e logo num jogo em que Marcel Keizer teve três colegas diferentes a desempenhar essa posição), conquistando a linha e cruzando como se fosse um adolescente tardio.

 

Borja (2,0)

Presenteado pela impetuosidade adversária logo nos primeiros minutos, viu-se retirado de maca, regressou ao relvado e não raras vezes pareceu estar a mais entre Acuña e Wendel. Saiu ao intervalo e tarda em afirmar-se como verdadeira solução.

 

Gudelj (3,0)

Não lhe peçam para dar início a uma jogada de ataque, mas na parte de destruir e condicionar jogo alheio está irreconhecível de há umas semanas para cá. Quase como aqueles funcionários que demonstram as qualidades mais escondidas quando se aproxima o momento da renovação de contrato.

 

Wendel (4,0)

Muitas vezes jogador de equipa, o jovem brasileiro resolveu ser jogador que faz a equipa ganhar com sossego. Não satisfeito com a assistência brilhante para o primeiro golo, vendo Acuña e Luiz Phellype a desmarcarem-se, assinou o primeiro golo na Liga NOS com um remate em arco, ogiva, cristal. O guarda-redes não sabe, nem sonha, como a bola colorida foi parar uma terceira vez ao fundo das redes.

 

Bruno Fernandes (4,0)

Igualou o recorde de Frank Lampard como meio-campista mais goleador de sempre na Europa ao cobrar um daqueles pénaltis em que o guarda-redes melhor faria em beber uma chávena de chá de tília. E, entre muitas demonstrações aleatórias de grandeza, ganhou a linha, entrou na grande área do Rio Ave pela esquerda e centrou rasteiro e atrasado para o golo de Wendel. Até ao final do jogo várias vezes tentou que os colegas dilatassem o marcador além da conta que Deus fez, mas ninguém quis fazer a desfeita ou se lembrou de devolver a bola para que o tal recorde do inglês passasse a ser história medieval. O “Lampardexit” fica para a próxima.

 

Diaby (1,5)

O Sporting venceu por três golos de diferença, e sem nunca causar apertos no coração dos poucos mais de 26 mil irredutíveis alvaladenses nas bancadas, apesar de contar com o maliano em noite não de tendência nunca. Trapalhão, atrapalhado, quando não simplesmente alheado, manteve-se até ao apito final. Será que Marcel Keizer teme intervenções sacerdotais na luta pelo terceiro lugar e resolveu treinar a possibilidade de se ver a jogar com menos um campo?

 

Acuña (4,0)

Será possível retirar a bola ao polivalente argentino? As estatísticas provam que não é muito fácil, e nem se pode falar em falta de dados, tantas foram as vezes que Acuña bailou com a bola frente a um, dois ou três adversários, talvez inspirado num moço com quem por vezes divide balneário chamado Lionel. Para a história de um jogo que procurou sempre descomplicar fica o domínio de bola com que facilitou a missão de Luiz Phellype no lance do primeiro golo, aberturas traçadas a régua e esquadro e a disponibilidade para ser extremo, lateral e tudo. Tal como Mathieu, teve direito a uns minutos de descanso e a uma ainda mais merecida ovação.

 

Luiz Phellype (3,5)

Mais um golo, concluindo com calma glaciar um contra-ataque que ajudara a lançar, e o pénalti que sofreu, ao ser abalroado por um defesa após um cabeceamento em esforço, são as faces mais visíveis de uma exibição muito positiva. O feitiço parece ter sido quebrado de vez, e o brasileiro peitudo e raçudo da lei dos erros de casting se vai libertando.

 

Jovane Cabral (3,0)

Entrou para agitar a esquerda e quase que o conseguiu, ficando muito perto de servir Luiz Phellype para o mais próximo de 4-0 que se viu na segunda parte. Ainda não é o milagreiro de Peseiro, mas ninguém lhe pode contestar a utilidade.

 

Bruno Gaspar (2,5)

O prémio por ter segurado o forte na meia-final da Taça de Portugal foram minutos enquanto lateral-esquerdo. Não se portou mal do lado contrário, jogando seguro, e até poderia ter marcado, servido por Bruno Fernandes. Mas como não é o homónimo optou por alvejar as bancadas.

 

André Pinto (2,5)

Entrou para o descanso (e aplauso das bancadas) de Mathieu. Sem ser aquele rapaz turco que marca golos em Itália e que Cintra & Peseiro resolveram emprestar com uma cláusula de compra acessível ao mesmo tempo que preferiam contratar Diaby em vez de Fábio Coentrão, também não esteve nada mal.

Marcel Keizer (3,5)

Adiantou-se aos críticos e reconheceu que o Sporting não jogou tão bem quanto na quarta-feira. Mas jogou bastante bem, venceu com folga e sem qualquer tremelique, e só ficou a dever a si próprio uma goleada das antigas. Do treinador só se questiona a necessidade de fazer descansar Acuña e não Bruno Fernandes, elevando a fasquia para “vencer três a zero com Diaby e Bruno Gaspar em simultâneo”. Será que Francisco Geraldes foi apanhado a ler um romance durante uma das palestras do holandês?

1 comentário

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D