Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Armas e viscondes assinalados: Os desconhecidos do Norte-Expresso

Boavista 1 - Sporting 1

Liga NOS - 6.ª Jornada

15 de Setembro de 2019

 

Renan Ribeiro (2,5)

Poderia ter estado melhor posicionado no lance do golo do Boavista, pois um passo para o lado talvez permitisse defender o livre bem cobrado por Marlon. Depois disso manchou o cadastro com algumas reposições para a terra de ninguém, mas encaixou sem problemas de maior os recorrentes pontapés de longa distância com que os boavisteiros procuraram agravar ainda mais a deriva do Sporting.

 

Rosier (2,5)

A boa notícia é que pareceu refeito da lesão que lhe fez perder a pré-temporada inteira e ameaçava fazer dele o turista acidental da Academia de Alcochete. Primeira das muitas novidades de um onze que desde o funesto Sporting-Rio Ave ficou desfalcado com a venda de Thierry Correia e Raphinha, o castigo de Coates e as lesões de Vietto e Luiz Phellype, o francês demonstrou capacidade de choque e técnica. Já no que toca a entrosamento, digamos que Rosier foi mais um dos quase desconhecidos trajados de verde e branco que compareceram no Bessa com vontade de darem o seu melhor. Não chegou para um bom resultado, apesar de no caso do lateral-direito ter havido assinalável progresso na segunda parte, sucedendo-se cruzamentos que poderiam ter sido aproveitados pelo ponta de lança que não pôde confirmar a sua presença.

 

Neto (2,5)

Raras são as ocasiões em que o Sporting pós-ataque a Alcochete tem mais do que um português em campo, mas o cartão vermelho a Coates permitiu-lhe compensar a precoce saída de Thierry Correia. A experiência acumulada em terras ainda mais gélidas do que a conjuntura leonina terá sido útil, embora pudesse ter provocado o segundo golo do Boavista numa falha de comunicação com Renan.

 

Mathieu (3,0)

Cabe a um homem que vai enganando a reforma tentar aquilo que os colegas mais novos demonstram não ter capacidade de fazer. Além de cortes providenciais, um dos quais quando um avançado axadrezado procurava ficar cara a cara com Renan, o francês avançou tanto no terreno, primeiro para suprir a incapacidade de Borja e depois para permitir ludibriar a apertada marcação homem-a-homem-chuteira-a-tornozelo urdida por Lito Vidigal, que o seu “mapa de calor” no relvado intrigará decerto num futuro distante os arqueólogos das ruínas do futebol leonino.

 

Borja (1,5)

Nos sub-23 do Sporting existe um adolescente chamado Nuno Mendes que, sem ser isento de falhas decorrentes da inexperiência, poderia fazer uma “masterclass” ao internacional colombiano, notoriamente tão inapto a atacar quanto a defender. Num dos seus habituais atabalhoamentos terá tocado a bola com a mão na grande área, mas tal acção passou tão em claro ao árbitro Jorge Sousa quanto as pancadas nos tornozelos de Bruno Fernandes. Leonel Pontes teve a sabedoria de o deixar no balneário ao intervalo.

 

Idrissa Doumbia (2,0)

A recuperação de Battaglia, após quase um ano de ausência, é um dos raros sinais de esperança para a próxima jornada da Liga NOS, na qual o Sporting recebe em Alvalade o actual líder, com o apito final previsto para as onze da noite de uma segunda-feira em que a ressaca da deslocação a Eindhoven, para visitar o PSV, é capaz de ainda fazer doer cabeças. No que toca ao empate em apreço, o argentino permaneceu no banco, podendo observar o modo como o jovem médio sentiu a bola a pesar mais do que chumbo, primando pelas más recepções e ineficácia de passe. Na retina ficou uma jogada individual, ainda na primeira parte, em que galgou terreno, evitando diversos adversários, até deixar a bola sair pela linha de fundo.

 

Wendel (2,5)

Condicionado pelo amarelo que viu logo no arranque do jogo, ao fazer a falta que um desalmado chamado Marlon aproveitou para inaugurar o marcador, o jovem brasileiro ressentiu-se nas movimentações e pouco contribuiu para abrir o cadeado boavisteiro que foi tornando infrutífera a hegemonia leonina na posse de bola. Quando foi substituído pareceu pior do que estragado, estando o estragado grafado com letra F.

 

Bruno Fernandes (3,0)

Fez das tripas coração para que não se notasse assim tanto que nunca tinha jogado com não poucos dos seus colegas. Numa das tentativas de integração de recém-chegados ficou perto de oferecer o golo do empate a Bolasie, sendo que por essa altura já perdera decerto cartilagem com o festival de cacetada a que foi sujeito, sob o beneplácito régio de Jorge Sousa. Recebeu como prémio pela perseverança o desvio na barreira que lhe permitiu fazer o golo do empate num livre directo e ainda ensaiou o remate de longa distância que poderá eventualmente salvar o Sporting de si próprio em Eindhoven. Mas não na jornada seguinte, pois depois de ser massacrado pelos adversários, Bruno viu o segundo amarelo (o primeiro fora por protestos, a pedido de um fiscal de linha a quem não ensinaram que é feio ser-se queixinhas...) e assistirá na tribuna ao Sporting-Famalicão. Aquele jogo em que urge contrariar as célebres palavras de Ristovski: “Sem o nosso capitão estamos f...”

 

Gonzalo Plata (1,5)

Má estreia a titular do jovem equatoriano, colecionador de perdas de bola e de iniciativas mal calculadas. Também melhorou na segunda parte, mas Leonel Pontes terá sentido a falta dos adolescentes Bruno Tavares e Joelson Fernandes para dinamitar a defensiva adversária.

 

Acuña (2,5)

Começa a tornar-se evidente que colocar o argentino a extremo é o tipo de decisão com prazo de validade muito curto, visto que implica esse desporto radical chamado dar a titularidade a Borja. Beneficiou bastante do recuo para lateral, ainda que tenha sido penalizado pela falta de entendimento com os recém-chegados ao plantel que lhe apareceram nas redondezas.

 

Bolasie (3,0)

Frederico Varandas estava convencido que seria Jesé Rodríguez a demonstrar dotes de ponta de lança interino, suprindo a inexistência do famoso “substituto de Bas Dost”, a lesão de Luiz Phellype e a falta de inscrição de Pedro Mendes. Mas eis que Leonel Pontes contrariou o presidente do Sporting e recorreu ao franco-congolês criado em Inglaterra para interpretar uma versão móvel e espadaúda de camisola 9. Num mundo paralelo em que as coisas correm bem ao Sporting teria atirado para fora da jurisdição de Bracalli o remate que desferiu após uma desmarcação acelerada ao passe de Bruno Fernandes, recepção no peito e rotação de corpo para se focar na baliza. Não foi a única ocasião em que deu ares de poder vir a ser o “Marega a prazo” leonino, ainda que seja provável que se revele mais útil enquanto extremo.

 

Jesé Rodríguez (1,5)

Entrou ao intervalo, posicionou-se na esquerda e confirmou que não está em boa forma. Se é possível redimir o futebol que tem dentro de si é coisa que este ou o próximo treinador virão a descobrir.

 

Eduardo Henrique (1,0)

Entrou para o lugar de Wendel, supondo-se que para acelerar o meio-campo leonino rumo aos três pontos e não para deixar claro a Miguel Luís que nenhum treinador depois de Tiago Fernandes confia no seu valor. Certo é que cumpriu mais o segundo do que o primeiro objectivo.

 

Rafael Camacho (-)

Estreou-se na equipa principal de modo inglório, acumulando um punhado de minutos quando os colegas já haviam cruzado os braços.

 

Leonel Pontes (2,5)

Trouxe um ponto do Bessa ao mesmo tempo que alargou para cinco o número de pontos que separam o Sporting da liderança ao fim de seis jornadas. Sendo justo reconhecer que enfrentou uma tempestade perfeita, potenciada pelas lesões de Luiz Phellype e Vietto, valendo-se da imaginação para formar o onze titular, não menos verdade é que a equipa jogou pouco, não obstante o domínio na posse de bola. Como principal vantagem em relação ao antecessor destaca-se o facto de deixar patente que estava chateado com a desvantagem e com a incapacidade de alcançar a reviravolta. Quinta-feira, na estreia na Liga Europa, frente ao PSV Eindhoven, e na segunda-feira, na recepção ao Famalicão, joga-se o seu destino.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D