Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Armas e viscondes assinalados: Não têm barqueiro nem em que remar, procuram um caminho novo para andar

Sporting de Braga 1 - Sporting 0

Liga NOS - 19.ª Jornada

2 de Fevereiro de 2020

 

Luís Maximiano (3,5)

Continua a afirmar o seu potencial como uma perseverança só comparável à da vegetação que consegue irromper por entre as fendas do asfalto. Com toda a sua defesa condicionada pela febre amarela do árbitro Jorge Sousa e com o esquema táctico com que Silas sonhou sair de Braga ainda no lugar mais miserável do pódio, Maximiano viu-se muitas vezes desamparado e deu conta do recado com defesas vistosas que adiaram o desfecho esperado. Mas quis o destino cruel que a equipa da casa marcasse na única ocasião em que perdeu o controlo dos acontecimentos, impedindo-lhe uma noite de glória que só não estava a ser melhor devido às estruturais dificuldades nos lançamentos longos.

 

Ristovski (2,0)

Aquela célebre profecia do “sem o nosso capitão estamos fodidos” acabou por ser autocumprida pelo macedónio, que abriu muitos espaços à direita com as suas incursões pela linha, o que também contribuiu para que o pânico tomasse conta da equipa. Com a agravante de que Wendel privilegiou sempre a ala esquerda, levando a que Ristovski avançasse no terreno quase sempre em vão, acabando por ser sacrificado na hora de correr atrás do prejuízo que se vai tornando tão habitual quanto a “hora Coca-Cola light”.

 

Coates (2,0)

Ainda o jogo mal havia começado e já estava amarelado, recebendo como prenda de Jorge Sousa pela subida a capitão a garantia de que poderia juntar-se ao visitante Bruno Fernandes nos camarotes se cometesse mais alguma infração. Terá sido isso, aliado a uma notória prisão de rins, que o levou a ser mais permissivo do que o habitual com os avançados contrários, compreensivelmente mais apostados em manter a bola junto à relva do que a aventurarem-se pelos ares. No final, quando tudo estava perdido, inovou no desespero, pois além de ponta de lança improvisado também chegou a aparecer na posição de lateral-direito numa ou noutra jogada.

 

Neto (2,5)

Merece mais meio ponto pelo corte que esteve quase a evitar o golo que selou a perda do terceiro lugar e, sobretudo, pelo grito de revolta na “flash interview” que decerto lhe valerá uns quantos jogos de suspensão – abrindo caminho, se a tendinite de Mathieu não melhorar, à titularidade de Ilori na recepção ao assim menos aflito Portimonense – e forçou Frederico Varandas a presentear os sportinguistas com dotes de oratória que ombreiam com os dotes para a gestão do futebol leonino. Esforçado e atento, o internacional português funcionou durante quase todo o jogo como uma espécie de libero que foi chegando para as encomendas, pese embora as limitações na saída com bola desaconselharem tal papel.

 

Borja (2,0)

Depois de uma exibição muito agradável enquanto lateral-esquerdo, face à ausência de Acuña, manteve a titularidade enquanto... falso lateral-esquerdo. Claramente empenhado em errar da melhor forma possível, o colombiano procurou ajudar Coates e Neto a afastarem o perigo da baliza do Sporting. Sabendo-se como a história terminou é evidente que não lhe correu totalmente bem. Tal como foi tragicamente expectável que, já depois da saída de Acuña, se tenha esquecido de que passava a ser ele o verdadeiro lateral-esquerdo.

 

Acuña (2,5)

Começou muito bem, combinando com Rafael Camacho para a primeira oportunidade de golo, e demonstrou que os seus cruzamentos podem servir para algo quando existe um avançado na área, mas começou a apagar-se e a enervar-se com a arbitragem. Terá sido o segundo factor que pesou numa substituição precoce, sobretudo porque o argentino é um dos cada vez mais raros activos valiosos que a presente gerência de Alvalade recebeu como pesada herança.

 

Battaglia (2,5)

Voltou a regressar a uma casa onde já foi feliz, contrabalançando o contingente de “made in Alcochete” que fez da Pedreira a sua casa, e nos primeiros minutos fez valer a qualidade na posse de bola que o distingue de Idrissa Doumbia e torna impossível que o confundam com os pinos utilizados nos treinos. Não chegou, no entanto, para assegurar a vitória na batalha a um meio-campo órfão daquele mago que trocou a crise leonina pela crise de um clube que tanto fez pela formação de Cristiano Ronaldo e Nani.

 

Eduardo (3,0)

Surpresa indigesta no onze titular, só não marcou num dos primeiros lances do jogo devido a um desvio de um defesa bracarense. Melhor esteve na construção de jogada, na medida que revelou uma rapidez na progressão com bola que chegou a parecer fora de sincronia com o futebol deste Sporting. Sem dar espectáculo, ou sequer justificar os milhões que foram gastos no seu passe, o médio brasileiro terá sido o jogador que mais entendeu a necessidade de crescer após a saída de Bruno Fernandes.

 

Wendel (3,0)

Pedia-se-lhe que assumisse a batuta do meio-campo do Sporting e o jovem brasileiro assumiu a tarefa com mais querer do que saber. Sendo legítimo perguntar o motivo de tantas vezes ter ignorado o posicionamento de Ristovski, preferindo servir a ala esquerda, ainda mais legítimo será inquirir como é que escapou a ser expulso ao gritar com Jorge Sousa a escassos centímetros da cara do árbitro. Ficou em campo e poderia ter sido herói, aparecendo na grande área servido por Sporar, mas Matheus rechaçou a tentativa de chapéu.

 

Rafael Camacho (3,0)

Cabia-lhe ser o “joker” da equipa e fez por desempenhar bem o papel, ficando na retina o cruzamento para o coração da área, onde Eduardo fez suar os adeptos da casa, e remates traiçoeiros, ainda que sem selo de golo. Mas também ele acabou por esmorecer quando o Sporting de Braga descodificou aquilo que Silas pretendeu fazer na Pedreira, perdendo protagonismo até ser retirado de campo.

 

Sporar (2,5)

Chegará o dia em que o esloveno fará mais do que deixar boas indicações e demonstrações de técnica apurada. Infelizmente, tal dia não foi o domingo passado. O guarda-redes do Sporting de Braga opôs-se bem aos seus remates e com o decorrer do jogo foi ficando cada vez mais sozinho no ataque.

 

Vietto (3,0)

Avaliado em 7,5 milhões de euros por cada perna, o argentino regressado de lesão assistiu a grande parte do jogo no banco de suplentes. Quando finalmente foi lançado por Silas foi fundamental para que o Sporting encostasse a equipa da casa às cordas, embora persista a falta de golo que ameaça deixar Bruno Fernandes como o goleador da equipa quando esta triste temporada terminar.

 

Jovane Cabral (3,0)

Merecia ter marcado o golo do empate, mas a muralha defensiva bracarense impediu que a bola se alojasse nas redes. Entrou, tarde e a mais horas, para agitar e cumpriu nesse agito. Talvez convenha apostar na sua velocidade e capacidade de execução mais cedo. Ou até desafiar a superstição que não rende absolutamente quando lhe é concedida a titularidade.

 

Gonzalo Plata (2,0)

Derradeira aposta de Silas, numa altura em que Rafael Camacho tornara gritante o quanto estava arrasado, integrou-se no ataque leonino com mais vontade do que acerto. Veja-se o pontapé assaz deficiente que teve, no entanto, o condão de servir de assistência inadvertida para o “quase empate” de Jovane Cabral.

 

Silas (2,5)

Enganou a Sport TV e o adversário durante alguns minutos, dispondo a equipa num 3-5-2 que a realidade foi transformando em 5-3-2, e mesmo as apostas em Eduardo e Rafael Camacho começaram por dar frutos no primeiro jogo após a saída de Bruno Fernandes. Mas voltou a nada conseguir alterar quando a equipa da casa se adaptou à surpresa inicial, vendo impávido e sereno como o Braga se foi acercando da baliza de Luís Maximiano até cumprir o objectivo. Tarde mexeu na equipa, desgastada pelo vírus do perdedorismo, e mais uma vez pôde constatar que a sorte não protege quem não prima pela audácia. Regressado ao quarto lugar, com Famalicão, Rio Ave e Vitória de Guimarães à espreita, com os recordes negativos de maior número derrotas e maior distância em relação ao primeiro classificado à espreita, Silas ainda teve de lidar com a presença de Leonardo Jardim na tribuna da Pedreira, mesmo atrás de António Salvador e Frederico Varandas, sendo que após a sequência de vitórias consecutivas não parece que seja Ruben Amorim quem mais deverá temer a chicotada psicológica...

 

9 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D