Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Armas e viscondes assinalados: Foi o que tinha de ser

Sporting 0-Arsenal 1

25 de Outubro de 2018

Liga Europa - 3.ª Jornada

 

Renan Ribeiro (4,0)

Era a tarde mais longa de todas as tardes que lhe aconteciam. Ele não vinha, tardava, e ele entardecia. Até que chegou, a pouco mais de um quarto de hora do apito final, o golo de Welbeck que impediu o guarda-redes brasileiro de conquistar o ponto que manteria o Sporting empatado. Até ao funesto erro de Coates que isolou o inglês, impiedoso ao ponto de marcar, o reforço de última hora contratado ao Estoril mantivera-se sempre à beira da perfeição, retirando diversas vezes os scones da boca dos forasteiros empenhados em fazer balançar as redes. Sucediam-se as defesas de elevada nota artística, incluindo uma mancha em que o braço de Renan bastou para que o isolado Aubameyang não facturasse, e ao terceiro jogo pareceu que poderia manter a baliza incólume. Assim não sucedeu, mas ficou a impressão de que o amigo de Sousa Cintra que entende imenso de futebol acertou em cheio nesta contratação.

 

Ristovski (2,5)

Regressou à titularidade e parecia refeito do desastre de Portimão. Ficou na retina um lance de contra-ataque em que pegou a bola perto da sua grande área e, contando apenas com o apoio de Montero, sonhou driblar o defesa que tinha pela frente e rumar à baliza qual Serpa Pinto macedónio, da costa à contracosta. Não foi possível, tal como não foi possível aguentar sequer até ao intervalo, tornando-se a mais recente vítima das lesões musculares que percorrem o plantel como se fossem maldições de filmes de terror japoneses (daqueles que não são realizados por Nakajima).

 

Coates (2,0)

Encaminhava-se para mais um jogo de elevada qualidade quando protagonizou a sua pior tentativa de corte desde aquela viagem a Madrid que foi o início do fim de Bruno de Carvalho. Como o novo presidente do Sporting é mais medicinal do que sanguíneo o uruguaio ainda pôde somar à intervenção decisiva no golo do Arsenal um encosto de testa a um adversário na grande área contrária, mas não só não viu o cartão amarelo como não foi alvo de vergastadas através das redes sociais. Para trás ficou a dose habitual de cortes providenciais, antecipações e duelos aéreos ganhos a avançados de renome.

 

André Pinto (2,5)

Esta foi a data em que manteve a titularidade enquanto Mathieu ficava sentado no banco de suplentes. Uma data que seria ainda mais memorável caso os seus meritórios esforços tivessem sido recompensados com um números de golos sofridos inferior a um. Mas não estava escrito.

 

Acuña (3,0)

Acabou por continuar na lateral-esquerda, mas quem o visse a passar por quatro adversários em velocidade, resistência e drible, irrompendo pela grande área - só faltou mais força na hora de fazer o cruzamento -, diria que estava ali o único extremo verde e branco digno desse nome que subiu ao relvado. Também foi tão intratável quanto é habitual a defender, pressionando os ingleses que ousavam aparecer-lhe pela frente. Foi perdendo gás ao longo do jogo, para gáudio do ataque do Arsenal, e à frente nunca conseguiu combinar bem com o camarada de corredor, fosse ele Bruno Fernandes, Nani ou Jovane Cabral.

 

Petrovic (2,5)

Tê-lo como o melhor de um triplo pivot defensivo é ainda mais assustador do que tê-lo como o melhor de um duplo pivot defensivo. Bastante eficaz a destruir jogo alheio, nada fez de particularmente mau na hora de construir - o que já passa por aceitável no presente momento dos leões.

 

Battaglia (2,0)

Na época passada chegou a secar Messi como se fosse um eucalipto. Desta vez foi menos eficaz, mesmo que sem comprometer por aí além. Não se pode é dizer que seja credor de muitas linhas de texto...

 

Gudelj (2,0)

Uma das fases mais interessantes do jogo foi a segunda metade da primeira parte, quando o sérvio se emancipou do triplo pivot defensivo e começou a subir no terreno. A pressão alta não teve resultados práticos, e Gudelj praticamente desapareceu após o intervalo, fazendo-se notar sobretudo ao sair do relvado para permitir a entrada de Jovane Cabral.

 

Nani (2,5)

Muito interventivo, à esquerda e à direita, foi um dos responsáveis por um triste dado estatístico: nenhum remate do Sporting foi enquadrado com a baliza. Além da falta de pontaria denotou enormes carências na hora de auxiliar a linha defensiva e rebentou uns bons minutos antes de ser substituído.

 

Bruno Fernandes (2,0)

A maldade que lhe fizeram, forçando-o a posicionar-se nas alas, contribuiu para a invisibilidade de que padeceu na maior parte dos noventa e tal minutos de jogo. Nem a pontaria descalibrada ajudou o internacional português, que só melhorou mesmo no final do jogo, quando fora devolvido ao meio-campo.

 

Montero (3,0)

Na primeira parte ocorreu uma jogada do ataque leonino que ilustra os desafios que se colocam ao avançado colombiano: estava Acuña a lutar contra uma série de adversários quando Montero acorreu em seu auxílio, tomou posse da bola e... centrou para o coração da grande área, onde não se encontrava devido às inclementes leis da Física. Isolado entre muitos defesas, e não raras vezes sem colegas à vista, lutou como só poucos sabem. Deixado à sua sorte também pela equipa de arbitragem, que deixou passar várias faltas em claro (e a expulsão de Sokratis, que agarrou Montero quando este corria para a baliza), nunca deixou de conquistar espaços para os remates dos colegas de equipa e exerceu pressão suficiente para que os adversários cometessem erros.

 

Bruno Gaspar (2,0)

Deveria ter entrado ainda antes do intervalo, para o lugar do lesionado Ristovski, mas só na segunda parte pisou o relvado. As primeiras intervenções foram positivas, mas depressa se viu que o entrosamento com os colegas continua a escassear. Sofreu falta de Welbeck que anulou um possível primeiro golo do Arsenal.

 

Jovane Cabral (2,0)

Quando sai do banco esperam-se dele duas coisas: lances decisivos e remates disparatados. Desta vez só conseguiu a segunda parte.

 

Diaby (1,0)

Dez minutos de profunda irrelevância.

 

José Peseiro (2,0)

Bem pode queixar-se dos erros da arbitragem - mais evidente o cartão vermelho que ficou por mostrar a Sokratis do que o alegado pénalti sobre Nani ou do que o suposto fora de jogo de Welbeck no lance do golo - e ficar a pensar qual seria o ranking do Sporting se houvesse videoárbitro mas provas da UEFA. Certo é que armou um onze ultradefensivo - antecipando-se o quádruplo e quíntuplo pivot defensivo - e que esteve quase a permitir a conquista de um singelo ponto na classificação do grupo. Pior foi a demora a reagir quando as coisas começaram a sair mal e a derrota tornou-se uma inevitabilidade à espera de acontecer. No domingo à noite, ao enfrentar o Boavista, talvez possa colocar extremos nas posições 7 e 11, mesmo que sejam Jovane Cabral e Elves Baldé. Mas ninguém se espantará se nos seus lugares estiverem Bruno Fernandes e Bruno César.

2 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D