Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Aposta na formação

22142448_kAud2.jpeg

 

Nos comentários ao meu último postal dedicado à equipa B duas coisas ficaram muito claras, uma o interesse dos Sportinguistas pela formação e por esta equipa em particular, outra as diferentes formas com que encaram essa mesma formação, e os critérios que utilizam para avaliar o seu desempenho.

Para alguns a formação é competir e ganhar. Ganhar nos iniciados, nos juvenis, nos juniores, nos sub23, na B, ganhar o mais possível e dentro disso ganhar aos dois rivais. Quando isso não acontece, quando não se ganham títulos e se perdem jogos, pedem responsabilidades e questionam as lideranças em causa. É transportar para a formação a lógica subjacente à equipa A.

Para outros, pelo contrário, a formação é para acarinhar. E ponto. Proibido criticar quem está na formação ou quem vem da formação. As críticas ficam para quem vem de fora. 

Para outros ainda e para mim em particular, a formação não é fim em si mesmo, antes é um instrumento essencial para atingir o sucesso desportivo e financeiro do Sporting. Para isso é preciso saber atrair (recrutar com olho de lince e determinação de falcão), reter (gerir o relacionamento com a "bolha" do jogador e manter a situação contratual adaptada ao rendimento), fazer evoluir (transmitir e testar competências técnicas e comportamentais), e saber descartar-se no momento certo (avaliando idade vs evolução e procurando retorno financeiro) de jovem talento nacional ou estrangeiro. Nesta óptica, os títulos na formação são secundários, e nunca devem ser obtidos através de jogadores que não conjuguem os requisitos físicos e técnicos necessários para vingar profissionalmente ao nível duma 1ª Liga de acordo com a posição que ocupam no terreno. No fundo formar para ganhar desportivamente (na equipa A) e/ou financeiramente.

Nessa perspectiva também, um elemento essencial da formação do clube é... o treinador principal. Porque só ele pode avaliar o talento existente e abrir a porta da equipa A aos jogadores em que vai apostar. E  libertar os outros para serem rentabilizados doutra forma. Por isso treinadores como Boloni e Paulo Bento foram muito importantes no Sporting para além daquilo que ganharam, foram eles que lançaram jovens como Quaresma, Hugo Viana, Cristiano Ronaldo, Rui Patrício, Nani, Moutinho, Veloso e tantos outros, e assim desafiaram toda a estrutura da formação a trabalhar mais e melhor para outros lá chegarem também. O pior possível é ter como treinador principal alguém obcecado pela experiência e maturidade, que prefere comprar feito a fazer ele mesmo.

Com Rúben Amorim, apoiado numa Academia de Alcochete reformulada em todos os sentidos e onde Tomáz Morais me parece ser uma peça essencial, a aposta na formação atingiu um nível nunca antes visto. Agora existe um plantel principal com um peso da formação de cerca de 50%, mas também existe um plantel sombra, de jovens na calha para lá chegar. Do Callai ao Dário Essugo, do Everthon ao Joelson, sabemos que o futuro do Sporting está acautelado. Claro que poderia existir mais quantidade de qualidade, mas os tempos são bem diferentes daqueles em que Aurélio Pereira batia à porta e convencia os pais, a concorrência é feroz e nem sempre o Sporting consegue chegar a um miúdo que se destaca.

Tal como um dia o jovem entra em Alcochete mais novinho como o Luís Maximiano ou o Rui Patrício, ou mais crescidinho, como o Matheus Nunes ou o Gonzalo Plata, outro dia haverá em que esse jovem saia do Sporting rumo a novos objectivos profissionais, não me recordo de nenhum que tenha ficado até ao final da carreira. Nessa altura, que seja como com o Tomás Silva ou o Luís Maximiano: que não saia magoado, que não fuja de capuz pela porta dos fundos e, pior ainda, que não passe a tratar o clube com o maior desprezo o clube que o formou.

E é mesmo verdade. Alguns dos melhores futebolistas do mundo formaram-se, não no Benfica, não no Porto, formaram-se no... Sporting Clube de Portugal.

PS: No que respeita aos sub23, tem andando numa pré-época bem diferente do normal, desde uma sessão nos Comandos até a uma visita a Alvalade noticiada hoje n´A Bola, onde conheceram o estádio, o museu Sporting, o pavilhão João Rocha, assistiram ao treino do hoquei em patins e a uma palestra da Cátia Azevedo, recordista nacional dos 400 mts. Formação não é apenas sobre jogar à bola.

#OndeVaiUmVãoTodos

SL

32 comentários

Comentar post

{ Blogue fundado em 2012. }

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D