Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

A ver o Europeu (14)

320 204.jpg

 

PÉSSIMA EXIBIÇÃO CONTRA A ALEMANHA

Tudo quanto podia correr mal, correu mesmo à selecção portuguesa no embate contra a selecção alemã, que hoje conseguiu os primeiros pontos no Euro-2021. Dois autogolos (primeiro por Rúben Dias, depois por Raphael Guerreiro), exibições desastrosas dos nossos flanqueadores, incapacidade total de garantir a vantagem obtida cedo no marcador, dois golos sofridos em quatro minutos ainda no primeiro tempo, quando parecíamos jogar sem lateral direito. Para cúmulo, um monumental tiro de Renato Sanches a embater com estrondo no poste quando ainda era possível uma reviravolta no resultado.

Fomos derrotados por 4-2, para gáudio dos cerca de 20 mil espectadores nas bancadas do estádio de Munique - segundo confronto consecutivo que travamos em casa da selecção adversária. E no entanto até fomos os primeiros a marcar, estavam decorridos 15', num rápido contra-ataque iniciado por Bernardo junto à linha direita e a centrar cruzado para Diogo Jota, que recebeu bem e assistiu para Cristiano Ronaldo, com Neuer impotente para impedir o golo. O nosso capitão marcou assim o seu terceiro no Euro-2021. Que é também o 107.º da sua carreira na equipa das quinas. E o 12.º que marca em fases finais de campeonatos da Europa.

 

Os quatro golos da Alemanha ocorreram na esquerda após passes a partir do flanco oposto aproveitando uma exibição desastrosa de Nelson Semedo, que foi um passador na posição de lateral direito: Gosens, ala esquerdo alemão e titular da Atalanta, fez dele o que quis. Marcou um golo, assistiu para dois e participou na construção do outro, impondo-se como melhor em campo. 

Os erros defensivos da selecção nacional começaram a partir da linha do meio-campo: Bernardo Silva nunca recuou em apoio do sector mais recuado e foi bem substituído ao intervalo, dando lugar a Renato Sanches. Mas do lado oposto as coisas não estiveram melhor: Raphael Guerreiro foi sempre muito frágil a defender e quase inexistente a atacar, destacando-se pela negativa ao marcar um autogolo aos 39'. Rúben Dias oscilou igualmente entre o mau e o péssimo, marcando também na própria baliza, aos 35'.

Incompreensível foi o facto de Portugal só ter feito cinco faltas em toda esta partida. Como se quiséssemos facilitar a vida à equipa anfitriã.

 

Reduzimos para 2-4, aos 67', com Ronaldo e Jota a inverterem papéis: o melhor do mundo assistiu, dominando muito bem a bola junto à linha de fundo, e o avançado do Liverpool encostou. 

Abria-se uma ténue luz de esperança, reforçada com o petardo de Renato ao poste. O médio do Lille implora por titularidade no onze nacional. Foi o nosso segundo melhor em campo, com o terceiro posto a ser ocupado por Pepe - único elemento do bloco defensivo com nota positiva. O melhor, para não variar, foi Cristiano: em muitos períodos do jogo, dava a sensação que só mesmo ele queria virar o resultado. Não merecia, de todo, esta derrota. 

Esperemos que a exibição e o resultado sejam muito melhores no próximo embate. Será na quarta-feira contra a poderosa França, campeã mundial, que hoje empatou 1-1 com a Hungria. O que baralha ainda mais as contas do nosso Grupo F.

 

Alemanha, 4 - Portugal, 2

.................................................

 

Os jogadores portugueses, um a um:

 

Rui Patrício - Sofreu quatro golos, marca inédita na selecção desde que é conduzida por Fernando Santos. Sem culpa em nenhum deles. E ainda impediu pior, aos 44' e aos 45'+3. Má reposição de bola em diversas ocasiões.

 

Nelson Semedo - Gosens ganhou-lhe sistematicamente todos os duelos. Os quatro golos alemães nasceram ou concretizaram-se na zona que lhe estava confiada. Ter recebido pouco ou nenhum apoio do colega da frente serve-lhe de atenuante, mas não o desculpa.

 

Pepe - Acorreu a várias situações, procurando corrigir erros posicionais dos colegas. Bons cortes aos 23' e aos 36'. E ainda foi lá à frente tentar o golo, em bola parada, aos 89'. Inesgotável energia anímica. Mas não pôde evitar os erros dos colegas, nomeadamente nas situações de autogolo.

 

Rúben Dias - Pareceu perdido neste jogo. Aos 24', fez um corte defeituoso que podia ter gerado uma situação de perigo. Aos 34', marcou na própria baliza, facilitando a vida aos alemães. Muito intranquilo, continuou sem sombra de inspiração. Entregou a bola aos 65', voltando a errar.

 

Raphael Guerreiro - Lento, sem confiança, totalmente desinspirado a defender. Aos 39', comete dois erros capitais: coloca um adversário em jogo e logo a seguir é ele a introduzir a bola na própria baliza. Pondo a Alemanha pela primeira vez em posição favorável neste encontro.

 

Danilo - Médio defensivo posicional, acabou por prestar pouco apoio ao bloco mais recuado. Muito macio, evitando recorrer a faltas, sem iniciativa na construção. Faltou-lhe acutilância, intensidade e capacidade de reacção para fechar o corredor central.

 

William Carvalho - De uma lentidão exasperante, revelando má condição física, permitiu que se abrissem clareiras no nosso meio-campo. Competia-lhe assegurar a transição para as linhas dianteiras, mas foi incapaz de cumprir esta missão. Deu lugar a Rafa aos 58'.

 

Bruno Fernandes - Outra partida muito apagada do melhor jogador da Liga inglesa. Precisa de jogar mais de frente para a baliza. Faltou-lhe bola, revelou défice na iniciativa atacante e nem fez a diferença nas bolas paradas. Saiu aos 64', dando lugar a João Moutinho. 

 

Bernardo Silva - Só jogou o primeiro tempo, com apenas uma acção positiva: o início da construção do primeiro golo português, que nos colocou em vantagem entre os 15' e os 35'. De resto, uma nulidade. Não fechou o flanco, não ajudou a defender. Já não regressou do intervalo.

 

Diogo Jota - Exibição positiva, apesar de tudo. Serviu muito bem Cristiano Ronaldo no primeiro golo, com excelente recepção de bola e assistência com um toque lateral do pé direito. CR7 retribuiu-lhe aos 67'. Substituído por André Silva aos 83'.

 

Cristiano Ronaldo - O capitão voltou a demonstrar que é indispensável na equipa das quinas. Marcou (15'), deu a marcar (67') e foi o mais inspirado e clarividente. O livre que propicia o nosso segundo golo resulta de uma falta sobre ele. Protagonizou bons lances aos 21', 70' e 90'+4.

 

Renato Sanches - Primeiro a saltar do banco, rendendo Bernardo na segunda parte. Está em boa forma, entende-se mal por que motivo não é titular neste Europeu. Bom na condução de bola, sólido nos confrontos individuais. Grande remate de meia-distância, disparando um tiro ao poste. 

 

Rafa - Entrou aos 58'. Desta vez não funcionou como talismã da equipa, ao contrário do que tinha sucedido contra a Hungria. Incapaz de fazer a diferença à frente, também deficiente a defender: permitiu Gosens fazer o que quis no quarto golo alemão (60').

 

João Moutinho - Em campo a partir dos 64', substituindo Bruno Fernandes. Teve tempo para perder várias bolas e errar vários passes. De positivo, o livre que marcou aos 67': daí viria a nascer o nosso segundo golo.

 

André Silva - Entrou só aos 83', substituindo Jota. Fazia todo o sentido ter alinhado como titular, pois sagrou-se segundo melhor marcador da Liga alemã. Pareceu algo desconcentrado, mas em boa verdade mal teve tempo para mostrar o que vale.

92 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D