Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

A ver o Europeu (10)

320 204.jpg

 

COMEÇÁMOS MUITO BEM

Portugal começa este Europeu da melhor maneira: com uma vitória fora de casa contra a Hungria, que contou com 60 mil espectadores a puxarem pela sua selecção em Budapeste. Campo inclinado, pois: este é o único estádio que permite lotação esgotada no Campeonato da Europa em plena era de pandemia. Irresponsabilidade total da UEFA. Péssima pedagogia que se faz para todo o mundo.

Vitória merecida, esta de ontem. Com seis campeões europeus no onze inicial, a primeira parte foi toda nossa. Tivemos três oportunidades flagrantes de golo: Diogo Jota desperdiçou uma, Cristiano Ronaldo outra e a terceira foi travada pelo guardião húngaro, também a remate de Jota. Durante os 45 minutos iniciais, Rui Patrício foi mero espectador.

Na segunda parte a Hungria soltou-se um pouco e aproximou-se mais da nossa área, o que acabou por beneficiar-nos: o autocarro magiar deixava de estar tão estacionado. As oportunidades mais perigosas continuaram a ser nossas: Gulacis, sem dúvida o melhor dos húngaros, impediu in extremis o golo português por Pepe, de cabeça, aos 47, e desviou para canto um tiro certeiro de Bruno Fernandes, aos 68'.

Quando o onze nacional começava a acusar algum cansaço, a partir do minuto 70, Fernando Santos mexeu bem na equipa. Fazendo trocas que deram frutos, sobretudo no meio-campo ofensivo. E aconteceram três golos em oito minutos.

O primeiro, aos 84', surgiu de um remate de Raphael Guerreiro em zona frontal, após duas carambolas - a última das quais traiu o guarda-redes. O segundo foi apontado por Ronaldo, aos 87', na conversão de um penálti castigando falta sobre Rafa - primeiro golo de grande penalidade alguma vez marcado por Portugal na fase final de um grande torneio europeu. O terceiro resultou de rápidas tabelinhas entre o benfiquista e CR7, com este a metê-la lá dentro, à ponta-de-lança, já no tempo extra (90'+2). Culminando uma exemplar construção colectiva que envolveu 33 toques de bola ao longo de minuto e meio.

Se na primeira parte o domínio foi todo nosso sem se traduzir em vantagem no marcador, à semelhança do que sucedera com a Espanha na véspera, na segunda cedemos parte desse domínio mas marcámos três a uma selecção que vinha de onze jogos seguidos sem perder. Ganhámos com a transição, impondo a nossa condição de campeões europeus. Conseguindo, logo ao primeiro embate, passaporte para a fase seguinte do torneio.

E o que interessa no futebol é isto.

 

Hungria, 0 - Portugal, 3

.................................................

 

Os jogadores portugueses, um a um:

 

Rui Patrício - Sofreu um golo, logo anulado por flagrante fora de jogo. De resto, pouco trabalho. Fez a primeira defesa (fácil) quando já estavam decorridos 37'. Atento entre os postes, impediu danos para as nossas redes aos 57' e aos 73'. Intransponível, uma vez mais.

 

Nelson Semedo - Chamado a titular por impedimento de João Cancelo, foi o elemento mais fraco do nosso quarteto defensivo. Arriscou muitas incursões pelo flanco direito, mas foram quase todas inconsequentes. Precisa de melhorar nos cruzamentos: falhou em excesso.

 

Pepe - Pilar da selecção. Aos 38 anos, continua sem acusar desgaste físico. Comandou o reduto defensivo, ganhou duelos, limpou a sua área, revelou-se exímio nos passes longos. E quando foi preciso aliviou sem rodeios. Esteve quase a marcar, de cabeça, aos 47'. Merecia esse golo.

 

Rúben Dias - Articulou-se bem com Pepe: ambos formam hoje o dueto indiscutível de centrais titulares da equipa das quinas. Pecou às vezes por excesso de contundência: num desses lances, aos 38', viu o cartão amarelo. Não havia necessidade.

 

Raphael Guerreiro - Fernando Santos renovou-lhe a confiança: o lateral esquerdo é campeão europeu e fez boa temporada ao serviço do Borussia Dortmund, conquistando a Taça alemã. Reforçou a titularidade com o golo agora marcado, que veio desfazer o nulo inicial aos 84'.

 

Danilo - Médio mais recuado, muito posicional, destacou-se sobretudo na recuperação de bolas - merecem aplauso as que fez aos 13' e aos 61', por exemplo. Articulou-se bem com Willliam no eixo do terreno, revelando segurança no transporte e precisão no passe.

 

William Carvalho - Teve uma temporada apagada no campeonato espanhol, mas ninguém diria ao vê-lo neste jogo em que confirmou as qualidades que já lhe conhecíamos: voltou a ser crucial na consistência da equipa, à semelhança do que sucedeu no Euro-2016. Saiu esgotado aos 81'.

 

Bruno Fernandes - Primeira parte apagada. Foi-se soltando mais e integrando-se melhor na manobra ofensiva, culminando no tiro à baliza húngara que Gulacis travou com a defesa da noite (68'). É ele quem começa a construir o primeiro golo com um passe de ruptura. Saiu aos 89'.

 

Bernardo Silva - Talvez o mais fraco desempenho no nosso onze inicial. Arriscou várias vezes o drible, procurando fazer uso da sua técnica individual, mas quase nunca criou desequilíbrios. Abusou do individualismo. Foi bem substituído aos 71', tendo saído já tarde de mais.

 

Diogo Jota - O avançado do Liverpool anda de pé quente, mas desta vez não facturou. Teve uma das perdidas da noite ao optar pelo remate, aos 5', com CR7 a seu lado, isolado, em posição frontal. Esteve melhor num remate à meia-volta, aos 40', parado pelo guarda-redes. Saiu aos 81'.

 

Cristiano Ronaldo - Assobiadíssimo sempre que tocava na bola, o capitão não se atemorizou. Foi procurando sempre o golo e acabou recompensado: marcou dois. É o quinto Europeu em que consegue facturar. Está a três golos de igualar o recorde de Ali Daei. Homem do jogo, aos 36 anos.

 

Rafa - Substituiu Bernardo aos 71'. Inicialmente nada lhe saiu bem: passes falhados, perdas de bola. Mas esteve nos três golos: remata frouxo provocando carambola que sobra para Raphael no primeiro; sofre o penálti no segundo; e é bem-sucedido nas tabelinhas que geram o terceiro.

 

Renato Sanches - Entrou aos 81', rendendo William Carvalho. Fez impor a sua boa condição física e a sua qualidade no transporte. O lance decisivo da grande penalidade começa a ser construído por ele ao ganhar uma bola dividida com eficácia e competência.

 

André Silva - O segundo maior marcador da Liga alemã entrou aos 81', para o lugar de Diogo Jota. Mostrou-se combativo, mas sem grande sucesso nos confrontos individuais. Muito marcado, esteve longe das zonas de tiro.

 

João Moutinho - Em campo a partir dos 89', substituindo Bruno Fernandes. Para queimar tempo, já com 2-0, e ajudar a segurar a bola. Cumpriu.

60 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D