Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

A BOLA

Lendo o texto de Pedro Correia sobre o nosso último jogo (é poesia a descrição que faz dos minutos 27, 34 e 76) um pensamento me ocorre: coitada da bola, tão mal a temos tratado.

 

«Era de couro, com recheio de estopa, a bola dos chineses. Os egípcios do tempo dos faraós fizeram-na com palha ou com cascas de grãos e envolveram-na em tecidos coloridos. Os gregos e os romanos usavam uma bexiga de boi, cheia de ar e cosida. Os europeus da Idade Média e do Renascimento disputavam uma bola oval, recheada de crina. Na América, feita de cauchu, a bola conseguiu ser saltitona como em nenhum outro sítio. Contam os cronistas da corte espanhola que Hernán Cortés pôs a pular uma bola mexicana e fê-la voar a grande altura, diante dos olhos arregalados do imperador Carlos.

A câmara de borracha, insuflada por uma bomba e coberta de couro, nasceu em meados do século passado, graças ao engenheiro Charles Goodyear, um norte-americano do Connecticut. E graças ao engenho de Tossolini, Valbonesi e Polo, tês argentinos de Córdova. Nasceu muito depois a bola sem costura de atacador. Eles inventaram a câmara co válvula, que se enchia por injecção, e desde o Mundial de 1938 tornou-se possível cabecear a bola sem se magoar com o cordão de couro que anteriormente a amarrava.

Até meados deste século. A bola foi castanha. Depois branca. Nos nossos dias, apresenta-se com diversos motivos em preto sobre fundo branco. Agora tem diâmetro de setenta centímetros e é revestida de poliuretano sobre espuma de polietileno. É impermeável, pesa menos de meio quilo e viaja mais rapidamente do que a velha bola de couro, que ficava impossível nos dias chuvosos.

Chamam-lhe muitos nomes: o esférico, a redondinha, a careca, o globo, o balão, o projéctil. No Brasil, no entanto, ninguém duvida que ela é mulher. Os brasileiros chamam-lhe gorguchinha, menina, e dão-lhe nomes como Maricota, Leonor ou Margarida.

Pelé beijou-a no Maracanã, quando marcou o seu milésimo golo, e Di Stefano erigiu-lhe um monumento à entrada de casa, uma bola de bronze com uma placa que diz: ‘Obrigado, velhota.’

Ela é fiel. Na final do Mundial de 1930, as duas selecções exigiram jogar com a sua própria bola. Sábio como Salomão, o árbitro decidiu que o primeiro tempo se disputaria com a bola argentina e o segundo tempo com abola uruguaia. A Argentina ganhou o primeiro tempo e o Uruguai o segundo. Mas a bola também tem as suas veleidades e às vezes não entra na rede porque muda de opinião no ar e se desvia. É que ela é muito melindrosa. Não suporta que a tratem aos pontapés, nem que lhe acertem por vingança. Exige que a acariciem, que a beijem, que adormeçam no peito ou no pé. É orgulhosa, talvez vaidosa, e não lhe faltam motivos: ela bem sabe que dá muitas alegrias a muitas almas quando se eleva com graça, e que são muitas as almas que ficam doridas quando ela cai mal.»

 

In.: GALEANO, Eduardo - Futebol ao sol e à sombra. 1ª ed. Lisboa : Antígona, 2019. pp. 32-33

9 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D