Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

8 minutos!

Sei de fonte segura que o Benfica, pela voz do vassalo Pedro Guerra, irá publicamente apresentar um projecto de revisão das regras do jogo.

Pretendem que passe a ter só 8 minutos!

Nunca tinha ouvido tanta gente a considerar que um jogo de futebol, que ainda tem 90 minutos, acabou aos 9 minutos.

Ia-me dando uma coisa

Que durante a primeira parte o nosso meio-campo não tenha conseguido articular três passes seguidos, que os laterais passassem a bola precisamente para onde não está o extremo, que os defesas centrais nos deixassem com o credo na boca ao cortarem sempre in extremis os sucessivos remates para o éter daquele rapaz com esgares do Becker do Marretas; com tudo isto sabemos viver, pela força do hábito.

Agora que em três tiros marquemos três golos, com uma proficiência letal e cirúrgica, isto é coisa inaudita e quase me provocou um treco no coração.

A segunda parte foi triste. Há que respeitar o adversário e continuar a aplicar intensidade no jogo como se ele fosse digno do esforço e é feio obrigá-lo a expor as suas insuficiências. Só foi pena que o astuto remate de Luisão não tenha entrado.

Derby é derby

E eu desta vez não vou. Com pena, continua a ser dos jogos de que mais gosto, é assumido. Estarei a torcer (e a contorcer-me de nervos) pelos nossos, como sempre, perto da imagem possível. 

Entretanto, quem como eu não pode acompanhar a ida ao vivo pode ver os vídeos do Sporting no snapchat procurando por sportingcp1906 - tem feito um excelente trabalho nas redes sociais, diga-se. Já fiz aquele caminho assim várias vezes, nunca me esqueço. 

Nas TVs "Derby polémico" já se tornou a normalidade, é sempre assim que os descrevem, já nem ligo. Todos sabemos o que mudou para uns e para outros, e por mais que à hora do jogo saiba que vou estar nervosíssima, entendo perfeitamente que são estes pormenores que apimentam ainda mais os, lá está, derbies já polémicos de si. Vou ter pena de não assistir às picardias ao vivo, ouvir os cânticos, e rir ou irritar-me conforme o lado e o andamento do marcador. É também disso que vive um derby ao vivo, e é muita essa a minha pena por não estar.

De resto, que Matheus e companhia nos dêem nova alegria.

Sporting-Benfica (desculpa pai)

image.jpg

Em casa dos meus pais o confronto dos clubes lisboetas era um momento solene. Como os crentes se vestem para missa, assim mãe e pai se preparavam para aqueles noventa minutos que teimavam em não caber em nenhum relógio. De semblantes sérios, cada um com o seu rádio, e em divisões diferentes, pois partilhavam a vida mas não a mesma equipa. Se o clube do outro ganhava ficavam horas, por vezes dias sem se falar, nunca atravessando o limite do regressável. Em certos dias de futebol tinham zangas que eram falsos tremores de terra, não a mando de caprichos magmáticos, mas desse capricho maior que é um Sporting-Benfica. Depois reconstruíam-se, inabaláveis, até ao próximo jogo.

Escreveu o Mia Couto que "não é o voarmos sobre os lugares que marca a memória. É o quanto esses lugares continuarão voando dentro de nós". Debruço-me muitas e muitas vezes sobre o quintal da minha infância, que não é um lugar, mas uma moldura para vida, e sorrio ao lembrar essa paixão que os separava como margens de um rio e os costurava.

Herdei dos pais o fascínio pelo futebol e, tal como não se consegue amar dois homens incondicionalmente ao mesmo tempo, sem trair um deles, ou os dois, não se consegue amar dois clubes. O meu coração escolheu o Sporting (desculpa pai).

Com a mãe sportinguista de sempre aprendi que poesia do futebol não está no golo. O encanto é que uma partida é sempre mais o resultado. São as emoções, o atropelo no peito, os suspiros, os silêncios, os olhares, tudo o que escapa aos comentadores.

Com o pai benfiquista aprendi que entre a vitória real e a moral há margem para todos os argumentos. Que importa o não-ter-sido? ( bem por acaso neste domingo até importa, desculpa pai).

Para os mais "desentendidos" que por aqui passam

Dentre os quais alguns dos "nossos", a quem tantas comichões causa este corte de relações, cá vai a explicação de haver tanta camisola preta naquele sector do estádio:

 

18018337_w3DrP[1].jpg

  

A verdade é que tenho andado há uns dias a hesitar em colocar esta imagem asquerosa aqui no blog, pensando se não é intenção da besta que a publicou no seu blog essa mesmo, a de a fazer difundir por aí e passar a mensagem. No entanto, perante o desconforto mostrado por alguns sportinguistas pelo corte de relações com o Benfica (eu ia dizer a agremiação da Luz, mas é bom que se diga o nome do prevaricador), parece-me que poderá ajudar alguns a perceberem o que foi arquitectado para o passado fim de semana. E, palavras todas ditas, o (que foi) arquitectado foi, nem mais nem menos, um assassinato premeditado! que começou com uma faixa na sexta, dia 6, na segunda circular (frente ao estádio do Benfica), que continuou com outra faixa e cânticos ameaçadores, dia 7, no futsal (no pavilhão do Benfica, na presença do presidente do Benfica, Luis Filipe Vieira, o que o coloca na cadeira de conivente), que continuou no dia 8 no futebol com petardos e very lights atirados a eito (da bancada onde estavam as claques do Benfica) contra as bancadas onde se encontravam exclusivamente sócios e adeptos do Sporting e que terminou na segunda, dia 9, com a declaração baixa e soez do execrável Gabriel (porta-voz ou assessor, ou o diabo a quatro, do Benfica)! Perante estes factos, e ao contrário do que até escrevi num comentário abaixo, cada vez me convenço mais da responsabilidade da direcção do Benfica neste assunto. Tal como diz Pedro Correia aqui, se quem não se sente, não é filho de boa gente, também se pode dizer, neste caso, que quem cala, consente.

E, por favor, todos sabemos o que são as claques, mas não venhamos para aqui com o argumento de que são todas iguais. Serão eventualmente semelhantes, mas... Há umas que matam! E não são as nossas.

 

E, perante os sinais dados na sexta e no sábado, há ainda uma entidade a quem terá que ser pedida responsabilidade: a PSP! O que andam os seus elementos vocacionados para este assunto a fazer? os tais de spotters servem apenas para mostrar o físico? Essa tal de Unidade Metropolitana de Informações Desportivas andou distraída todo o fim de semana? inclusive na revista aos potenciais assassinos?

Acaso passou pela cabeça destes senhores que poderia ter havido outro derby na quarta-feira passada?

 

Vamos esperar, mas se as medidas punitivas tiverem a ver com o facto defendido por uma distinta rameira   travestida de jornalista no Record, de que se não houve feridos de monta, não há nada que castigar, estamos conversados. Talvez seja disso mesmo que estão há espera. Todos. Que morra mais alguém. Não contem comigo para me calar e fica aqui o meu compromisso: regularmente, se não houver consequências, publicarei aqui um post alusivo ao assunto. Para não ser, também eu, acusado de homicídio por omissão.

 

Claro que esperar por consequências para os criminosos e para o seu clube é mister algo demorado, senão impossível. À cautela, aqui no blog, já substituímos o cadeirão pelo sofá, sempre é mais confortável.

 

O nojo que isto me mete, senhores!

Ora vamos lá, mais 236 (Duzentos e Trinta e Seis) euros de multa!

E assim o gordo vai endireitando as contas da ILGA, perdão, da Liga, da Liga!

Esperamos ansiosamente por um comunicado e uma tomada de posição, dura, do Sporting, que já tarda.

Gostava que os "nossos" comentadores hoje nem se preocupassem tanto com foras de jogo, com faltas e faltinhas e com banhos de bola. O foco hoje tem que ser isto: nós recebemos bem e somos tratados desta forma.

Caso para perguntar: onde pára a polícia?

 

http://gfycat.com/EcstaticPleasedBlacklemur

 

É difícil

Mais uma vez ficou provado que é difícil ganhar às equipas que vêm a Alvalade para não perder.

Mais difícil ainda é vencer aquelas que não vêm sequer para ganhar!

Até já ouvi um palerma na TSF a elogiar o génio do mestre da pastilha. Ele há com cada um...

Notas sobre o derby da Taça de Honra de Lisboa e sobre a pré-época

Vi com atenção o derby da Taça de Honra de Lisboa e fiquei satisfeito. A vitória assume um significado muito importante não porque represente alguma coisa do que a época nos vai trazer mas antes porque é fundamental para motivar os sócios e adeptos. Afinal, vencer o maior dos rivais é sempre um bálsamo importante.

A equipa está organizada e Marco Silva parece ter optado por não fazer grandes mudanças estruturais. Os reforços - os que jogaram - não aparentam ser jogadores que neste momento consigam entrar directamente na equipa mas ajudam na construção do plantel e, sobretudo, do banco de suplentes. Importa salientar que esta época terá, pelo menos, mais dez jogos do que anterior: 6 garantidos na Liga dos Campeões e 4 no campeonato. Há, portanto, mais oportunidades para cada um deles.

 

 

Uma vitória saborosíssima

Dois anos consecutivos, duas vitórias. O Sporting venceu hoje o primeiro troféu oficial da nova temporada ao derrotar o Benfica na final da Taça de Honra da Associação de Futebol de Lisboa, uma competição com sólidas tradições.

É também a primeira vitória do nosso novo treinador, Marco Silva, contra o mais histórico dos nossos rivais e também o seu primeiro triunfo absoluto, enquanto técnico, num dérbi.

 

O Sporting dominou durante quase todo o encontro e deu mesmo a impressão, em vários momentos do jogo, que era a única equipa em campo realmente com vontade de vencer. Julgo que o onze titular que Marco Silva fez alinhar no Restelo se aproxima do conjunto-base que teremos ao longo da temporada. Hoje já sem Wilson Eduardo, o melhor jogador leonino no jogo da meia-final frente ao Belenenses: este médio, formado na Academia de Alcochete, jogará por empréstimo no Dínamo de Zagrebe.

Sob apoio de uma enérgica claque leonina, o Sporting não só se sagrou vencedor mas começa também a convencer. Com o golo da vitória a ser novamente marcado por André Martins, desta vez em lance corrido, aproveitando uma excelente abertura de Carrillo ("com alguma sorte", disse o narrador da BTV, numa tentativa falhada de ter sentido de humor).

 

Foi uma vitória saborosíssima, também por prenunciar outras sob o comando técnico do sucessor de Leonardo Jardim.

Este Sporting ainda em construção já se apresenta de forma bem organizada, sobretudo no processo defensivo, fechando bem o sector mais recuado (com Oriol Rosell funcionando por vezes como uma espécie de terceiro central, o que facilita a subida dos laterais), e uma linha intermédia muito móvel em que se destaca naturalmente a classe de Adrien Silva, hoje o melhor em campo.

Foi um enorme disparate - para não usar uma linguagem mais contundente - deixá-lo fora da lista dos jogadores convocados para o Mundial do Brasil. Um erro grave de Paulo Bento, como na altura escrevi aqui.

 

As maiores incógnitas estão na nossa linha avançada, bastante menos definida. Montero voltou hoje a fazer uma partida muito apagada, Carrillo jogou acima da média revelada na época 2013/14 (uma assistência para golo e uma bola atirada ao poste) e Capel foi igual a si próprio, arrancando várias faltas à defesa benfiquista.

Jogaram também Carlos Mané, muito ausente da partida, e Heldon, que não teve tempo para se destacar.

Dos reforços leoninos Rosell continua a merecer destaque. Slavchev já demonstrou esta noite maior potencial e Tanaka movimenta-se bem na área. João Mário, que só alinhou na segunda parte, candidata-se cada vez mais a titular do novo Sporting. Com todo o mérito.

Ping-ping.

As minhas experiências de ténis de mesa ficaram no liceu (nem era muito mau), e desde aí que não ligo muito. Do ténis de mesa do Sporting só tenho duas lembranças, uma de quando vi um treino, enquanto esperava para comprar um bilhete para o futsal na secretaria das modalidades, e fiquei fascinado com a velocidade do jogo, e a outra de quando um jogador tentou, sem sucesso, sacar o número de telefone à minha irmã.

 

No entanto, vencer por goleada no terreno dos nossos rivais é sempre digno de destaque. Foram dois jogos, na Luz: o Sporting ganhou 4 - 0 aos lampiões A, e o Sporting B ganhou também por 4 - 0 aos lampiões B. Caiu tudo para o mesmo lado, foi mais ping-ping do que ping-pong. Muitos parabéns, e boa sorte para trazerem mais um campeonato para onde ele merece estar!

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D