Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Abecedário do debate de ontem

 

ALVERCA. Com José Couceiro ao leme, o Alverca "desceu de divisão". Frase proferida por Bruno de Carvalho, que jogou mais ao ataque no debate de ontem à noite, na RTP informação, do que fizera no anterior, realizado nos estúdios da SIC Notícias. Não só ele: Carlos Severino e José Couceiro fizeram o mesmo. 

 

BARBOSA. Foi uma das escassas novidades do debate: se for eleito, Couceiro terá Pedro Barbosa como seu braço direito para o futebol, nas funções de director desportivo.

 

CRUYFF. Carlos Severino invocou demasiadas vezes o nome de Cruyff - uma das lendas do futebol - para caucionar a sua candidatura. Falou com tanto exagero que não evitou sorrisos irónicos dos antagonistas.

 

DEBATE. Foi o segundo e último desta campanha. Lamentavelmente, não houve nenhum debate televisivo em sinal aberto. Soube a pouco.

 

EMPRESÁRIO. "Eu sei porque é que o José Couceiro não fala do Izmailov. Porque o empresário do Izmailov é o mesmo empresário do José Couceiro para a Rússia, é aquele que o poderia colocar lá novamente." Uma acusação de Severino que ficou por demonstrar. O remate saiu-lhe ao lado. 

 

FINANÇAS. Couceiro não tem um responsável financeiro na sua lista eleitoral porque diz confiar nos dois que já trabalham no Sporting. Custa a crer.

 

'GAFFE'. O candidato da lista C, ex-treinador no Dragão, queria dizer "Sporting" e disse "Porto". Foi a maior gaffe deste debate.

 

HELDER. O moderador foi o jornalista Helder Conduto. Suscitou a acutilância que o momento televisivo exigia, mas lutou sempre contra o tempo: o debate devia ter durado mais meia hora.

 

INCOMPETENTE. Quando o debate aqueceu, já na recta final, Carvalho chamou incompetente a Couceiro. Esta mensagem não cola com outra, já confirmada pelo mais jovem dos três candidatos, que em 2011 convidou Couceiro a integrar a sua equipa: ninguém convida um incompetente.

 

 

JESUALDO. Se forem eleitos, Bruno de Carvalho e José Couceiro manterão Jesualdo Ferreira como treinador da equipa principal de futebol. Severino tem outra preferência: Jorge Jesus. Se não for agora, pode ser daqui a três anos. E também começa por J.

 

KO. Não houve. Mas Carvalho ganhou aos pontos. Repetindo a vitória tangencial do primeiro debate.

 

LOBO. Pela segunda vez, Bruno aludiu a Luís Freitas Lobo como elemento da estrutura do futebol em Alvalde. Faltou-lhe especificar em que função concreta.

 

MODALIDADES. Tal como no outro debate, falou-se na recuperação das modalidades. Ciclismo, hóquei em patins e voleibol. Passar das palavras aos actos é um dos principais desafios da próxima direcção nesta matéria.

 

NERVOS. Severino voltou a ser o mais nervoso dos três, como já tinha sucedido no debate anterior. E, a certa altura, conseguiu enervar Couceiro. Carvalho foi o mais sereno.

 

OPORTUNISTA. Foi um dos epítetos com que Severino brindou Couceiro. Não havia necessidade de vermos um debate descambar para algo que copia o pior da política. Mas este descambou mesmo.

 

PRESIDENCIÁVEL. Bruno de Carvalho falou o tempo todo como se acreditasse que será eleito. Nunca pôs o verbo no condicional. Pareceu mais presidenciável do que os outros dois.

 

 

QUENTE. O debate anterior, na SIC Notícias, tinha sido morno. Este foi quente. Quase escaldante.

 

REMUNERAÇÃO. Deve o presidente do Sporting ser remunerado? Bruno de Carvalho e José Couceiro acham que sim. Só Carlos Severino está pronto a trabalhar de borla.

 

SALOMÃO. Diogo Salomão é um dos jogadores emprestados pelo Sporting que Severino mandaria regressar a Alvalade. Outros seriam Wilson Eduardo e André Santos.

 

TÍTULO. Daqui a três anos o Sporting voltará "de certeza" a ser candidato ao título, assegurou Severino. Os outros candidatos, mais prudentes, nada prometeram.

 

UNIÃO. Uma palavra que esteve ausente do debate. Mas o Sporting precisa dela, mais que nunca.

 

VENDA. "Quando entrei no Sporting, em 2011, o Izmailov estava vendido ao FC Porto, tenho documentos a comprová-lo. Fui eu quem impediu a sua venda." Foi talvez a maior revelação do debate, da boca de Couceiro. Dois anos depois, a venda consumou-se.

 

WOLFSWINKEL. "Alguém demissionário não deve fazer negócios", protestou Bruno. "Quando se tomar posse apuram-se as questões", considerou Couceiro. Carlos Severino foi mais longe: ameaçou impugnar a transferência de Wolfswinkel, anunciada a três dias do fim do mandato de Godinho Lopes.

 

XANDÃO. Ninguém falou dele. Nem fez falta no debate. Figura aqui só para preencher o X, que é sempre a letra mais complicada.

 

YAZALDE. De Yazalde também ninguém falou, claro. Esses eram outros tempos, do Sporting campeão com o inesquecível craque argentino sempre a facturar. Bruno de Carvalho gatinhava, José Couceiro era adolescente em Angola e Carlos Severino andava na tropa. Nenhum deles sonhava concorrer à presidência do clube, então confiada ao recém-falecido João Rocha. Bons tempos.

 

ZERO. "Você é zero", disse Couceiro a Carvalho. Ficou-lhe mal. Por revelar nervosismo. E porque há formas muito menos deselegantes de desqualificar um adversário.

8 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D