Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Três erros históricos

Na sequência do texto do Adelino Cunha a expressar o seu ponto de vista sobre os piores presidentes da história recente do Sporting, julgo relevante exprimir, no meu ponto de vista, quais terão sido, não os piores presidentes, mas os piores erros de gestão.

 

Excluo as saídas das principais pérolas da Academia (Figo, que saiu praticamente de graça, e Cristiano Ronaldo, vendido muito barato bem antes do tempo - um "negócio à Bettencourt"), pois esses terão sido erros de gestão financeira. Refiro-me mesmo a erros desportivos.

 

Talvez tudo tenha começado com a saída de Malcolm Allison do comando da equipa, conforme um leitor comentou no texto do Adelino. Esse talvez tenha sido o "erro zero". Mas, nos últimos 30 anos, os erros principais, por ordem cronológica, a meu ver foram:

 

  • a saída de Futre para o Porto em 1984;
  • o despedimento de Bobby Robson (contratado logo de seguida pelo Porto) em 1994;
  • a venda de João Moutinho ao Porto em 2010.

Os três erros tiveram como único beneficiário o FC Porto de Pinto da Costa.

 

Antes da contratação de Futre, Pinto da Costa ainda não havia sido campeão nacional (e o FC Porto era um clube em tudo inferior ao Sporting). Depois de contratar Futre, o FC Porto foi bicampeão nacional e campeão europeu (algo que o Sporting nunca foi).

 

Bobby Robson, nunca é de mais lembrar, saiu quando o Sporting era líder do campeonato. Foi para o Porto e logo nesse ano ganhou a Taça frente ao Sporting. Deu início ao "penta" - até então o recorde de títulos consecutivos era do Sporting. Mais importante: foi graças a esse penta que o FC Porto ultrapassou o Sporting em número de títulos, num fosso que se tem vindo a alargar. Quando Robson treinava o Sporting, o clube ainda tinha mais títulos que o Porto. A saída deste treinador representou portanto um ponto de viragem. Tal como a de Futre. Sempre graças ao Sporting.

 

João Moutinho era o capitão da equipa. Não faz sentido, em lugar nenhum, um clube reforçar um adversário direto. O significado da saída de Moutinho é esse: o Sporting reconhece que o Porto deixou de ser um seu adversário direto. Não disputam os mesmos objetivos. Tem sido assim desde que Moutinho saiu. Esta saída, embora por si só não justifique toda esta realidade, é dela o seu maior símbolo.

 

Convém recordar o nome dos presidentes responsáveis por estas decisões: João Rocha, José Sousa Cintra e José Eduardo Bettencourt. No caso dos dois primeiros, as suas longas presidências tiveram aspetos positivos e negativos. Não consigo mencionar um aspeto positivo da presidência do último.

6 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D