Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Chega de aguentar!*

Após inúmeras solicitações de amigos com contactos privilegiados na Banca e sentindo que existe efectivamente uma vaga de fundo que congrega sócios e adeptos das mais variadas tendências, aceitei – não sem ouvir a opinião da minha mulher, filhos e família em geral – apresentar a minha candidatura à presidência do Sporting Clube de Portugal.

Alguns de vós, embora poucos porque os sportinguistas conhecem-me, perguntarão porventura porquê. Espanta-os, quiçá, que uma individualidade com as minhas responsabilidades públicas opte por entregar-se, de alma e coração, a uma causa que muitos dão como perdida.

Tenho também ouvido os críticos do costume chalacearem com o facto de a lista de putativos candidatos (a palavra é do mais clássico latim) à presidência do clube já ter a extensão da lista telefónica de Shangai. "Mais um para quê?", interrogam-se com um esgar de desdém. Pois não serão eles a demover-me desta decisão, a qual, uma vez tomada, abraço em simultâneo com a razão e o coração.

Os sportinguistas são Portugueses. Parece uma verdade digna do senhor de La Palisse mas sucede que somos, mais do que isso, os mais Portugueses entre os Portugueses, porque nenhuma outra instituição tem padecido de tantas similitudes com o próprio país; Vivemos sem dinheiro, protestamos sem que os protestos sirvam para alguma coisa, ansiamos por uma ajuda financeira externa que nos ponha de uma vez por todas equilíbrio nas contas e, internamente, desperdiçamos tempo e energia em querelas intestinas que dão ao acessório a aparência do essencial. Mas, parafreaseando Fernando Ulrich, vamos aguentando.

É esse mesmo, aliás, o mote da minha candidatura: “Chega de Aguentar!”. Em breve, numa conferência de imprensa de formato completamente inovador porque dará aos jornalistas presentes a possibilidade de fazerem todas as perguntas que entenderem, será apresentado em detalhe o programa desta  mesma candidatura.

Ela não fará tábua rasa das lições do Passado, porque aquilo que não aprendemos com os erros (os nossos e os alheios) não nos permite progredir. Mas é o diagnóstico certeiro do Presente que norteará o desiderato capaz de orientar o Futuro. Pensemos na constelação do Leão. Ela inclui a estrela Regulus, que entre os árabes era chamada Qalb al-Asad. “O Coração do Leão”. Chega, pois, de aguentar. É no âmago desse coração de Leão que devemos encontrar a coragem e a audácia para rompermos com a choraminguice e darmos o salto que se impõe.

E dito isto, certo de que já perceberam que brinco, peço-vos que encontrem nas entrelinhas do meu sentido de humor o que elas contêm de seriedade. Como diz o povo: “A brincar, a brincar, se dizem as verdades”. Porfiemos.

*Amanhã em versão impressa no Jornal do Sporting (Where else?) 

6 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D