Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Da série "Os nossos ídolos" (em substituição e em protesto)

      

 

Quando entrou em nossa casa, tinha cerca de 2 meses. Andava abandonado na rua, mas tinha uns olhos meiguíssimos. Após uma votação renhida, decidimos adoptá-lo, impunha-se agora escolher um nome. "Mãe, um nome à Sporting, por favor!" 

 

Ok. Liedson foi a primeira proposta, quase em uníssono. Porém, algo naquele momento me fez recuar. Não, Liedson não. Apesar de gostar muito dele, sei que está de passagem pelo Sporting, e um dia será jogador de outro clube e ainda nos dá algum desgosto. Tem de ser um nome indiscutivelmente sportinguista, ligado ao clube para a eternidade. Outra vez em uníssono: Stromp.

 

Foi assim que o Stromp chegou à nossa casa. Por estes dias deve estar a completar os 3 anos de vida, e hoje, como no primeiro dia, recebeu-me outra vez no quintal com aquela devoção que é própria de quem é incapaz de uma traição.

 

Eu venho aqui pedir desculpas. Devia ter sido tão rigorosa ao escolher o meu ídolo para esta série de posts como fui ao escolher o nome do cão.

 

 

Fundador eclético, e jogador de magníficos recursos, Francisco Stromp, foi o primeiro grande capitão e treinador de futebol do Sporting Clube de Portugal. Nascido em 1892, é perpetuamente o sócio nº. 3, número que possuía quando faleceu, em 1930.


Respeitado por companheiros e adversários, atleta de eleição, Stromp comandou a equipa campeã de Portugal em 1923, marcando o primeiro golo da final. Também se sagrou campeão nacional do disco. Foi duas vezes vice-presidente do Sporting.

As palavras que proferiu após a vitória do Campeonato de Lisboa em 1923, definem bem o espírito do Sporting: 

“Ganhámos o Campeonato de Lisboa sem contestação dos nossos adversários e, até, com aplausos de todos eles. É isto um dos mais saborosos frutos do nosso trabalho. Ainda não chegámos ao fim. Agora vamos disputar o Campeonato de Portugal. Pretendemos ganhá-lo da mesma forma, sem contestação. A nossa vitória no Campeonato de Lisboa não se deve ao valor individual dos componentes da nossa equipa. Deve-se principalmente à correcção que todos soubemos manter em todos os jogos que fizemos, à assiduidade aos treinos que todos compreenderam serem necessários para vencer e à disciplina que me orgulho de ter sabido manter, não usando outros meios que não fossem a evocação da amizade que por todos tenho e aquela que todos temos pelo Sporting Clube de Portugal. Confio novamente na vontade de todos para poder triunfar. Continuaremos a trabalhar sem um desfalecimento."

2 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D