Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

O burro e o leão*

Era uma vez um burro, que andava muito feliz. Na quinta onde vivia, achava-se o rei do espaço. Cada vez que zurrava, as galinhas, os patos e os perus assustavam-se e recolhiam ao seu canto. Cada vez que aparecia, os porcos, as cabras e as ovelhas tremiam de medo. O burro pensava que era o rei dos animais...

Como todos sabemos, vozes de burro não chegam ao céu, mas chegaram aos ouvidos do leão, que resolveu investigar quem era este animal que se dizia rei e que os restantes tanto pareciam temer.

E, como estava bem disposto e até tinha comido bem, resolveu ter um pequeno “tête-à-tête” com o burro. Quando este o viu, estremeceu de medo, mas achou que o leão estaria fraco para reagir. Por outro lado, estando o burro rodeado dos outros animais, subservientes e temerosos, seria de mau tom dar parte fraca e fugir. Tinha, no fundo, a coragem dos simples e dos ignorantes. Não é por nos acharmos poderosos que, de facto, somos...

O leão confrontou o burro e perguntou-lhe porque razão é que este se achava e se intitulava o rei dos animais. De onde é que vinha esta mania das grandezas? Em que é que o burro se baseava para tentar usurpar um título que, desde sempre, foi atribuído ao leão?

Sem perceber a fina ironia, o burro lá explicou que se tinha imposto pela força da sua voz. E resolveu mostrar isso mesmo ao leão. Zurrou como nunca tinha zurrado, assustando todos os animais da quinta. O leão, impávido e sereno, apenas replicou que a voz impressionava, mas que o burro mostrasse o tamanho da sua sombra.
Agora é que o burro estava baralhado. Mas o leão explicou. E levantou-se. E, ao fazê-lo, a sua sombra extendeu-se sobre a quinta, cobrindo a capoeira, a coelheira, o estábulo e a casa. E, lá dentro, todos os animais vociferaram em pânico, temendo a sombra do leão.

E depois, veio o silêncio. Um silêncio pesado, de chumbo, daqueles que antecedem as tempestades, ou os inícios de uma grande batalha. Como se, com a sua sombra projectada, o leão tivesse transformado o dia em noite. Ao ver a imponência do leão, o burro finalmente percebeu: O leão era, como sempre tinha sido, o rei do animais. De todos os animais.

E afastou-se, com as orelhas caídas.O exemplo estava dado. A insubordinação animal anulada. Pausada e majestosamente, o leão afastou-se e continuou o seu caminho.

*Adaptação de um conto infantil escrito por António Torrado. Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência...

(Artigo desta semana publicado no jornal do Sporting)

3 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D