Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

A falta de auto-estima portuguesa

 

 

Uma das coisas que me angustia na sociedade portuguesa é a falta de auto-estima, a incapacidade de valorizar o que de bem se faz no país, e apoiar os bons agentes sociais, os competentes que tanto desenvolvem o país.

 

Ora neste mundo global, super-competitivo, e de enorme expansão das "indústrias" de entretenimento, em tempos ditas de "conteúdos", é notório que o futebol é o desporto mais importante e nisso o espectáculo desportivo mais seguido, e apaixonadamente, por milhares de milhões de espectadores. Nesse âmbito é surpreendente que um país com a dimensão demográfica como o nosso tenha tamanha importância, tamanho sucesso. Não apenas na pleiâde de jogadores aparecidos nos últimos anos - e não falo apenas dos absolutamente fora-de-série, com Futre, Rui Costa, Figo ou Ronaldo, mas também de dezenas de excelentes jogadores, com excelentes carreiras internacionais, tornando o país num grande "exportador" desta mão-de-obra artística. Falo também do sucesso da nossa selecção sénior, nas últimas décadas sempre no topo do rigíssimo ranking da FIFA e com excelentes desempenhos nas grandes competições internacionais. Acompanhado do bom comportamento das selecções dos escalões mais jovens. Tudo isso, como é óbvio, sublinhado pelas excelentes prestações dos clubes portugueses nas competições europeias, que colocam Portugal também no topo desse ranking, bem à frente de países com demografias bem mais extensas, desenvolvimentos socioeconómicos e da indústria comunicacional, e suas receitas, bem superiores, e nos quais também habita um grande interesse nacional pelo fenómeno futebolístico.

 

Tudo isto convém lembrar. Tudo isto convém convocar ao referir o campeonato nacional (ou a liga, como se diz agora). Porque sendo o campeonato-sede de um futebol de tamanho gabarito, ele tem um excelente nível. Talvez não tão visível devido ao centramento das atenções, dos orgãos de informação e também dos adeptos, nos históricos três grandes clubes. Mas é óbvio que este campeonato, palco de grandes jogadores nacionais (tantos deles exportáveis) e estrangeiros (um verdadeiro trampolim para os campeonatos mais ricos), é de excelso nível.

 

Com tudo dito parece-me óbvio que só a falta de auto-estima nacional é que implica que o campeonato nacional da I divisão tenha apenas 16 clubes. Pela sua qualidade merece, pelo menos, ter 18 clubes concorrentes - não é que o Sporting tenha algo a ganhar com isso, claro ...

2 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D