Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Ser Sporting

Sou SPORTING desde que me conheço, pelo fervor da minha mãe, e preza-me dizer que o meu sportinguismo nunca vacilou através dos anos perante algumas das adversidades que surgiram no curso, quer sejam resultados desportivos ou, até, qualquer eventual contrariedade à minha preferência sobre a constituição dos seus orgãos sociais. Procuro não me precipitar no juízo que faço das outras pessoas e não me considero mais sportinguista do que qualquer outro, reconhecendo que cada um vive o Sporting à sua maneira e mediante os meios ao seu dispor. 

Preservo três eventos de maior estima no meu álbum de memórias verdes-e-brancas: 18 de Março de 1964, a espectacular vitória em Alvalade sobre o Manchester United de Bobby Charlton, por 5-0 - 15 de Maio de 1964, o histórico cantinho do Morais em Antuérpia que selou a conquista da Taça das Taças e, por fim, a inesquecível viagem de autocarro do Vidal Pinheiro até Lisboa, na noite de 14 de Maio de 2000, quando o País do Norte ao Sul saiu à rua como nunca se vira antes (ou depois) em Portugal.

A vida permitiu-me ver o Sporting pelos relvados do mundo e ainda tive a honra e o privilégio de o defrontar - de coração dividido - em diversas ocasiões. Como muitos milhares de sportinguistas vivi e sofri o jejum de 18 anos e diversos outros períodos de menor agrado da sua gloriosa história, mas, por tudo isto, não tenho memória de jamais me sentir tão emocionalmente assolado, como de há uns tempos a esta parte. Não tanto pela ausência de títulos e resultados, nem sequer pelo conturbado período que vive pelas suas dificuldades estruturais e financeiras, mas indubitavelmente mais pelo excruciante clima de negativismo que o rodeia e o aviltamento de anarquismo por oportunistas, que o impugna, frequente e impiedosamente, e ameaça asfixiar a sua existência. Identificado que está o carácter da manifestação, não existe causa para aceitar a razão de ser dos seus impassíveis extremos. Só sei «Ser Sporting» apoiando-o incondicionalmente, sobretudo nos piores momentos, e apenas me resta desejar que todos aqueles que contribuem para  a insalubridade do momento façam pausa para reflectir e reconhecer que é imperativo que a sua mais digna essência seja recuperada, quanto antes, não sejam os danos irreparáveis.

 

6 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D