Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

A ver o Europeu (1)

Portugal estreou-se hoje a perder contra a Alemanha, uma das selecções favoritas para a conquista do Campeonato da Europa em futebol. Foi uma derrota amarga. Porque todos quantos vimos o jogo disputado em Lviv, na Ucrânia, ficámos com a sensação de que a vitória chegou a estar ao nosso alcance. Com duas bolas ao poste e um falhanço quase imperdoável de Silvestre Varela frente ao guardião adversário, Neuer, mesmo à beira do fim do encontro. Um pouco mais de ousadia do onze nacional, que jogou quase sempre com grande disciplina táctica, teria bastado para dar a volta ao resultado num desafio em que a selecção nacional dispôs de oito cantos contra apenas um dos alemães.

O nosso maior problema, como tantas vezes tem sido apontado, é a falta de capacidade de concretização em lances decisivos junto à baliza adversária. Foi, uma vez mais, o que sucedeu. Resta-nos uma consolação: estamos bem acompanhados neste grupo B, pois a Holanda - outra selecção candidata à conquista do Euro 2012 - perdeu por idêntica marca, no confronto com a Dinamarca, ocorrido três horas antes. E resta-nos uma certeza: o jogo da próxima quarta-feira contra os dinamarqueses será decisivo.

Uma espécie de tudo ou nada. Portugal até costuma dar-se bem em jogos desse género.

 

Alemanha, 1 - Portugal, 0

.................................................

 

Os jogadores portugueses, um a um:

 

Rui Patrício - Sempre atento. Seguro. O mais jovem guarda-redes português em fases finais do Europeu não teve culpa no golo solitário, sofrido aos 72'.

 

João Pereira - Receoso, ousou muito menos jogadas ofensivas pelo seu flanco em comparação com Fábio Coentrão, do lado esquerdo. Nem sempre a combinação com Nani resultou, sobretudo na primeira parte. Revelou algumas dificuldades no confronto com Podolski. E teve culpas no golo alemão, marcado por Mario Gómez.

 

Bruno Alves - Muito concentrado. Com grande capacidade de entrega ao jogo e eficaz na neutralização das ofensivas alemãs. Foi algumas vezes à baliza adversária, em lances de bola parada, para potenciar a sua elevada estatura, infelizmente sem resultados práticos.

 

Pepe - Travou alguns dos alemães mais perigosos, como Ozil, com a capacidade de entrega ao jogo que todos lhe reconhecemos. É um dos melhores centrais do mundo, muitas vezes imbatível na cobertura defensiva. E protagonizou aos 44' o lance mais perigoso de Portugal durante o desafio: um seu remate bem colocado, na sequência de um canto, fez a bola embater com estrondo na barra alemã e cair caprichosamente sobre a linha de baliza, sem a ultrapassar. Nota negativa: foi batido por Gómez no solitário golo alemão.

 

Fábio Coentrão - Um dos portugueses mais inconformados, manteve a imagem de marca que o tem caracterizado na selecção, assinando alguns dos raides mais perigosos da equipa nacional, geralmente em combinação com Cristiano Ronaldo. Recebeu um cartão amarelo aos 48'.

 

Miguel Veloso - Jogou sempre muito concentrado. Bom recuperador de bolas, seguro nos passes, mas com algum défice de ousadia.

 

Raul Meireles - Ficou a sensação de que a sua forma física está longe da ideal. Faltou-lhe muito do fulgor revelado durante a época ao serviço do Chelsea, em que marcou seis golos. O Raul Meireles a que estamos habituados não falharia tantos passes nem se deixaria bater tantas vezes pelos médios alemães. Foi substituído aos 80', aparentemente esgotado.

 

João Moutinho - Bom no passe, longo e curto: fez um excelente lançamento em profundidade que isolou Cristiano Ronaldo aos 63'. Bom no desarme aos adversários. Mas perdeu no confronto físico com os alemães, mais altos e mais duros.

 

Nani - Provavelmente o melhor português no estádio de Lviv, que tinha cerca de dois terços de alemães nas bancadas. Uma grande arrancada, aos 42', só abortou por ter sido travado em falta. Sempre inconformado, foi ganhando protagonismo na ala direita e merecia ter sido premiado com um golo aos 83' quando enviou a bola ao canto superior direito da baliza alemã num remate de grande mestria técnica.

 

Cristiano Ronaldo - Muito marcado, como já se esperava, e forçado a jogar em zonas demasiado recuadas do terreno. Nas raras vezes em que conseguiu libertar-se da marcação, fez tremer a defesa alemã - nomeadamente num remate aos 81'. Assinou alguns bons lances individuais mas que raras vezes tiveram sequência. O público alemão, que acorreu em força à Ucrânia, brindou-o com sonoras vaias. Foi a melhor homenagem que podia dispensar-lhe.

 

Helder Postiga - Percebe-se mal a insistência de Paulo Bento em Helder Postiga. Aos 12' o avançado do Saragoça já estava a receber um cartão amarelo. Ineficaz durante quase todo o tempo em que permaneceu em campo. Acabou substituído por Nélson Oliveira.

 

Nélson Oliveira - O mais jovem elemento da selecção nacional jogou cerca de 20 minutos. Recebeu um bom passe de Cristiano Ronaldo aos 76' a que não soube dar sequência. Depois mal se deu por ele.

 

Varela - Substituiu Meireles. Esteve em campo menos de um quarto de hora - tempo suficiente, no entanto, para demonstrar que tem condições para ser titular no ataque português. Pena o golo falhado aos 87' quando se encontrava frente ao guarda-redes alemão. Com um pouco mais de calma, e o recurso à técnica apropriada, Portugal empataria a partida nesse lance. Mas não há ses em futebol.

9 comentários

  • Imagem de perfil

    Jose Manuel Barroso 10.06.2012

    É verdade essa coisa da diferença de estatura. Mas, meu caro Rui,a colocação da defesa portuguesa estava certa, a bola iria ser naturalmente intercetada pelo Pepe, que não é assim tão baixinho. Acontece - os deuses do futebol nem sempre são justos! - é que ela embate no corpo do J.Moutinho e muda de trajetória. O Lahm também é baixinho, né?
  • Imagem de perfil

    Rui Gomes 10.06.2012

    A intenção de meu reparo foi precisamente essa. Em princípio, nunca seria João Pereira a cobrir Mario Gomez. Ele acabou por também se fazer ao lance pela consequência da bola cair entre ele e Pepe pelo desvio nas costa de Mountinho. Foi de facto uma enorme infelicidade.
  • Imagem de perfil

    Pedro Correia 10.06.2012

    Veremos se o João Pereira se manterá como titular no jogo contra a Dinamarca, atendendo à elevada estatura dos dinamarqueses.
  • Imagem de perfil

    Rui Gomes 10.06.2012

    Ele será titular, indiscutivelmente. Ainda não percebi como é que «teve culpas no golo alemão».
  • Imagem de perfil

    Pedro Correia 10.06.2012

    Faltam poucos dias para sabermos se será ou não titular. Uma coisa é certa: se Paulo Bento não mexer na equipa que perdeu contra a Alemanha, arrisca-se a uma nova derrota. Ou melhor, a uma nova 'vitória moral'. Pois parece que regressámos ao tempo das vitórias morais.
  • Imagem de perfil

    Rui Gomes 11.06.2012

    A única posição discutível, salvo existirem impedimentos físicos ou outras questões desconhecidas, é a do ponta-de-lança, pese as opções limitadas. Conhecendo Paulo Bento, não me admirará que insista em Postiga, embora Hugo Almeida pareça mais lógico face à esperada luta com os gigantes centrais. Varela impressionou, sem dúvida, e deve ser usado, mas não tem espaço no onze pela presença de CR7 e Nani. Para mim, ele no miolo é impensável, mas no futebol, o expectável nem sempre acontece. Por fim, uma última palavra sobre João Pereira; esteve bem defensivamente tal como o resto da defesa e fez tudo ao seu alcance para contribuir ofensivamente, considerando que esteve a marcar e foi marcado por Lukas Pudolski, um menino com 98 internacionalizações e 43 golos marcados pela selecção prinicipal alemã.
  • Imagem de perfil

    Pedro Correia 11.06.2012

    Scolari, quando Portugal perdeu o primeiro jogo contra a Grécia no Euro 2004, mexeu profundamente na equipa. E fez bem. Julgo que no jogo contra a Dinamarca Paulo Bento também mexerá no onze titular, embora em boa verdade as opções ao seu dispor sejam inferiores às que Scolari tinha em 2004. No caso do João Pereira, o aspecto mais preocupante pareceu-me a falta de ligação ao Nani: aquele corredor direito praticamente não funcionou em termos ofensivos.
    A propósito, passo a palavra ao 'nosso' Pedro Gomes, que sempre me habituei a respeitar - primeiro como jogador, depois como comentador desportivo: «João Pereira não esteve muito bem, não teve um bom entendimento com o Nani e não foi aquele lateral acutilante a que nos habituou.»
    Dito há pouco, na SIC Notícias.
    Concordo, no essencial. E não difere do que deixei ontem aqui escrito, minutos após o fim do jogo.
  • Imagem de perfil

    Rui Gomes 11.06.2012

    Bem, cada um tem a sua opinião e é de respeitar. Parece-me que a qualidade do nosso jogo em 2004 e a deste contra a Alemanha, diferem significativamente. Quanto ao Pedro Gomes, ele tem a obrigação de saber que Nani não é um extremo fácil de complentar por um qualquer lateral, pelos seus movimentos. Já no MAN U acontece o mesmo. Além disso e como já disse, Low colocou Pudolski em cima de JP exactamente para limitar o seu apoio ofensivo. Do outro lado, Coentrão, para mim o melhor jogador naquele dia, não teve a mesma qualidade de cobertura. Pudolski ainda é muito rápido e, claro, experiente.

    P.S. Ainda não fui ver se há algum comentário ao segundo jogo de Domingo. A Irlanda foi muito prejudicada pelo segundo golo em descarado fora de jogo e uma flagrante grande penalidade por assinalar.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    { Blog fundado em 2012. }

    Siga o blog por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Pesquisar

     

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D