Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Sustentabilidade - As contas da Sporting SAD (1ºTrimestre 18/19)

Está desde ontem disponível aqui o Relatório&Contas da Sporting SAD referente ao 1ºTrimestre da temporada 2018/2019 (no pretérito dia 26, a Sociedade havia emitido um breve Comunicado contendo a Demonstração de Resultados para o período). 

 

A primeira nota vai para a não menção, no referido R&C, de qualquer informação relacionada com a entrada em vigor do contrato de DireitosTV celebrado com a NOS. Sendo um dado muito relevante na actividade da Sociedade, como o demonstra o enfoque que nele foi feito na campanha eleitoral, é de certo modo insólito o facto de não ser feita qualquer referência. Recordo aqui o Comunicado que a SAD, em 29 de Dezembro de 2015, fez sobre o acordo alcançado:

 

"A SPORTING CLUBE DE PORTUGAL, Futebol SAD informa, nos termos do art. 248.º, n.º 1 do Código de Valores Mobiliários, que chegou hoje aos seguintes acordos:

1) com NOS LUSOMUNDO AUDIOVISUAIS, S.A. um contrato para a cessão dos seguintes direitos:

(i) direito de transmissão televisiva e multimédia dos jogos em casa da Equipa A de Futebol Sénior da Sporting SAD e direito de exploração da publicidade estática e virtual do estádio José Alvalade pelo período de 10 épocas desportivas com início em 1 de Julho de 2018;

(ii) direito de transmissão e distribuição do Canal Sporting TV, pelo período de 12 Épocas desportivas, com início em 1 de Julho de 2017;

(iii) direito a ser o seu Principal Patrocinador, pelo período de 12 épocas e meia, com início a 1 de Janeiro de 2016.

2) com a PPTV – Publicidade de Portugal e televisão, S.A. um aditamento ao contrato atual pelo qual foram revistos os valores a pagar pelos direitos de transmissão televisiva e multimédia dos jogos em casa da Equipa A de Futebol Sénior da Sporting SAD e direito de exploração da publicidade estática e virtual do estádio José Alvalade para as épocas 2015-2016, 2016-2017 e 2017-2018.

As contrapartidas financeiras globais resultantes do valor dos contratos, incluindo as épocas 2015-2016, 2016-2017 e 2017-2018, o referido no ponto 1 e o aditamento referido no ponto 2 ascendem ao montante de €515.000.000.

Lisboa, 29 de dezembro de 2015"

 

José Maria Ricciardi e outros candidatos haviam dito que o Sporting já teria antecipado (já lá iremos) 60 dos 68 milhões de proveitos referentes aos 2 primeiros anos, o que daria um valor de 34 milhões de DireitosTV por ano. Ora, ao analisarmos a rúbrica de DireitosTV neste R&C, verificamos que há uma redução de 191 mil euros face a período homólogo (Setembro) de 2017, fixando-se o valor em 5,6M€, contrariando a ideia que muitos sócios do clube teriam de que teríamos um crescimento desta rúbrica. Tentando encontrar uma explicação, fiz umas contas, baseando-me para tal em informação dispersa. Há poucos meses atrás, foi referido que o Sporting Clube de Portugal teria orçamentado 5M€ de proveitos/ano referentes aos contrato da NOS. Assumindo que tal se referirá  aos "Direitos de Transmissão e Distribuição" do canal Sporting, então, teríamos, ao fim de 12 anos, um valor total de 60 milhões de euros. Em relação a Patrocínios e Publicidade, pegando no valor trimestral de 3,4 milhões e considerando que o prazo de contrato é de 12 anos e meio, então produzir-se-ia um valor acumulado para esta rúbrica de 170M€. Em termos da PPTV, creio lembrar-me que houve uma melhoria em cada uma das épocas desportivas de cerca de 6 milhões, totalizando 18M€. Ora, somando estas 3 rúbricas, apurar-se-ia um valor de 248M€, pelo que os DireitosTV deveriam representar 267M€ (26,7M€/ano) para que a contrapartida financeira global enunciado no supracitado Comunicado batesse certo (515M€). Julgo que seria importante um esclarecimento nesta matéria. 

 

Em relação ao R&C propriamente dito, a primeira dúvida que assaltará alguns é como um resultado positivo de 16,1M€ só passa os Capitais Próprios para 549 mil euros, quando anteriormente estavam negativos em cerca de 13,3M€. Tal está explicado e refere-se a uma alteração de norma contabilistica, nomeadamente a adopção da IFRS15, que implica que se actualizem os rendimentos a reconhecer, o que produziu um impacto negativo nas contas de 2,2M€.

 

Olhando para a Demonstração de Resultados, verificamos que os Proveitos Ordinários desceram 10,5 milhões em Setembro 18, face a período homólogo (Setembro 17), consequência da não participação na Champions. Apesar disso, ficamos a saber que o prémio pela participação na Liga Europa foi de 5,6 milhões e que uma vitória (frente ao Qarabag, o triunfo em Poltava já foi após o fecho deste exercício) rendeu 570 mil euros. A título de curiosidade, é possível ver que a bilheteira do jogo contra o Qarabag rendeu 42 mil euros, quando o(s) jogo(s) da Champions realizados no mesmo período do ano passado renderam 880 mil euros, uma diferença abissal. Nos Proveitos, só a rúbrica Patrocínios e Publicidade apresenta uma subida face a período homólogo, Loja Verde, DireitosTV, Bilheteira&Bilhetes de Época (menos Gamebox vendidas, redução de 270 mil euros de proveitos no período) todos descem.

 

Preocupante é o não ajustamento dos Custos face à redução dos Proveitos Ordinários. Assim, embora haja uma redução de 2,4M€ nos Gastos com o Plantel no trimestre, verificamos que 1,1M€ se devem à atribuição de menos prémios, pelo que a diferença real é de apenas 1,3M€. Anualisando, se na temporada passada esta rúbrica apresentava um valor de 73,8M€, é de crer que o valor no final da época fique nos 68,6M€ (considerando variação nula nos prémios por objectivos). Também os Fornecimentos e Serviços Externos (FSE) se mantém muito elevados (aumentaram 820 mil euros), com um valor trimestral de 5,8M€, bem como as Amortizações, que se situam nos 5,35M€.

 

No que respeita a Transacções com Jogadores, na rúbrica Rendimentos aparece um valor de 23,515M€ mas no mapa de suporte é possível ver um montante de 25,981M€, referentes a William (16M, recebidos a pronto), Piccini (8M), Santiago Arias (15% passe=1,181M€) e Pedro Delgado (0,8M€). Ainda na mesma rúbrica está expresso um valor a nossa favor proveniente do Mecanismo de Solidariedade, referente à venda de Cristiano Ronaldo à Juventus (2,237M€ de um total de 2,441M€). Nos Custos com Transacção de Jogadores, ficamos a saber que a comissão e mecanismo de solidariedade inerentes à venda de Piccini foram de 1,145M€. Igualmente detalhado é o valor pago ao Bétis de Sevilha pela percentagem dos direitos desportivos que ainda lhe pertenciam (15%), de 1,159M€.

 

A contratação de Diaby custou um total de 5,5M€ e a de Raphinha um valor de 6,5M€. Os outros gastos foram com Bruno Gaspar (4,736M€), Viviano (2M€), Marco Túlio (1M€) e Marcelo (500mil). Há ainda um valor não detalhado de 1,935M€, que em futuros relatórios recomendo que deva ser discriminado. 

 

Surgiu-me uma dúvida no que diz respeito aos empréstimos de Gudelj e de Renan: no Relatório, é indicado que há uns Gastos a Reconhecer que dizem respeito aos empréstimos desses dois jogadores, no valor de 2,7M€. No entanto, olhando para a rúbrica de Fornecedores, verificamos que está lá plasmado uma dívida de 3M€ ao Guangzhou Evergrande e um valor de 1M€ ao Estoril, clubes da proveniência destes 2 jogadores, pelo que 4M€ terá sido o custo destes empréstimos.

 

Em relação ao que já foi usado do contrato com a NOS, vemos que houve um Factoring de DireitosTv desta época, no valor de 13,485M€, e de épocas seguintes, no valor de 16,135M€. Existem ainda dois valores, um referente a "Outros Passivos não correntes" (3,467M€) e outro relativo a "Outros Passivos correntes" (11,05M€), que se devem à antecipação de receitas sem recurso por via de cedência de créditos futuros inerentes ao contrato com a NOS. Existe também contabilizada uma cedência de créditos contratuais de 12,8M€, que terá por base a hipoteca do(s) passe(s) de algum(uns) jogador(es).

 

Em termos de Balanço, o Passivo global desceu 1,302M€ e o Activo global cresceu 12,571M€. A Dívida Financeira mantém-se nos níveis registados em Junho de 2018, isto é, à volta dos 112M€. 

 

Última nota para a indicação de que em 26/10, foi eleito o Conselho de Administração da SAD, composto por Frederico Varandas, Francisco Salgado Zenha, João Sampaio (todos do Conselho Directivo) e Miguel Cal e Nuno Correia da Silva (Holdimo), não sendo evidente quem tenha sido o elemento (talvez Miguel Cal, sendo certo que Salgado Zenha é o financeiro) indicado ou aceite pela banca, de acordo com a Reestruturação.

 

Tratar mal quem ganha

img_920x518$2015_06_02_06_36_00_968597[1].jpg

 Malcolm Allison em 1982: um treinador campeão

 

Em 2015, mal conquistou a Taça de Portugal, Marco Silva foi despedido do Sporting por decisão do presidente Bruno de Carvalho.

Sempre me fez confusão esta má relação entre os líderes leoninos e os técnicos vencedores. Algo que terá sido patente, mais que nunca, durante o longo mandato de João Rocha (1973-1986). Dirigente de méritos firmados e um historial de sucessos ao leme do clube, este empresário teve, no entanto, uma característica que ainda hoje me surpreende: foi incapaz de conviver com os treinadores que se sagraram campeões pelo Sporting durante o seu mandato.

Lembrei-me disto ao ler a entrevista que o jornalista Gonçalo Pereira Rosa - autor do livro Big Mal e Companhia, sobre os bastidores da nossa épica "dobradinha" há 36 anos - deu à edição de ontem do diário A Bola. «Em 13 anos do consulado de Rocha, as três equipas campeãs são destruídas três meses depois. Despede Mário Lino em 1974, Fernando Mendes em 1980 e Allison em 1982. O que constrói, ele destrói logo a seguir. Havia alguma inveja dele», afirma o autor da obra, que vivamente recomendo.

É um mal que não se circunscreve àquela época. Por vezes parece-me que tratamos melhor quem não ganha do que aqueles que são capazes de conquistar títulos e troféus.

Frases da entrevista de Vieira

 

«Faltam-me dois anos para acabar o mandato, vou ser candidato. Faço dois, mais quatro e, se for preciso, mais vou fazer.»

 

«Se Bruno de Carvalho continuasse, éramos capazes de cometer uma ou duas loucuras.»

 

«Se o senhor Varandas vier com esse propósito [combater o Benfica] não vai lá estar muito tempo.»

 

«Se se provar que houve actos menos ilícitos (sic), demito-me.»

 

«Não há cartilha nenhuma, não sei o que é a cartilha.»

 

«António Simões mentiu.»

 

«Eusébio só há um.»

 

«O Rui [Vitória] tem o seu valor.»

 

«Não ponho Jorge Jesus de lado.»

 

«Como é possível o Benfica não marcar um golo ao Belenenses?»

 

«Quem sou eu para condenar Paulo Gonçalves?»

 

«O que é que o Benfica tem a ver com a toupeira?»

 

«Não temos claques, temos grupos organizados de sócios.»

 

«Assino de cruz.»

 

«Pedidos de bilhetes? Respondo ok, ok, ok...»

 

«Acha que eu sou o bilheteiro do Benfica?»

 

Esta noite, na TVI

 

Faz hoje um ano

 

Dia grande em Alvalade. Recebemos a Juventus, que se sagraria vice-campeã da Europa. Uma equipa recheada de estrelas: Buffon, Barzagli, Chiellini, Khedira, Cuadrado, Higuaín, Dybala, Mandzukic.

Estivemos quase a ganhar esta partida em que nos colocámos a vencer logo aos 20', graças a um golo de Bruno César. E segurámos a vantagem até aos 79', quando o franco-argentino Higuaín conseguiu empatar.

Saímos do estádio satisfeitos pela exibição leonina, mas com a sensação de que havia sido desperdiçada uma excelente oportunidade de fazermos história: estivemos a pouco mais de dez minutos de derrotarmos uma das mais sérias candidatas à conquista da Liga dos Campeões nesse dia 31 de Outubro de 2017.

Aqui no blogue, o JPT resumiu a situação assim: «Mais uma vez, bom jogo e quase ... Confesso que estou um bocado cansado deste "quase". Mas antes isso do que o "nada". Quanto ao resto? O Muro de Lisboa é já uma lenda ...»

A voz do leitor

«Peseiro, depois dos casos Rochemback e Liedson, quer agora provar ao mundo que é disciplinador, quando na realidade transformou-se num despesista e déspota que olha para a sua posição (contratado e a ganhar do "belo") e não para a do Sporting (vide caso Nani, caso Matheus, caso Viviano, caso Coentrão).»

 

Manuel Oliveira, neste meu texto

Quem são os três melhores?

Decorridas oito jornadas do campeonato, e estando portanto já quase superado um quarto da prova, creio ter chegado a altura de questionar os nossos leitores sobre quem consideram ser os três melhores jogadores do plantel leonino. Por ordem decrescente e mencionando apenas três, se não se importam.

Estou curioso por saber as vossas opiniões. E desde já prometo que voltarei a fazer um teste semelhante quando estiver cumprida metade da Liga 2018/2019. Para irmos comparando umas apreciações com outras: julgo que valerá a pena.

Faz hoje um ano

 

A 30 de Outubro de 2017, o Pedro Azevedo escrevia aqui sobre a importância dos jogadores suplentes - aquilo que na política costuma chamar-se "governo sombra".

«Uma equipa de futebol não são apenas os onze que habitualmente são titulares. Os restantes jogadores valem por aquilo que mostram quando têm a oportunidade e, não jogando, pelo desejávelmente bom ambiente que criam no balneário. Jogadores há que funcionam como verdadeiros talismãs quando provenientes do banco de suplentes. Este tipo de armas-secretas habitualmente produzem mais quando chamados a intervir durante o jogo», observou este nosso colega de blogue.

 

Já o Edmundo Gonçalves preferia destacar declarações do presidente Bruno de Carvalho. Eis um excerto: 

«Estamos fartos de ser os meninos bonzinhos. Nós queremos é ser campeões. Ser segundo é ser o primeiro dos últimos, pouco interessa. Isso a mim não me diz rigorosamente nada. Vim para o Sporting CP para ser primeiro. O Sporting CP só admite o primeiro lugar. Quero que respeitem o Sporting CP. Não há dois nem três primeiros lugares e eu quero ser o presidente que vai fazer o Sporting CP campeão.»

Declarações proferidas na véspera, tarde de domingo, durante um almoço comemorativo do 25.º aniversário do Núcleo do Sporting em Almoçageme.

O melhor prognóstico

Primeira goleada da temporada em curso, cinco palpites certos na oitava ronda da Liga 2018/2019. Registo quem acertou no resultado do Sporting-Boavista: Balakov-Oceano, Carlos Correia, João Santos, Leonardo Ralha e Luís Ferreira.

Aplicado o critério do desempate, relativo aos nomes dos marcadores dos golos, a vitória nesta jornada de palpites é atribuída ao leitor João Santos: só ele acertou em simultâneo em Bruno Fernandes e Nani. Parabéns pela dupla pontaria.

Hoje giro eu - Ranking GAP

Nesta temporada de 2018/2019, o Sporting disputou até agora 13 jogos - 8 para o Campeonato Nacional, 1 para a Taça de Portugal, 1 para a Taça da Liga e 3 para a Liga Europa -, obtendo 9 vitórias (69,2%) e 1 empate (7,7%) e 3 derrotas (23,1%), com 23 golos marcados (média de 1,77 golos/jogo) e 12 golos sofridos (0,92 golos/jogo).

 

A nível individual, eis os resultados (estatísticas ofensivas):

 

1) Ranking GAP: Nani (6,4,0), Bruno Fernandes (6,2,4), Montero (3,3,3);

2) MVP: Nani e Bruno Fernandes (26 pontos), Montero (18);

3) Influência: Bruno Fernandes (12 contribuições), Nani (10), Montero e Jovane (9);

4) Goleador: Nani e Bruno Fernandes (6 golos), Montero e Jovane (3);

5) Assistências: Nani (4), Fredy Montero (3), Ristovski e Bruno Fernandes (2).

 

Ranking GAP (Golos, Assistências, Participação decisiva em golo):

 

  G A P Pontos
Nani 6 4 0 26
Bruno Fernandes 6 2 4 26
Fredy Montero 3 3 3 18
Jovane Cabral 3 1 5 16
Raphinha 2 1 4 12
Bas Dost 2 0 0 6
Sebastian Coates 1 0 1 4
Ristovski 0 2 0 4
Diaby 0 1 0 2
Jefferson 0 0 1 1
Acuña 0 0 1 1

A voz do leitor

«Hoje temos Petrovic, Misic, Gudelj, Marcelo, Douglas, Castaignos, Alain Ruiz e outros com que proveito? E com que custo? Quantos milhões em salários por ano? Quase 15 milhões por ano. Podemos facilmente arranjar dois jogadores da formação para o lugar de cada um destes. Resultados? Pelo menos melhores. Custos? Dez vezes menos.»

 

JG, neste texto do Pedro Azevedo

Santa Clarividência

De nada adiantará o bom resultado/futebol jogado de ontem se no domingo não vencermos o Santa Clara.

Há 14 anos, também vindo de uma derrota na jornada anterior, o Sporting recebeu e venceu o Boavista por uns concludentes 6-1 (estava lá!). Tudo parecia estar bem novamente até que, na jornada seguinte, em Aveiro, o Sporting deixou fugir 2 pontos ao cair do pano.

O Santa Clara está a ser uma muito boa surpresa neste começo de Liga (basta recordar que na nossa liga dos prognósticos foi a equipa com maiores apostas para descer) e, por essa razão, teremos de levar bastante a sério o jogo do próximo domingo.   

Faz hoje um ano

 

À décima jornada da Liga 2017/2018, os nossos melhores marcadores eram Bas Dost (oito golos), Bruno Fernandes (cinco) e Gelson Martins (três). Nenhum de nós podia adivinhar então, mas os três viriam a rescindir unilateralmente os contratos com o Sporting no final da época. 

 

A 29 de Outubro de 2017, fazíamos aqui um apanhado do que dissera a imprensa sobre a difícil vitória do Sporting contra o Rio Ave em Vila do Conde.

«Não foi um resultado justo», observou Rui Miguel Gomes, no jornal O Jogo.

«O leão entrou em campo como se fosse um gatinho abandonado. Nem parecia ser o leão, vice-rei do campeonato», ironizou Rogério Azevedo no matutino A Bola.

«A equipa leonina ultrapassou adversidades que há um ano a atiravam ao chão com alguma facilidade», concluiu José Ribeiro no diário Record.

Poucos meses depois, este jornalista transitaria para o gabinete de comunicação do Sporting.

Pódio: Nani, Diaby, Montero

Por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no Sporting-Boavista pelos três diários desportivos:

 

Nani: 20

Diaby: 18

Montero: 17

Bruno Fernandes: 17

Acuña: 15

Battaglia: 15

Bruno Gaspar: 15

Mathieu: 15

Renan: 15

Coates: 14

Gudelj: 12

Bas Dost: 7

André Pinto: 6

Bruno César: 1

 

Os três jornais elegeram Nani como melhor jogador em campo.

Memórias de Peyroteo (29)

<<

 

« PORTUGAL - ESPANHA

Das vinte vezes que fui convocado para representar Portugal em jogos internacionais de futebol, cinco foram contra a Espanha.

1.º - Em Lisboa, a 12 de Janeiro de 1941. Resultado: Empate 2-2;

2.º - Em Lisboa, a 11 de Março de 1945. Resultado; Empate 2-2;

3.° - Na Corunha, a 6 de Maio de 1945. Resultado: Derrota 2-4;

4.° - Em Lisboa, a 26 de Janeiro de 1947. Resultado: Vitória 4-1;

5.° - Em Lisboa, a 20 de Março de 1949. Resultado: Empate 1-1.

 

Nestes cinco encontros marcaram-se 21 golos, sendo 11 de Portugal e 10 da Espanha.

É curioso notar que embora se trate de número ímpar, cada equipa averbou 1 vitória, 3 empates e 1 derrota, ficando Portugal com a vantagem de 1 golo, pois marcou 11 e sofreu 10. Decerto, não será levado à conta de vaidade dizer que dos 11 tentos, 7 foram marcados por mim.

Se, quando eu era um rapazola de 13 ou 14 anos e jogava futebol na equipa dos miúdos da minha terra angolana, alguém me dissesse que ainda um dia vestiria a camisola dás quinas para um encontro internacional contra Espanha, eu duvidaria do estado mental do… bruxo! No entanto, a minha reacção ao escutar previsão semelhante mas referente a jogos contra quaisquer outras nações, como, por exemplo, a Itália, Alemanha, Suíça, etc., não seria a mesma que contra “nuestros hermanos”. É que, em Angola, mormente em Moçâmedes, não só a rapaziada adepta do-futebol mas todo o povo da terra, vibra intensamente com a realização dos jogos entre Portugal e a Espanha. Pode a equipa portuguesa jogar contra qualquer outra de categoria muito superior à dos espanhóis, que o caso não assume aspecto de acontecimento nacional.

Naquele tempo, as notícias referentes ao futebol metropolitano só chegavam a Moçâmedes quase um mês depois dos factos consumados, já quando, na Metrópole, o caso havia passado à história e ninguém se lembrava das “burrices” cometidas pelo seleccionador quando escolhera os jogadores, nem dos golos “perdidos infantilmente” ou da incapacidade de certo jogador “que já está velho mas tirou assinatura para a selecção…”. Em Angola líamos as notícias referentes ao jogo com tanto interesse como se ele se tivesse realizado na véspera, e daqui se conclui que, lá como cá, o Portugal - Espanha em futebol é sempre um grande acontecimento desportivo.

 

A 12 de Janeiro de 1941 disputar-se-ia em Lisboa mais um jogo de futebol entre as equipas representativas de Portugal e da Espanha. O bruxo de que eu duvidaria, acertou na previsão e a minha estreia neste grande encontro era, agora, uma realidade.

Nas duas ou três semanas que o antecederam não se falava noutra coisa; a procura de bilhetes era extraordinária e o campo das Salésias seria pequeno para acomodar quantos desejavam assistir ao prélio.

O seleccionador escolheu um lote de jogadores com o qual formaria a nossa selecção. Havia dúvidas na inclusão deste ou daquele elemento e alguns jornalistas da especialidade entregavam-se ao trabalho de discordar com o seleccionador quanto a escolha dos jogadores, mas o certo é que, no que me dizia respeito, todos estavam de acordo, felizmente…

Perturbado e enervado por ir jogar contra os nossos vizinhos espanhóis? Não, francamente não. Para mim, tratava-se simplesmente de um jogo internacional, com todas as responsabilidades inerentes a tais encontros sem, contudo, esquecer que perder ou ganhar são consequências lógicas do próprio jogo. No entanto, se é certo que o jogo em si não constituía razão suficientemente forte para me enervar, a verdade é que o público entusiasta do futebol, ao exigir, descabida e incompreensivelmente, do jogador aquilo que ele muitas vezes não pode dar, preocupava-me um tanto. De resto, sobre este assunto, já disse o que penso.

Afinal, o jogo disputado em 12 de Janeiro de 1941 não teve história, assinalando-se apenas que, ao contrário do habitual, em vez de perdermos, empatámos a duas bolas - dois tentos marcados por mim. E já que do encontro pouco ou nada resultou digno de registo, julgo oportuno aproveitar o ensejo para exteriorizar o que sempre pensei acerca do tão decantado complexo de inferioridade da equipa portuguesa quando em jogo contra o grupo nacional espanhol.

Matematicamente, o problema pode ser posto deste modo: em futebol, Portugal está para a Espanha assim como o Olhanense está para o Sporting.

Em primeiro lugar teremos de encontrar o motivo principal, justificativo dos desaires sofridos pela equipa algarvia quando jogava contra o Sporting e que era, sem dúvida, a comprovada diferença de categoria futebolística existente entre as duas equipas.

Que o Olhanense possuía, no meu tempo, alguns jogadores de grande valia é incontestável, mas a verdade manda que se diga que o Sporting estava melhor apetrechado. Ora, se são os bons jogadores que formam as boas equipas, não restam dúvidas de que a do Sporting era em muito superior à do Olhanense e, portanto, sem a menor hesitação, encontro a chave do problema: o Olhanense perdia com o Sporting porque o primeiro era inferior ao segundo.

Poderá argumentar-se que o Olhanense vencera equipas tão boas ou melhores que a do Sporting, mas esta observação não destrói, por completo, o meu ponto de vista e a finalidade a que pretendo chegar.

Reconhecido e provado que a turma algarvia era inferior à dos “leões”, procuremos outros factores concorrentes para inferiorizar a equipa de Grazina frente à de Álvaro Cardoso. Os jogos que os algarvios disputavam perante o público, na sua terra, ou os que realizavam em Lisboa contra qualquer equipa que não a do Sporting, despertavam sempre muito interesse na massa associativa do Clube, independentemente da vontade de vencer que animava os componentes da equipa, mas não estou em erro se afirmar que todos os adeptos do Olhanense não se importariam que a sua equipa mais representativa perdesse todos os jogos de um campeonato se tivessem a certeza de vencer o Sporting Clube de Portugal… Matariam o carneiro que hoje deve estar muito velhinho!!!

Os anseios e as reacções do público olhanense quando a sua equipa defrontava o grupo leonino, eram totalmente diferentes do que sucedia quando o adversário era, por exemplo, o Benfica, o Belenenses ou o Futebol Clube do Porto. Esse ardente desejo de vitória, o prazer e alegria que a derrota do Sporting lhes proporcionaria seria de tal modo forte e grande, que os dominava, os perturbava e fazia esquecer, até, a inegável diferença de categoria existente entre a equipa de que são adeptos e a adversária. Por isso, não poucas vezes, chegaram a gozar, antes da realização do encontro, o prazer de uma vitória que, afinal, embora estivesse plenamente ao seu alcance, se transformou em amarga derrota.

O jogador sabe de tudo isso porque vive o mesmo ambiente, vive dia a dia em contacto com a massa associativa do Clube, conhece os seus desejos, sente-os, vibra com eles e… enerva-se, perturba-se, excita-se mesmo sem o desejar. O jogador sabe, também, que a derrota trará, para os amigos do Clube, um profundo desgosto, e como não lhe bastasse já a responsabilidade do jogo em si, vem ainda a “responsabilidade” de alegrar e consolar a gente da sua querida terra. Embora alguns jogadores admitam a vitória tendo em atenção o melhor apetrechamento técnico, táctico e, porventura, físico do adversário, sentem que, se perderem o jogo, os seus adeptos não lhes desculparão a derrota; a semana seguinte será um pesadelo porque, a toda a hora e a todo o momento, ouvirão falar do desaire sofrido:-”O Olhanense perder outra vez com o Sporting? Então nunca mais ganhamos? Vê lá isso no próximo domingo! Não nos dês esse desgosto; atira-te a eles sem medo! Dá cabo deles; vocês têm que ganhar desta vez…

Ora bem ; chegámos ao ponto: Não será isto o que se passa nas semanas que antecedem um Portugal - Espanha? Não será verdade que se a Equipa Nacional perder um jogo contra a Suíça, a Itália ou o Egipto, o leitor se arrelia menos com isso do que se a rapaziada sofrer uma derrota da Espanha?

Com os jogadores da Selecção Nacional passa-se a mesma coisa do que com os futebolistas olhanenses: Todos ouvem aquelas frases e procuram afastá-las do pensamento mas, por muito fortes de espírito que sejam, não conseguem alhear-se por completo da onda de tristeza - às vezes indignação! - que o grande público fará levantar contra eles se perderem um jogo que “é preciso” ganhar!!! (Como é tão mal compreendida a ideia desportiva!!!) Sendo assim - e assim é na realidade - parece-me que o público contribue, sem querer, para a inferioridade da nossa equipa em jogo contra a Espanha, por que se esquece da inegável superioridade futebolística dos nossos vizinhos e crê, seguramente, na vitória. Chega o dia do jogo, vai para o campo de bandeirinha na mão, supondo que os jogos se ganham só com gritos de incitamento… Surgem as dificuldades, a equipa nacional não dá o “rendimento que se esperava”, baixam as bandeirinhas e ouvem-se os assobios! Que os espanhóis dispõem de um campo de recrutamento de jogadores muito maior do que o nosso; que são 100% profissionais há mais de uma vintena de anos; que mercê desses factos o seu futebol progrediu incomparavelmente mais do que o nosso; que a orgânica do futebol espanhol é muito superior à nossa e, por isso, lhes possibilitou a cuidada preparação de jovens com qualidades, fazendo deles excelentes praticantes da modalidade - de tudo isto o público se esquece lamentavelmente! Quer, deseja, quase exige que os nossos seleccionados façam o milagre de ganhar aos espanhóis!

As manifestações de simpatia dispensadas aos jogadores no decorrer dos jogos são necessárias, dão coragem e os rapazes sabem apreciá-las; apoiam-se nelas para fazerem mais e melhor, mas o ambiente de segura vitória que grande parte dos entusiastas da bola cria à volta do encontro, menosprezando o real valor do adversário e a ideia desportiva, é prejudicial ao público que as criou e aos jogadores. O pensamento de ganhar o jogo está não só no espírito do público como no dos componentes da equipa, mas com uma diferença: os adeptos da bola admitem a vitória como certa, ignorando - ou fingindo ignorar - que o adversário, regra geral, nos é superior; nós, os jogadores, vamos para o campo com vontade de ganhar o encontro, lutamos pela vitória até ao limite das nossas forças, mas não olvidamos o valor da equipa que defrontamos. Se assim sucedesse, o resultado, na maioria dos casos, seria catastrófico -ainda mais desagradável quanto o foram alguns registados nos jogos contra a Espanha.

É dever de ofício nenhum jogador e, consequentemente, nenhuma equipa ignorar o valor do adversário porque, ciente dele, procurará dar-lhe luta explorando os seus pontos fracos. O futebol é um jogo e em jogo tudo é possível.

Os resultados conseguidos anteriormente pela equipa das cinco quinas, pela expressão dos números, podem considerar-se bons e confirmam a “gloriosa incerteza do desporto”, mas não atestam a nossa superioridade técnica e física (preparação atlética). Nas tácticas sim, fomos superiores e, por isso mesmo, pudemos averbar resultados lisonjeiros. Na série de cinco jogos em que tomei parte verificou-se igualdade absoluta no que respeita a vitórias, empates e derrotas, com um golo a nosso favor. Mas os números são, muitas vezes, enganadores.

 

Nasceu triste o dia 12 de Janeiro de 1941, e a tarde era cinzenta, sem sol, antes de chuva impertinente. O campo das Salésias estava completamente cheio daquele público que tinha quase por certa a vitória da equipa nacional porque, em seu entender, os espanhóis estavam a jogar menos do que nós.

A marcha dos campeonatos em Espanha foi prejudicadíssima pela guerra civil que enlutou o País vizinho e amigo, mas à data do encontro que íamos disputar, já o seu futebol se encontrava em franco ressurgimento. A regularidade dos campeonatos oficiais havia trazido aos jogadores espanhóis o indispensável poder atlético e apuramento técnico. Tudo ou quase tudo voltara à normalidade, pelo que os nossos eternos grandes rivais no desporto, estavam bem preparados.

Quais os motivos para tão exagerado optimismo?

O nosso público tinha ainda bem presente na memória a fraca exibição da equipa espanhola que nos visitara dois anos antes, menosprezando, porém, este pormenor importante: em dois anos, ou melhor, em duas épocas, os espanhóis trabalharam a fundo pelo ressurgimento do seu futebol. Organizaram os campeonatos, disputaram muitos jogos e isso trouxe-lhes o que haviam perdido durante a guerra ^civil: força física e boa execução técnica.

É curioso anotar que se julgava possível a vitória dos portugueses mais pela inferioridade momentânea dos espanhóis, do que pela melhoria ou valor do futebol português, donde se conclui que sempre se considerou o futebol espanhol superior ao nosso…

Os “optimistas”, fazendo juízos errados, anteviam a hipótese de batermos… em mortos! Admitindo que assim sucedesse, para mim, pessoalmente, uma vitória nessas circunstâncias era destituída de valor.

A verdade, porém, é que, com os espanhóis a jogarem quase o seu normal, podiamos ter ganho o encontro de 12 de Janeiro de 1941. O estado do terreno, cheio de lama, prejudicou-nos muitíssimo, beneficiando os nossos adversários que, no seu País, jogam quase sempre em campos encharcados.

Registou-se um empate a duas bolas, tendo as duas equipas jogado francamente mal, não chegando a mostrar o seu valor. Na minha opinião, este encontro não nos deu ensejo para se ajuizar do valor do futebol espanhol nesse momento, mas julgo que não estavam a jogar menos do que nós, apesar das contrariedades e desgraças por que passaram. E que, embora com o terreno enlameado e, portanto, mau para se jogar bom futebol, os espanhóis mostraram-se muito superiores aos portugueses nos pormenores físico-técnicos do jogo, só falhando, como de costume, na organização táctica da equipa, do que resultou preciosíssima vantagem para o grupo português e que permitiu aos seus componentes esconderem um tanto as suas dificuldades técnicas com a liberdade de manobra de que dispunham.

Mas um dia virá em que os espanhóis encontrem pela frente uma equipa portuguesa físico-técnica-tacticamente bem preparada. Se isso suceder, então os nossos vizinhos terão muito que contar… Assim eles se mantenham agarrados aos antiquados processos de jogo!

Para a história desse encontro ficou anotado, nas críticas e comentários, que eu marquei um golo, mas nos apontamentos que possuo acerca da minha vida de futebolista, estão registados como marcados por mim os dois golos obtidos pela equipa nacional.

No jornal “Os Sports”, n.° 2,448, de 13 de Janeiro de 1941, escreveu o meu amigo e jornalista Manuel Mota:

“Carlos Pereira marca a penalidade com um pontapé dirigido directamente às redes. Echevarria defende, atrapalha-se coro a bola e larga-a para dentro da baliza. Quando Peyroteo, aliás oportuno, deu o pontapé, já a bola tinha ultrapassado a linha de “goal”.

Ora, em apontamento à margem do meu “carnet” onde se encontram anotados todos os golos que marquei, lê-se:

“Carlos Pereira atira à baliza, o guarda-redes espanhol larga a bola que caiu sobre o risco fatal, mas não o ultrapassou porque a lama prendeu o esférico. Eu, seguindo a marcha da bola, toqueia-a para dentro da baliza e, só então, o árbitro apitou para “golo”.

Não me foi atribuído um tento que, na realidade, marquei nesse jogo em que tudo me correu mal. Paciência! É um a menos na conta de muitas centenas…

Nesse mesmo número do jornal “Os Sports” um crítico da especialidade escreveu:

“Peyroteo, muito vigiado e sem domínio de bola, não conseguiu corresponder ao que dele se esperava A luta, por vezes irregular, que lhe deram os adversários, deve tê-lo perturbado um pouco…”

Só eu sei e só eu senti essa luta, por vezes irregular, e o desgaste físico causado por ela e pela lama…

Equipa portuguesa: Azevedo; Simões e Guilhar; Amaro, Carlos Pereira e Francisco Ferreira; Mourão, Pireza, Peyroteo, A. de Sousa (Pinga) e João Cruz.»

 

 

In: Peyroteo, Fernando - Memórias de Peyroteo. 5ª ed. Lisboa : [s.n.], 1957 ( Lisboa : - Tip. Freitas Brito). pp. 177 – 184

Este está disponível

Lopetegui-Real-Madrid-future-1037338[1].jpg

 

Não sei onde andam os defensores da decapitação de José Peseiro que nas últimas duas semanas visitaram este blogue com pendular assiduidade, exigindo ver escorraçado o treinador do Sporting: parecem ter-se esfumado desde as dez da noite de ontem.

Ainda assim, venho aqui propor-lhes um nome alternativo para o nosso banco: é alguém que conhece por dentro o futebol português, fala bem nas conferências de imprensa, já treinou o clube detentor das últimas três Ligas dos Campeões e encontra-se disponível devido a momentânea situação de desemprego.

Estarão os fogosos militantes da Liga Anti-Peseiro dispostos a exigir a sua vinda para Alvalade? Eis a pergunta que me apetece fazer na ressaca da oitava jornada do campeonato, em que o Sporting foi a única equipa a marcar três golos.

Armas e viscondes assinalados: Salto mortal para perto da liderança

Sporting 3 - Boavista 0

Liga NOS - 8.ª Jornada

28 de Outubro de 2018

 

Renan Ribeiro (3,0)

À quarta tentativa, e à terceira titularidade, chegou ao fim de um jogo sem sofrer golos. Se grande parte do mérito pertence ao ataque do Boavista, capaz de ser mais dócil do que o do Loures, a verdade é que o brasileiro esteve sempre atento às ocorrências, ficando na retina uma defesa apertada na cobrança de um livre. Foi bem substituído pelo poste na única ocasião em que não deu conta do recado.

 

Bruno Gaspar (3,0)

Promovido a único lateral-direito do plantel devido à lesão de Ristovski - embora Carlos Mané tenha feito muito boa figura na última final da Taça de Portugal vencida pelo Sporting -, entre alguns cruzamentos descalibrados e incursões sem critério lá conseguiu fazer um jogo acima das suas capacidades e contribuiu de forma decisiva para o 3-0.

 

Coates (3,0)

O erro que custou a derrota contra o Arsenal terá assombrado o uruguaio, assaz atreito a pequenas e médias falhas na primeira parte. Melhorou na segunda, sucedendo-se cortes providenciais, superioridade aérea e tudo aquilo que faz dele quem é. Só não conseguiu a tradicional arrancada pelo meio-campo (ao contrário do tradicional cabeceamento ao lado...) porque um sadversário fez o favor de o travar, agarrando-lhe a camisa.

 

Mathieu (3,5)

Retomou a titularidade e trouxe mais do que classe e poder de antecipação. A sua presença no relvado fez-se sentir na qualidade de saída com bola, com boas consequências na construção de jogo. Ainda ficou perto de marcar na cobrança de um livre directo e só não tem nota mais elevada porque nos últimos minutos de jogo, quando foi desviado para lateral-esquerdo (o que terá levado o não-convocado Luxor a perceber que, afinal, não é a terceira e sim a quarta escolha para a posição), demonstrou alguma displicência na marcação dos adversários.

 

Acuña (3,5)

Sobressaiu menos do que no jogo contra o Arsenal, mas nem por isso foi menos importante na esquerda, combinando melhor com Montero do que com Nani. Além da excelência dos cruzamentos foi tão intransigente como sempre nas missões defensivas e só Battaglia evitou que fizesse Carlos Xistra pagar caro a ousadia de lhe mostrar uma cartolina amarela. Saiu perto do final, para o muito aguardado regresso de Bas Dost, e uma percentagem das palmas também foram para ele.

 

Battaglia (3,5)

Além de ter sido o autor do primeiro lance de golo, com um remate de fora da área que testou os reflexos do guarda-redes boavisteiro, e de impedido que os forasteiros fizessem uma gracinha, oferecendo o corpo a uma bala disparada na grande área, dominou por absoluto o meio-campo ao longo do jogo inteiro.

 

Gudelj (3,0)

Cumpriu os seus deveres conjugais de duplo pivot defensivo (desfeita que foi a relação polidefensiva em que também havia lugar para Petrovic), assegurando-se de que a equipa visitante não vinha ali estragar uma noite que, segundo padrões menos corajosos do que os praticados na Sérvia, estava bastante gelada.

 

Bruno Fernandes (3,5)

Resgatado da ala direita para o meio do terreno, onde a sua magistratura de influência é exercida de forma mais natural, parecia condenado a manter-se fora da ficha de jogo. Já tinha rematado sem sombra de pontaria na primeira parte, pelo que os gritos que largou ao ver a barra devolver-lhe um livre directo vinham do fundo da alma e só foram aplacados devidamente quando, mesmo importunado pela presença de Carlos Xistra, desferiu um pontapé que transformou o cruzamento rasteiro de Diaby no tranquilizador 2-0. Com o parceiro Bas Dost de volta tudo poderá melhorar.

 

Nani (4,0)

Houve um regresso ao passado quando o capitão do Sporting inaugurou o marcador, cabeceando de cima para baixo, como mandam as regras, e passou ao lado do assistente Montero para celebrar o golo com um salto mortal nada apropriado num cavalheiro com mais de 30 anos. Antes disso já estivera quase a fazer o primeiro golo com outro cabeceamento, desviado para canto pelo guarda-redes, que era de cima para cima, como não mandam as regras. Os colegas já não o deixaram repetir o mortal quando bisou, num remate enrolado à entrada da grande área. Passou os últimos minutos a tentar fazer assistências para Bas Dost.

 

Diaby (3,0)

Foi preciso chegar ao final de Outubro para haver provas palpáveis da utilidade do avançado maliano no plantel do Sporting. Não tanto na primeira parte, pois a surpreendente titularidade não se traduziu em melhor do que um remate para as bancadas a poucos metros da baliza e uma assistência para Bruno Fernandes rematar para as bancadas. Depois do intervalo houve um lance em que recorreu à aceleração e ao descaso para com agarrões e tentativas de desarme para chegar à grande área adversária, mas acabou por bloquear por motivos só explicáveis por psiquiatras. E a verdade é que a velocidade permitiu-lhe conquistar a linha de fundo pela ala direita e centrar atrasado para Bruno Fernandes fazer o 2-0. Ele próprio esteve quase a marcar numa jogada individual de contra-ataque mas o chapéu que fez ao guarda-redes foi curto, lento e ao alcance do defesa que fez a dobra. Fica para a próxima?

 

Montero (3,5)

Mais um jogo de muita luta para o avançado colombiano, coroado com o cruzamento com que ofereceu o primeiro golo da partida a Nani. Também esteve na jogada do 3-0, antes de sair para a entrada de Bas Dost, cujo regresso acarretará certamente mais tardes e noites passadas no banco.

 

Bas Dost (2,5)

Voltou de lesão sem medo de lutar por cada lance. Ficou perto do golo num remate de cabeça, mas o certo é que o seu regresso ao relvado foi (golos à parte) um dos raros momentos em que os 27 mil espectadores se entusiasmaram.

 

André Pinto (2,5)

Entrou para reocupar o lugar que tem sido seu, ao lado de Coates, sem que Mathieu tenha saído de campo, numa situação só comparável ao avistamento em simultâneo de Bruce Wayne e Batman. Em poucos minutos fez dois belos cortes que ajudaram à parte do zero no 3-0.

 

Bruno César (-)

Foi colocado no meio-campo, pouco antes do apito final, talvez só para o pobre Lumor perceber que nunca terá um único minuto de jogo.

 

José Peseiro (3,0)

Há noites assim. Inventou uma improvável ala direita que resultou melhor do que a encomenda, repôs Bruno Fernandes onde mais rende, e recuperou Mathieu (a tempo inteiro) e Bas Dost para a equipa. Aproveitou da melhor forma os resultados do Sporting de Braga e do Benfica, e está agora a apenas dois pontos da liderança. E pensar que não faltaram assobios quando o seu nome foi anunciado pelo speaker antes do início do jogo...

Já merecíamos isto

Finalmente um joguinho em que não saímos de Alvalade com o credo na boca. Já merecíamos, aqueles que continuam a ir ao estádio apoiar a equipa e hoje com um frio a que já não estávamos habituados.

Começaram bem os rapazes, que logo na primeira jogada poderiam ter aberto o marcador, mas rapidamente entraram na modorra costumeira, mesmo depois de terem apanhado um susto com uma bola dos boavisteiros no ferro, mas o certo é que os visitantes não conseguiram fazer mais do que isso. Este Boavista é nitidamente inferior ao da época passada, mas também é certo que nos últimos jogos havia sempre marcado fora e hoje, por mérito dos nossos rapazes, não o conseguiu.

Quando Nani fez o primeiro da noite, o golo já se adivinhava, uma vez que hoje se viu talvez o melhor futebol praticado esta época pelo Sporting, com Nani, Montero e Acuña, um trio virado completamente para a frente, muito bem secundado por Diaby.

O segundo e o terceiro e mais alguns que ficaram por marcar, apareceram naturalmente, fruto do futebol agradável que foi praticado.

Tudo está bem quando acaba bem, mas não posso deixar de me interrogar sobre a substituição de Acuña (que se percebeu estar tocado) por Bas Dost (regresso saudado efusivamente a que me associei), para de seguida sair Montero para a entrada de André Pinto, ficando em campo três centrais. Quando o resultado estava 3-0 e quando estava em campo O ponta-de-lança, é impressão minha ou Montero, o nosso melhor esta noite, deveria ter continuado em campo? Seria complicado, a ganhar por três golos, continuar apenas com três defesas e proporcionar municiamento ao holandês? Eu sei que em dia de "festa" não fica bem criticar, mas que diabo, um "gajo" que enfrentou toiros, tem medo de quê?

 

Pág. 1/11

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D