Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Ingratidão do rival vs. serenidade leonina

Ler queixas de benfiquistas sobre o árbitro João Capela, o tal que lhes perdoou várias grandes penalidades no derby do limpinho, limpinho, equivale a ler uma dissertação de Cicciolina sobre a perda da virgindade. O clube da Luz, que foi amplamente beneficiado anos a fio, a ponto de jocosamente se apelidar um campeonato de Liga Capela, mostra ingratidão face aos serviços anteriormente prestados. Obviamente que este clamor visa desviar atenções da qualidade do futebol praticado, da prestação das principais aquisições na presente época, face ao investimento, das críticas de adeptos a Rui Vitória e até da inenarrável explicação sobre o like de Jonas no Instagram, com a bizarra teoria da conta ter sido pirateada.

Felizmente que os tempos são calmos no Sporting, apesar da controvérsia sobre a não convocação de Nani para o jogo com o Marítimo. No entanto José Peseiro falou demais, compreendo o interesse mediático, mas os problemas de casa, decidem-se internamente, à porta fechada. Claro que a vitória ajudou a serenar os ânimos, acredito que Nani volte a ser titular e receber a braçadeira muito em breve, quiçá na próxima quinta-feira. A bem do clube.

O (simples) dia de ontem!

Saí de casa apressado para chegar a tempo ao pavilhão João Rocha. A tarde estava cálida, mas nas ruas ao redor de Alvalade havia já muito movimento de sportinguistas. Os pontos de encontro quantas vezes personalizados nas roulotes das bifanas e imperiais, ainda assim apresentavam pouca clientela.

Todavia à volta do pavilhão havia já fila para entrar. O jogo da Liga dos Campeões de Andebol estava previsto para as 18 e 30. Quando entrei já o recinto estava bem composto, plasmado nos quase 2500 adeptos.

Não obstante a equipa de andebol ter jogado muuuuuuuito abaixo do que seria esperado e desejável, o público presente não regateou apoio. Foi a minha primeira vez no pavilhão, não obstante ter também contribuído para a sua construção, e senti-me completamente arrebatado por aquele público entusiasta. Faltou a vitória para ser perfeito!

Um espaço que pode levar 3000 pessoas na sua lotação completa, levou-me a imaginar como será, ao vivo, o ambiente num qualquer pavilhão nos Estados Unidos, que levam muito acima das 10 mil assistentes.

Após o andebol foi a vez do futebol. Uma “sandocha” e a inevitável imperial, para tapar a fome, e nova correria para o estádio. Desta vez para assistir a uma bela vitória contra o Marítimo.

E das duas uma: ou eu não percebo nada de futebol (o que deve estar mais próximo da verdade!!!) ou este terá sido o melhor jogo que vi esta época em Alvalade? Pelo menos a mim pareceu-me…

Enfim ontem recarreguei as minhas baterias do espírito sportinguista. Confesso que estava mesmo a precisar!

A gente lê-se por aí!

PS - Fica o filme da grande penalidade visto do meu lugar.

 

 

Entre os mais comentados

Nos 20 destaques feitos pelo Sapo em Setembro para assinalar os dez blogues mais comentados nesta plataforma ao longo do mês, És a Nossa Fé recebeu 20 menções - atingindo, portanto, a quota máxima. O que acontece pelo quinto mês consecutivo.

Mais: este foi o único blogue a fazer o pleno dos destaques. Sem falhar um. Recorde-se que os textos publicados ao fim de semana são agregados aos de sexta-feira para este efeito, o que leva o número de destaques a ser inferior ao número de dias.

Mais ainda: figurámos 18 vezes no pódio dos mais comentados - com dez "medalhas de ouro", seis de "prata" e duas de "bronze".

 

Os 20 textos foram estes, por ordem cronológica:

 

Mais dois que vão (78 comentários, o mais comentado do dia)

Sousa Cintra (52 comentários, segundo mais comentado do dia)

Passado (50 comentários, o mais comentado do dia)

Jovane Cabral (24 comentários)

Só eu sei porque não fico em casa! (60 comentários, o mais comentado do dia)

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Eleições  (65 comentários, segundo mais comentado)

Absolutamente derrotados (38 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Esta gente precisa de tratamento (96 comentários, o mais comentado do dia)

O que eu espero (1)  (28 comentários)

O que eu espero (2) (42 comentários, o mais comentado do dia)

A "rica herança" de Carvalho (52 comentários, segundo mais comentado)

Tudo ao molho e FÉ em Deus - De volta! (42 comentários, o mais comentado do dia)

Assim se ia desgovernando (38 comentários, o mais comentado do dia)

Abraço (38 comentários, segundo mais comentado)

Indignaçõezinhas muito selectivas (44 comentários, segundo mais comentado)

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Cara baga? (38 comentários, terceiro mais comentado)

Prognósticos antes do jogo (108 comentários, o mais comentado do dia)

Coragem, Peseiro! (67 comentários, segundo mais comentado)

Um recado às viuvinhas (48 comentários, o mais comentado do dia)

Prognósticos antes do jogo (102 comentários, o mais comentado do dia)

 

Com um total de 1120 comentários nestes postais. Da autoria do Pedro Azevedo, do José da Xã, do Duarte Fonseca e de mim próprio.

Fica o agradecimento a quem nos dá a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Faz hoje um ano

 

Iuri Medeiros mantinha-se por Alvalade, Jorge Jesus ia-lhe concedendo oportunidades de entrar na equipa principal, mas nem sempre este promissor extremo parecia aproveitá-las.

A propósito, escreveu aqui o Pedro Azevedo faz hoje um ano: «O açoriano está a beira de passar ao lado de uma grande carreira. Nestes momentos é importante o papel do treinador. Jesus precisa retirar ansiedade a Iuri. Já tocámos neste tema em outros momentos: cada jogador tem uma personalidade própria. O objectivo para cada um é igual, a forma de o atingir tem necessariamente de ser diferente, atenta a idiossincrasia de cada um. Um ralhete a um jogador pode ser para ele um estimulante, para outro pode abrir-lhe o chão. Um treinador é um gestor de recursos humanos, estará Jesus à altura deste desafio? Iuri e o Sporting precisam disso.»

Era o dia 30 de Setembro de 2017, véspera do primeiro clássico da temporada: íamos receber o FC Porto em Alvalade. Todas as expectativas continuavam intactas.

Pódio: Raphinha, Jovane, Montero

Por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no Sporting-Marítimo pelos três diários desportivos:

 

Raphinha: 18

Jovane: 18

Montero: 18

Acuña: 16

Bruno Fernandes: 16

Coates: 15

Ristovski: 15

Salin: 15

Gudelj: 14

André Pinto: 13

Petrovic: 13

Misic: 11

Diaby: 1

 

O Jogo e o Record elegeram Raphinha como melhor em campo. A Bola optou por Bruno Fernandes.

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Medo de ser feliz!?

O Sporting bateu o Marítimo, num jogo em que Peseiro experimentou duas tácticas: primeiro, a do Pudim Molotov, com um buraco no meio (espaço compreendido entre Bruno Fernandes e o duplo-pivô) e as zonas envolventes todas cobertas de jogadores; depois, a das Chaves do Areeiro, com trinco, tranca e cadeado. 

 

A primeira táctica tem o seu quê de soviética, na medida em que herda o seu nome de um antigo ministro dos negócios estrangeiros (Vyacheslav Molotov) no tempo de Estaline, famoso pelo pacto de não-agressão que assinou com Joachim Von Ribbentrop, ministro das relações externas da Alemanha nazi. Ora, como sabemos, o sistema económico/político da antiga União Soviética colapsou devido ao excesso de burocracia, má alocação de recursos humanos e contínuo investimento em sectores deficitários, algo que tem paralelismo com o que vem sendo a actuação do Sporting em campo devido ao uso do mal-amado duplo-pivô. Já a segunda táctica é um neomodernismo de inspiração tipicamente portuguesa, que diz que a igualdade é contraditória, remete para um passado que já tem 13 anos e se traduz na interpretação literal do velho adágio popular "depois de casa roubada, trancas à porta".

 

Os leões entraram bem, com Montero a mostrar uma maior amplitude de movimentos e logo a criar problemas à defesa insular. O colombiano começou por cabecear ligeiramente por cima e por roubar uma bola em zona proibida e sacar um cartão amarelo a um maritimista. Aos 12 minutos, Jovane Cabral rasgou a defesa da Madeira com um passe perpendicular que deixou Raphinha isolado perante Amir, num duelo Brasil-Irão de onde resultou uma grande penalidade superiormente transformada por Bruno Fernandes. Assistir a um golo madrugador do Sporting é um privilégio tão raro como ver Petrovic executar com sucesso uma roleta à saída da sua área, mas acreditem, ou não, ambas as situações ocorreram ontem, no espaço de poucos minutos, em Alvalade. Ainda na primeira parte, uma carambola às três tabelas possibilitou a Fredy "Theriaga" Montero dar a estocada final. A tacada original foi de Raphinha. Caminhava a partida para o intervalo quando Ristovski voltou a não ser capaz de fechar por dentro, abrindo uma autoestrada por onde entrou, isolado perante Salin, um maritimista. Passe de morte para a esquerda, mas apareceu Acuña a salvar miraculosamente um golo cantado. Grande garra do argentino!

 

O segundo tempo começou de forma auspiciosa, com o Sporting a dominar a seu bel-prazer. Acuña rematou ao lado, Montero teve um toque de habilidade para Bruno Fernandes que lançou o perigo, uma combinação entre Raphinha e Bruno quase dava o terceiro da noite e Montero (sempre ele!) ainda sacou um livre na meia-lua da área insular. Eis que Peseiro decide mexer e tira Jovane. Esperava-se que fosse a oportunidade de Mané ter minutos no regresso à competição, ou mesmo que Diaby pudesse finalmente mostrar a sua anunciada velocidade, mas o treinador leonino, pouco preocupado com o deleite dos espectadores, optou por dar mais uma volta à fechadura e lançou Misic, alterando o 4-2-1-3 (e não 4-2-3-1) para um 4-3-0-3 (e não 4-3-2-1). Afinal, estavamos a jogar com o Real... Marítimo. A verdade é que, se antes havia um buraco no meio, passou a haver um fosso. Caso insólito, o Sporting alinhava, então, com duas equipas: a dos "retranqueiros", composta por 8 jogadores, confortavelmente instalados na sua trincheira, e o movimento dos não-alinhados (Raphinha, Montero e Bruno Fernandes), deixados sózinhos na frente, isolados, contra o mundo. Bruno, já outrora obrigado a pressionar alto sem bola e a baixar com bola para diminuir a distância para Gudelj e Petrovic, ocupava agora uma nova posição, a de ala esquerdo. É a isto que deveremos chamar de "gestão de plantel". (Ainda o haveremos de ver a jogar com uma máscara de oxigénio e um desfibrilador.) 

 

Salin - Esteve bem, sempre que chamado à acção, entendendo-se aqui acção como uma hipérbole não denotativa da necessidade de um duche após o jogo. 

Nota: Sol

 

Ristovski - Voltou a demonstrar ter "mais olhos que barriga", ou seja, teve olho na bola e pouco estômago para absorver o espaço e os adversários em redor. Como se já não bastasse o buraco a meio campo, também ele, qual toupeira, volta não volta vai escavando roços para os centrais.

Nota:

 

Coates - Imperial, para ele foi apenas mais um dia no escritório em que despachou com brilhantismo todo e qualquer contencioso que lhe passou pela frente. O Ministro da Defesa!

Nota:

 

André Pinto - O Bastos Lopes teve o Humberto Coelho, o Lima Pereira teve o Eurico, o André Pinto tem o Coates. Ontem, foi o Secretário de Estado da Defesa.

Nota: Sol

 

"Muttley" Acuña - Um jogo feito de garra. Morde os calcanhares aos adversários e ainda arranja tempo para solicitar o ataque. Providencial no final da primeira parte.

Nota:

 

Petrovic - Alguns bons cortes na primeira parte e um pormenor com nota artística. Revelou tendência para se encostar a Coates, assim como que a pôr-se a jeito para um cargo de assessor ministerial.

Nota: Sol

 

Gudelj - Como diria o Gabriel Alves, não jogou bem nem mal, antes pelo contrário. 

Nota:

 

Bruno Fernandes - Pode jogar bem ou mal, mas o seu compromisso com a equipa é enorme. No campo, corre quilómetros e dá o exemplo. Marcou um golo de grande classe, a mesma que revelou ao (re)endereçar o prémio de melhor em campo ao regressado Mané. Solidário, não perdeu a oportunidade e mostrou poder vir a ser um bom capitão.

Nota:

 

Raphinha - Estava o jogo ainda no início quando foi derrubado pelo "fundamentalismo" islâmico, ou melhor, por um guarda-redes iraniano que julgou fundamental dessa forma evitar um golo certo. Ainda na primeira parte, esteve na origem do segundo golo. Quase assistiu Bruno, no segundo tempo. De destacar ainda a forma como, com um toque subtil, deu boa sequência a uma bola difícil, comprida e que lhe chegou pelo ar, revelando excelente técnica.

Nota:

 

Jovane - O passe com que rasgou a defensiva insular na jogada do primeiro golo foi a sua afirmação iluminista na defesa da liberdade de criação e da livre posse da bola.

Nota: Sol

 

Montero - Quando o "Cool Dude" se transforma num frio "assassino". Não deu descanso à defesa maritimista. O seu futebol de filigrana ganha fulgor quando a confiança e a capacidade física aumentam. Aí, torna-se uma dor de cabeça para os adversários, impotentes face ao seu futebol feito de toque, refinada técnica e inteligência, ingredientes bem presentes no seu golo. Nesse lance não precisou de rebentar as malhas, fez apenas um passe para a baliza. Subtil.

Nota:

 

Misic - Completou a balcanização do meio campo do Sporting. Como o Melhoral, não fez bem nem fez mal.

Nota:

 

Diaby - Dizem que é rápido, mas com tão poucos minutos, ainda não deu para ver se tem o Diaby no corpo.

Nota: - 

 

Mané - Entrou para o aplauso, naquilo que foi um feliz reencontro com Alvalade. Que seja o (re)início de uma grande amizade!

Nota: - 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Fredy Montero

montero4.jpg

 

Armas e viscondes assinalados: Só fez falta quem lá esteve

Sporting 2 - Marítimo 0

Liga NOS 6.ª Jornada

29 de Setembro de 2018

 

Salin (3,0)

Perdeu uma excelente oportunidade para reler clássicos da literatura gaulesa, ou para aliviar a caixa de correio electrónico, tão pouco foi o trabalho que o ataque do Marítimo lhe deu. Ainda assim poderia ter sofrido um golo mesmo antes do intervalo, mas teve a felicidade de um certo argentino ter sido adaptado a lateral-esquerdo.

 

Ristovski (2,5)

Diga-se, em sua justiça, que qualquer um se arrisca a parecer um Robin se tiver um Batman ao lado. Muito solicitado por Raphinha, que criou espaço à direita suficiente para mais três novos partidos como o de Santana Lopes, o macedónio executou todo o género de cruzamentos para a grande área adversária tirando os cruzamentos eficazes. A defender também esteve algo permeável, devendo-se-lhe a melhor ocasião do Marítimo em toda a noite, mas foi salvo pelo colega da esquerda. Na segunda parte, enquanto o colectivo colapsava, melhorou na travagem das ofensivas madeirenses e ainda  tentou o golo com um remate forte o suficiente para criar aflições.

 

Coates (3,0)

Voltou a perder a bola para um adversário na zona de perigo, tendo o mérito de resolver a sua malfeitoria com um corte arriscado. Mas no resto do jogo foi o muro que ajuda a manter a equipa na corrida, sendo que a habitual arrancada pelo meio-campo contrário teve desta vez consequências de somenos: um contra-ataque facilmente resolvido pelos colegas da linha defensiva menos obcecados em subir na vida.

 

André Pinto (3,0)

Tal como sucede com os árbitros, acaba por ser meritório que não se dê muito pela presença do substituto de Mathieu. Tanto assim foi que se fez notar pela primeira vez ao ser-lhe mostrado o cartão amarelo, pois agarrou um adversário que o deixara mal ao fazer passar a bola por cima de si. Desse momento em diante regressou para um estado de invisível eficiência que é a sua imagem de marca.

 

Acuña (3,5)

O corte providencial que impediu o Marítimo de reduzir para 2-1 foi a cereja no topo do bolo constituído por mais uma exibição repleta de raça nas bolas divididas (e nas bolas confiscadas), de clarividência no lançamento do contra-ataque e de brilho no posicionamento.    Talvez fosse boa ideia fazer um clone para precaver lesões ou castigos internos por insultar o treinador.

 

Petrovic (3,0)

Recebeu audíveis aplausos das bancadas ao fazer a versão adriática da roleta marselhesa para salvaguardar a posse de bola perante a cobiça de dois fulanos vindos da pérola do Atlântico. Titular devido à gripe de Battaglia, superou as baixas expectativas dos adeptos, sem nunca comprometer a segurança da baliza leonina. Ainda se aventurou em lances de ataque, mas a sua técnica muito particular de ganhar lances (avançar a bola e atirar-se para cima do adversário) ainda carece de ser aprimorada.

 

Gudelj (2,5)

Viu o cartão amarelo muito cedo, o que poderá muito bem explicar que tenha estado ligeiramente mais calmo. Na segunda parte foi parte integrante da perda gradual do meio-campo, chegando-se ao paradoxo de o Sporting ter menos posse de bola num jogo que pareceu controlar desde o início.

 

Raphinha (3,5)

Sofreu a falta para grande penalidade tirando partido da velocidade com que se desmarca e marcou o livre que permitiu a Montero fazer o resultado final. No resto do jogo combinou (bem) com Bruno Fernandes e (nem por isso) com Ristovski, quase conseguiu oferecer o 3-0 ao capitão e reforçou a ideia de que aqueles 6,5 milhões de euros irão multiplicar-se mais tarde ou mais cedo.

 

Jovane Cabral (3,0)

Eis os factos: o ainda apenas cabo-verdiano fez o passe de ruptura para Raphinha que originou o pénalti do 1-0 e sofreu a falta junto à linha lateral que abriu caminho para o 2-0. Mas tal como Narciso se deixou enfeitiçar pela sua imagem reflectida na água, também Jovane está demasiado apaixonado pela capacidade de driblar, sucedendo-se jogadas em que enfrentou um trio de adversários, perdendo invariavelmente a bola para o terceiro. Se o olhar de Acuña pudesse matar estariam os sportinguistas de luto pela funesta consequência da segunda tentativa de penetração na grande área que o habitual suplente culminou deixando sair o esférico pela linha de fundo...

 

Bruno Fernandes (3,5)

Capitão de equipa devido ao castigo imposto a Nani, poupou-se às discussões com homens do apito que lhe têm valido a maioria dos recorrentes cartões amarelos que recebe. Preferiu gastar energias na construção de jogadas e mesmo que os remates de longe insistam em não sair, o certo é que voltou a marcar, de pénalti, sem apelo nem agravo. Eleito homem do jogo, teve atitude de capitão e ofereceu o troféu ao regressado Carlos Mané.

 

Montero (3,5)

Pôs termo ao seu pequeno jejum (desde a aziaga final da Taça de Portugal) com um toque pleno de oportunidade, a mesma que demonstrou ao roubar uma bola logo no início do jogo, forçando o espoliado do esférico a agarrá-lo antes que fugisse para a baliza. Lutador incansável, rematou muito e só não teve grande taxa de sucesso nos duelos aéreos com os defesas.

 

Misic (2,0)

Entrou aos 77 minutos para o lugar de Jovane, numa substituição que colocou três médios defensivos oriundos de países balcânicos no relvado em simultâneo - e isto sem contar com o macedónio Ristovski ou com o argentino Acuña, que facilmente obteria cidadania honorária de um desses países. E o certo é que o Marítimo não marcou.

 

Diaby (=)

Mais cinco minutos em campo. Mas a acreditar nos jornais a culpa é da selecção do Mali, cuja convocatória atrasou a integração no grupo.

 

Carlos Mané (-)

Um dos raros representantes da Academia de Alcochete no actual plantel regressou a Alvalade e aos relvados após prolongada ausência por lesão e empréstimos decididos por Jorge Jesus. Merecia mais do que um mísero minuto.

 

José Peseiro (2,5)

Tinha tudo para ser uma noite relaxada. Mesmo com Nani na bancada, e apenas três titulares da época passada no onze titular, viu-se a vencer cedo, recebeu o golo da tranquilidade antes do intervalo e... deixou-se adormecer. O Marítimo ganhou espaço e bola, vários jogadores estavam esgotados (Jovane ficou a dever uns bons 20 minutos ao banco de suplentes) e mesmo assim esperou aos 77 minutos para mexer na equipa, acrescentando mais um médio defensivo aos dois já existentes. Será que o treinador do Sporting protelou as substituições com medo de que mais algum substituído o mandasse para um lugar desagradável?

Os deuses devem estar loucos

Ora vejam se não é verdade:

Marcámos muito cedo, o que não tem sido hábito;

Jovane entrou de início, o que quer dizer que Peseiro ouviu o coro de gente que reclamava a titularidade do jovem;

Montero marcou e fez um belo jogo (o melhor em campo, para mim);

E por fim, Petrovic fez um jogo memorável (atendendo a que é Petrovic e a fasquia está muito baixa...), talvez o seu melhor jogo de verde vestido (o que vai obrigar o nosso colega Leonardo Ralha a retratar-se).

 

Até uma bola que poderia dar golo ao marítimo percorreu a linha de baliza e num ressalto foi morrer nas mãos de Salin.

E na CI, Peseiro, que deve ter recebido o recado do Pedro Correia, resistiu ao "ataque" dos jornalistas e não respondeu a qualquer pergunta sobre Nani.

 

Os deuses hoje estiveram loucos mesmo, em Alvalade. Que assim continuem.

 

Nota final: Concordo com Peseiro, estou farto de o dizer aqui, se quiserem assobiar que o façam no fim. Assobiar os nossos é ajudar o adversário.

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

Dos três pontos conquistados hoje em Alvalade. Vencemos esta noite o Marítimo por 2-0, garantindo que continuamos a depender só de nós no campeonato, à sexta jornada. Serviços mínimos cumpridos, o essencial foi feito.

 

De estar a vencer logo aos 12' e termos ampliado a vantagem aos 35'. Ao contrário do que vem sendo costume, o resultado ficou decidido ainda na primeira parte perante um Marítimo totalmente inofensivo. Razão mais do que suficiente para José Peseiro ter rodado mais a equipa em vez de esperar pelo minuto 77 para fazer a primeira substituição, algo que tive dificuldade em entender.

 

Que não tivéssemos sofrido golos. Raras vezes temos terminado um jogo nesta temporada com as nossas redes invictas. Desta vez aconteceu. Por demérito da equipa adversária. Mas também por mérito do nosso quarteto defensivo, onde Acuña conquistou sem mácula o posto de titular na lateral esquerda.

 

De ver Jovane jogar de início. Foi dele o passe vertical decisivo para Raphinha, aos 10', de que resultou o penálti e o nosso primeiro golo. E é ele quem, aos 34', ganha a falta que dá origem ao livre para o segundo. É também dele o melhor passe longo do desafio, aos 60', quando cruza o campo colocando a bola na ponta direita, para Raphinha. O jovem caboverdiano viria a estar aquém das expectativas durante o resto da segunda parte, correspondendo à vontade do treinador de que jogasse de forma mais contida, sem aquelas explosões que têm feito empolgar os adeptos. Mas o caminho faz-se caminhando. Nenhum jogador adquire maturidade se não jogar.

 

Que Bruno Fernandes não tivesse vacilado no momento do penálti. Marcação impecável da grande penalidade por parte do nosso médio criativo, que hoje foi capitão da equipa.

 

De Raphinha. Para quem duvidava, confirma-se: é mesmo reforço. Hoje esteve presente nos dois golos - primeiro, ao ser derrubado em falta pelo guarda-redes adversário, conquistando um penálti; depois, ao bater o livre de que resultaria o segundo.

 

Do regresso de Montero aos golos, quatro meses depois. Boa actuação do colombiano, que destaco desta vez como melhor em campo. Foi sempre um quebra-cabeças para a defesa adversária, que várias vezes o travou em falta. E marcou o nosso único golo de bola corrida, na sequência de um canto, à ponta-de-lança. Já tínhamos saudades do Montero goleador.

 

Do regresso de Carlos Mané. Peseiro lançou-o num momento absurdo, no tempo extra, quando faltavam 90 segundos para o apito final. Mesmo assim foi bom ver um jogador da nossa formação, que fez uma excelente época com Leonardo Jardim, voltar a pisar o nosso estádio após 15 meses de inactividade forçada devido a uma sequência de lesões. Pena que só tivesse tocado uma vez na bola.

 

Do apoio incessante de algumas claques. Tanto a Torcida Verde como o Directivo Ultras XXI puxaram pela equipa do princípio ao fim. Graças aos elementos destas claques, nunca faltou calor humano em Alvalade nesta noite de princípio de Outono.

 

Do aplauso das bancadas a Danny. Bonita demonstração de fair play dos adeptos leoninos ao capitão do Marítimo, quando foi substituído aos 66'. Mostrando gratidão por este jogador que passou por Alvalade e se distinguiu ao serviço da selecção nacional.

 

Da merecida ovação ao nosso sócio n.º1. João Salvador Marques, de 98 anos, esteve presente na tribuna presidencial, ao lado de Frederico Varandas, e foi brindado com calorosos aplausos antes do jogo. 

 

 

Não gostei

 

De ver a equipa tão desfalcada. Actuámos hoje sem Bas Dost, Mathieu, Nani e Battaglia. Do onze titular que entrou em campo, havia apenas três titulares da época passada (Coates, Acuña e Bruno Fernandes). Isto influi, naturalmente, na falta de entrosamento da equipa e na quebra de qualidade do espectáculo. 

 

Que tivéssemos entrado em campo só com um jogador da formação. Jovane fez a diferença. Quando saiu, aos 77', e até ao fim do tempo regulamentar, deixámos de ter qualquer jogador saído da Academia de Alcochete neste desafio em Alvalade. O que é um triste sinal dos tempos.

 

Que só tivéssemos feito três remates à baliza. Manifestamente pouco para um jogo em casa por parte de uma equipa com os pergaminhos e as aspirações do Sporting.

 

Da nossa medíocre exibição na segunda parte. Equipa tristonha, amorfa, sem chama. Dando a impressão de ter ordens explícitas de jogar recuada no terreno, sem ousar incursões ofensivas e rematar muito para trás. Não admira que largas centenas de pessoas tenham abandonado o estádio muito antes do fim.

 

Da entrada tardia de Diaby. Terceiro jogo consecutivo em que o avançado maliano contratado ainda durante a gestão interina de Sousa Cintra entra em campo nos minutos finais, quase sem tempo para tocar na bola. Hoje rendeu Montero quando já estavam decorridos 87'. Continua a ser um mistério, esta escassísima utilização de um reforço por parte de um treinador com tão notória carência de jogadores disponíveis. 

 

Do receio do treinador. Para quê terminar o jogo com três médios defensivos? Petrovic e Gudelj estavam desde o início em campo. Aos 77', quando vencíamos 2-0, saiu Jovane para entrar Misic. Parecia estratégia de equipa pequena. Como se estivéssemos a defrontar o Manchester United em vez do Marítimo.

 

De ouvir os adeptos assobiarem a equipa. A meio da segunda parte, e até ao fim, escutaram-se sonoras vaias em Alvalade. Quando vencíamos, o jogo estava controlado, o Marítimo mostrava-se inofensivo e havia que poupar algum esforço com vista à importante deslocação à Ucrânia na quinta-feira. Que moral pode ser transmitida aos jogadores com adeptos destes?

Aquele momento Petrovic

Faço sempre o possível e o impossível por respeitar os atletas que envergam o equipamento do Sporting. Dito isto, ler que Petrovic será titular daqui a poucos minutos, estando prestes a sair de casa para o estádio, é o tipo de informação que me põe os pés tão pesados como se fossem de chumbo.

 

Ficarei feliz se voltar aqui no final da noite para engolir as minhas palavras...

Dois erros

Um erro não se corrige com outro erro. Nani cometeu o primeiro, ao sair do campo em Braga como saiu. Mas o treinador também errou ao pronunciar-se publicamente sobre o assunto, que envolve o capitão da equipa.

Estas questões resolvem-se entre as quatro paredes do domicílio profissional, dispensando bravatas na praça pública. Não há que inventar nada: muitas fragilidades ao nível da comunicação dos clubes poderiam ser solucionadas com o recurso ao mais elementar bom senso.

Faz hoje um ano

 

Mantinha-se a euforia entre os adeptos leoninos naquele início da época 2017/2018, já no entanto mitigada com palavras de advertência da nossa parte.

Seguem dois exemplos, aqui no blogue, desse dia 29 de Setembro de 2017.

 

«Levamos três jogos seguidos sem ganhar. É verdade que um desses jogos foi contra o Barcelona de Messi, Iniesta, Suárez, Paulinho e Busquets. É verdade que ocorreram em três competições diferentes, o que de algum modo dilui o problema. Mas também é um facto que nos outros dois desafios tivemos pela frente o modesto Marítimo e o frágil Moreirense - equipas que temos obrigação de vencer em qualquer circunstância. E não é menos verdade que nestes três jogos não marcámos golo algum: a única vez em que a bola chegou às redes da baliza adversária foi graças a um autogolo.» (Escrevi eu).

«O jogo do Barcelona está dentro de um ciclo, que começou de maneira horrorosa contra o Moreirense e só termina no domingo, contra o Porto. Ora, por ter "batido o pé" ao Barcelona, por ter jogado "olhos nos olhos", a equipa vai chegar a domingo mais cansada (porque o jogo do Porto com o Mónaco não foi tão cansativo) e com menos um dia de descanso. Esse jogo é que era para tentar ganhar com todas as nossas forças, e não as vamos ter. Assim como era para ganhar mesmo contra o Moreirense. Até agora, isto está muito parecido com o ano passado, quando "batemos o pé" ao Real, jogámos "olhos nos olhos", e depois fomos perder escandalosamente com o Rio Ave por 3-1.» (Escreveu o Luciano Amaral).

Faz hoje um ano

 

Ainda o jogo de véspera, para a Liga dos Campeões, com a vitória tangencial (1-0) do Barcelona em Alvalade.

 

Observou o Pedro Azevedo: «Chamam-lhe Batman, mas a sua verdadeira identidade é Battaglia. Rodrigo Battaglia. A seu lado não estava Robin, mas sim Supermat, ou melhor Mathieu, Jeremy Mathieu, um gaulês também habituado às danças de salão - não tivessem elas sido criadas na corte do rei Luis XIV, em França - que nas ausências de Battaglia soube dançar a par com Messi. Os nossos super-heróis dinamitaram o passe-repasse do Barça, o célebre tiki-taka, com uns últimos 15 minutos de vertigem que quase conduziram a equipa à igualdade.»

 

Reclamou o José da Xã: «Ontem estive em Alvalade com mais 48.274 adeptos e vi um Sporting a ser massacrado por um árbitro que, enquanto a equipa blaugrana não marcou, não deixou de atemorizar os nossos jogadores. Mal tocava num jogador da cidade condal, qualquer atleta leonino era logo admoestado com a cartolina amarela. Um manual de como não se deve arbitrar.»

 

Concluí eu, nesse dia 28 de Setembro de 2017: «Gostei muito do aplauso tributado nas bancadas de Alvalade ao grande Iniesta - bicampeão mundial e um dos melhores futebolistas que vi jogar desde sempre - no momento em que foi substituído. São instantes como este, em que mesmo a perder somos capazes de prestar tributo ao talento alheio, que me enchem ainda mais de orgulho por ser sportinguista.

Mais do mesmo

image.jpg

 

José Peseiro, confrontado com a prolongada lesão de Mathieu e a evidente inaptidão de Marcelo para prestar bons serviços ao Sporting (foi uma das contratações mais disparatadas do último Inverno), clama por um novo central. Lamento que só agora o técnico leonino pense nisto, pois já tinha esse central e deu luz verde para que saísse: refiro-me a Demiral - que chegou a Lisboa ainda júnior e completou a formação na nossa Academia -, há pouco despachado para o futebol turco, com direito a cláusula de opção para o clube onde actua. Acontece que o desempenho do jogador é tão bom que, segundo noticia O Jogo, essa cláusula acaba de ser pré-anunciada, com três meses de antecedência. 

E assim vemos partir mais um talento que ajudámos a formar, a preço irrisório para o seu real valor e sem ter conseguido uma oportunidade de mostrar o que verdadeiramente vale vestido de verde e branco: limitou-se a exibir classe durante três épocas na nossa equipa B, entretanto extinta. Tudo isto ajuda a explicar 16 anos consecutivos de insucessos no Sporting.

Faz hoje um ano

 

Recebemos o Barcelona em Alvalade: Messi, Iniesta e outros craques pisaram o nosso estádio, defrontando o Sporting na fase de grupos da Liga dos Campeões. Perdemos 0-1, com um golo de Coates na própria baliza, aos 49'. O jogo foi tardio, a maioria dos comentários só viria a publicar-se aqui no dia seguinte.

Primeiras impressões, ainda a 27 de Setembro de 2017:

«Mathieu (3): o melhor em campo, espantoso na autoridade na sua área, alguns cortes in extremis de levantar o estádio, e com coração e técnica para carregar a equipa para a frente, em várias incursões de grande gabarito; (...) Battaglia (3): o melhor em campo, ainda melhor do que o melhor em campo Mathieu. Não haverá palavras suficientes para descrever o sobre-humano que produziu no controlo das linhas de ataque, em torno de Messi, que muito apagou, e não só, e a inteligência táctica que mostrou em articulação da defesa. E ainda teve futebol para lançar ataques.» (JPT)

«O Sporting emperrou hoje a "máquina de guerra" catalã, e Jesus tem muita "culpa" no cartório, tendo montado muito bem o esquema táctico e escolhendo bem as pedras para os lugares. Esqueceu-se de alguns pormenores, quanto a mim: Podence e Iuri Medeiros, que poderiam ter feito melhor que Dost e César. Não poderia prever o show de apito e cartões por parte do artista romeno e isso ajudou a tramá-lo. Apesar de tudo demonstrámos que temos uma equipa valorosa e que enfrentou uma das melhores equipas do mundo de olhos nos olhos, sendo que o resultado é de todo injusto.» (Edmundo Gonçalves)

 

Hoje giro eu - Bruno Fernandes

A propósito de vários comentários depreciativos que vou lendo na blogosfera (e não só) sobre Bruno Fernandes, gostaria também de emitir a minha opinião. Começo por fazer a minha declaração de interesses: para mim, Bruno Fernandes é o melhor jogador do Sporting. Para chegar a esta conclusão, deixei de fora qualquer sentimento de animosidade que pudesse ter contra o homem que rescindiu, alegando justa causa, o contrato inicial que tinha assinado pelo Sporting. Também não dei especial relevo ao facto de esta época estar a jogar menos, dadas as condicionantes físicas (pré-época sofrível) e a alteração do modelo de jogo. Apenas me baseei no seu valor intrínseco: superior visão de jogo, qualidade de remate, passe de ruptura, capacidade de liderança em campo e intensidade e comprometimento com o jogo, que o tornaram, na temporada 17/18, o jogador leonino mais influente (Ranking GAP) e o melhor jogador do campeonato para o Sindicato dos Jogadores de Futebol, para além de ter recebido a sua primeira internacionalização A e de ter sido integrado na selecção nacional que disputou o Mundial.  

 

Embora haja quem nunca tenha gostado do jogador, algo que devo respeitar, tenho para mim que a maioria dos Leitores dá como certo que Bruno Fernandes está muito abaixo dos parâmetros do ano anterior. Principalmente, é mencionado o facto de estar a falhar demasiados passes, o que não deixa de ser uma evidência. Assim sendo, seguidamente, vou tentar apresentar algumas razões do ponto-de-vista táctico que podem justificar esse abaixamento de forma.

 

O Sporting de 17/18 tinha William como pivot defensivo. Embora este fosse bem menos intenso defensivamente do que Battaglia, a sua qualidade de passe era bem superior. De entre o leque dos seus refinados recursos técnicos destacava-se o passe vertical rasteiro, que entrava entre linhas do adversário, deixando Bruno Fernandes, no meio, de frente para os defesas contrários. Ora, esta época, com Battaglia, as coisas são diferentes. Batta é um jogador de arrastamento de bola, não de passe, muitas vezes evoluindo na perpendicular à baliza contrária, e com isso Bruno acaba por ter de se deslocar para as linhas laterais, não tendo (ainda por cima) Bas Dost para responder aos seus cruzamentos. Apesar disso, se olharmos com atenção, verificaremos que continua a ser o jogador mais influente da equipa, tendo participado em 7 dos 12 golos do leão (Jovane é o segundo com 6). Vendo ainda mais cirurgicamente, concluimos que as melhores acções de Bruno ocorreram quando recebeu a bola na zona central do terreno. Foi daí que marcou e assistiu (Dost) em Moreira de Cónegos, lançou Jovane para uma assistência contra o Vitória de Setúbal, combinou com Montero e marcou contra o Marítimo ou serviu Nani para este centrar de forma geometricamente perfeita para Raphinha contra o Qarabag. Para além do golo de penalty contra a equipa insular. A excepção que confirma a regra ocorreu na Luz, quando sobre a direita assistiu Montero, em lance que terminaria com uma grande penalidade a nossa favor.

 

Considerando este pressuposto como correcto, resta perguntar-nos como pode Bruno Fernandes ser optimizado, recebendo mais bolas no corredor central. Ora, na minha modesta opinião, aqui existe um constrangimento, relacionado com aquilo que me parece ser  o grande calcanhar de aquiles táctico deste novo Sporting: o duplo-pivot não ajuda a mitigar as deficiências de qualidade de passe de Battaglia. Teorizando, a existência de um jogador mais perto de Bruno Fernandes ajudaria este a soltar-se mais, na medida em que Gudelj ou Wendel chamariam a si adversários e libertariam Bruno com esses movimentos, podendo este receber a bola, sem marcação, de frente para a baliza e com opção de passe ou remate. Actualmente, a Bruno é pedido que seja um dois-em-um, que tente ganhar também a segunda bola, ao contrário do que ocorre nos clubes rivais. Enquanto Gedson, Pizzi ou Gabriel, Herrera ou João Novais, tudo números "8", aparecem muitas vezes nas imediações da área contrária, no Sporting, Bruno coloca a bola e ainda tem de ir a correr tentar ganhar um ressalto. Até porque se olharmos para a disposição da nossa equipa em campo, ela parece adoptar a "Táctica do Pudim" (Molotof, na circunstância), que consiste em ter grande cobertura de jogadores à volta do campo, mas com um buraco no meio, concretamente o espaço deixado vazio entre o duplo-pivot e o "10" (Bruno).

 

Evidentemente, nem tudo obedece aos conceitos tácticos e é preciso entender que Bruno não tem estado feliz no passe, não obstante ajudar a equipa na pressão alta e recuperar algumas bolas. Igualmente importante será perceber onde perde a bola. Como jogador experiente que é, sabe onde pode e deve arriscar e, até hoje, de nenhuma das suas perdas de bola resultou algum golo contrário. (Em contraposição, em Braga, uma troca de passes entre Montero e Ristovski, veio a ocasionar o golo bracarense.) No entanto, e receando a menor certeza recente do seu passe, talvez seja pouco prudente apostar actualmente nele para "8". Mais tarde, e na medida em que a sua capacidade física e técnica volte ao normal, tal poderá ser uma boa solução, permitindo que Nani jogue mais interiormente (como "10") e que Jovane emparceire com Raphinha nas alas.

bruno-fernandes.png

 

Os lamentos de Rúben

Naquela noite de 12 de Abril, uma semana depois das calamidades no relvado e no Facebook que marcaram a visita ao Atlético de Madrid, o caldo verde e branco estaria irremediavelmente entornado?

 

Cheguei a crer que não, mesmo sem poder estar em Alvalade - acreditei até às sete e pouco que conseguiria acabar aquilo que tinha em mãos a tempo, mas optei pelo realismo e emprestei a gamebox a uma colega de redacção. Montero marcou cedo, redimindo-se do tardio falhanço em Madrid que teria minorado os erros de Mathieu e de Coates, e bastava outro golo para levar o acesso às meias-finais da Liga Europa para uma decisão através de grandes penalidades que permitiria a Rui Patrício amargar Griezmann, ao melhor estilo da final do Europeu de 2016.

 

Só que a rapaziada perdeu o fôlego, o intervalo nada melhorou, os minutos esgotaram-se, e Jorge Jesus olhou para o banco, fazendo entrar o irreverente júnior Elves Baldé para o lugar de Bryan Ruiz... Mas não, não foi assim que aconteceu. Quem entrou em campo, aos fatídicos 70 minutos de jogo, foi Rúben Ribeiro, que nada acrescentou à modorra que ainda assim permitiu a única vitória caseira da temporada (até àquela data, pois ainda foi possível derrotar o FC Porto na segunda mão da meia-final da Taça de Portugal, obtendo nos pénaltis o infausto salvo-conduto para o Jamor) do Sporting contra os muitos tubarões que o visitaram.

 

Temo ser injusto, mas a entrada de Rúben Ribeiro naquela altura daquele jogo foi terrivelmente simbólica por tudo o que representou de previsível no esgotado consulado de Jorge Jesus. Nunca saberemos se Elves Baldé teria o desplante e a destreza para dinamitar a defesa do Atlético de Madrid, mas já o extremo contratado no mercado de Inverno ao Rio Ave foi igual a si próprio: para mal dele, e para mal do clube, demasiado pequeno para o Sporting.

 

Na entrevista exclusiva hoje publicada pelo ‘Record’, aquele que terá sido o único jogador do anterior plantel a alegrar a maioria dos adeptos ao avançar para a rescisão, alegando justa causa, lamentou-se por não poder jogar, tal como se lamentou por a comissão de gestão e pelos novos dirigentes terem exigido um ou mais milhões pelo seu passe a clubes interessados em contar consigo. E por terem travado a disponibilidade que demonstrou de regressar ao Sporting, seguindo os passos de Bas Dost, Bruno Fernandes e Battaglia...

 

Quanto à tristeza de Rúben Ribeiro por não estar a fazer aquilo de que gosta, e que é a sua profissão, compreendo-a - por mais do que um motivo. Mas nem assim admito voltar a vê-lo de leão ao peito, nem desejo que o clube abdique de ser devidamente ressarcido pelo investimento que fez neste futebolista, a quem desejo, sinceramente, o melhor futuro possível. Bem longe de Alvalade.

Pág. 1/12

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D