Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Reis das Faltas

A Bola de hoje lembrou-se de puxar o Sporting para a sua capa e o verde fica bem no jornal. Para além do alegado e reaquecido interesse nos caríssimos extremos argentinos Pavon e Pity, o diário destaca que "Leões são os reis das faltas na Champions". Esta informação tem relevância para estar na capa? Não peço qu´A Bola seja o jornal do meu clube mas recordo que o Sporting, num grupo com Barcelona, Juventus e Olympiacos, soma 4 pontos e tem hipóteses de se apurar para os oitavos da Liga dos Campeões. Teve duas vitórias morais mas 4 pontos não me parece mau negócio, neste contexto. Já parece o outro dia, quando nos oráculos da SIC Notícias se podia ler que "Benfica ainda tem hipóteses de se apurar" enquanto que Sporting, com um empate, "punha em causa o apuramento". É de mais. 

Hoje giro eu - Honrar a genialidade

Muita polémica vem causando os já habituais assobios de adeptos leoninos quando ecoa no estádio o hino oficial da Champions e as equipas se encontram perfiladas no centro do terreno antes do início de cada jogo.

Eu gostaria de dizer que entendo o protesto: o escandaloso penálti assinalado a favor do Schalke ou os jogos com o CSKA ainda se encontram frescos na memória de muita gente e acontecimentos como os ocorridos durante o Sporting-Barcelona desta edição da Liga dos Campeões - em que vários dos nossos jogadores foram admoestados com pouco critério e a UEFA ainda agravou a situação, multando-nos por excesso de "amarelos" - não ajudam a atenuar esse sentimento de revolta. Mesmo o argumento daqueles que, muito respeitávelmente, consideram ser incongruente aceitar participar na prova e ter tal comportamento a mim não colhe, porque os adeptos têm direito à indignação e, apesar de tudo, o assobio é uma forma não violenta, logo admissível, de o manifestar.

Com o que eu não posso estar de acordo é com a forma utilizada: a música, mais ainda, a imortal composição de Handel, é uma forma de arte (entre outras) que sublima aquilo que é o melhor do ser humano e da nossa civilização. Ninguém, por não ser católico ou não gostar do Papa vai à Capela Sistina, no Vaticano, assobiar a pintura de Michelangelo. Os ancestrais inimigos dos egípcios não apupam as Pirâmides de Gizé, os paquistaneses não vão a Agra vaiar o Taj Mahal. Repudiar o momento em que o profano quase toca o sagrado é, em vez de louvar a excelência e o brilhantismo que o Homem pode atingir, regredir para tempos pré-históricos de barbárie.

Por isso faço aqui um apelo aos nossos adeptos: escolham outro momento para manifestar a Vossa (justa) revolta. Pode ser o momento em que o árbitro apite para o início do jogo, o final da primeira-parte, o recomeço (segunda-parte), o minuto exacto em que foi (mal) assinalada a penalidade a Jonathan em Gelsenkirchen ou outro qualquer que as claques julguem por bom, mas por favor não confundam os erros (ou outra coisa qualquer) perpetrados por gente que a espuma do tempo devorará da nossa memória com a grandiosidade da obra de um génio, a vitória da nossa civilização.

 

champions.jpg

 

A minha costela JotaJota

Domingo, oito e um quarto da noite, defrontamos os arsenalistas em casa.

Com a boa prestação dos chamados por Jesus a este jogo com a Juventus e com a previsível recuperação física dos que ficaram de quarentena, quem acham que vai ser o onze inicial?

No último desafio nenhum dos apostadores esteve em sintonia com o nosso catedrático. Vamos ver se há melhor pontaria desta vez?

Sonhar é à borla

Vai-se por aí falando nas poucas hipóteses de o Sporting se qualificar para a fase seguinte da Liga dos Campeões.

É um facto que este empate com a Juventus veio complicar as contas, que estão, a dois jogos do final, assim: Barcelona, 10 pts, Juventus 7 pts, Sporting 4 pts e Olimpiakos 1 pt. 

A próxima jornada opõe Sporting a Olimpiakos, em casa e Juventus a Barcelona, em Itália. Se tudo correr normalmente em Alvalade, somaremos mais três pontos, atingindo os sete. Um resultado nada surpeendente em Turim, a vitória da Juventus, colocá-la-ia com os mesmos dez pontos que o Barcelona e praticamente fechando as contas do apuramento. No entanto, o Barcelona pode ir a Turim ganhar, afastando-se em definitivo no topo, mas deixando a Juventus com os mesmos pontos que o Sporting, os tais sete. Imaginemos que este é o cenário da próxima jornada, teremos um "condenado" a lutar pelo acesso à Liga Europa, a bater-se por um lugar nos oitavos de final da CL. Sim, o último jogo é em Barcelona, mas a Juventus terá que ir ao Pireu e sabe-se que o Barcelona apenas lá conseguiu um empate.

Deixem-me, a exemplo de José Torres, sonhar: E se a Juve perde na Grécia e nós arrancamos um empatezinho em Barcelona?

É certo que tudo isto pode voltar-se contra nós e nem sequer conseguirmos a qualificação para a Liga Europa, mas caramba, se alguns com zero pontos têm "hipóteses", porque carga de água não poderemos nós também sonhar um pouco? Afinal até temos demonstrado competência.

Requiem pelo fotojornalismo desportivo?

rui patricio.jpeg

Talvez por alguns dos meus grandes amigos serem fotógrafos. Talvez por um deles ser mesmo um fotorepórter desportivo, actividade que desempenhou durante anos … talvez por isso mesmo me surpreenda, e angustie, isto. Sim, a gente sabe que a profissão fotógrafo capotou nos últimos anos – as milhares de milhões de pobres “imagens” avassalaram as algumas Fotografias que os oficiais do ofício sabiam manufacturar.

No campo do futebol, nos campos de futebol, idem. É ver os espectadores, em vez de seguirem o jogo, distraídos com os seus telefones a “filmarem” e “fotografarem” o jogo, produzindo um patético lixo cuja única inocência é não ocupar espaço físico.

Enfim, vem isto a propósito do Sporting-Juventus de anteontem. Aos 69 minutos, vindo lá do canto da baliza, Rui Patrício fez uma defesa extraordinária – não exactamente espectacular mas absolutamente extraordinária, no que mostrou de capacidade técnica de controlo do seu espaço próprio, a baliza e a pequena-área. Fica-me, aos meus 53 anos, como aquela defesa do meu ídolo de sempre, Vítor Damas, no estádio de Wembley ao serviço da selecção nacional.

Procuro no google uma fotografia dessa defesa, várias buscas. Nada encontro a não ser esta imagem televisiva. É possível que alguma haja, mas não a encontrando facilmente, com as tecnologias digitais de agora, mostra bem que a reportagem fotográfica está desmoralizada.

E sigo, no tom do envelhecido, com as saudades dos tempos dos António Capela e Nuno Ferrari. Esses que, com outra tecnologia, teriam arrancado, e imortalizado, este voo de Rui Patrício. E assim teriam inundado capas e primeiras páginas de jornais de papel.

Palmarés leonino 2017/2018

Sporting vence Taça de Honra em futsal, derrotando Benfica na final.

 

Equipa feminina do Sporting conquista Taça de Portugal em triatlo.

 

Leões superam Benfica conquistando Supertaça de ténis de mesa.

 

Sporting vence supertaça de bilhar às três tabelas, derrotando o FC Porto.

 

Leoas Filipa Mendonça e Ana Catarina Nogueira revalidam título de campeãs nacionais de padel.

 

Ricardo Fernandes revalida título de campeão nacional de super-médios em boxe.

 

Sporting vence europeu de sub-15 em hóquei em patins derrotando Barcelona na final.

 

 

(em permanente actualização)

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Faltou a varinha mágica em noite de Halloween

Em noite de Halloween, Rui Patrício viu-se rodeado das habituais caras conhecidas na linha defensiva. Assim, para esse efeito, Ristovski surgiu mascarado de Piccini, André Pinto vestiu o disfarce de Mathieu e Jonathan...bem, Jonathan foi "Jonathan ao Cuadrado", tantas foram as vezes em que se teve de deparar com o extremo colombiano, o qual foi ala e, mais tarde, lateral direito na equipa da Juventus. Nada de anormal, pois à mesma hora, em Manchester, Svilar vestiu a carapaça de Mitroglou, marcando pelo segundo jogo consecutivo naquilo que foi a antecipação do Dia de Finados lá para as bandas da Luz. É caso para dizer que em noite de bruxas, nem (S)vilar das Perdizes os safou. E nem se pode referir, tendo tão boa imprensa, que Svilar tenha as costas largas...

Como curiosidade, o Sporting marcou o seu golo no quarto de hora em que tocou mais vezes na bola (15-30 minutos, 176 toques) e sofreu o tento da Juve nos últimos 15 minutos, período em que teve menos bola (apenas 78 toques). Globalmente, a equipa tocou 450 vezes na bola durante a primeira parte e 275 vezes, na segunda parte (61,1% do registo do primeiro tempo). Assim se conclui que, mesmo em noite de Halloween, não houve actividade paranormal, apenas consequências que decorreram das estatísticas.

Destaque global para Gelson Martins que esteve em todos os lances de perigo da equipa leonina. Aos 19 minutos, brincou com os apoios de Chiellini, torcendo-lhe a espinal medula de tal forma que já terá consulta marcada num quiroprático, no regresso a Turim. Do lance resultaria o golo do Sporting, após defesa incompleta (e para a frente) de Buffon, o qual perdeu o duelo de "Monstros" com o nosso São Patrício, o exorcista do "mal" transalpino. Na segunda parte, o ala arrancou por entre Alex Sandro e Barzagli e, mesmo carregado pelo brasileiro, percorreu 50 metros e conseguiu chegar à área para depois acabar a decidir pessimamente, não rematando à baliza do desamparado guarda-redes "bianconeri". Ainda participaria na jogada concluida com remate ao lado de Bruno César e naquela em que Bas Dost teria marcado se não tivesse cortado as unhas dos pés durante o fim-de-semana. Em suma, Gelson foi um constante pesadelo para a defesa italiana, tranformando o estádio de Alvalade numa casa assombrada para os "piemontesi".

Outro jogador em evidência foi Battaglia. Começou (primeiro quarto de hora) com uns modestos 6,4% de participação na posse de bola leonina, mas já terminaria a primeira parte com uns imponentes 12,4%, concluindo o encontro com uns notáveis - para um trinco, sendo que ainda foi box-to-box e lateral direito - 13,1%. Também acima da média estiveram Patrício, Ristovski (confirmação das boas indicações deixadas na Taça da Liga) e Acuña, o Muro de Alvalade. Bas Dost, em jogo de grande disponibilidade, conseguiu ganhar importantes bolas nos ares e Bruno César voltou a marcar um golo na Champions. Uma nota final para Bruno Fernandes: as coisas podem até não lhe sair bem, mas é indiscutível que tem um extra de qualidade face a qualquer outro jogador do plantel do Sporting, como se tornou bem evidente no lance que marcaria o último suspiro de ataque leonino. 

 

Junto apresento quadro da posse de bola leonina e comparação com os números de Battaglia, a quem pela função específica em campo muitos destes toques correspondem a desarmes efectivos. Eis a tabela:

imagem.png

sportingjuventus2.jpg

 

 

Quente & frio

Gostei muito da atitude da nossa equipa durante esta difícil partida em Alvalade contra a Juventus. Mesmo desfalcado de quatro titulares, o onze leonino apresentou-se bem organizado, equilibrado, dinâmico e solidário, com grande maturidade competitiva e um meio-campo povoado com eficácia e consistência. Sem complexos frente ao adversário, vice-campeão europeu e hexacampeão de Itália.

 

Gostei da exibição irrepreensível de Gelson Martins, que construiu o nosso golo e se destacou em dois grandes lances individuais, aos 46' e 60', além de ter policiado sem falhas as incursões de Alex Sandro na sua ala. De Rui Patrício, que evitou um golo com uma defesa superlativa aos 69'. De Ristovski, que brilhou nesta estreia como titular da lateral direita do Sporting anulando Mandzukic e Douglas Costa. De Battaglia, que foi uma muralha. E do "chuta-chuta" Bruno César, autor do golo aos 20' - com o pé direito!

 

Gostei pouco que tivéssemos recebido uma das melhores equipas do futebol mundial - recheada de estrelas como Buffon, Barzagli, Cuadrado, Chiellini, Khedira, Higuaín e Dybala - sem o nosso melhor onze, desfalcado de Matthieu, Piccini, Fábio Coentrão e William Carvalho. Do mal o menos: talvez os dois últimos ainda recuperem a tempo de disputar a 11.ª jornada do campeonato, no próximo domingo, frente ao Braga.

 

Não gostei de sofrer o golo do empate após cerca de uma hora em vantagem no resultado, quando a equipa já acusava muito desgaste físico nesta grande noite europeia do Sporting que esteve a um passo de tornar-se histórica. Nem de termos falhado o segundo golo, à nossa mercê aos 62', quando Bas Dost foi incapaz de dar o melhor desfecho a um excelente cruzamento rasteiro de Bruno Fernandes a partir da ala direita.

 

Não gostei nada de ver dois jogadores nossos "amarelados" por protestos bem escusados e evitáveis na alta roda do futebol: Acuña e Coates - sobretudo o internacional uruguaio, que estava à queima por acumulação de cartões e fica assim excluído do próximo embate para a Liga dos Campeões, em Alvalade, frente ao Olympiacos. E novamente me deixa perplexo ouvir adeptos leoninos vaiarem o hino da Champions em Alvalade. Confundem a Liga dos Campeões com uma taça da carica.

Entre os mais comentados

Nos 22 destaques feitos pelo Sapo em Outubro para assinalar os dez blogues mais comentados nesta plataforma ao longo do mês, És a Nossa Fé recebeu 22 menções - atingindo, portanto, a quota máxima.

Mais: este e um outro, que nada tem a ver com desporto, foram os únicos blogues a fazer o pleno dos destaques. Sem falhar um. Recorde-se que os textos publicados ao fim de semana são agregados aos de sexta-feira para este efeito, o que leva o número de destaques mensais a ser inferior ao número de dias.

Mais ainda: figurámos 11 vezes no pódio dos mais comentados - com quatro "medalhas de ouro", três de "prata" e três de "bronze".

 

Os 22 textos foram estes, por ordem cronológica:

 

Hoje giro eu - Iuri, o anticiclone dos Açores (56 comentários, o terceiro mais comentado do dia)

Rescaldo do jogo de ontem (62 comentários, o segundo mais comentado do dia)

E mesmo assim (38 comentários)

A ver se eles aprendem de vez (34 comentários, o terceiro mais comentado do dia)

Conversa da treta (46 comentários, o mais comentado do dia)

Hoje giro eu - Jesus quer mais discípulos (116 comentários, o mais comentado do dia)

Quem são os três melhores? (54 comentários, o segundo mais comentado)

Prognósticos antes do jogo (28 comentários)

N invertido  (38 comentários)

A voz do leitor (18 comentários)

Hossanas do cartilheiro (4) (44 comentários, o mais comentado)

Porque levará ele as mãos à cabeça? (56 comentários, o mais comentado do dia)

Ser ou não ser o melhor (38 comentários, terceiro mais comentado)

Prognósticos antes do jogo (38 comentários)

Tudo ao molho e FÉ em Deus - A Velha Senhora matou o sonho da Juve leonina (82 comentários, o mais comentado do dia)

Hossanas do cartilheiro (5) (38 comentários)

Opinião unânime: foi penálti (32 comentários)

Pérolas de Rui Gomes da Silva (53) (24 comentários)

Justo aplauso a Gelson Martins (30 comentários)

Prognósticos antes do jogo (52 comentários)

Olheiro de Bancada - X (33 comentários)

Da verdade (1) (30 comentários,)

 

Com um total de 987 comentários nestes postais.

Fica o agradecimento a quem nos dá a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Pág. 8/8

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D