Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Sportinguistas de Aljezur

Realiza-se dia 11 de Fevereiro, um sábado, um grande almoço de confraternização verde e branco em Aljezur.

Todos os Sportinguistas que queiram participar têm à disposição o contacto que aqui partilho.

Um dos objectivos deste encontro é a fundação do Núcleo do Sporting em Aljezur.

Algarvios da zona, aproveitem e façam parte da história do nosso clube, ajudando a fundar mais um núcleo, o nono na zona do Algarve, engrandecendo desta forma o nosso clube.

16244344_1335178863169962_1167736517_n.jpg

 

Jornalismo desportivo: uma disciplina inexacta!

Vamos lá ver se consigo explicar ao que venho.

Sempre que o Sporting tem maus resultados é notícia em letras garrafais em tudo o que é jornais e plataformas virtuais, como se não houvesse mais nenhuma notícia importante para dar.

Ao invés quando outras agremiações apresentam outrossim maus resultados, as notícias vêm quase em nota de rodapé, tentando não dar realce aos desaires.

Esta diferença de tratamento é tão mais visível quanto maior for a diferença de postura dos agentes desportivos. Todos sabemos que BdC e JJ são o alvo preferido da comunicação social, já que ambos se colocam muito a jeito…

Não quero, de todo, uma atitude de preferência para com o Sporting, por parte da comunicação social. Também não pretendo que branqueiem as situações menos correctas no clube. O jornalismo é a arte de informar e divulgar notícias, unicamente.

É certo que quando olhamos para uma garrafa meia, ela pode estar meio cheia ou meio vazia. E em ambas as situações a visão corresponde à realidade.

Todavia nesta mistura explosiva entre jornalismo e clubismo há (ainda) quem consiga ser equidistante e sério, o que é cada vez mais raro, e há aqueles que jamais percebem que, para se ser bom jornalista não é necessário estar mais próximo deste ou daquele clube.

Sinceramente, custa-me entender a filosofia destes novos tempos jornalísticos.

Jesus, o Marco Silva de Madeira Rodrigues

 

É espantosa a impreparação de Pedro Madeira Rodrigues. Depois de ter referido vinte vezes em duas entrevistas o nome de Marco Silva, lamentando sem cessar que o actual técnico do Hull City tivesse sido empurrado do Sporting por Bruno de Carvalho, anuncia agora ele que empurra por sua vez Jorge Jesus caso vença a eleição de 4 de Março. Sem ao menos ter reparado que logo no dia seguinte disputamos um jogo crucial contra o V. Guimarães.

A imaturidade deste homem que durante três anos arrasou corajosamente Bruno de Carvalho sob pseudónimo num blogue fica bem evidente na forma como ficou prisioneiro da sua própria armadilha. Quis fazer peito, utilizando o treinador como arma de arremesso contra o actual presidente, e acabou por receber de ricochete o tiro que ele próprio disparou.

Jorge Jesus é o Marco Silva de Madeira Rodrigues, como ficou patente na mais recente entrevista televisiva concedida pelo candidato.

 

Durante duas longas horas, à CMTV, o autoproclamado "Trump português" conseguiu uma vez mais chegar ao fim sem nada ter proferido de substancial.

Diz que tem investidores prontos a pôr dinheiro no Sporting. Não diz quem são.

Diz que tem uma solução financeira para o afastamento de Jesus. Ficou por explicar qual é.

Diz que tem uma lista de três treinadores alternativos ao actual. Mas não desvenda nenhum deles.

Diz que já escolheu um novo director desportivo. Mas guarda segredo: ninguém fica a saber de quem se trata.

Diz que tem "facilidade para trazer jogadores". Faltou dizer quem.

 

O candidato fala como quem sopra bolas cheias de espuma: anda há um mês na estrada e de concreto sabemos apenas que despediria o treinador mal chegasse à presidência sem lhe pagar a justa indemnização que a lei prevê. Vinte módicos milhõezitos, quantia que daria para construir dois pavilhões para as modalidades, montante superior à dívida assumida pelo Sporting à Doyen.

Mandato iniciado a rasgar um contrato, assegura o homem que acusa Bruno de fazer o mesmo.

Vá lá a gente entendê-lo. E vá lá ele entender-se a si próprio. Nesta altura do campeonato já percebeu certamente que é muito mais fácil escrevinhar sob pseudónimo num blogue do que concorrer à presidência do Sporting.

A minha costela Jota Jota

Amanhã em Alvalade, 20.30 horas, com um frio que convida à lareira, mas que nos obriga a que, todos, façamos o esforço de não ficar em casa.

Adversário o FC Paços de Ferreira.

Aventem lá as vossas apostas para o onze inicial e já agora expliquem as vossas opções, se acharem relevante.

Na última jornada, nos Barreiros, Jesus não esteve pelos ajustes dos prognósticos, de modo que não acertou com nenhuma aposta dos nossos leitores e colegas de blogue.

Dois enormes Leões

Daniel Podence e Francisco Geraldes, formados na Academia leonina, estão  de regresso a Alvalade, como reforços de Inverno, após terem sido cruciais na categórica vitória do Moreirense - treinado por Augusto Inácio - sobre o Benfica na meia-final da Taça da Liga, agora chamada Taça CTT.

Sejam bem-vindos, rapazes. Contamos convosco.

 

images[9].jpg

 Francisco Geraldes

 

images[4].jpg

Daniel Podence

Palavra de benfiquista!

"O motivo principal disto é a arbitragem. Não tenho dúvidas nenhumas". Foi assim, em entrevista à Sporting TV, que Jorge Jesus justificou os sucessivos desaires da equipa de futebol que ele próprio treina. Pois bem, concordo com Jorge Jesus. Sem ironia, concordo mesmo.

 Não se trata de assentir com teorias de conspiração, nem de acusar polícias e ladrões, mas sendo certo que cada um vê de acordo com a sua opinião, a opinião do que vejo é que o Sporting tem sido prejudicado sucessivamente ao longo do campeonato. Não em todos os jogos, não nos jogos inteiros, mas sempre naquele lance decisivo que basta para mudar o rumo do resultado. E assim foi até o Sporting ficar derrotado e desmoralizado, a equipa em baixo com o presidente em cima, e já tudo ser mais ou menos irrecuperável.

 Agora, o Sporting já não conta para o Totobola, já não compete pela liderança do campeonato, agora já não são as arbitragens, são mesmo as más exibições, porque agora o leão já está de juba mansa. É opinião, não é facto, mas também não é tendência. Da mesma maneira que na época passada aqui escrevi que o Sporting teria sido um justo vencedor do campeonato, este ano acho que ninguém chega para o Benfica, que de uma forma ou de outra está a limpar a competição. O FC Porto ainda está na peugada, mas aquele futebol não enche a alma.

 Independentemente disso, e da boa organização desportiva, dos negócios milionários (como a venda de Guedes ao PSG) que resultam de uma estratégia acertada da administração com o treinador do Benfica, o Sporting foi arrumado por um punhado de decisões erradas de árbitros. Não a tem em muito mais mas, nisso, Jorge Jesus tem razão. O Sporting perdeu muitos pontos por erros de arbitragem. Pontos de mais


 

Pedro Santos Guerreiro, in Record

Três erros de Bruno de Carvalho

 

Ter aumentado a massa salarial da equipa técnica do Sporting no final da época passada, em que só vencemos a Supertaça. Uma espécie de prémio real às vitórias morais.

 

Ter prolongado por um ano o contrato do treinador.

 

Ter dado luz verde à lista de contratações que Jorge Jesus lhe pôs à frente. Hoje sabemos bem o real valor dessa lista, que começou muito cedo a ser questionada.

 

Escrevendo direito por linhas tortas

Ou como a reunião do conselho de arbitragem serviu apenas e definitivamente para gozar com o Sporting.

O Vitória sofreu um penalti no Algarve por mão na bola de Venâncio.

Precisamento num lance em que o CA diz não ser penalti.

Recorda-se o boneco apresentado naquela reunião que se pode chamar da treta.

 

Situação na quarta hipótese.

 

ca.JPG

 

Entretanto soube, pelos "especialistas" em narração da RTP, que o video-árbitro "estava" lá, em regime experimental.

Adivinhem quem estava a tomar conta daquilo. Duarte Gomes, ele mesmo, o compadre do presidente da Liga e companheiro de passeios. Caso para dizer que entregaram o ouro ao bandido. Se for para ser assim, basta assim.

 

Perder ou empatar

Não é a primeira vez que trago o tema à baila, mas ele serve, mais uma vez,  para demonstrar que o fim pretendido aquando da aplicação da grelha pontual em vigor, não passa ainda de uma ilusão. A valorização da vitória com 3 pontos, se bem intencionada e justa como compensação do desejo de vitória versus o conformismo do empate, não atingiu os seus objectivos.

Os clubes ditos pequenos continuam, jogo após jogo, época após época, a jogar para o pontinho e isso em pouco se traduz na tabela classificativa.

Vejamos,tomando como exemplo o último classificado, o Tondela: Tem neste momento 10 pontos (2V, 4E, 12D); "bastar-lhe-ia" que tivesse lutado mais um pouco pela vitória e se tivesse convertido dois dos quatro empates em vitória, teria hoje 14 pontos (4V, 2E, 12D), não seria último.

Curiosamente o clube que está a meio da tabela, o Boavista, tem um registo sui generis: 6V, 6E, 6D, 22GM, 22GS, 24 pontos. Mais média que isto será talvez impossível. Mas facto demonstrativo de que os 3 pontos por vitória favorecem quem ganha, numa grelha pontual a 2 pontos por vitória e 1 por empate, o Boavista teria apenas 18 pontos, mais um que o Rio Ave, que teria 17, apesar de ter mais uma vitória (7V, 3E, 8D). Porque tem mais uma vitória que o Boavista e menos empates, apesar de mais duas derrotas, tem hoje o mesmo número de pontos.

Por isso é que eu defendo que sob pena de o campeonato estagnar neste particular, é necessário inventar uma nova fórmula de pontuar os resultados dos jogos. A FIFA está a estudar algumas alterações, entre elas a de impedir que os jogos terminem empatados. Não sei se o caminho terá que ser por aí, sei que, aliado à recusa da centralização dos direitos televisivos, que coartou aos chamados pequenos o acesso a maiores verbas do "bolo" das televisões, logo ao acesso a jogadores mais competitivos e à formação de equipas mais bem apetrechadas e com condições de acesso a melhores instalações de treino e de competição, a não ser feito nada para penalizar o anti-jogo, continuaremos a adormecer na bancada, ou no sofá, perante espectáculos de puro tédio em que se converteram a maior parte dos jogos da Liga Portugal.

Parece-me que, em conjunto com a arbitragem, é um problema a carecer de rápida resolução.

 

A título de curiosidade, num campeonato com uma grelha de V2, E1, D0, o Sporting teria 25 pontos, os mesmos que o Braga (que hoje tem mais 1) e menos 6 que o Benfica (que tem mais 10) que continuaria a ser primeiro com mais apenas 2 pontos que o Porto (que teria mais 4 e hoje tem mais 6) e estaria precisamente no mesmo lugar, fruto da derrota em casa com o mesmo Braga, apesar da igualdade pontual; Braga que apesar de ter mais uma derrota, tem também mais uma vitória, indo de encontro ao espírito da grelha em vigor.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D