Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

O "Carlão" foi ao Sporting-Gil Vicente

 

 

Vi o jogo sofrendo o "relato" (não é relato é comentário infinito, estes profissionais não se enxergam, não se dão ao respeito) de alguém de quem não sei o nome acompanhado do "comentador" Carlos Manuel (reconheci-lhe a voz). Canibais, passaram o tempo a dizer mal do treinador e, como tal, do jogo do Sporting. Como se por encomenda. Com razão ou razões? Com toda a certeza que haverá motivos para criticar mas não daquela forma, incompetente.

 

Exemplos aos montes. Alguns absolutamente vergonhosos:

 

a) dois minutos depois de Wols ser lançado solto na área e cruzar para quase-golo e lhe ser assinalado um falso fora-de-jogo (acontece, foi "à queima") Carlos Manuel diz que o Sporting é incapaz de criar espaços e fazer jogo;

 

b) Carlos Manuel passa o jogo a criticar que os laterais sobem demais e assim o Sporting se desiquilibra (!?); depois critica, ene vezes, que o Sporting tem jogadores a mais na frente; e culmina criticando que no Sporting (que tem jogadores a mais na frente, como ele diz) os laterais "não têm jogo" (como se não fosse preciso que alguém atentasse na defesa, e eles o fizessem, raios o parta, e mais ainda depois das substituições ). Depois, e como se só para chatear, o lateral Cedric vai à frente ("teve jogo"), centrou e golo ....!!! golo ...!!! golo ....!!!!

 

c) Alguém (Rojo?) chuta de longe, um pouco acima da trave. "De tão longe nem o Eusébio tentava" diz, sábio, Carlos Manuel. O tipo do golo de Estugarda, do meio da rua ... Inacreditável!

 

O que é que o homem quer, voltar a treinar o Salgueiros? Má vontade minha?

 

Sá Pinto é incompetente treinador? Os jogadores são (afinal) incompetentes jogadores? Talvez. Mas com toda a certeza treina ele e jogam eles bem melhor do que este pacóvio comentador comenta ... (e do que o raio do "relator" relata).

 

[Quanto ao jogo? Ganhámos, aliviámos, recuperámos uma série de jogadores excelentes (Insua, Rinaudo, Izmailov; o Wols marcou; o Viola é bom de bola; o Cedric centra bem; a equipa tem garra; o Paulinho abraça muito bem; o Polga reencarnou no Xandão; só falta o Schaars e o Boulahroz. E o João Moutinho, perdão, o André Martins). "Este ano é que é!". Viva Sá Pinto - g'anda homem, g'anda coragem.]

Pérolas de Rui Santos (32)

 

«O Ricardo Sá Pinto está ferido de morte.»

 

«O Sporting está num estado de agonia.»

 

«O Sporting está quase morto.»

 

«O Leão está ligado à máquina há muito tempo.»

 

«O Sporting deve declarar insolvência e disponibilizar-se para recomeçar tudo a partir das divisões inferiores.»

 

Domingo à noite, na SIC Notícias

Comunicado do Sporting

«O jogo entre o Sporting Clube de Portugal e o Gil Vicente ficou marcado por uma má arbitragem, que culminou com a inacreditável expulsão do nosso atleta Labyad, a primeira da sua carreira desportiva, depois de se ter limitado a ser empurrado pelo adversário, mesmo à frente do auxiliar João Santos.

 

Pela segunda jornada consecutiva, depois do sucedido frente ao Marítimo, o Sporting foi vítima de arbitragens com óbvio prejuízo para a sua equipa.

 

O Sporting respeita todos os intervenientes no espectáculo desportivo, mas também exige ser respeitado por todos. Não pode aceitar ocorrências sucessivas que ameaçam colocar em causa a verdade desportiva.

 

O Sporting não é cego, nem surdo e reagirá sempre que se sentir prejudicado por todos os meios ao seu alcance. O Sporting espera que os responsáveis pelo sector estejam também muito atentos e saibam actuar no sentido de garantir a igualdade de tratamento entre todos os clubes».

Calma!

Calma! Foi apenas o Gil Vicente, e em casa. Obviamente que estou muito contente, a derrota ou empate seria um desastre histórico. Um inicio de campeonato digno de um clube recém-promovido. Safámo-nos! Estive no estádio, sofri, gritei. Mas duas horas depois e com mais frieza, temos de ser sérios e de pensamento grande: a vitória de hoje é uma banalidade para um clube como o Sporting Clube de Portugal. Ter alma é porreiro, mas não chega. É preciso estratégia, táctica. Uma alma sem um corpo é um fantasma. Espero que este jogo tenha sido o início de um novo rumo. Um rumo com Rinaudo sempre em forma e no leme. Gosto de jogadores à antiga que metem a camisola por dentro dos calções, dão segurança. Viva o Sporting! 

Rescaldo do jogo de hoje

Gostei

 

Da vitória. A primeira desta temporada no campeonato. Tanto mais saborosa por ter sido muito sofrida. E merecida.

 

Da táctica vitoriosa. O treinador dispôs os seus jogadores num sistema claramente ofensivo. O 4-1-3-2 resultou em cheio nesta vitória sobre o Gil Vicente.

 

Da atitude. Esta noite, em Alvalade, entrou em campo um onze "à Sá Pinto". Com garra, com brio. Sem nunca virar a cara à luta.

 

Do regresso de Rinaudo. Já fazia falta. E ajudou a fazer a diferença.

 

Dos golos. Em particular o da vitória, marcado por Wolfswinkel. Hoje foi um ponta-de-lança digno desse nome, à moda antiga.

 

 

Não gostei

 

Do desperdício de oportunidades. Tanto domínio de bola e tantos remates à baliza mereciam pontaria mais afinada e justificavam um triunfo mais volumoso.

 

De sofrer tanto. Dos sete aos 76 minutos, à espera que a nossa equipa virasse o resultado.

 

Do Gil Vicente. Fechou-se no reduto defensivo após o golo de avanço e nunca revelou intenção de disputar a vitória em jogo aberto.

 

Da expulsão de Labyad. Uma decisão absurda do árbitro Vasco Santos, que não revelou a competência que este encontro exigia.

 

Dos jornais que garantiam antes deste jogo que o balneário do Sporting não estava unido. Este jogo demonstrou bem que andaram muito longe da verdade.

 

Sofrido mas merecido

Já estava a preparar uma pesquisa de eventuais bruxos ou curandeiros para recomendar ao Sá Pinto e aos nossos rapazes, até que a sorte finalmente chegou. Não estamos a jogar ao melhor nível, mas hoje o Sporting mais do que mereceu vencer este jogo. Quer queiram quer não, é impossível negar que coisa que nos tem faltado é sorte nos últimos jogos (Marítimo, por exemplo). Hoje, houve justiça no resultado, pois jogámos para ganhar e estivemos o jogo todo em cima deles. 

 

PS - O comentário do jogo por parte dos dois excelentíssimos senhores da SportTV foi repudiável. Já enervava tanta crítica e mesmo o mais ténue elogio era seguido de uma nova crítica. Esta gente odeia-nos e não tem pudor nenhum em demonstrá-lo a comentar os nossos jogos. A conversa do "coração" e da "cabeça" que durou toda a segunda parte do jogo já metia nojo. Cada vez mais me agrada a ideia de jogos do Sporting com uma sinfonia de Verdi por trás. 

 

PS II - Esperemos que, tal como no ano transacto, a equipa acorde verdadeiramente à 4ª jornada. Ainda há muito jogo pela frente!

Mudar de perspectiva

Eu sei, foi um jogo demasiado caótico e demasiado sofrido para ganhar 2-1 ao Gil Vicente. Eu já disse que sei disso. Mas agora que as manchetes já perderam cor, quero dizer isto aos responsáveis do Sporting: não se trata de saber se o Ricardo Sá Pinto tem ou não tem condições para ser treinador do Sporting. Nesta altura, trata-se de saber se os senhores são ou não são capazes de criar condições para o Ricardo Sá Pinto triunfar como treinador do Sporting. Expliquei-me bem?

Neste clube anda mesmo tudo a dormir

 

Temos o melhor plantel dos últimos sete ou oito anos. Não se vê uma ideia, um fio de jogo. Não se vê uma tática. As substituições são incompreensíveis. Mais do que os resultados, o confrangedor é mesmo o nível exibicional. Ainda há quem aguente ouvir que "jogámos muito bem", "estamos muito fortes" e "o resultado é uma tremenda injustiça"?

Por muito que gostemos dele, desde quando é que o adjunto do Pedro Caixinha é treinador para o Sporting?

Esclarecimento do Sporting Clube de Portugal

No afã pré-eleitoral que tem caracterizado a sua actuação nos últimos tempos, o senhor presidente do Sport Lisboa e Benfica vai recitando pelo País fora os textos que lhe são postos à frente por um qualquer arcanjo de serviço. Mas, em vez de se cingir a falar do Benfica, que é o assunto que deve interessar aos benfiquistas, e utilizando a velha tática de atirar areia para os olhos para distraír os mais incautos, o senhor presidente do SLB vai fazendo referências menos adequadas a outros clubes, designadamente ao Sporting Clube de Portugal, ao qual a única coisa que o liga foi já ter sido sócio, quando ainda não se tinha decidido a qual dos três grandes do desporto português acabaria por dedicar mais do seu tempo, depois de passagem pelo Alverca, clube que se encontra nos distritais de Lisboa.

 

Em relação ao Sporting Clube de Portugal decidiu fazer uma referência, que só não honra quem a proferiu, sobre o facto do Sporting não ter decidido tranferir alguns dos jogadores sobre quem recaia o interesse de vários clubes internacionais, fazendo referência a «prejuízos milionários». Ora, convém que o presidente do Sport Lisboa e Benfica saiba que, apesar da sua antiga qualidade de associado do Sporting, os assuntos do Sporting Clube de Portugal são tratados no interior do Sporting Clube de Portugal e dizem apenas respeito aos legítimos associados do clube. O Sporting e os sportinguistas não recebem lições do presidente do Benfica.

 

Não é que não se reconheça ao senhor presidente do Sport Lisboa e Benfica autoridade para falar sobre «prejuízos milionários». Trata-se mesmo, há que reconhecê-lo, de uma autoridade nessa matéria. Afinal, trata-se do mesmo dirigente que, nesse insane desígnio de considerar que o seu clube é sempre o maior do mundo em tudo, já conseguiu um inolvidável recorde: o passivo do Benfica é o maior que jamais existiu no desporto português! Esse recorde já ninguém tira ao actual senhor presidente do Sport Lisboa e Benfica, que conseguiu na sua gestão multiplicar por mais de vinte (20) esse passivo fazendo com que se encontre numa situação de falência técnica.

 

Mas esse é um problema do Sport Lisboa e Benfica e dos seus associados e dirigentes. Mas convém que o senhor presidente do Benfica e todos os arcanjos que o rodeiam saibam que não se devem atirar pedras aos outros quando se têm telhados de vidro.

 

O senhor presidente do Benfica que se entretenha com os seus problemas, que o Sporting trata dos seus. Nem todos os métodos para distrair as pessoas e ganhar eleições são aceitáveis. Sabemos que há pessoas que são capazes de tudo para alcançar os seus objectivos. Mas faça o obséquio de não meter o Sporting ao barulho.

 

Lisboa, 24 de Setembro de 2012

 

Adenda: É merecedor de relevo que, logo após o último discurso do presidente do Benfica, surgiram diversos escritos neste espaço sobre a mesma temática e em defesa do nome e dos interesses do Sporting.

 

Viva Sá Pinto!

 

 

Lembro-me que aqui em Maputo, durante a última época, fizemos uns belos de uns jantares, bem animados e em que pouco se mordiscava e muito se bebia, afrontando a saúde própria, ainda para mais esfaqueada pelas emoções e júbilos de juvenis em corpos de já veteranos, verdadeiros estupros das coronárias. Eram as noites europeias, e também algumas das jornadas após aquela malfadada derrota com os sempre simpáticos sadinos. Lembro-me bem das arruadas, noite afora, por bares esconsos e restaurantes afamados, em comemorações das fantásticas vitórias, do grande percurso europeu. E, acima de tudo, das belas jogatanas de bola, uma equipa a fazer o brilhante sem parecer esforçar-se por isso, um fluir como se tudo natural. Futebol! Lembro-me também da tristeza na derrota final (o mariola do basco Llorente ...) mas num "paciência, que estivemos muito bem". Lembro-me dessa alegria toda, tanta que quase felicidade, durante semanas a fio. E lembro-me da quantidade de elogios, até dos adversários, estupefactos com o homem e também agradados com os nossos sorrisos (e os lautos whiskies que íamos pagando, de rodada em rodada até à vitória final), ao "ganda Sá Pinto", esse que "afinal!?" meteu os "gajos a jogar aquilo tudo".

 

Viva Sá Pinto! E quem não salta é lampião (para não lhe chamar outra coisa, que o blog é colectivo).

Os oradores sapientes

 

 

Jornal "Record" - «Sá Pinto encostado às cordas»

 

Os dois «oradores sapientes» do programa «Trio de Ataque» - Miguel Guedes e João Gobern - surgiram no domingo à noite com a missão bem estudada no inevitável sentido de menosprezar e destabilizar o Sporting. Os diversos ruídos que invadiram o espaço televisivo incluiram as insinuações de que para os três periódicos desportivos terem publicado as supracitadas manchetes sobre Ricardo Sá Pinto a informação teria forçosamente que ter vindo do foro interno do Sporting, que «abandonou» o treinador. Como era de esperar, não mencionaram a inexistência de nenhum texto sustentado por quaisquer  afirmações - mesmo pelas proverbiais fontes anónimas - a corroborar as capas sensacionalistas. Além disso - pese a ingenuidade de alguns - desde quando é que estes membros da imprensa portuguesa - entre outros - se baseiam apenas em factos comprovados para fundamentar o que publicam?... Uma autêntica diatribe por parte destes insólitos intervenientes no painel de discussão, que ofende a audiência, em geral, e o universo sportinguista, em particular. Como já nos habituou, Rui Oliveira e Costa não demonstrou a exigida responsabilidade e integridade para os confrontar veemente, condição lamentável pela sua admitida comparticipação em defesa dos interesses do Sporting.   

 

Cuidado com o "fogo amigo"

 

A menos de 24 horas da realização do jogo contra o Gil Vicente, que poderá ser vital para mantermos acesa a esperança de singrar no campeonato, um dos principais rostos mediáticos do Sporting profere esta frase no púlpito quase vitalício que lhe é concedido num canal de televisão: "Eu nunca teria escolhido o Sá Pinto para treinador do Sporting!"

Onze palavras. Basta esta frase de onze palavras, adornada com o respectivo ponto de exclamação, para demonstrar, melhor do que qualquer discurso, por que motivo continuamos sem ganhar nada. Os nossos representantes nas tribunas do comentário futebolístico são os primeiros a disparar nos momentos cruciais contra os interesses do clube. Com este "fogo amigo" não precisamos de inimigos.

Isto também é o Sporting

 

Futsal - O Sporting venceu o Fabril por 0-7 em jogo referente à 3.ª jornada do Campeonato Nacional. Três jogos, três vitórias, 21 golos marcados e zero sofridos.

 

Futebol - A equipa B empatou com o Trofense (1-1) com um golo de Betinho e o tento da equipa visitante a surgir já perto do final através de uma grande penalidade. Com este resultado, o Sporting cedeu a liderança do campeonato ao Belenenses.

 

Futebol - (Juniores) : O Sporting empatou com a União de Leiria (2-2) na 7.ª jornada do Campeonato Nacional. A equipa soma agora 17 pontos e continua líder da prova, à condição.

 

Futebol - (Iniciados) : O Sporting derrotou o Barreirense por 1-0, em jogo a contar para a 12.ª jornada do Campeonato Nacional.

 

Andebol - O Sporting derrotou o Sporting da Horta por 35-26, com Bruno Moreira a destacar-se na partida com 8 golos.

 

Hóquei em Patins- O Sporting venceu o HC Braga por 5-2, garantido por esse modo o 3.º lugar no 7.º Torneio Memorial Carlos Figueiredo/Cidade de Valongo. Num prévio jogo, saiu derrotado por 8-2 perante a AD Valongo.

 

Triatlo - O triatleta Rafael Gomes participoiu no terceiro «Ironman de Gales» em Tendy, alcançando o melhor tempo de sempre: 09:29:09, que lhe garantiu o 15.º lugar na prova. João Silva foi convocado para competir nas últimas duas etapas do Mundial de Triatlo, que terão lugar em Yukohama, Japão e em Auckland, Nova Zelândia. O atleta sportinguista encontra-se neste momento em 18.ª na classificação do Mundial.

O regresso da Quinta Coluna?

O Sporting Clube de Portugal tem este ano um dos melhores plantéis da ultima década. Tem soluções de qualidade no banco bem como o projecto Sporting B parece começar com o pé direito.

O Sporting Clube de Portugal tem um treinador idolatrado pela Juve Leo, um treinador elogiado até há muito pouco tempo pelas bancadas, mesmo quando os jogadores eram assobiados.

As mesma bancadas que hoje enchem Rui Patrício de elogios e que são precisamente as mesmas que o assobiaram muitas vezes de forma cruel durante fases menos boas na carreira do jovem guardião da Selecção Nacional!

O Sporting Clube de Portugal tem uma situação financeira arrepiante, terá de ter sucesso obrigatoriamente este ano de forma a aumentar receitas de publicidade e assistências, mas especialmente para vender desalmadamente activos a excelente preço... ou enfrentar um pesadelo.

O Sporting Clube de Portugal  arriscou num treinador dos juniores que conseguiu uma série de segundos lugares com plantéis medíocres e reforços para encher bolso alheio ou anedotário, como o Pongolle! Esse treinador é hoje seleccionador nacional e não demonstra grande gratidão, dizem-me.

O Sporting Clube de Portugal  tratou como maçã podre um ex-capitão, merecidamente, mas hoje esse cidadão é o pêndulo duma equipa vitoriosa na Cidade Invicta.

O Sporting Clube de Portugal  "ofereceu" ao rival de Carnide a base de dados dos talentos da prospecção e continua a ser roubado, como aconteceu com um par de avançados dos juvenis.

O Sporting Clube de Portugal tem a sorte de ver nomeados árbitros mesmo a jeito. Dos outros.

O Sporting Clube de Portugal  tem o azar sempre à espreita, numa trave ou num livre bem marcado pelo adversário.

O Sporting Clube de Portugal...... não é nada disto, mas há quanto tempo era "diferente"? Desde o João Rocha? Talvez...

 

Sinceramente, acreditam que o problema é o Sá Pinto? Mesmo?

 

Pode não ser o génio da táctica como qualquer treinador de bancada em Alvalade, pode não ser o brilhante condutor de homens com capacidades supra-humanas de motivação, o próximo mini-Mourinho, pode não ser aquilo que queremos nos jogos em que perdemos ou empatamos, sempre a proteger a equipa, mas... não merece provar o fel da Quinta Coluna de Alvalade.

 

A tralha que empesta há muito as páginas dos jornais desportivos e não só com a pestilência dos boatos de corredor e alegadas novelas de balneário. A pedido ou por necessidade pessoal, por vingança ou ganância, muitos detalhes internos do SCP acabam nos jornais, para gáudio de uma vara de comentadores que batem no SCP porque sim, porque não, porque talvez, com e sem razão e mais ainda!

 

Se compreendo o que se passa com o Insúa, o que levou o Adrien a jogar tanto nos primeiros jogos, porque não existe alternativa ao Wolfswinkel, por que raio temos de iniciar todos os jogos com dois médios defensivos, em termos posicionais, porque é que entra sempre o André Martins e quase nunca o Labyad, se sei para que posição veio o Viola... não, não sei nada disto. Não faço qualquer sombra de ideia.

 

Amo este clube, que é para mim maior que a própria vida. Respeito o desporto com regras, princípios e valores, como um sportiguista deve.

Tenho as costas largas para o gozo dos adversários, mas já com demasiadas cicratrizes abertas.

A tendência para a auto-flagelação sportinguista dos últimos anos (muitos) começa a ser insuportável!

Querem assobiar? Fiquem em casa. Querem mudar mesmo algo?

Então mexam o rabo do sofá, paguem as quotas e votem nas eleições, participem nas Assembleias Gerais, manifestem-se em frente à sede, ajam!

É tão fácil mandar bocas na esplanada ou na bancada. Saltitam pelas imperiais e escorregam por entre os tremoços e as alcagoitas...

Uma colectividade pacífica de revoltados é mesmo o que somos!

Basta ver como esta atitude deixou Portugal... à beira do abismo. 

O Sporting Clube de Portugal  já està à beira desse abismo. Queremos dar o passo em frente? Mesmo?

Adenda ao «post»: Oração de Sapiência

Esta adenda é em referência à afirmação de Luís Filipe Vieira: « no ano passado foram chamados 42 atletas do futebol da formação do Benfica às diferentes selecções nacionais». Intrigado pela contenda, levei a cabo uma extensa pesquisa no sítio da Federação Portuguesa de Futebol - tarefa nada fácil, pelo menos para mim, pela enormidade do projecto e pela complexidade da informação disponibilizada no referido sítio. Partindo do princípio que LFV evocou apenas jogadores que ainda se encontravam nos escalões etários quando foram convocados - e sem garantir a absoluta exactidão da informação apurada - foi-me possível confirmar que 41 jogadores do Benfica foram chamados às diversas selecções jovens. A única nota de relevo é que mais de cinquenta por cento desse número está incorporado, em partes iguais, nas selecções de sub-15 e sub-16, e que daí até à sub-21, a média é de 4 jogadores por escalão etário. Se ele pretendia incluir todos os jogadores oriundos das camadas jovens benfiquistas, o total será então 42, contando com Nélson Oliveira na selecção principal. Salvo a FPF manter um arquivo especial que não está programado no seu sítio, escapa a imaginação como é possível comprovar a segunda parte da sua afirmação: «um número nunca antes atingido por qualquer outro  clube». Não obstante a ocasional involuntária inexactidão, tento sempre confirmar os factos em que baseio os meus comentários e escritos e, precisamente por isso, não refutei a afirmação do presidente do Benfica no texto original. Dito isto, mantenho a asserção de que o Benfica não tem nem nunca teve futebol de formação, no real enquadramento do conceito. Se prorrogar o alegado actual empenho no desenvolvimento de jovens e começar a promover um maior número à equipa principal, com regularidade, poderá então ser afirmado que o Benfica finalmente tem futebol de formação.

A 'sensatez' de LFV

No seguimento do oportuno post do Rui Gomes, e no seguimento do meu anterior, aqui ficam uns breves pingos sobre o SLB e o futebol, que escorrem do discurso (escrito!) do presidente encarnado em Almada:

 

1. O passivo do SLB, clube e Sad, aumentou mais de 60 milhões, na última temporada, e só o do clube cresceu 14 milhões. A Sad fechou o ano com um passivo de 426 milhões (subida de 46,4 milhões), sendo que o passivo do grupo (SLB e Sad) atingiu os 539,5 milhões; o ativo do grupo é, agora,inferior ao passivo em cerca de 119 milhões; o clube assumiu, em 2011/12, um empréstimo de 5,8 milhões à Benfica Estadio, o que não sucedera no ano anterior; devido aos maus resultados da Sad a despesa que mais subiu foi a das provisões, de 3 para 12 milhões.

 

2. No seu discurso, LFV preveniu os benfas que o seu clube «vai encontrar dificuldades» e que «vai ter de vender, baixar a massa salarial, ganhar com o talento» dos jogadores que ficaram e com o do treinador e de dar redobrada atenção e aproveitamento à formação. Considerei este discurso importante, porque ele significa que LFV desceu à terra (o que já o nosso clube e o atual presidente estavam fazendo há algum tempo, mesmo se sujeitos à saraivada de críticas da imprensa e de alguns sportinguistas que descobriram o petróleo, só que teimam em não dizer onde ele está).

 

3. Este descer à terra de LFV tem uma consequência imediata: mostrar aos adeptos de todos os clubes que não podem continuar a pedir a Lua. A outra consequência, mais funda e mais interessante ainda, é o que, em LFV, constitui um mea-culpa, uma confissão de falhanço em toda a linha;

 

4. Falhanço na politica de reequilibrio economico-financeiro do SLB, pois os resultados das vendas de jogadores não reduziram os passivos, estes antes aumentaram significativamente; falhanço na política desportiva, pois os resultados não estão em conformidade com o altíssimo investimento (feito, de resto, tambem com recurso aos fundos de jogadores), nem com o aumento dos custos e dos passivos; falhanço na política de formação, reconhecida agora como indispensável. É assim, incompreensível - a menos que por motivos eleitoralistas - que LFV tenha atacado os clubes que serviram de inspiração inconfessada para a mudança de rumo do SLB. Afinal, o nosso Sporting já estava no rumo certo.

 

5. A julgar pelas declarações eleitoralistas de LFV, o Luis de Matos não precisa de dar uma ajudinha. LFV é já mestre na pirotecnia das palavras. Conseguiu apresentar o paquiderme do insucesso como coelhinho da sabedoria. Por escrito, é claro.

 

 

Oração de sapiência

O recém-discurso de Luís Filipe Vieira - já aqui referido no «post» do José Manuel Barroso - clamando a sensatez e o equilíbrio da sua política de gestão, que inclui a venda de jogadores visando garantir a sustentabilidade do clube e apontando ao «caminho da credibilidade e da responsabilidade», terá impressionado os benfiquistas mais distraídos ou ingénuos, considerando que durante os dez anos do seu consulado o passivo do clube quadriplicou para cerca de 500 milhões de euros e a dívida à banca sofreu um acréscimo proporcional. Em plena campanha eleitoral, e completamente em linha com a confrangedora cultura benfiquista, o presidente dos «encarnados» não resistiu a fazer alusão à pretensa superioridade do clube da Luz, adiantando críticas àqueles que resistiram a vender jogadores à custa de «prejuízos milionários» e operando sob uma «magia ilusória» - ficando no segredo dos Deuses a que clubes ele se refere. Mas o que mais me «sensibilizou» da oração foi a sua afirmação de que o futuro do clube da Luz vai ser constituído na sua maioria por atletas formados nas escolas e que no ano passado «foram chamados 42 atletas do futebol da formação do Benfica às diferentes selecções nacionais», um número «nunca antes atingido por qualquer outro clube». Uma afirmação bombástica que só pode deixar um qualquer observador estupefacto. Em primeiro lugar, o Benfica nunca teve e ainda não tem futebol de formação, no real enquadramento do conceito - algo muito distinto de ter equipas a competir nos diversos escalões etários, especialmente com o intuito único de armazenar títulos que ajudem a propagar o mito da grandiosidade do clube. Aliás, analisando o seu plantel principal e até a equipa B, é deveras evidente que a referida formação não passa de uma fantasia. Não refuto os alegados 42 atletas benfiquistas chamados às selecções nacionais no ano passado - de certo que não se refere à selecção principal - porque não me dei ao trabalho de investigar os respectivos registos, mas mesmo admitindo a exactidão desse número, pasma as informações ao dispor do presidente benfiquista para clamar que «nunca antes» um outro clube tinha conseguido esse feito. Por fim, apenas o acto eleitoral que se aproxima ajuda a compreender a súbita preocupação de Luís Filipe Vieira com a situação enconómica do país, como se esta condição fosse algo que já não existe há anos ou, então, ele tem andado distraído. Será justo adicionar esta sua «oração de sapiência» ao seu já célebre almanaque, que inclui algumas das mais notórias clamações da história do futebol português:

 

- 27/04/2002 - «Temos a coluna vertebral do futuro campeão europeu».

 

- 19/04/2003 - «O Benfica será mais forte que o Real Madrid».

 

- 17/04/2005 - «Vamos arrasar pela Europa fora».

 

- 29/04/2006 - «Depois do verão, seremos o maior clube do mundo».

 

Luís Filipe Vieira atrasou-se este ano porque, como o almanaque evidencia, o mês de Abril é o seu favorito para declarações bombásticas. Fica a sensação de que ele alarga ao mês, o dia das mentiras.

 

E, para terminar, a minha favorita: «Vocês já me conhecem um pouco, não sou homem de protagonismo. Sou um homem discreto. Se não chegar aos 300 mil sócios até 2008, demito-me». 

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D