Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Para mim, foi o Damas

 

A propósito da ultrapassagem, por Cristiano Ronaldo, do número de golos marcado por Eusébio na selecção, a comunicação social, desportiva e não só, tem-se agitado freneticamente  nos últimos dias, procurando, tomada de justa indignação, contrariar os ímpios que, manifestando uma impensável e inadmissível ousadia, se atrevem, com malévolo repúdio dos dogmas desta religião, a considerar o jogador do Real Madrid ou Figo, este muito poucos, como o melhor futebolista da história do futebol português. O próprio Eusébio veio a terreiro, compreensivelmente choroso e amuado, queixar-se do crime de lesa-majestade que estará a ser cometido, já que, como é evidente, nunca pensara na iníqua possibilidade de alguém se abalançar a tal blasfémia. Se podemos entender a  mágoa do moçambicano, já é mais complicado aceitar a argumentação invocada, cuja inanidade, tendo em conta as suas origens reais, podemos, se é que não devemos, submeter a piedoso silêncio.

 

Como se conclui da atenção prestada à sucessão de peças jornalísticas  sobre o assunto, que, no geral, professam a ideia de que colocar a questão é, só por si, ofensivo da tradição e da memória, da história e da mitologia pátrias e, principalmente, de Eusébio e do Benfica, este arremedo de discussão não tem qualquer possibilidade de fazer nascer a luz, com evidente prejuízo de quem, como eu, aguarda ansiosamente um parecer definitivo e conclusivo sobre a matéria.

 

Atormentado pela dúvida, decidi, eu próprio, tomar uma posição e proceder, como quase todos os jornalistas, opinadores profissionais e comentadores sortidos, em função da minha paixão clubística. Aqui chegado, a minha opção foi extremamente fácil. Vítor Damas. O nosso extraordinário guarda-redes constituiu-se, para mim, atreito como sou a tiques idólatras, numa figura única na história do futebol nacional e do Sporting. A sua fantástica elasticidade, técnica individual, inclusivamente no momento de sair a jogar com os pés, capacidade de comando dos homens à sua frente, visão de jogo, vontade de fazer bem e de ganhar e praticamente quase todos os atributos que fazem os grandes guarda-redes transformaram-no, auxiliados por incontáveis defesas  monumentais e exibições inesquecíveis, até em jogos em que o nosso clube foi goleado, num modelo irrepetível de jogador talentoso e hábil, generoso e de inexcedível dedicação ao futebol e ao clube.

 

Para mim, o grande Vítor Damas, perante cuja memória me comovo e me inclino sentidamente, é o melhor futebolista português de sempre. RIP.

7 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D