Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Faz hoje um ano

 

Rescaldo da goleada imposta na véspera ao Chaves em Alvalade, em várias opiniões expressas neste blogue a 23 de Outubro de 2017.

 

Escrevi eu: «Vencemos e convencemos neste regresso ao campeonato com o resultado mais dilatado da época até agora: 5-1, frente ao Chaves. Vitória merecida, coroando uma excelente exibição do Sporting, com uma equipa moralizada, dinâmica e muito bem estruturada, capaz de empolgar os 42 mil adeptos que acorreram esta noite a Alvalade.»

Escreveu o Pedro Azevedo: «A defesa do Chaves, fiel ao nome romano da sua cidade (Aquae Flaviae), meteu água por todos os lados - habitat favorito do nosso "Piscinas" (Cristiano Piccini), um dos melhores em campo -, não tendo cabeça para parar Bas Dost, nem velocidade para acompanhar Podence, acabando por sucumbir aos pés de Marcus Acuña.»

Escreveu o Luciano Amaral: «Em Alvalade, o VAR estava a funcionar em pleno e o árbitro não marcou um penálti existente e deu um cartão amarelo a uma simulação inexistente. Deus quis, o homem sonhou, a obra nasceu. Donde se conclui que tanto faz haver como não haver VAR. Estamos em Portugal, o país onde as boas ideias tendem a desfazer-se em cinzas.»

Assim não!

Durante a minha ausência deste espaço fui lendo o que por aqui se foi bem escrevendo e passei os olhos por muuuuuuuuitos outros locais, onde alguns sportinguistas aterram. Como um dia escutei de alguém: gosto de ler os outros para saber o mal que dizem de mim.

Li muitas (talvez demasiadas) caixas de comentários e de repente dei conta que há por aí muita gente a sovar selvaticamente Frederico Varandas, nomeadamente quando as equipas ditas amadoras não vencem os seus jogos.

Já aqui assumi que não votei no Doutor Varandas, mas a sociedade leonina escolheu-o, só tenho que o apoiar.

Ao invés do que seria de supor com as passadas eleições de Setembro, os machados de guerra não foram enterrados. Continuam afiados e em posição de serem disparados ao mínimo desaire do Sporting.

A pacificação parece difícil. As feridas abertas durante a passada Primavera e Verão continuam a purgar pus e continuam a contagiar muitos adeptos.

Assim não! Desta forma o Sporting jamais sairá da mediocridade para onde alguns incautos o atiraram.

É necessário unir, remarmos todos para o mesmo lado.

E até agora não tenho assistido a isso. Infelizmente!

Ponto da situação

vip-pt-34234-noticia-conheca-amada-de-frederico-va

 

Foco máximo do presidente leonino: reunir verba suficiente para pagar daqui a cerca de um mês o empréstimo de 30 milhões de euros, acrescido de juros, a quem confiou no Sporting. Essa verba depende, em parte considerável, dos acordos que conseguir entretanto estabelecer com os clubes onde agora se encontram os jogadores que em Junho rescindiram unilateralmente os contratos que os vinculavam a Alvalade: Atlético de Madrid (Gelson Martins), Olympiacos (Podence) e Lille (Rafael Leão). Há também que assegurar o cumprimento dos novos prazos de pagamento entretanto estabelecidos com os clubes que nos forneceram jogadores como Acuña, Battaglia e Raphinha.

Tudo isto sabendo que ficámos fora da Liga dos Campeões e das quantias milionárias que este certame proporciona a quem nele participa. Sabendo também que não temos acesso a outro financiamento extraordinário, pois durante a presidência de Bruno de Carvalho já foram gastas por antecipação as receitas correspondentes a dois anos da vigência do contrato com a operadora NOS - e que contribuíram para despesas superiores a 100 milhões de euros só na época passada, entre futebol profissional e modalidades.

Este é o ponto da situação, com motivos mais do que suficientes para preocupar-nos. Alguns sócios, adeptos e simpatizantes do Sporting preferem discutir a permanência da actual equipa técnica. Acontece que Frederico Varandas tem prioridades mais imediatas. É a vida, como dizia o outro.

A voz do leitor

«Agora já dizem que o jogo com o Arsenal vai ser decisivo para Peseiro. Alguém se lembra dos 5x0 com o Liverpool que o Sérgio Conceição encaixou no Dragão? Pois, mas foi campeão, rima e é verdade. Fosse no Sporting, o Sérgio voltava para Coimbra. Peseiro não é solução? qual a alternativa?»

 

Leão de Queluz, neste texto do Pedro Oliveira

Faz hoje um ano

 

Vencemos o Chaves em Alvalade, por 5-1: foi a nossa maior goleada na Liga 2017/2018. Bas Dost, que não marcava desde 8 de Setembro, fez o gosto ao pé, metendo a bola três vezes na baliza flaviense. Acuña marcou os dois restantes, sendo o golo da equipa transmontana apontado naquela que viria a ser a última jogada do desafio.

Com este triunfo o Sporting consolidava a segunda posição à nona jornada, colado ao líder FC Porto, com 23 pontos. Balanço até àquele dia 22 de Outubro de 2017: sete vitórias e dois empates no campeonato. Tínhamos 21 golos marcados e apenas cinco sofridos.

Números propícios a alimentar-nos a esperança de conquistar o título que nos fugia desde 2002 - ia fazer 16 anos.

Sousa Cintra sobre Peseiro e Jesus

transferir.jpg

 

 

Sobre José Peseiro:

 

«Foi uma decisão minha [a contratação de José Peseiro].»

 

«O Sporting precisava de um treinador ganhador e conhecedor do futebol português.»

 

«Não, não foi logo [que avançou para Peseiro]. Tinha de ter um plano B [após a falhada recontratação de Jesus] e pensei num treinador estrangeiro, campeão e disponível. (...) O Paul Le Guen foi encantador. Fiquei muito impressionado com ele. (...) Acertei tudo com ele de acordo com as nossas possibilidades.»

 

«Mas entendia que a melhor solução era mesmo um treinador português. E há muitos e bons. Fiz a leitura dos que estavam disponíveis e escolhi o Peseiro. Peguei no telefone e fechei o contrato.»

 

«O Peseiro teve uma óptima passagem pelo Sporting. Foi à final da Taça UEFA e só perdeu o campeonato nos últimos jogos.»

 

«Fazendo a leitura de tudo, o Peseiro era a melhor solução.»

 

«Ele [Peseiro] fazia a leitura dos jogadores. Mas perdia muito tempo a analisar. Via, via, serve, não serve, houve ali alguma falta de decisão. Tenho enorme respeito pelo treinador, mas na escolha houve muita indecisão. Sim, depois não, depois sim, não, talvez...»

 

«Tivemos praticamente contratado aquele que jogou com o Benfica [Prijovic, do PAOK]. Até lhes marcou um golo. Tivemos as negociações muito adiantadas. Esteve para vir. O Peseiro disse primeiro que sim, depois não, e no fim até disse que ele nem sequer iria para o banco.»

 

«Houve muitas indecisões e perdemos dois ou três bons jogadores.»

 

«Continuo a pensar que o Sporting vai ser campeão este ano.»

 

 

Sobre Jorge Jesus: 

 

«Ao Jesus corre-lhe o sangue do Sporting nas veias e fez um excelente trabalho no clube.»

 

«Ainda falei com o Torres Pereira porque tem um irmão embaixador e ponderámos arranjar-lhe um passaporte para ele sair de lá [Arábia Saudita]. Houve essas conversas. Não veio por um fio.»

 

 

Sobre os jogadores:

 

«O Jovane ganhava 2 mil ou 3 mil euros por mês, uma vergonha. Vivia num sítio horrível, um craque daqueles. (...) Renovei-lhe o contrato, aumentei-o dez vezes ou mais e dei-lhe 100 mil euros para comprar uma casa e viver condignamente com a mãe.»

 

«Não falei com ele [Miguel Veloso], mas sei que viria. O Fábio Coentrão também poderia ter voltado.»

 

«Rafael Leão queria ficar no Sporting. Mas o pai e o empresário levaram-no àquele destino.»

 

«A exigência de ordenado [de Podence] foi de tal ordem que era impossível ficar com ele»

 

«O Gelson estava com a cabeça no Atlético Madrid e nada o demovia. Estava perdido por ir embora, incrível!»

 

«[Viviano] estava gordo e o treinador não gostou. Tive de arranjar outro guarda-redes.»

 

«O problema do Diaby é que tem estado mais tempo a jogar na selecção do que no Sporting, mas o Peseiro está encantado! Disse-me maravilhas dele!»

 

 

Declarações numa longa entrevista à edição de hoje do Record

 

Até com o Loures, senhores?

Fiz uma cura de Sporting durante uma semana, por culpa de uma viagem maravilhosa de autocaravana pela Galiza, as Astúrias e os Picos da Europa e o Gerês.

Fiz a mim próprio a promessa de não ouvir nem ler nada sobre o Sporting e, com alguma dificuldade, consegui.

E só ontem à noite me liguei à realidade.

E podem acreditar que o que eu queria, talvez inconscientemente, era que esta minha semana sabática fizesse com que alguma coisa tivesse mudado no futebol (ao menos nisso) do Sporting.

Não mudou.

Infelizmente.

Quinta-feira lá estarei, mas temo que a coisa não corra bem, sejam lá quem forem os intérpretes do duplo, infinito e inútil pivot.

Já vi este filme

antónio-folha[1].jpg

 

Alguns dos mais apressadinhos, cheios de vontade de cheirar mais sangue, chegaram a propor - até aqui no blogue - a contratação de Folha como novo técnico do Sporting, no rescaldo imediato da nossa derrota em Portimão para o campeonato.

Estes apelos entusiásticos tiveram um brevíssimo prazo de validade: duas semanas. Neste sábado, o Portimonente sucumbiu na Taça de Portugal perante o Cova da Piedade, armado em tomba-gigantes: derrotada por 2-1 frente à modesta turma da segunda divisão, a equipa orientada pelo ex-médio ofensivo do FC Porto ficou desde já arredada da conquista do segundo maior troféu do futebol português. Após a partida, o treinador atirou-se aos jogadores, disparando-lhes críticas como esta: «Não podemos ser homens só de vez em quando.» Linda frase, que deve motivar e empolgar o balneário lá em Portimão.

Por coincidência, não voltei a ler elogios a Folha no És a Nossa Fé. Se por hipótese absurda ele tivesse vindo treinar o Sporting, não tardaríamos a ver lencinhos brancos a esvoaçar em Alvalade. Já vi este filme, uma vez e outra e outra.

A voz do leitor

«Custa-me ver o Marcelo a passar por estes trabalhos. É um jogador de bom nível e terá feito o seu melhor contrato. Parece-me um bom profissional. Não é culpa dele ter sido contratado para uma equipa que se dá ao luxo de ter formado Eric Dier, Ilori, Domingos Duarte, Pedro Mendes e Demiral. A mesma equipa que vendeu por três tostões Paulo Oliveira.»

 

JG, neste meu texto

Faz hoje um ano

 

Estavam em foco, nesse dia 21 de Outubro de 2017, dois jogadores que viriam a ser muito falados no final da época, por outros motivos.

Um deles era Gelson Martins, a quem escrevi um bilhete postal: «Já te aplaudi sem reservas inúmeras vezes. Mas pareces-me em baixo de forma, talvez mais do ponto de vista psicológico do que do ponto de vista físico. Por vezes abusas das fintas, chegas a fintar-te a ti próprio, andas num vaivém inconsequente junto à linha e esses cruzamentos, como tu reconhecerás, já foram muito mais certeiros.»

Outro era Rui Patrício, a quem o Pedro Azevedo dedicou estas linhas: «É hoje um guardião de classe mundial, campeão europeu com defesas decisivas, maduro, tranquilo, fortíssimo na "mancha" perante adversários isolados, ágil entre os postes como mostrou perante Griezmann na final de Paris. E, apesar disso tudo, continua a ser um homem humilde, sereno, que nunca se põe em "bicos de pés", um herói com uma personalidade de anti-herói.»

O pudor, o decoro, a vergonha

«A equipa não jogou bem, é um facto. Peseiro ainda não encontrou forma de colocar o Sporting a jogar bom futebol, outro facto. Mas não merecerá uma equipa remendada mais algum apoio? Mais, não há ali naquela bancada pelo menos um grupo organizado de adeptos que esta época devia ter o pudor, para não dizer a vergonha, de não assobiar a equipa? É que há quatro meses estavam a atacar o plantel e o treinador em Alcochete, na que foi a maior vergonha de sempre do clube em mais de 100 anos de história. Não fazia mal ter um pingo de decoro e pensar no que andam a fazer os grupos de... apoio. É grande a desunião e poucos os que realmente pensam no que dizem amar.»

 

Bernardo Ribeiro, hoje, no Record

Pódio: Jovane, Nani, Bruno Fernandes

Por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no Loures-Sporting pelos três diários desportivos:

 

Jovane: 17

Nani: 16

Bruno Fernandes: 15

Gudelj: 15

Renan: 14

André Pinto: 13

Jefferson: 13

Carlos Mané: 12

Marcelo: 12

Petrovic: 10

Bruno Gaspar: 10

Castaignos: 9

Miguel Luís: 1

 

O Jogo e o Record elegeram Jovane como melhor em campo. A Bola optou por Bruno Fernandes.

De tudo um pouco!

Desde a estúpida derrota em Portimão que autoflagelei-me com a ausência de escrita neste espaço.

A promessa, feita na altura a mim mesmo, terminaria numa futura vitória leonina.

E pronto, lá aconteceu ontem em Alverca (para mim de boa memória quando vi Jardel e "sus muchachos" vencer a equipa local) o Sporting ganhar mais uma partida.

Num jogo onde houve de tudo um pouco:

- bom futebol;

- mau futebol;

- bons golos;

- boa arbitragem;

- uma grande penalidade bem defendida;

- bons apontamentos de alguns leoninos;

- muita displicência;

- alguma tremideira;

- pouca coragem do treinador leonino.

Enfim, o Sporting desta época resumido em meros noventa minutos.

De Jorge a José, os factos

No futebol como na vida há alturas que temos de olhar para factos.

Comparar.

Jorge Jesus vs. José Peseiro, que comecem os jogos.

Taça de Portugal: último resultado de Jorge Jesus, derrota com o Aves; último resultado de José Peseiro, vitória com o Loures.

Taça da Liga: último resultado de Jorge Jesus, empate com o Vitória Futebol Clube (Setúbal) [venceria em penaltys 5-4 um jogo que estivera a perder desde os quatro minutos e que seria empatado num penalty convertido por Dost aos oitenta minutos]; último resultado de José Peseiro, vitória com o Marítimo.

Liga Europa:  dois últimos resultados de Jorge Jesus, uma vitória e uma derrota; dois últimos resultados de José Peseiro, duas vitórias 

Campeonato Nacional (Liga NOS): comparando os últimos sete jogos de Jorge Jesus com os primeiros sete de José Peseiro estão, precisamente, iguais, duas derrotas e um empate, com a diferença de que Peseiro foi empatar com o Benfica à Luz e Jesus deixou-se empatar em Alvalade.

"Contra factos não há argumentos", diz-se mas eu gostava que argumentassem... queremos mesmo mudar de treinador?

11h24 de Domingo

Foi só a esta hora que soube o resultado do jogo de ontem, quando a sic noticias emitiu um resumo. Sem vontade de ver ou ouvir o jogo e ainda menos de saber o resultado.  Mesmo assim, não consegui escapar a ver umas imagens do Peseiro. 

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Coroa de Loures

Numa realidade alternativa, uma figura  da mitologia cintrense como o Rei Peseiro terá duas qualidades: o toque de Midas e a sua magnanimidade. A primeira deriva da sua capacidade como alquimista, expressa na forma como vai fazendo progredir os comuns mortais jogadores que tem a seu cargo. Por exemplo, Bruno Fernandes é hoje uma mistura de Zidane (vejam lá, até falha penáltis) com Platini - quando não deriva para a ala esquerda (moda Outono/Inverno do "estilista", a da Primavera/Verão incluía um pivô com umas calças boca de sino) e veste o fato de um Bruno...Conti - , Ristovski e Bruno Gaspar estão entre um Cancelo e dois Gentile ("ma non troppo") e o Batman do Sporting é muito melhor que o Battaglia da Argentina. Só é pena lhe faltar o Careca, que finalmente daria razão ao seu mentor, afirmando-se nas suas mãos conhecedoras como uma mistura do Eusébio com o Pelé. A segunda tem a ver com a grandeza do seu discurso e a coerência das opções que toma. Desse modo, o internacional italiano Viviano não joga porque não está em condições ("só" está há mais de 3 meses em Alvalade), mas Gudelj é titular desde que chegou, ele que estava parado (e parecendo um bidon no campo, assim continua) desde Abril, após passagem pelo intensíssimo campeonato chinês. Na mesma lógica, com pesar não deu minutos a Miguel Luís, em Poltava, porque o jogo não estava a correr bem e ontem, contra o poderoso Loures, colocou-o em campo em cima do fecho da partida, depois de se ter apanhado a ganhar por 2-0 desde os 56 minutos. Também não lhe ficou mal dar a nonagésima terceira oportunidade de carreira ao goleador Castaignos (Dala foi estender as redes para Vila do Conde, que até é um sítio ideal para tal actividade) ou conceder a primeira possibilidade a Lumor de se sentar no banco de suplentes. Estou certo de que este último ficou com g(h)anas de lhe agradecer, enquanto observava o matraquilho Jefferson a não falhar uma oportunidade de acertar com a bola no defesa contrário mais à mão. Adicionalmente, tirou dois alas e colocou um "6" (a juntar a outro que já por lá andava) e um "8" em campo, a fim de obedecer a uma lógica filantrópica, destinada a engrandecer o valor do seu adversário, ainda que humildemente, no fim do jogo, tenha afirmado não ter percebido porque a sua equipa recuara no relvado. Para finalizar, deu azo a que o filho (Juninho) do ex-leão Mário herdasse a tendência paterna para herói da Taça e marcasse, a fim de todas as partes saírem contentes. Bravo!

 

Tudo isto é lindo e o único inconveniente é haver um conjunto de irredutíveis adeptos, de todas as idades e classes sociais e unidos pelo amor ao Sporting, que se recusam a aceitar esta realidade e que prefeririam que o clube vivesse sob o lema do seu fundador, aliás um dos grandes culpados de só agora estarmos a trilhar o caminho correcto. Confusos? Não. Para quê esforço, dedicação e devoção, quando a glória está ali ao alcance de um toque que tudo transforma em prosperidade? Ontem uma coroa de Loures, amanhã uma palma de ouro...

 

(Segue-se o Arsenal. O do Alfeite daria jeito. Sempre se repararia qualquer coisita, não é?)

 

Tenor "Tudo ao molho...": Bruno Fernandes (tudo somado, o algodão engana menos que o ouro). Notas positivas para Nani e Jovane.

 

(Nota: é assustador ver que Marcelo e André Pinto não podem jogar com a defesa adiantada, sob pena de virmos a sofrer grandes dissabores. Ontem, mesmo em bloco médio, com uma recuperação defensiva digna de um cágado, por duas vezes permitiram que avançados do Loures surgissem isolados na cara de Renan, guarda-redes que não se destacou pela segurança nos cruzamentos por alto.) 

louressporting.jpg

 

Armas e viscondes assinalados: Suspeitos do costume superam terceiro escalão

Loures 1-Sporting 2

Taça de Portugal - 3.ª Eliminatória

20 de Outubro de 2018

 

Renan Ribeiro (2,5)

Foi titular pela primeira vez, apesar de Salin estar recomposto do susto de Portimão, e num jogo inteiro sofreu apenas metade dos golos que havia sofrido em pouco mais de metade do anterior. Para tal contribuiu uma boa defesa com os pés perto do final, quando um avançado do Loures, equipa não muito pontuada do terceiro escalão do futebol nacional, lhe apareceu isolado à frente. Não conseguiu repetir o feito minutos mais tarde, em circunstâncias parecidas. Resta-lhe a esperança, se o francês não voltar ao pré-Algarve ou se Viviano não puder estrear-se frente a uma das suas antigas equipas, de que os avançados do Arsenal sejam menos velozes e eficazes na tarde de quinta-feira.

 

Bruno Gaspar (2,0)

Logo no início da segunda parte protagonizou um lance que, com a equipa de edição de imagem certa, poderia justificar a sua contratação. Pegou na bola e ganhou a linha em velocidade, executando um cruzamento rasteiro para o coração da área que só não deu bingo porque Bruno Fernandes chegou um pouco atrasado. Pena é que no resto do jogo tenha primado pela inconsequência é permitido a mesma liberdade ao ex-Alcochete Luís Eloi que Ristovski outorgou ao ex-Alcochete Wilson Manafá. 

 

André Pinto (2,5)

Promovido a improvável patrão da defesa na ausência de Coates, quase sempre chegou e sobejou para os adversários - de uma equipa não muito pontuada do terceiro escalão do futebol nacional -, tendo ainda a sorte de Renan resolver o problema na jogada em que deixou escapar um avançado do Loures. Mas não foi desta vez que chegou ao fim do jogo sem ver uma bola alojada nas suas redes.

 

Marcelo (2,0)

Estreou-se antes de Viviano ter oportunidade de o fazer, aproveitando o descanso concedido a Coates. E sentiu de tal forma a responsabilidade que imitou o uruguaio numa incursão descabelada pelo meio-campo contrário - ainda que com menos suspense, decidindo-se por um lançamento longo para a linha de fundo, o que tem o mérito de impedir contra-ataques perigosos - e num cabeceamento executado de costas ao acorrer a um pontapé de canto - ainda que a bola tenha saído acima da barra e não ao lado do poste. Encaminhava-se para uma noite sossegada, daquelas em que ninguém se recorda do paradeiro de Demiral ou de Domingos Duarte, quando deixou em jogo o marcador do golo tardio do Loures.

 

Jefferson (3,0)

Tão perturbador quanto o dilema “que barulho faz uma árvore a cair na floresta se ninguém lá estiver para ouvir?” só o “para que serve encaminhar a bola em condições para a grande área se lá estiver Castaignos em vez de Bas Dost?”. O brasileiro passou o jogo a fazer belíssimos cruzamentos, os quais chegariam para uma goleada que evitasse assobios e cânticos depreciativos dirigidos à equipa após o apito final. Assim não aconteceu, não por culpa dele.

 

Gudelj (2,5)

Foi um dos poucos mártires de Portimão a repetir a titularidade e, perante uma equipa não muito pontuada do terceiro escalão do futebol nacional, saiu-se relativamente bem. Para o mesmo bem seria necessária pontaria nos recorrentes remates de média e longa distância, certamente poupada para o encontro com o Arsenal.

 

Bruno Fernandes (3,0)

Permitiu que o guarda-redes defendesse o pénalti que teria sossegado os adeptos logo aos 50 minutos de jogo, mas no final da primeira parte conseguiu finalmente acertar nas redes com um dos seus mísseis teleguiados. Recuado no terreno para ajudar a construir jogadas na zona central do meio-campo, acabou o jogo no habitual papel de apoio ao ponta de lança, sendo que neste caso isso tinha o seu quê de missão impossível. Mesmo assim foi um dos suspeitos do costume que impediram Peseiro de explicar aos sportinguistas as vantagens de ficar com o calendário de jogos menos sobrecarregado ainda antes do Natal.

 

Nani (3,0)

Desviado das alas para o centro do terreno, lutou muito, fez o passe que Bruno Fernandes aproveitou para inaugurar o marcador e, já na segunda parte, aproveitou a defesa incompleta a um remate de Jovane Cabral para, numa recarga com elevada nota artística, marcar o 2-0. O capitão ainda esteve perto, numa jogada tão confusa quanto tudo aquilo que tenha toque de Castaignos, de marcar um segundo golo, certamente poupado para o encontro com o Arsenal.

 

Carlos Mané (1,5)

Numa semana em que muito se falou do regresso do Sporting ao basquetebol é impossível não reparar que o extremo fez a sua terceira falta ofensiva antes da meia hora, o que no desporto das tabelas e dos cestos o deixaria bem perto da exclusão. Muita falta de ritmo e de confiança impediram Mané de ter uma boa noite em tudo o que não envolveu passar a bola a Jovane Cabral para este ser derrubado na grande área do Loures. Foi o primeiro sair, cedendo o lugar a Petrovic.

 

Jovane Cabral (3,0)

Demorou a engrenar, como tende a suceder quando lhe fazem a maldade de pôr a jogar de início, mas no habitat natural a que chamam segunda parte conquistou o pénalti falhado por Bruno Fernandes e fez o remate que permitiu a Nani subir a parada para 2-0. É o acelerador por excelência do futebol leonino na ausência de Raphinha, o que permite perdoar os habituais disparates: desta vez foi um corte disfarçado de assistência para um avançado do Loures.

 

Castaignos (0,5)

Caberá aos arqueólogos do século XXV encontrar o registo do famoso jogo de treino realizado há poucos dias em que o avançado holandês que não se chama Dost marcou quatro golos. Lançado como titular para poupar Montero para o encontro com o Arsenal, Castaignos passou mais de 90 minutos, decerto tão penosos para ele quanto para os sportinguistas, como a personificação do gato de Schrödinger, pois tal como o felino podia estar vivo ou morto, também o avançado podia estar ausente ou presente no relvado. Bem vistas as coisas, melhor foi quando deixou a equipa a jogar com dez, fruto de movimentações indecifráveis, pois todos os momentos de contacto com a bola foram bastante mais aterradores. Menos do que péssima só uma desmarcação oportuna culminada com remate ao lado.

 

Petrovic (1,5)

Entrou para segurar o resultado favorável contra o poderoso Loures. E o certo é que esses minutos coincidiram com algum domínio por parte de uma equipa não muito pontuada do terceiro escalão do futebol nacional. Eis um caso extremo de culpa por associação.

 

Miguel Luís (-)

Teve direito a estrear-se pela equipa principal do Sporting ao minuto 90. Logo a seguir o Loures reduziu. Melhores dias virão, decerto, até porque mesmo o terror dos jovens da formação utilizou Jovane, Rafael Leão e Demiral contra o Oleiros.

 

José Peseiro (2,0)

Poupou Coates, Acuña, Battaglia e Montero, recuou Bruno Fernandes e ficou à espera de que algo de bom acontecesse. Demorou a ver luz ao fundo do túnel, mas logo conseguiu vislumbrá-la e, talvez encadeado pela claridade, voltou a investir no duplo pivot defensivo que começa a revelar-se o primo maléfico do losango de Paulo Bento. Sem os suspeitos do costume - Bruno Fernandes e Nani, mas também Jovane Cabral e também Jefferson -  e com mais alguns minutos de tempo de compensação era bem capaz de ser tão histórico em Alverca quanto foi em Portimão.

 

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D