Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Dia de Sportinguismo

Fui votar cedo porque tinha uma reunião longa a partir das 10. Pensava que, àquela hora, seria chegar e andar. Demorei 40 m. a votar, num ambiente de alegria, cordialidade e Sportinguistas equipados a rigor.

A fila nunca esteve parada e fiquei impressionada pela organização eficiente do acto eleitoral. Felicito quem pensou e planeou tudo ao milímetro Foi um dia de grande orgulho por pertencer ao melhor clube do mundo.

Agora, Sr. Presidente, dois pedidos: Não volte a dar o meu número de telefone a ninguém e faça alguma coisa pela Alvaláxia. Os Sportinguistas merecem um espaço de encontro digno, acolhedor e dinâmico. 


Nota: Estou a adorar as reacções e a forma como alguns órgãos de comunicação social estão a relata o processo eleitoral e os resultados, já para não falar no que escolhem destacar no discurso de Bruno de Carvalho. Diz muito mais sobre eles e sobre a sua idoneidade do que sobre os factos e as pessoas que referem.

Não vale tudo. Voto B!

Como e possível que tenha recebido no meu telemóvel uma mensagem do Sporting Clube de Portugal (é o mesmo número que me enviou o aviso de cobrança de quotas na próxima semana) com este teor:

"Eleicoes SCP - Lista A. No dia 04 de Marco venha votar e faca ouvir a sua voz. Vota Lista A para, juntos, voltarmos a por o nosso Sporting #SempreNaFrente #PMR"

Quem autorizou esta campanha sem escrúpulos a utilizar os meus dados pessoais? Espero que sejam apuradas as responsabilidades!

Declaração de interesses

Voto Bruno de Carvalho, o mesmo Bruno de Carvalho que não apoiei há 4 anos. Mas o trabalho que ele desenvolveu fez-me mudar de ideias.

É incómodo e nunca foi levado ao colo pela comunicação social, bem pelo contrário. Sempre atacado em todas as frentes, consolidou o Sporting, aumentou o número de sócios, fez crescer as assistências no futebol, fez crescer e fortaleceu as modalidades, fortaleceu a ligação dos Sportinguistas ao Clube e construiu o que tantos haviam prometido: o Pavilhão que fará parte da Nossa Casa.

Lamento a sua devoção a JJ desde o primeiro dia, mas vejo que os que agora criticam o treinador são os mesmos que festejaram a contratação como se de um campeonato se tratasse. Ao contrário deles, eu agora até lhe acho piada. Sim, é possível que eu não perceba nada de futebol, mas no dia em que o Sporting Clube de Portugal for só futebol, avisem-me que eu quero mudar de clube.

Dia 4, lá estarei.

Ser ou não ser, eis a questão

 

Sou racional. Penso e repenso as coisas, as situações até ter certezas. Peso os prós e os contras. Penso a todos os passos do caminho: “e se estiver errada?”. Procuro um ponto de partida, a tal primeira certeza sobre a qual não restam dúvidas e a partir daí vou eliminando hipóteses, construindo raciocínios. Depois, quem me ouve falar, pensa que sou muito emotiva porque defendo a minha posição sem reservas, sem dúvidas, sem hesitações, com convicção, com garra e, confesso, com alguma impaciência.

Posto isto, a minha chegada ao Sportinguismo não podia ser irracional ou fruto do acaso. Era uma criança e nem tinha preferências. Mas na escola, os benfiquistas eram uns arrogantes, donos da verdade absoluta, que tinham prazer em humilhar todos os que não fossem do seu clube. Se ganhavam, a semana era insuportável porque ninguém os podia aturar com a basófia. Se perdiam, a semana era insuportável porque ninguém os podia aturar com a neura. Foi fácil chegar à primeira certeza, sobre a qual não havia qualquer dúvida: Nunca poderia ser benfiquista. Nunca poderia fazer parte “daquilo”. A partir daí foi fácil eliminar hipóteses e chegar à melhor escolha possível: o Sporting Clube de Portugal.

E depois há isto. Há o Estádio de Alvalade cheio. Estão lá dois dos meus filhos e mais 50044 leões a viver uma noite de festa. Eu vejo um vídeo filmado com um telemóvel, todo aos tremeliques e com má qualidade de imagem, e não consigo evitar que as lágrimas me cheguem aos olhos.

Já sei que os comentadores de plantão vão dizer que isto do “Mundo sabe que” é uma pirosice: Se calhar, até é. Também vão atacar com a contabilidade das vitórias e dos campeonatos. Com certeza, levem lá a bicicleta. Digam o que quiserem, toda a vossa conversa é inútil e até me diverte ver como se contorcem.

A minha certeza é inabalável. A minha fé é inquestionável. Eu sou Sporting Clube de Portugal.

 

Os melhores golos do Sporting (27)

Golo de MONTERO

Sporting-Académica

30 de Janeiro de 2016, Estádio José Alvalade

 

Tenho estas manias. Em dia de jogo não visto verde, a não ser que vá ao estádio e leve a camisola. Quando marcam penalties contra nós, olho sempre para o lado. E por fim, tenho a certeza absoluta de que, se estiver a trabalhar ou a estudar durante o jogo, o Sporting não perde.


Por isso, quando desviei os olhos do que estava a estudar para conferir o resultado, por volta das 9 da noite do sábado, 30 de Janeiro, não gostei nada. Qu’é isto, o Sporting a perder com a Académica? Em casa?


Concentrei-me no que estava a ler e o Adrian marcou. Depois o Bryan Ruiz arrumou o assunto para o intervalo e eu descansei. É provável que me tenha desleixado, porque aconteceu aquele não-golo que ia deitando tudo a perder. Lia parágrafos uma e outra vez, não havia meio de compreender o sentido das palavras. Acedi a uma estação de rádio online, já que o estudo não fazia efeito, mais valia estar em cima do acontecimento.


Oitenta e quatro minutos. Bola cruzada da direita por João Pereira. Montero recebe na esquerda da área, enquadra-se e atira de pé esquerdo. A frase mágica dita na rádio: “É golo, é do Sporting!”


Na minha casa, há folhas com legislação croata de bibliotecas mal traduzida pelo Google espalhadas pelo chão. No estádio, o filho de um polícia colombiano acabou de repor a legalidade e a verdade no jogo. Saiu do banco para marcar o golo dos 3 pontos, o último golo do jogo, o último golo com a camisola verde e branca. Saiu do banco para deixar o Sporting no sítio que lhe pertence: o primeiro.


Obrigada Montero! Obrigada pelos golos, obrigada pela dedicação, obrigada pelo brio com que vestiste a camisola. E obrigada por manteres a minha superstição válida!

 

Hoje, às 14h30

Há jornalistas muito fraquinhos. Nem conseguem ver um jogo até ao fim. Sofrem do síndrome do minuto 92. Mal o relógio passa os 80 começam a ter suores frios, tremem-lhes as pernas, instala-se uma insuportável comichão nos ouvidos e viram as costas à realidade. Fraquinhos, muito fraquinhos.

Mesmo assim, não consigo deixar de me perguntar: Por onde terá andado o "jornalista" que escreveu, formatou e publicou esta informação que passou no rodapé de um serviço noticioso hoje, às 14h30? Que trevas o assolaram? Que força maligna o impediu, desde ontem à noite, de ler jornais, perguntar ao vizinho, espreitar na internet? Por onde andou esta alma solitária?

E já agora, quem é o responsável que confia neste calhau para dar notícias?

12227560_1063093867037155_3734909968652380823_n.jp

 

Isto também é o Sporting!

Dando provas da sua grandeza, o Sporting Clube de Portugal continua a sua aposta na formação. Teve hoje início o 1º Curso de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva, uma iniciativa do melhor clube do mundo em parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Trata-se de um curso de dupla certificação, que confere simultaneamente o 12º ano (e as condições de acesso ao ensino superior) e uma certificação de Técnico Profissional de nível 4. As aulas decorrem no Estádio de Alvalade e a componente prática (um dos grandes atractivos do curso) decorre em empresas com protocolo de colaboração com o Sporting e no apoio à actividade das diversas modalidades do Sporting Clube de Portugal.

A divulgação foi feita pelos canais do Sporting: mailing list, informação no site e um spot publicitário no intervalo de dois jogos. Foram recebidas 190 candidaturas, de entre as quais foram seleccionados os 50 magníficos que vão dar o pontapé de saída nesta primeira edição de um curso que, fazendo justiça à qualidade da formação do Sporting, creio que fará escola.

Hoje, os novos alunos da Sporting Training Academy apresentaram-se no Auditório Artur Agostinho, onde foram recebidos pela Organização do Curso e pelo Presidente Bruno de Carvalho.

A todos os alunos, em especial ao que saiu aqui de casa hoje de manhã para ter o privilégio de estudar e preparar o seu futuro no Sporting Clube de Portugal, desejo o maior sucesso.

2015-09-14 10.32.41.jpg

 

Porta Rui Patrício

Há pouco mais de um ano, quando concorri ao lugar em que agora trabalho, tive que mudar a minha residência para Évora. Com pouquíssimo tempo disponível, procurei uma casa que tivesse o número de quartos necessário (tenho 3 filhos e muitos livros) e um quintal para o Stromp, tudo isto dentro do centro histórico. Numa das agências que contactei, a senhora acabou por me falar numa casa com as condições que pretendia, embora com muitos receios, porque os senhorios estavam interessados apenas na venda. Chamou logo a atenção para a impossibilidade de usar a garagem por estar cheia com o mobiliário e outros bens dos donos da casa. Sem problemas.

Combinámos encontrar-nos no local. Descemos a rua, à procura de uma casa que correpondesse à descrição e com uma garagem ao lado. A única que encontrámos tinha a porta vermelha. E as janelas vermelhas. E o portão da garagem vermelho. Olhámos uns para os outros, até que um deles se atreveu:

- Mãe... porta vermelha...?

- Calma, ainda não vimos a casa, pode ser que valha a pena.

Ao chegar, a senhora da imobiliária fez-nos sinal:

- É mais para baixo, nem é bem nesta rua, é aqui numa travessa.

Dobrámos a esquina e..."É aqui." Olhámos outra vez uns para os outros:

- Mãe! As portas são verdes! E mãe, é o número 1, é a porta do Rui Patrício!

Ficámos com a casa. Até tinha quintal para o Stromp!

Sobre frangos, cervejas e Charlie Hebdo

Consciente do monumental frango dado na criação de um spot publicitário de muito mau gosto, a Sagres já veio a público retratar-se. Porém, há por aí uns pseudo-intelectuais muito preocupados com o estado do país em particular e do mundo em geral que querem comparar um anúncio de cerveja a um ataque terrorista e não param de dizer que também são Charlie.

Então é assim:


1. Um jornal é um jornal e a liberdade de imprensa é sagrada. Um anúncio publicitário não é um jornal. É um produto comercial que apela ao consumo de um determinado bem com o intuito de proporcionar lucro a quem o promove.


2. Um anúncio publicitário quer obter mais clientes. Este anúncio publicitário hostiliza potenciais clientes. É um falhanço absoluto enquanto produto.


3. Se todos somos Charlie, eu reivindico o meu direito a expressar a minha opinião para poder dizer que não gostei do filme, achei a ideia triste e lamentável e que cá em casa só se compra Super Bock (não é de hoje, já o tinha dito aqui: http://sporting.blogs.sapo.pt/835670.html).


4. Aliás, se agora andamos todos com o trunfo do Charlie Hebdo na manga como se fosse um joker, então reinvindico o meu direito inalienável a ser Sportinguista e recuso-me a tolerar a intolerância de uns certos ditadorzecos anti-adeptos (o clube deles é o anti-Sporting).


Tenho dito.

 

Nota: Reparem que só falo no Sporting. Não menciono qualquer clube ou agremiação futebolística. Antes de enviarem a artilharia pesada para a caixa de comentários lembrem-se que serão vocês a estabelecer as ligações.

Em frente

Perante adversidades, processos complicados, conjunturas difíceis, costumo dizer: "Não há problema, eu sou do Sporting, estou habituada a dificuldades." As pessoas costumam rir-se, dizem que eu não perco uma oportunidade de falar no Sporting, mas raramente compreendem o que eu quero realmente dizer.

 

Ontem, o caricato episódio da Taça da Liga foi apenas mais uma "infeliz coincidência" que veio provar aquilo que digo. Ser do Sporting é tudo o que já muita gente disse, mas é também um treino extraordinário para lidar com os presentes envenenados que a vida teima em trazer-nos. Dá-nos uma capacidade de resistência incomparável. Ajuda-nos a começar caminhos partindo sempre com expectativas baixas. Sabemos que pela frente não temos apenas a dificuldade habitual em qualquer processo, mas sim uma sucessão de rasteiras e armadilhas para as quais raramente estaremos preparados, mas dos quais seremos obrigados a recuperar sem hesitações, a reerguer-nos sem medo e a avançar até ao próximo obstáculo.  

 

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D