Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Futuro com laterais

Mais uma época em que, infelizmente, não estamos em Maio a viver o presente, mas sim, a zelar pelo futuro. Como acredito que estamos no caminho certo enquanto equipa e estrutura, depois do central André Pinto, espero que neste momento já se esteja a tratar de 3 a 4 defesa laterais, quer para esquerda quer para a direita. Se ainda der para mais, devemos ir buscar um bom médio, que complemente Adrien ou William, para diminuir a pressão sobre a equipa, caso um dos dois saia no defeso ou se lesione - como aconteceu ultimamente - em 2017/2018. Venha o futuro. Com laterais, acima de tudo.

Segurar Bas

Numa época pouco reluzente, Bas Dost é dos melhores da Europa (a um golo de Lionel Messi). 22 golos na liga em 25 jogos, 47% do golos marcados pelo Sporting no campeonato. Na média por jogo, só fica atrás de Mário Jardel (2001/2002). Duas notas emergem deste panorama: a primeira para constatar que numa época boa, com o Sporting a lutar pelo título até ao fim do campeonato, Bas arriscava-se a andar a lutar com os recordes de alguns dos melhores goleadores da história do Sporting. A segunda é para relembrar que é fundamental manter Bas Dost na época 2017/18. Será pedra fundamental no 3a tentativa de Jorge Jesus nos dar o tão almejado título. 

Vai ser craque entre nós

O Markovic. Vai marcar golos, fazer assistências e levantar Alvalade, cada vez que Jesus o passar da condição de titular para substituído. Vamos gritar "Marko, Marko, Marko" ao mesmo tempo que fazemos vénias sucessivas como ontem fizemos ao Gelson e ao Adrien. Ele precisa de tempo (3/4 jornadas e está no ponto), a magia está lá toda. Que L'azar vão ter as defesas contrárias lusas. E polacas. E alemãs. Os outros têm muita sorte, não contam.

Todos a Madrid!

Já lhe chamam invasão. E após o primeiro dia de vendas, não há um que sobre dos quase 4 mil bilhetes destinados ao Sporting para ir a Madrid ver a nossa turma jogar contra o Real, na próxima semana. Serei um dos afortunados, tal qual o nosso colega Frederico Dias de Jesus. Lá estaremos a apoiar os Leões no começo desta aventura europeia com os grandes da Europa, lugar natural da nossa instituição. 

WhatsApp Image 2016-09-05 at 13.52.47.jpg

 

Um mês

Dentro de um mês, os principais mercados de transferências estarão a fechar. Até lá, a expectativa sobre o que podemos fazer na época 2016/17 é ainda incerta. Quem sai, quem substitui, quem NOS paga os reforços, etc. Nos últimos anos, não me lembro de um começo de época assim, com tanto a poder mudar com a saída de 2/3 atletas. Se o presente está assim, só o está porque o passado recente tem sido digno de boa nota. De outra forma, ninguém quereria levar uns cepos. Para rematar, dizer que são bons, têm qualidade e ajudam muito o Sporting. Se ficarem, ficaremos mais fortes, mais próximos dos objetivos. Se saírem, não sendo o Apocalipse verde-e-branco, a época será, com certeza, mais difícil. 

Em frente

Gosto quando ficamos frustrados por não ganhar. Quando não se festeja um 2º lugar. É este o meu Sporting. O nosso Sporting. O Sporting de uma só mentalidade: vencer sempre. Campeonato 2015/16 fechado. Não vencemos, queríamos muito, sentimos que "este ano era nosso", mas estamos no caminho certo. Com a actual estrutura, o actual treinador e com esta equipa. O melhor futebol em muitos anos (3 na Luz, 3 no Dragão, 4 em Braga é apenas um exemplo) tem de ter continuidade. Este ano começámos o campeonato a perguntar se seria possível lutar pelo mesmo com o FC Porto e SL Benfica. A partir deste Agosto, estamos logo na luta a tentar superar os 86 pontos conquistados em 2015/16. É tempo de balanço, mas será mais importante gastar tempo na preparação da próxima época - Liga, Liga dos Campeões, Taça e Taça da Liga: reforçando, vendendo bem o que temos mesmo de vender e projectando a estrutura do futebol para o campeonato. Vamos em frente!

Os melhores golos do Sporting (31)

Golo de MARCO CANEIRA

Sporting-Inter de Milão, 1-0

12 de Setembro de 2006, Estádio José Alvalade

 

Esta grande série colectiva volta ao início para recordar uma das grandes noites europeias do nosso clube, uma de várias que já assistimos no Estádio José de Alvalade. 1ª jornada do Grupo B da edição 2006/2007 da Liga dos Campeões. Sporting com um grupo nada fácil - Inter de Milão, Spartak de Moscovo e Bayern de Munique.

 

Quis o destino que o primeiro jogo fosse em casa com os transalpinos. Hoje, o Inter não assustaria tanto como então, visto que nessa noite quente de fim de Verão a equipa de Milão apresentava no seu onze, entre outros, Toldo, Córdoba, Stankovic, Patrick Vieira, Walter Samuel, Ibrahimovic e o "nosso" Luís Figo. Era um gigante europeu com uma equipa recheada de craques. Um adversário à altura do Sporting. 

 

Do nosso lado estavam Ricardo, Polga, Marco Caneira, Tonel, Abel, Nani, Miguel Veloso, João Moutinho, Romagnoli, Djaló e o levezinho Liedson. Oito portugueses, alguns deles craques da formação de Alcochete, contra as estrelas do Inter. Um David contra um Golias. 

 

Mas nesse jogo, onde Ricardo e a nossa defesa foram várias vezes testados, a magia percorria o meio-campo leonino e o avançado contrava com dois quebra-cabeças, Djaló nos movimentos e Liedson nas finalizações. Jogo vibrante, com várias oportunidades para cada lado, teve um herói mais-ou-menos-improvável. Menos, porque nestes jogos apontamos sempre como prováveis marcadores os extremos endiabrados, os médios criativos ou os avançados temíveis. Mais, porque Caneira, nas épocas que fez de Leão ao peito, várias vezes foi chamado para bater os livres (embora sem muito sucesso, diga-se).

 

Nessa noite, os astros alinharam-se e um excelente passe longo de Tonel foi directo à peitaça de Marco Caneira, libertou-se de Maicon e atirou à baliza um remate bem colocado, que ao fugir do enorme Francesco Toldo beijou a trave e morreu nas redes defendidas pelos italianos. Alvalade explodiu, estávamos a vencer ao todo-poderoso Inter de Milão. Aguentámos e no fim os 3 pontos ficaram em Lisboa. Uma noite de glória europeia com um golaço inesquecível do lateral Marco Caneira.

 

Até aos idos de Março

Defrontamos o 2º classificado da Liga (actualmente com menos 2 pontos que nós) no início de Março. Até lá, vamos fazer os seguintes jogos:

 

Jornada 20 - Sporting X Académica

J 21 - Sporting X Rio Ave

J 22 - Nacional X Sporting

J 23 - Sporting X Boavista

J 24 - Vit. Guimarães X Sporting

J 25 - Sporting X Benfica

 

Pelo meio, há Liga Europa com os alemães do Bayer Leverkusen. Ora, temos 5 jogos do campeonato, três dos quais em casa com os 16º (Académica), 7º (Rio Ave) e 17º (Boavista) classificados. 9 pontos obrigatórios, repito e sublinho, obrigatórios. Ao que se juntam dois jogos fora, com Nacional e Vitória de Guimarães, ambos historicamente difíceis para as nossas cores. Fazer 15 pontos nestes 5 jogos será um passo de gigante (ou de Leão) rumo ao título. Empates e coisas que tais podem significar o princípio do fim do nosso sonho. Quanto à 25º jornada, bem, aí nem há outro resultado possível - em casa, estádio cheio, sofrimento e vitória. 

Os melhores golos do Sporting (1)

Tenho a honra de começar uma série que irá animar esta casa nos próximos tempos. O Pedro Correia já tinha destapado um pouco o véu na crónica do nosso último jantar, pelo que hoje dou o pontapé de partida. 

 

Golo de DIEGO CAPEL

Sporting-Athletic Bilbao

19 de Abril de 2012, Quinta-feira, 20h05, Estádio José de Alvalade

 

Nessa época, tremida e demasiado instável para o investimento que tinha sido feito no plantel, o Sporting alimentava então duas esperanças: chegar à final e vencer a Liga Europa, conquistar a Taça de Portugal. O título já não estava ao nosso alcance. Nessa noite europeia, orientados por um treinador muito querido entre os adeptos, Ricardo Sá Pinto, jogava-se a 1ª mão das meias-finais da Liga Europa. Do outro lado, o forte e competitivo Athletic Bilbao. Alinhámos com o seguinte 11: Rui Patrício (e que época fez o nosso guardião!), Insúa, João Pereira, Anderson Polga, Xandão, André Martins, Daniel Carriço, Schaars, Izmailov, Diego Capel e Ricky Van Wolfswinkel. 

 

Nas bancadas, uma fraca assistência: 37.286 espectadores para uma meia-final europeia é pouco Leão para tamanha empresa (fosse hoje e tínhamos gente pendurada na cobertura do estádio). No campo, eles batiam-se, batiam-se, mas o Bilbao - principalmente o seu meio-campo - não era pêra doce. Ao intervalo, 0-0. A começar a 2ª parte, balde de água fria. Aurtenetxe inaugurava o marcador para os bascos. Livre da direita cobrado por Susaieta para a área, mau alívio de Insúa, com a bola a sobrar ao segundo poste para Aurtenetxe, que só teve de encostar. O Sporting sofreu mais um bocadinho e os falsos espanhóis quase que faziam o segundo (poupou-nos o poste da baliza de Patrício aos 60').

Nos últimos 25 minutos, começou uma noite europeia inesquecível. Aos 68', entrava Carrillo e o Sporting parecia endiabrado. Chegámos ao tento do empate ao minuto 75' com uma cabeçada estranha, raivosa, mas certeira do lateral-esquerdo argentino Insúa.

 

E a seguir chegou a magia que justifica este texto e o sorriso com que estou enquanto escrevo estas linhas: nas bancadas cantava-se "Aperta com eles, Sá Pinto!" (música que nos acompanhou na recta final dessa época 2011/2012).

Sá Pinto apertava, gesticulava, gritava, não parava um segundo. O banco do Sporting parecia outro onze que queria entrar e jogar. Aquele jogo tinha de ser nosso. E foi nosso devido a uma jogada que ligou a Sevilha à Rússia, fazendo estremecer meia Lisboa: Izmailov faz meio terreno adversário com a redondinha agarrada aos pés, deixa para Capel, que remata forte e rasteiro de fora da área, sem hipóteses de defesa para o guarda-redes Iraizoz.

Grande golo de Diego Capel.

Eu tive a oportunidade de ver a bola dirigir-se para dentro da baliza sul, visto que me encontrava na Superior Sul com o Frederico Dias de Jesus. O estádio explodiu. O sonho de ir a Bucareste começava a parece algo fazível para os nossos rapazes. O povo leonino ficou endoidecido com Diego Capel. Se já era querido por todos nós (pese algumas limitações técnicas e tácticas), essa noite transformou-o no herói da ocasião.

Partilho aqui o link de um dos melhores vídeos que existem no Youtube desse mesmo momento (com relato Antena 1 e TSF). É emocionante, dá vontade de voltar a essa noite de Abril de 2012 para sentir aquela loucura em Alvalade. 

 

 

Neste blog, então ainda muito jovem, festejou-se nos dias seguintes (e de que maneira) essa vitória, esses golos e o momento decisivo de Diego Capel. O Bernardo Pires de Lima, o José Navarro de Andrade, o João Távora, o Adelino Cunha e o David Dinis, entre outros, deram nota da nossa alergia e orgulho. Um golo e uma noite europeia para a história desta grande instituição.

Obrigado, Diego Capel. Obrigado, Sporting!

Decisivo

Há um bom par de anos, nos idos dos campeonatos conquistados, também tivemos um jogo decisivo em terra sadina. Penso que então empatámos, o que não foi suficiente para nos tirar o título. Depois de sábado, hoje é uma "final" para nós. Lição: comer a relva e marcar cedo. Em dia de Reis, o Leão tem de continuar dono e senhor da tabela classificativa. Custe o que custar.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D