Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Piccini (en)cantou "à capela"

Contando com o nipónico Nakajima na frente, o caudal ofensivo do Portimonense foi um oceano pacífico. Não que o Oliver Tsubasa da equipa algarvia seja um mau jogador, antes pelo contrário, mas Piccini, o lateral direito leonino, esteve absolutamente imperial, controlando o japonês e, muitas vezes em simultâneo, o craque Paulinho, motor do jogo do time de Vitor Oliveira. Sem motor, o Portimonense foi de vela, expondo-se ao tornado Podence e ao ciclone Gelson. O trovão ("Thunder") Dost fez o resto.

 

Os nossos jogadores um-a-um (em escala musical):

 

Rui Patrício: Exceptuando o momento em que a nau do japonês Nakajima lhe apareceu à frente, não teve quaisquer sobressaltos. No resto do tempo, entreteve-se a aquecer os motores, pois a noite, fria, ameaçava ser a única inimiga deste experiente marinheiro. Sobrequalificado para tão singela missão, o nosso Rui bem poderia ter sido substituído por este Vosso humilde escriba, ou mesmo por um bidon, que daí não adviria mal maior para as nossas hostes.

Nota: Sol

 

Piccini: Com um olho na Ásia (Nakajima), a seu estibordo, e outro na América do Sul (Paulinho), ainda teve tempo para bolinar (45º), em diagonais zigue-zagueantes, até semear o pânico, por duas ocasiões, no último reduto das hostes portimonenses. Na segunda metade, optou por navegar à vista ("à capela", sem instrumentos), paralelamente à Costa, não deixando de surpreender pela velocidade da sua circulação. Hoje foi um "skipper" perfeito. O melhor em campo.

Nota: Dó Maior

 

Coates: O Ministro da Defesa acompanhou em terra a batalha naval, feliz por verificar que, rechaçada a ofensiva algarvia, a Armada leonina já fundeava na Praia da Rocha.

Nota:

 

Mathieu: O almirante gaulês foi absolutamente imperial na forma como organizou a defesa, não permitindo qualquer circum-navegação no seu território, através de rápidas manobras que puseram em sentido a Armada portimonense, às vezes "esfregando a realidade na cara dos seus adversários". Como comandante das forças no mar, liderou com grande classe a contra-ofensiva até à vitória final.

Nota: Si

 

Coentrão: Tendo a Armada portimonense optado por tentar flanquear o lado direito da Defesa leonina, o vila-condense, habituado desde pequeno a ventos e marés, não encontrou óbstáculos à sua navegação a bombordo.

Nota:

 

William: Situado no centro do conflito, o capitão (de Mar e Guerra) leonino soube controlar as ofensivas adversárias. Assegurada a vitória, retirou-se mais cedo, garantindo o descanso necessário para a próxima refrega que se aproxima: a batalha da Luz.

Nota:

 

Bruno Fernandes: Uma manobra menos bem conseguida aqui, outra ali, mas o que é certo é que foi ele a acertar o primeiro tiro na frota portimonense. Deslocando-se intrépidamente entre as forças portimonenses, chamando a si os adversários, criou as condições para que o "flying dutchman" terminásse com a batalha.

Nota: Si

 

Gelson: A leitura do vento é essencial nas manobras marítimas. O Sporting beneficiou bastante de saber aproveitar a velocidade a que se deslocava o ciclone Gelson, o que causou desequilíbrios que contribuíram para a vitória final. 

Nota:

 

Acuña: Nunca conseguiu aproveitar o espaço para navegar a bombordo, mesmo quando a nau algarvia que vigiava essa área foi abatida. Optou por manter uma prudente vigilância à(s) sua(s) costa(s).

Nota: Sol

 

Podence: Foi o tornado que começou a matar a esperança dos portimonenses. "Soprando" a uma velocidade vertiginosa, destruiu parte da Armada portimonense, abrindo espaços para a nau comandada por Bruno Fernandes e para a embarcação de Dost dispararem as estocadas fatais.

Nota: Si

 

Bas Dost: A sua embarcação, o "flying dutchman", foi a segunda a avistar terra, momento em que se ouviu o seu célebre trovão. Para não variar, chegou a bom Porto.

Nota: Si

 

Bruno César: Com as forças já muito avançadas no mar, à conquista da Praia da Rocha, ao brasileiro apenas lhe pediram que contivésse alguma derradeira tentativa de flanquear a ofensiva leonina, algo que fez sem particular brilhantismo, até porque o adversário nem sequer o tentou.

Nota: Sol

 

Battaglia: Com a Armada leonina já a ancorar terras algarvias, manteve-se prudentemente no mar, mordendo "as canelas" das já muito degradadas e erráticas embarcações portimonenses.

Nota: Sol

 

Bryan Ruiz - Sem tempo para brilhar

Nota: -

 

Tenor "Tudo ao molho...": Cristiano Piccini 

 

sporting portimonense.jpg

16 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D