23 Mai 17

Resultados do Sporting vs. Setúbal; duas vitórias, uma por 2 a 0 e outra por 3 a 0, cinco golos marcados, zero sofridos.

Resultados do Sporting vs. Boavista; duas vitórias, uma por 4 a 0 e outra por 1 a 0, cinco golos marcados, zero sofridos.

Resultados do Benfica vs. Setúbal; um empate e uma derrota, 1 a 1 e derrota por 1 a 0, um golo marcado, dois sofridos.

Resultados do Benfica vs. Boavista; dois empates, 3 a 3 e 2 a 2, cinco golos marcados, cinco golos sofridos.

Sporting, 12 pontos.

Benfica, 3 pontos.

A propósito disto.

Na época passada o Sporting foi superior a todas as equipas (se fossem contabilizados os resultados obtidos nos dois jogos como eliminatórias) nesta época o Benfica até conseguiu ser pior que o Setúbal.


comentar ver comentários (42)
02 Abr 17

Tendência é a palavra chave deste "post".

Aquilo que as últimas jornadas mostram é que Benfica e Porto tendem a empatar os jogos (foi assim nas duas últimas jornadas) e o Sporting tende a vencer.

Assim, faltando sete jornadas, o Porto tende a somar sete pontos aos 64 que possui, terminando com 71 pontos.

O Benfica tende a somar seis pontos nos seis jogos que faltam, vamos deixar de fora, por enquanto, o jogo com o Sporting, nesse caso o Benfica que possui 65 pontos, terminaria, também, com 71 pontos.

O Sporting, em seis jogos, tende a somar 18 pontos aos 57 que possui, terminando com 75 pontos.

Ao contrário daquilo que parecia, há três ou quatro jornadas, a seguir-se a tendência actual, não só o campeão nacional está encontrado - o Sporting, como o jogo da jornada 30 será decisivo mas para a atribuição do segundo e terceiro lugar.

Com um empate ou uma vitória em Alvalade o Benfica ultrapassará o Porto. Em caso de derrota fica afastado da "Champions" poupando-nos a humilhações  como as de Nápoles ou de Dortmund.

Esperemos que a actual tendência se mantenha.


comentar ver comentários (30)
16 Out 16
Aguarela de Portugal
Pedro Oliveira

20161016_074423

20161016_080736

Foi, precisamente, numa das zonas mais conhecidas (e mais bonitas) do país que o Dortmund decidiu ficar, entre a Torre de Belém e os Jerónimos.

Oxalá apreciem as vistas porque, provavelmente, da noite de terça-feira não ficarão com boas recordações.


comentar ver comentários (50)
09 Out 16

20161009_155613

20161009_150926

Deixo ao critério das estimadas pessoas que lerem estas palavras a opção de escolherem quem é o Cocó e quem é o Ranheta. 

Miguel Sousa Tavares e Rui Gomes da Silva estão irmanados num bloco central de facadas (lá está) ao Sporting que seria preocupante se não fosse risível, devido à mediocridade (enquanto analistas desportivos) dos envolvidos.

Miguel na sua crónica de 2016.10.04 n' A Bola mostra-se embevecido com Rui, louvando-o pela sua solidariedade com o treinador do FC Porto, cito: "Rui Gomes da Silva confessa que deseja que NES [Nuno Espírito Santo] fique no Porto por muitos e bons anos" p. 36, mais à frente no último parágrafo do texto é que estraga tudo, tentando comparar os péssimos resultados de Porto e Benfica na "champions" com os resultados normais do Sporting.

A admiração de Miguel por Rui é tanta que até lhe "rouba" o título da crónica no citado pasquim para intitular um artigo de opinião no Expresso de ontem (p. 7).

Vamos ao que importa, analisemos então os "desastrosos resultados dos nossos três grandes nos OITO PRIMEIRO JOGOS da Champions" [sic].

 

Porto

Terça, 27 Setembro 2016 - 19h45 - 
Fase de Grupos Grupo G
Leicester City 1 vs FC Porto 0 (golo aos 25', Slimani)
Conclusão, o Porto esteve empatado 25' e a perder 65'; perdeu.
 
Quarta, 14 Setembro 2016 - 19H45 -
Fase de Grupos Grupo G
FC Porto 1 vs Copenhaga 1 (golo 13', Otávio/FCP; Cornelius 51'/Copenhaga)
Conclusão, o Porto esteve a vencer durante 38' e empatado nos restantes 52', empatou.
 
Benfica
 
Quarta, 28 Setembro 2016 - 19H45
Fase de Grupos Grupo B
Nápoles 4 vs Benfica 2 (golo 20' Marek [...])
Conclusão, o Benfica esteve empatado durante 20' e a perder durante 70', perdeu.
 
Terça, 13 Setembro 2016 - 19H45
Fase de Grupos Grupo B
Benfica 1 vs Besiktas 1 (golo 12', Cervi/SLB; Talisca 90+3/Besiktas)
Conclusão, o Benfica esteve a vencer durante 78' e empatado 12', empatou ou taliscou se preferirem.
 
Sporting
 
Terça, 27 Setembro 2016 - 19h45 - 
Fase de Grupos Grupo F
Sporting 2 vs Legia 0 (golos aos 28', Bryan e Dost 37')
Conclusão, o Sporting esteve empatado 28' e a vencer 62', venceu.  
 
Terça, 27 Setembro 2016 - 19h45 - 
Fase de Grupos Grupo F
Real Madrid 2 vs Sporting 1 (golos aos 48' Bruno César; aos 89' Cristiano e aos 90+4 Morata)
Conclusão, o Sporting esteve empatado 48' e a vencer 41', perdeu.
 
Resumindo, no conjunto dos dois jogos o Sporting esteve a vencer durante 103' (quase duas horas) das quais cerca de 45' em Madrid, o Benfica esteve a vencer durante 78' em casa e deixou-se taliscar, o Porto esteve, apenas, a vencer durante 38' o "poderoso" Copenhaga e deixou-se empatar.
Para Miguel Sousa Tavares os números que referimos atrás representam resultados desastrosos.
Os do Porto e os do Benfica, sim. Os do Sporting nem por isso.
 


comentar ver comentários (29)
18 Set 16

O jogo de hoje, até agora, parece o Benfica vs. Sporting do ano passado.

Com o Sporting a fazer de Benfica e o Rio Ave a fazer de Sporting.

Afinal, não...

Faltam cerca de dez minutos para terminar o jogo e o Sporting já conseguiu fazer fora, aquilo que o Benfica não conseguiu fazer em casa... marcar um golo.

Tags: , ,

comentar ver comentários (27)
26 Ago 16
As pérolas vão, a Academia fica.
Frederico Dias de Jesus

Hoje termina o percurso do João Mário de Leão ao peito. Na época 2013/2014, esteve emprestado ao Vitória de Setúbal. em boa hora fiz notar no dia 9 de Março de 2014 que "além de observar os nossos onze leões e torcer por eles, vou estar atento a uma pérola da Academia, o nosso João Mário. Dotado de uma técnica de passe impressionante, uma capacidade de temporizar o jogo, de pensá-lo, está alí um futuro patrão do meio campo ofensivo." Não estava enganado.

Depois desta época, seguiram-se duas de pura magia nos nossos relvados. E sempre, sempre com um garra inquestionável. E claro, a classe que está no seu ADN de jogador. Não minto, vou ter saudades. Ainda hoje, junto de um amigo, recordei aquela recepção magnifica que deu o primeiro golo do Sporting no Estádio do Dragão a época passada. E como esse podia recordar tantos pormenores que teve em Alvalade, fazendo levantar-me e comentar para o lado num típico "viste aquilo que ele acabou de fazer" - completamente eufórico. Saudade, é o último sentimento que o João Mário vai deixar em mim. Mais uma pérola da nossa Academia que parte para outro campeonato, para despertar em outros adeptos aquilo que fez connosco. Mais um exemplo que deve ficar afixado, numa imagem bem grande, nas paredes da nossa Academia. Respeitou sempre os adeptos, o clube, a instituição. Não deixou de treinar, não deixou de jogar. Chama-se formar Homens jogadores, tantas vezes na linguagem do Aurélio Pereira - como o tipo de jogador que o Sporting procura e quer fazer.

Saiu Homem. Saiu um grande jogador de futebol e campeão Europeu.

Desejo o maior dos sucessos desportivos ao João Mário. Que volte quando achar ser altura de reencontrar-nos. E nessa altura espero que também ele tenha uma fotografia do lado do Figo e do Ronaldo.

 

Mais uma pérola que vai. A Academia, essa fica. Sempre pronta a revelar novos talentos ao mundo do Futebol!

(Importa ainda dizer que o Presidente Bruno de Carvalho cumpriu o prometido. Deixou o jogador sair pelo seu valor. Tantos outros que saíram pela porta do cavalo por meia dúzia de tostões. Aqui nota-se a diferença de gestão, é apenas mais um detalhe.) 


comentar ver comentários (14)
01 Jul 16

Sem clubites.

Com certezas.

Sou sócio do Sporting e não da selecção da república portuguesa

Um link interessante, zero-zero, como os resultados da equipa de Fernando Santos.

Neste dia de aniversário, duas palavras: PARABÉNS, SPORTING.


comentar ver comentários (4)
30 Abr 16

Três grandes?

Um grande, um assim-assim e um pequeno.

Grande........................... Sporting - 9 pontos

Assim-Assim....................... Porto - 6 pontos

Pequeno.......................... Benfica - 3 pontos

Tags: , ,

comentar ver comentários (15)
19 Fev 16
fácil vs. difícil
Pedro Oliveira

É mais fácil vencer jogando com 11 e o adversário com 10.

É mais fácil vencer um grupo de excursionistas russos de férias no Algarve que o terceiro classificado do campeonato alemão.

É mais fácil vencer fora o actual campeão em título do que a União da Madeira.

É mais fácil ao Porto vencer fora o actual campeão em título do que o segundo classificado do campeonato alemão.

Tags: , ,

comentar ver comentários (11)
29 Mai 15

30 de Abril de 2005, um sábado como tantos outros.

1 de Maio de 2005, um domingo como tantos outros, mais uma jornada de glória para as nossas cores.

O dia de Pinigol e de um hat trick verdadeiro.

Braga, 0 vs. Sporting, 3; a primeira derrota do Braga de Jesualdo Ferreira no campeonato com um dos grandes (empatara duas vezes com o Benfica, uma com o Porto, outra com o Sporting e fora vencer ao Dragão).

Maurício Pinilla, internacional chileno, com 21 anos, demora 21 minutos a marcar três golos que contribuiriam para os 63 que o Sporting de Peseiro somava nessa jornada 31 (o Benfica de Trap tinha 49, o Porto de Couceiro 35).

Voltemos então ao dia 30 de Abril, o jogo com o Estoril no Algarve tinha sido na jornada anterior, nessa noite o Benfica recebia na Luz o Belenenses, o verdadeiro Belenenses. A equipa de Belém domina o jogo mas perde da forma habitual naquelas paragens. O grande herói benfiquista nesse dia chama-se Mário Mendes (o árbitro) assinala mal um penalty a 20 minutos do fim, marcado por Simão e no último minuto do jogo sonega ao clube da cruz de Cristo a oportunidade de empatar, Ricardo Rocha, defesa do Benfica atropela o rápido Lourenço (mais um da nossa formação) mas Mário Mendes que antes vira o que não aconteceu desta vez não consegue ver o acontecido. "Colinho" ontem, "colinho" hoje... há coisas no futebol português que não mudam.

O jogo acaba; Mário Mendes 1; Belenenses verdadeiro 0.

Aquilo que peço para domingo é que os nossos "Pinillas" sejam mais fortes, melhores e mais competentes que os "Mários Mendes" deles... que seja um grande jogo de futebol e que o Sporting vença.


comentar ver comentários (9)
26 Mai 15

salomão.jpg

Gosto de escolher títulos para os meus "posts" que tenham a ver com o tema e que sejam apelativos.

Neste caso, esteve quase a chamar-se:

"O Rei Salomão e o intestino delgado"

Fazia sentido, também.

Uma pessoa (eu) compra um jornal (cerca de 180$00) para ler aquilo que tentei reproduzir acima.

O "antigo sportinguista (...) Salomão", escreve o sub-director de A Bola e ex guarda-redes do SLB na pág. 39 do citado jornal de 2015.05.25; o SPORTING É A MINHA CASA, diz Diogo Salomão na pág. 27; "com contrato com o Sporting até Junho do próximo ano" (diz o citado pasquim).

"Sinto-me muito bem no Sporting. O Sporting é a minha casa. Gostaria de ficar", diz Diogo Salomão.

Qual a parte que o ex guarda-redes do Benfica não leu? Qual a parte que não percebeu?

Salomão é e quer continuar a ser jogador do Sporting Clube de Portugal.

Este texto de Delgado é uma tentativa de branquear "flops" actuais como Ivan Cavaleiro ou "flops" passados como Nélson Oliveira... perguntem aos adeptos do Corunha qual destes três portugueses preferem... eles responderão.

Pode parecer irrelevante este "post"; mas com coisinhas destas eles vão-nos tentando "matar" aos poucos.

Imaginemos que tinha sido o tal Ivan Cavaleiro a marcar o golo decisivo...

Imagine (como diria Jonh Lennon).


comentar ver comentários (16)
19 Jan 15
É uma injustiça...
Luciano Amaral

A avaliar pela reacção de toda a equipa do Rio Ave ao inequívoco penálti sobre Montero, pergunto-me de quanto era o prémio de jogo ontem. É injusto, afinal um treinador e um jogador também têm de ganhar a vida e têm bocas para alimentar lá em casa. E de quanto terá sido nas Antas, para a sodomização colectiva a que Pedro Martins y sus muchachos foram sujeitos? Como não piaram, é porque gostaram muito.


comentar ver comentários (1)
26 Nov 14
Leão do Niagara
Luciano Amaral

Ontem, no estádio, esteve sentado ao meu lado um emigrante português no Canadá. Vive nas cataratas do Niagara (do lado canadiano) e veio de propósito a Portugal para ver este jogo. Estivemos, antes do jogo e no longuíssimo intervalo, em amena cavaqueira, mais os meus filhos e um prosegur que era lampião mas extremamente educado. O homem repetiu várias vezes: "vim de propósito do Canadá; nem me importo de perder, mas joguem à bola". Saiu de papo cheio. No final, irradiava alegria. Fiquei sem saber o nome dele. Para mim, passa a ser o Leão do Niagara.


comentar ver comentários (7)
21 Nov 14
BESFUTE
Luciano Amaral

A crise do BES está a deixar o futebol português em pânico: era o grande financiador (juntamente com o BCP) e agora já não pode ser (e o BCP também não está lá muito bem). Era grande financiador directamente e também indirectamente, através da PT (que, tanto quanto conseguimos perceber pelas notícias, era o BES Comunicações). Tudo isto tornou mais essencial a história da venda dos direitos televisivos, cada vez mais transformada por clubes incontinentes em despesa, como o Benfica e o Porto, na próxima salvação. O Sporting também já esteve neste campeonato. Mas a pré-falência de há dois anos obrigou-o a um programa de austeridade, que o tornou bastante mais sustentável. Benfica e Porto é que estão desesperados pelo próximo chuto.

Mesmo assim, há aqui coisas que não percebo: a SportTV (ou FCPTV) está mal, mas já a BTV (ou Benfica TV) diz-se que está bem; então para que é que vai aliar-se (em formatos ainda indeterminados, mas de que se vai falando por aí) à SportTV? Talvez a história não seja bem como a contam.

Certo certo é o seguinte: o Sporting está a ser deliberadamente posto fora do festim. Mais que tudo é essencial agora a sua afirmação desportiva. O presidente tem de fazer compreender bem a urgência da situação ao treinador e aos jogadores; estes não se podem permitir a estados de alma, tipo Guimarães. Novelas como a de Nani, com incapacidade comunicar dos dois lados, não ajudam nada. A hora é mesmo de acabar com as brincadeiras.

Tags: , , , , , ,

comentar ver comentários (3)
Controlo de Doyenos
Luciano Amaral

Para além da linda fotografia abaixo, vale a pena conhecer os primeiros passos do encantador casalinho: "Benfica e FC Porto vão testemunhar contra o Sporting no caso Doyen".

A coisa é muito simples: o maior aliado do Porto no início do seu domínio, nos primeiros anos da década de 80, foi o Benfica de Fernando Martins; o maior aliado na segunda vaga de domínio, nos anos 90, foi Manuel Damásio (Pinto da Costa chegou a ser presidente da Liga, pela mão de Damásio); agora é o que se vê, com Luís Filipe Vieira.

Vamos lá a acabar com a converseta benfiquista de que o Sporting foi, nos últimos anos, o lacaio do Porto. Sim, prestou-se a papéis do género, mas nunca a esta escala e de forma tão recorrente e decisiva.


comentar ver comentários (7)
19 Nov 14
Outra vez? (parte dois)
Edmundo Gonçalves

Era para ser uma resposta ao post do Luciano Amaralaqui em baixo, mas parece-me que deve ter direito a post próprio:

Estive assim a um bocadinho de também fazer um post sobre o assunto Nani, logo ontem à noite.
Mas depois pensei, cá pra mim, que se calhar era preciso ter um pouco de calma.

Ora imaginemos: Nani está em Old Trafford, a casa que é a sua por contrato, perante o seu público, com os holofotes em cima, sabendo que o patrão e o treinador o irão ouvir... que se lhe pode exigir?

Eu confesso que me coloquei no lugar de Nani e provavelmente teria respondido da mesma forma. Até porque ele sabe os termos do contrato de cedência, a concorrência enorme e "feroz" que tem, logo será difícil regressar. Mas convenhamos, apesar de ser Leão, não podemos criticar um jogador por querer regressar ao clube que o dispensou. Por todas as razões.
Desestabiliza? não tenho essa opinião. Lá dentro é que ele tem que demonstrar o que vale, e até agora tem sido irrepreensível.


Ou então estou redondamente enganado e desde já me penitencio.


comentar ver comentários (8)
Outra vez?
Luciano Amaral

Parece que continua a novela Nani, o qual disse que não dizia que não a um regresso a Manchester já em Janeiro. Não sei o que é isto, mas não gosto. Não gosto por muitas razões, a mais imediata das quais é a quantidade de conversas estragadas que alimenta. Por exemplo, logo a seguir às declarações ouvi o comentador da RTP Carlos Daniel dizer que percebia Nani, dado "o momento do Sporting, que está a 8 pontos do líder". Ah sim? E o momento do United? Está em 7º lugar a 13 pontos do líder e a 9 do 2º. É verdade que está a 5 do 3º, mas o 3º é o City, sendo que, pelo meio, ainda há o Arsenal. O United não está na Champions. Pela diferença de pontos, já não vai ser campeão. E vai ter de se esfalfar muito para ir à Champions do ano que vem. O Sporting está na Champions e ainda pode ser campeão e, mesmo que não seja, está em boas condições para chegar à Champions. Não percebo que vantagem tem Nani em ir para o United agora. Para lá do momento mau do United, nunca terá lugar de caras na equipa, onde há mais jogadores de nível semelhante. Perceberia que quisesse regressar para o ano, admitindo que o United se ja capaz de voltar à glória planetária, mas não vejo melhor do que cumprir o empréstimo esta época. Se tem condições para o cumprir, depois destes sucessivos episódios da novela, é outra história. Mas sobre isso é que já não sei nada. Apenas espero que aquilo que chega cá fora não seja nada daquilo que parece.


comentar
13 Nov 14

Estava para escrever um grande lençol sobre a entrevista de Bruno de Carvalho, mas depois achei que podia dizer a mesma coisa de forma mais simples, embora ainda longa.

Hoje vi as mais incríveis "notícias" sobre o Sporting nos mais diversos jornais: que Vítor Pereira e Rui Vitória já teriam sido contactados para substituir Marco Silva, que os processos disciplinares só não foram iniciados porque Nani ameaçou voltar para Manchester, que Virgílio insultou os jogadores depois da vitória sobre o Schalke. Eu sei lá se isto é verdade. Até porque não sei se é mentira. Estamos a falar do jornalismo desportivo português, que vive assim num mundo delirante, semi-ficcional, semi-verdadeiro. Se pensarmos que estes jornais são os mesmos que, no defeso, se prestam ao papel de secção de classificados de jogadores mandados para o mercado por empresários e clubes, inventando interesses e contratos, está tudo dito. Bruno de Carvalho tem toda a razão em achincalhar este jornalismo baseado numa narrativa ("Bruno de Carvalho é a besta do Apocalipse") e feito de "fontes" sempre muito convenientes. Assim como tem razão em lançar-se às "nádegas". Assim como tem razão em apresentar a austeridade sportinguista como modelo, e outras coisas do género. Mas a bola é a bola. E por muita razão que tenha, ou ganha no campo ou está tramado.

Bruno de Carvalho atirou-se a quase tudo aquilo que foi contribuindo para colocar o Sporting na miserável situação de há dois anos (e anteriores). Criou imensos inimigos, a somar aos que já tinha. Não me parece que isso o incomode. Mas acho que fiquei a perceber, na entrevista de ontem, que o incomodou mesmo a falta de comparência da equipa em Guimarães. No fundo, o seu raciocínio deve ter sido algo do género: eu dou tudo por este clube, "trabalho 24 horas", exponho-me a toda a pancadaria, mas não posso ser atraiçoado por uma equipa que tem obrigação de fazer muito mais, que tem obrigação de trabalhar também 24 horas. A resposta sobre os patrocínios foi sintomática: com a saída da PT, é preciso arranjar novos parceiros e o contrato será tanto melhor quanto melhores forem os resultados desportivos. Ou seja, ele acha que os jogadores não percebem a importância da sua (presidente) função num clube que continua na corda-bamba. Lá está, bola é bola. Tem de se ganhar.

Se é isto, o presidente tem razão. Mas ao mesmo tempo não tem, no sentido em que não conseguiu transmitir essa sensação de urgência à equipa. E então tem de arranjar uma maneira de eles perceberem isso. Terão percebido ontem?

O Sporting continua convalescente, não é um clube onde se possam dar grandes folgas um dia porque depois se recuperam no outro. Está na altura de os jogadores perceberem isso. Está na altura de o presidente conseguir instilar a ideia neles. Se ambos conseguirem fazer isso, o grande futuro do Sporting começa já a seguir.

 


comentar ver comentários (2)
11 Nov 14
É o Apocalipse!
Luciano Amaral

Quando andava na faculdade, há para aí uns vinte e tal anos, havia um maluco que subia e descia o Chiado sempre muito bem vestido e com um ramo de flores na mão. Chamavam-lhe "o noivo", pela roupa mas também (de acordo com a lenda) por ter sido abandonado no altar. A característica do "noivo" era andar muito sossegado na rua até, de repente, por efeito de uma qualquer mola invisível, desatar aos gritos, assustando os circunstantes mais próximos: "É O FIM DO MUNDO!! É O APOCALIPSE"!! Nunca se sabia quando ia acontecer.

Vem isto a propósito da discussão verdadeiramente desbragada que por aí anda sobre o Sporting: o balenário está a desfazer-se, Nani quer voltar para Manchester, presidente pensa em processar Nani e mais não sei quem. Tudo por causa da derrota em Guimarães e do empate em casa com o Paços de Ferreira e do 8º lugar na classificação. Mas anda tudo doido? Depois de andarmos aí a dar cabazadas aos penafiéis e marítimos desta vida, de termos ganho 3-1 ao Porto no estádio do Dragão, de termos dado 4-2 ao Schalke (que com facilidade seria a segunda derrota do Schalke, não fosse o palmanço de Gelsenkirchen), um jogo e meio mau é motivo para isto? Mesmo o 8º lugar tem que se lhe diga: há culpa própria na ingenuidade dos golos sofridos contra a Académica e o Belenenses, na primeira parte contra o Paços e em todo o jogo contra o Guimarães. Mas em nenhum destes dois últimos jogos deixa de haver grandes contributos dos árbitros. Em condições normais, contando com isto tudo, até podíamos estar a 8 pontos do Benfica, mas para aí em 3º ou 4º lugar. O que é estranho este ano é tanta equipa que costuma andar mais para baixo ter tantos pontos, o que dá logo ar de descalabro onde ele não existe.

Lembra mesmo o "noivo" e os seus inexplicáveis repentes. Só que em vez de haver só um, parecem existir aqui muitos noivos interessados em gritar que "É O FIM DO MUNDO!! É O APOCALIPSE"!! É uma questão de hábito: ao fim de umas vezes, quem o conhecia já não ligava ao "noivo". O mesmo devia acontecer connosco e os "noivos" que por aí andam.

Tags:

comentar ver comentários (9)
10 Nov 14

Já todos percebemos como joga o Sporting: o Plano A é o tal 4X3X3 com pressão alta e muita posse de bola, uma espécie de tiki-taka-upon-Tagus. Não me quero repetir, mas repito: isso é tudo muito bonito só que também muito cansativo. Dito claramente: a pressão alta e o tiki-taka não são para quem quer, são para quem pode. O Sporting pode? Pergunto sinceramente, porque só eles lá dentro é que sabem. Mas o que a gente vê cá fora é que para cada grande jogo (Schalke) há um ou dois horríveis - ou um e meio (Guimarães e Paços). Isto a acrescer aos golos absurdos que entram. O Leonardo, no ano passado, também jogava em 4X3X3, mas de tracção às rodas de trás. Às vezes era chato? Então não era. Mas era mais seguro.

O Plano B é o 4X4X2, também todo puxado para a frente e com a tal pressão alta, assim um bocado "à Jesus". Lá está: tudo muito bonito, mas cansativo. Repare-se: o Jesus do Benfica milionário só ganhou dois campeonatos em cinco. O primeiro só na última jornada contra o Braga, a jogar na Luz; o segundo, quando foi possível ter três equipas de qualidade idêntica rodando conforme a competição. Em todas as épocas, excepto a última, a certa altura rebentavam. O Plano B do Sporting é, por isso, tão cansativo como o A.

Não daria para arranjar um Plano C, um bocado mais descansado, para gerir a equipa depois de jogos muito intensos? Digamos, uma forma de organizar o cansaço, em vez daquela nulidade da primeira parte de ontem. Tipo o 4X3X3 do Leonardo, chato mas sólido. Evitava-se tanto golo e não era preciso tanta lufa-lufa para tentar ganhar os jogos.

Enfim, não liguem: talvez seja só a ignorância a falar.


comentar ver comentários (1)
06 Nov 14
Welcome to the club
Luciano Amaral

O Marco Silva é que nos apanhou bem. No fim do jogo de ontem disse algo como "parece que acontece sempre qualquer coisa; estamos a jogar bem, parece tudo estar a correr bem e depois vem um azar, como o autogolo do Slimani" (cito de memória). Marco, só estás entre nós há uns meses, mas deixa que este velho lagarto te diga uma coisa: são anos e anos disso. Acho que começas a perceber: ser-se do Sporting não é fácil, mas é a melhor coisa que há.


comentar ver comentários (1)
02 Nov 14
Não sei bem porquê
Luciano Amaral

Não sei bem porquê, estava com o feeling de que isto hoje ia correr mal. Não vi o jogo, porque tive de andar de um lado para o outro, espreitando apenas de vez em quando o que se passava em cafés ou tascas por onde passasse. Ainda bem. Depois, fui ao cinema.

 

Não sei bem porquê, não fiquei com a mesma sensação de outros anos, em que uma derrota destas pareceria o prenúncio de mais uma época desgraçada. Não sei bem porquê, estou com bom feeling para o que se segue.


comentar ver comentários (9)
01 Nov 14

Força Sporting! 


comentar ver comentários (1)
27 Out 14
Stromp Men
Luciano Amaral

Tenho ouvido muitas críticas àquela entrada do Sporting na 2ª parte do jogo contra o Marítimo. Discordo. Acho que foi, aliás, tudo muito bem planeado, e por três razões:

 

1) Para oferecer a benfas e tripas um grande momento de êxtase precoce. Já estavam, de certeza, todos a afiar as suas graçolas clássicas quando tiveram de aturar a obra de arte que se segue:

 

2)  Justamente, a segunda razão foi permitir a Montero resolver o jogo através de mais um golo no seu já tradicional fora-de-jogo.

 

3) Os sportinguistas emocionam-se sempre que a equipa enverga o equipamento Stromp. O jogo tinha de ter emoção condizente.


comentar ver comentários (2)
21 Out 14
Problema central
Luciano Amaral

Lá que foi uma roubalheira foi. Mas nunca teríamos ficado na situação em que ficámos se o Maurício não tivesse feito duas faltas A-B-S-O-L-U-T-A-M-E-N-T-E desnecessárias. Mesmo admitindo que um dos cartões é forçado, o outro não é. E qualquer das faltas é estupidamente arriscada. Nenhuma das situações ameaçava o suficiente para forçar àquela pré-porradaria.

 

Não há como iludir o problema dos centrais. Aliás repetida no terceiro golo do Schalke, com o Sarr a deixar-se comer no único ponto em que é realmente forte: as alturas. Em todos os jogos, é sempre pelo mesmo sítio que as coisas se estragam. O Sporting não pode querer jogar como joga (puxado para cima e com pressão alta) se depois tudo se compromete com erros elementares dos centrais.

 

Dito isto, grande jogo: até ao momento da expulsão, eu estava mesmo a ver outra bola metida lá dentro, tal era o controlo das operações; depois da expulsão, só podemos admirar a recuperação épica.

 

Já agora, para quem acha que a solução para a arbitragem portuguesa são os árbitros internacionais ou outra solução do género que passe pelo "estrangeiro", o que aconteceu neste jogo é uma resposta eloquente.


comentar ver comentários (4)
O grão-duque
Luciano Amaral

O Sporting é muitas vezes acusado de ter feito panelinha com Pinto da Costa. Não nego que o tenha feito, e isso é algo que não honra quem o fez. Mas nunca o Sporting escancarou as portas do sistema a Pinto da Costa como Manuel Damásio fez enquanto presidente do Benfica nos anos 90. Foi a aliança de Damásio com Pinto da Costa que deu origem à segunda grande vaga de domínio do futebol português pelo FCP. Agora, o Benfica, pela mão de Luís Filipe Vieira, volta ao local do crime. Acho que estamos conversados quanto a moralidade para acusar o Sporting de pactuar com o pior do nosso futebol.

 

É claro que há muito tempo que Benfica e Porto participam na panelinha da "bipolarização", cujo grande propósito é tornar o Sporting irrelevante. O Benfica sempre foi o clube do sistema desde os anos 60, com maior ou menor controlo do dito; o Porto criou o seu sistema local, que depois conseguiu expandir para o nível nacional, chegando mesmo a destronar o Benfica no topo dos meandros sistémicos. Podem rivalizar em muitas coisas, mas numa estão de acordo: o futebol português é deles, e o Sporting é um empecilho para a concretização disso. A coisa até parecia estar a correr bem nos últimos anos, com o Sporting a tornar-se efectivamente cada vez mais uma memória do passado, umas meras camisolas listadas a arrastarem-se por aí. A impertinência da actual direcção do Sporting foi recusar esse papel. Os meninos não têm gostado nada disso e têm-no feito saber. A materialização mais clara desta reacção é Luís Duque na presidência da Liga, uma coisa feita com requintes de provocação. A história é triste, mas tem uma vantagem: obrigou a mostrar onde estamos e quem está com quem. Como é que era a história das nádegas?

 

Quanto a Luís Duque, nem sei bem o que dizer. Percebo que ser processado pela direcção do Sporting, tenha esta ou não razão, é algo a que ele não poderia ficar indiferente. E seria mais do que suficiente para romper de forma bem violenta com a direcção. Mas uma coisa é demonstrá-lo através, por exemplo, da luta interna, de artigos de jornal, da constituição de uma equipa de oposição à actual direcção. Outra é oferecer-se para capacho de um projecto cujo óbvio propósito é arrasar o Sporting enquanto clube. Estamos esclarecidos.


comentar ver comentários (3)
19 Out 14
Rescaldinho do jogo
Luciano Amaral

Já quase tudo foi dito sobre a jornada de ontem da Taça. Só gostava de acrescentar uma ou outra coisa, assim ao estilo de rescaldinho do jogo (rescaldo mesmo é com o Pedro Correia):

1) Para os idiotas que gostam de dizer que o William é um barrete, convido a verem o jogo de ontem e depois conversamos. Quase toda a gente reparou que ele jogou excepcionalmente. E repetiu-se várias vezes que já parecia o "William do ano passado". Eu discordo: o William de ontem só pareceu o do ano passado na qualidade, porque jogou de maneira completamente diferente, como aliás toda a equipa. Jogou mais à frente, a apoiar mais o ataque, a aparecer mesmo no ataque muito mais vezes. Pergunto-me se o William incaracterístico de alguns jogos deste início de época não foi causado pela adaptação à nova táctica. Aquilo que ele fazia o ano passado já era difícil e arriscado cá atrás. Feito mais à frente, torna-se ainda mais difícil e arriscado. É preciso muita confiança e ele se calhar não a tinha.

2) Já toda a gente percebeu o truque para jogar contra o Sporting: bolas longas metidas por alguém cá de trás para a corrida do ponta-de-lança entre os centrais; este fica isolado frente ao guarda-redes e remata. Do Penafiel ao Porto, passando pelo Chelsea, todos usaram o número. Aquilo arrepia-me sempre que acontece e acontece imensas vezes. Até agora não tem corrido muito mal, mas pergunto sinceramente, com toda a ingenuidade de quem não percebe um chavo de bola: é mesmo para ser assim?

3) Não vi muito bem, mas o Benfica ontem não precisou outra vez de socorrer-se da táctica genial do penálti inventado, agora protagonizada pelo grande Alan Jon?

Tags: ,

comentar ver comentários (16)
01 Out 14
Não era fácil
Luciano Amaral

Que o jogo de ontem não era fácil, toda a gente sabia. Havia, aliás, já por aí o grupo dos habituais engraçadinhos a esfregar as mãos à espera da goleada, para depois virem com a conversa de que o Sporting na Champions é a vergonha da pátria e mais não-sei-quê. Bem, ao menos por uma noite calaram-se.

O jogo de ontem era, evidentemente, para perder. Do empate para cima já era um grande resultado. Mas não era essa a principal razão porque o jogo não era fácil. A principal razão das dificuldades era a forma como o Sporting o devia encarar. O Sporting é um grande em Portugal (em convalescença, na verdade...) mas está muito longe de o ser na Europa da actualidade (como aliás Benfica e Porto, por muito que eles se recusem a vê-lo). O dilema para ontem era: dar uma de Arouca ou Moreirense da Europa e plantar o autocarro à frente da grande área, ou jogar "à grande". O Sporting optou pela última hipótese. Na primeira parte a coisa pareceu um completo erro de casting, talvez até porque, perante os Oscar, Willian, Fábregas e Diego Costa desta vida, os jogadores devem ter achado tudo muito estranho. Mas depois de um golo estúpido ter-lhes-á passado pela cabeça que era inglório perder assim e libertaram-se. O resultado foi o domínio do jogo até ao fim (a posse de bola era 55%-45% até ao golo, acabou em 51%-49%), correndo o risco de golos no contra-ataque.

Mourinho é o mais cínico dos grandes treinadores e isso viu-se ontem outra vez. O golo é marcado em consequência de uma "ratice" (falta marcada rapidamente, quando a defesa ainda não está posicionada, bola para a carola do grandalhão e pimba!) e todas as famosas grandes defesas de Patrício são resultado de jogadas de contra-ataque. Depois do golo, Mourinho decidiu jogar "à Arouca" (mas com executantes de nível estratosférico, claro): defesa compacta e pontapé para a frente e para as costas da defesa muito subida, à espera da corrida do Diego Costa. Mourinho nunca teve problemas em jogar assim, e os seus autocarros são lendários, como aquela inacreditável meia-final do Inter com o Barcelona em que praticamente  entregavam a bola ao Barcelona para eles rodarem no seu estéril tiki-taka.

O Sporting fez bem em jogar como jogou? Vendo bem, acho que sim. Perder (como quase inevitavelmente aconteceria)plantando o autocarro não teria glória nenhuma. Assim, a gente no estádio e em casa ficou alegre. E ficou a dúvida até ao último minuto sobre se o Sporting não empataria. Não empatou mas ganhou a comunhão com os adeptos.

Tags: ,

comentar ver comentários (9)
27 Set 14
Foi pena
Luciano Amaral

Eu resumiria o jogo assim: foi pena não ter despachado a coisa na 1ª parte. Depois, foi preciso começar a pensar no Chelsea.


comentar ver comentários (2)
22 Set 14

É evidente que uma goleada como a de ontem tinha de acontecer: com a quantidade de oportunidades que esta equipa cria, um dia as bolas teriam de começar a entrar. Mesmo assim, foi preciso fazer mudanças para que a pressão sobre a grande área adversária aumentasse, nomeadamente a entrada directa de João Mário. Mas não vale a pena dar uma de benfas, que depois dos 5-0 ao Setúbal parecia que tinham ganho o 36º campeonato (sim, porque lá cada campeonato vale por três) e, depois, viu-se o bailarico do Zenit. E ontem, contra outra potência europeia, o Moreirense, Jesus teve de se socorrer do seu sistema táctico favorito: jogar contra 10. E para confirmar ainda foi preciso o segundo sistema táctico favorito: o penálti inventado. Um génio, sem dúvida.

 

Eu continuo a ter medo de alguns momentos do jogo de Marco Silva. Nada a dizer do meio-campo e do ataque, excepto a finalização. Pode ser que, a partir de ontem, se tenha descoberto o shangri-lá. Mas isto não há milagres: para jogar com este tipo de posse e fluxo de ataque, o Sporting deixa a defesa descoberta. Ontem, não aconteceu nada, porque o Gil Vicente não fez nada. Mas isto não vai ser sempre assim.

 

A entrada de João Mário foi, sobretudo, um momento de crescimento de Marco Silva: deixou de ser o gajo porreiro, um pouco intimidado por ter chegado a um grande, e que deixa as coisas mais ou menos como as encontrou (na verdade, já tinha havido um primeiro momento do género: quando prescindiu de Montero como primeira escolha, embora aqui fosse mais óbvio, por causa da falta de golos); foi uma despaulo-fonsequização: deixar o André Martins de fora deve ter custado, até porque é daqueles que sempre esteve lá nos momentos difícieis e parece mesmo, também ele, um gajo porreiro. Talvez a defesa venha a precisar também de qualquer coisa do género. Mas calma, porque a arte está em deixar de ser um gajo porreiro sem deixar de o ser completamente. Outra coisa para aprender. Eu estou convicto de que o Marco Silva vai crescer com o Sporting e de que o Sporting vai renascer com ele, depois das últimas décadas desgraçadas.

 

PS - Estou enganado ou o Nani é, simplesmente, o melhor jogador do campeonato?

 

 


comentar ver comentários (17)
17 Set 14
Não é azar
Luciano Amaral

Este filme já se repetiu demasiadas vezes para ser só azar: domínio completo do jogo do meio-campo para a frente, sem soluções de finalização; grande susceptibilidade ao contra-ataque adversário; erros infantis dos centrais, que resultam em golo adversário. Bem se pode, e bem se deve, gozar com o alívio ridículo dos dois centrais, mas se a bola tivesse entrado mais uma vez na outra baliza, como devia, o dito alívio de anedota não tinha tido tanta importância.


comentar ver comentários (4)
15 Set 14

Lá acabei por ver ontem, na Sporting TV, a primeira parte do jogo com o Belenenses. Depois tive de ir para a camita e não vi o resto. A seguir ao visionamento, eis aqui algumas coisas que não entendo:

 

1 - Fartei-me de ouvir, nos dias seguintes, que o Belenenses "jogou muito bem". Não entendo. Ou só entendo se "jogar muito bem" quiser dizer pôr tanta gente à volta da grande área como numa manifestação contra a TSU e, depois, mandar uma charutada lá para a frente à espera de um chouriço qualquer. Chouriço esse que, aliás, chegou. Eh pá, o recuo do Belenenses foi tanto que até tivemos direito ao Maurício a vir à extrema direita tentar um centro (!?). O qual falhou, claro, como bom tosco que é.

 

2 - Já ouvi para aí umas bocas do género: "o Marco é outro Domingos". Também não entendo. O Marco Silva tem uma ideia de jogo em posse da bola que garante o controlo de grande parte do jogo e ataques continuados - mesmo contra o Benfica tivemos mais posse de bola. Comparar o que esta equipa faz com o que fazia a do Domingos só pode ser piada. Claro que há aqui um problema. Marco Silva parece ser mais uma vítima do fascínio pelo tiki-taka. Muita pressão alta, muita posse, muita circulação, mas e depois? No Barcelona, havia o Messi. Na selecção de Espanha não havia e via-se como eles ganhavam quase sempre por um golito. O tiki-taka é cansativo e não dispensa desequilibradores. Não pode ser só isso. Mas isto sou eu a dizer, que não percebo nada de bola.

 

 3 - Diz que o William não está ao nível do ano passado. A menos que a segunda parte tenha sido um descalabro, acho que jogou bastante bem, arriscando-se mesmo a marcar um golão de meia distância. Quase não foi preciso a desarmar, porque o Belenenses não atacou. Fartou-se de fazer bons passes e boas tabelinhas no meio-campo. Esteve na origem de uma das melhores jogadas, com um passe para a esquerda para o Nani (ou o Jefferson, já não lembro), que centrou mas não encontrou ninguém para encostar.

 

PS - Vi também a primeira parte do Guimarães-Porto. Na primeira meia hora, o Porto (lá está, outro candidato a Barcelona dos pobres) não tocou na chicha.


comentar ver comentários (2)
14 Set 14
Tremeliques
Luciano Amaral

Uma mistura de férias, trabalho e outros compromissos não me deixaram ver metade dos jogos do Sporting. Vi o jogo com o Benfica e gostei razoavelmente. E vi o jogo com a Académica e gostei da primeira parte, mas detestei a segunda. Não vi o de ontem. O Sporting não é um clube fácil. Décadas de desgraça, rematadas com a pré-falência de há dois anos e o sétimo lugar, deixaram-nos entregues a um programa de austeridade que não permite fantasias. O ano passado, lá conseguimos um segundo lugar arrancado a ferros. Este ano, parecia que fazer o mesmo mas um pouco melhor seria suficiente para aumentar a competitividade. Marco Silva imbuiu-se desse espírito, o que, como princípio, parece correcto. Imaginemos que o homem se punha com grandes inovações e corria tudo mal. Ficava logo como coveiro do trabalho de Leonardo Jardim e como mais um coveiro do Sporting. Como disse, o Sporting não é um clube fácil, sobretudo porque a margem de erro praticamente não existe. Quem, face a este início de época, não está já a lembrar-se dos fantasmas de natais passados? Compare-se com o Porto: o ano passado foi uma desgraça, mas eles já se comportam como se não tivesse existido, tal é a confiança de que as coisas acabam por correr bem. E se voltarem a correr mal este ano, embora preocupante, ainda restará um importante capital de confiança. Exactamente o oposto do Sporting.

 

Dito isto, parece que a linha de continuidade não deu grandes frutos neste início de época (na realidade, a coisa também já não foi famosa no último terço da época passada). Talvez então esteja na hora de Marco Silva se sentir livre para experimentar mais qualquer coisa, sem romper completamente com o que existe (até porque não pode, dadas as limitações de plantel). Parece-me que o novo banco é bom (;)), no sentido em que dá margem para umas variações que até são capazes de render (João Mário, Tanaka, Gauld parecem-me os nomes mais óbvios). Marco Silva pode agora mostrar o que realmente vale.

 

Ainda não me sintonizei muito com esta época e ainda nem sequer fui a Alvalade. Vou ver o Porto e o Chelsea. Agora é que isto vai começar, não é?


comentar ver comentários (3)
02 Set 14
Os calimeros do Artur
Luciano Amaral

Faltei à presença nos prognósticos para o dérbi, por estar outra vez longe dos meios tecnológicos necessários para o fazer: claro que dava uma vitória para o Sporting; esta coisa dos prognósticos, aliás, é mais para manifestar desejos do que realmente acertar. Também chego um bocadinho tarde ao rescaldo, mas mesmo assim gostava de dizer uma ou duas coisas:

 

1 - Os nossos queridos bificas viraram calimeros do Artur esta semana. Querem reduzir o jogo ao frango do Artur. Como se o Artur não tivesse feito mais quatro defesas importantes, duas delas bem difíceis (livre de Jefferson aos 71 mins. e remate de Slimani aos 89). Também se esquecem que parte do frango é criado pelo Eliseu, que recua para o Artur quando o Carrillo está em cima dos dois, e forçado tanto pelo Carrillo como pelo Slimani, que o rodearam de tal maneira que ele não soube o que fazer. Seja como for, fartei-me de rir: passam a vida a achincalhar o Rui Patrício, mesmo quando joga pela selecção; riram-se à larga no jogo da Taça na Luz o ano passado, quando ganharam com um frango do Rui Patrício; é a chamada justiça poética.

 

2 - Também se esquecem que o Sporting dominou a maior parte do jogo. O Benfica dominou (mais ou menos, na verdade) até ao seu golo, mas a partir daí e até ao fim da primeira parte o jogo foi do Sporting: coisa que, aliás, já estava a acontecer antes de o Sporting marcar. O Benfica dominou depois os primeiros vinte minutos da segunda parte, dez dos quais muito intensamente, mas depois acabou (depois daquele remate do Salvio à malha lateral). Os últimos vinte e cinco minutos são do Sporting, que aliás acaba a atacar, com cantos e livres seguidos. Claro que o domínio do Sporting não é como o do Benfica de Jesus: o Benfica como Jesus gosta não é uma equipa de posse de bola; é uma equipa de pressão muito alta, seguida do famoso "carrossel" de tabelinhas e correrias, quando a bola é recuperada, para acabar em remate. O Sporting de Marco Silva (como o de Jardim) é de posse de bola. Por isso parece menos frenético. Mas é bastante eficaz. Vendo bem, o Sporting teve apenas ligeiramente menos oportunidades de golo mas teve as melhores (salvas pelo Artur, lá está...). O Sporting dominou uma hora do jogo (50 mins., vá lá, para ser simpático), o Benfica o resto.

 

3 - A gente já sabe que no Benfica tudo é genial, como a jogada do golo. É só loas à maravilha do "carrossel". 'Tá bem: não fizeram mais nada de parecido no resto do jogo. E ninguém fala da jogada verdadeiramente genial da partida, que só o Artur (lá está...) impediu de acabar em golo: é o tal lance do minuto 89, em que Nani faz um passe em arco à frente da defesa do Benfica, que a come por completo, e deixa o Slimani em condições de enfiar no fundo da rede. Aquela assistência é que só está ao alcance de um jogador excepcional como o Nani. Valeu o Artur (lá está...).

 

4 - Enfim, sentem-se muito humilhados com um empate em casa contra essa coisa desprezível que é o Sporting. Na falta do árbitro, a calimerice volta-se contra o Artur. Pois, metam lá o gajo dos 7-1 do Brasil contra a Alemanha.

Tags: , ,

comentar ver comentários (11)
25 Ago 14
Vendo bem
Luciano Amaral

Vai um homem ganhar a vida lá fora durante uns dias e acontece de tudo. Saí na manhã do dia em que Nani voltou. Não consegui fazer o meu prognóstico aqui para o blog (acho que teria antecipado algo como 2-0 ou 3-0). Não vi um minuto do jogo, mas passei o jantar de sábado agarrado ao telemóvel, com os cámones sem perceberem muito bem o meu comportamento anti-social. A cinco minutos do fim do jogo, tive de abandonar o restaurante, ainda com o exasperante 0-0. Só meia hora depois, chegado ao hotel, pude ligar outra vez o telemóvel. Bem, que alívio...

Depois, li tudo o que se passou: o romance do penálti e o resto. Ontem, ainda consegui ver os resumos dos chamados "nossos rivais".

 

No final, pergunto-me se as coisas não acabaram por correr bem: ficámos com os três pontos; o Nani levou um banhito de humildade que é capaz de ser importante para o futuro; se tem marcado, estava agora provavelmente a ver-se como o homem providencial da equipa; assim, percebeu que pode falhar, que a equipa ganha sem ele e que não veio para cá jogar para um clube do Turquemenistão, onde não existe praticamente ninguém para além dele. Levou pequenas ripadas do Adrien e do treinador, o que é sempre bom para acalmar. Agora, que jogue para e com a equipa, humilde e concentrado.

 

A isto acresce que, segundo parece, teremos feito o melhor jogo de entre os "três grandes", sendo que ao Benfica até lhe foi oferecido o empate, com aquele golo roubado ao Boavista.

 

Acho que o balanço é capaz de não ter sido mau, apesar de só alcançado mesmo ao cair do pano. Para a semana, é para dar cabo dos fificas.

Tags: , , ,

comentar
22 Ago 14
A nova época
Eduardo Hilário

Observando o plantel do Sporting Clube de Portugal, convém salientar o grande trabalho de toda a equipa técnica, principalmente por Bruno de Carvalho, Augusto Inácio e Virgílio.

 

A primeira grande dificuldade é conseguir manter todos os jogadores que foram nucleares no ano passado, nomeadamente William Carvalho, Rui Patrício, Maurício, Adrien Silva, Cédric, Carlos Mané, Fredy Montero e Slimani.

 

Até à presente data todos estes jogadores continuam a vestir a nossa camisola e isto é uma enorme vitória porque em alguns casos parecia impossível atendendo à enorme qualidade dos jogadores.

 

A segunda grande dificuldade era manter o treinador e restante equipa técnica. O treinador da época passada decidiu sair e consequentemente foi necessário colmatar a lacuna. Confesso que não era um grande fã de Leonardo Jardim mas fiquei convertido e teria feito tudo para o manter connosco. Como os euros falam mais alto, Marco Silva foi o escolhido. O que fez no Estoril foi fantástico e desejo-lhe o mesmo sucesso em Alvalade mas com títulos!

 

A terceira grande dificuldade é gastar o menos possível e reforçar o plantel. Em resposta, contratamos Ramy Rabia, Paulo Oliveira, Naby Sarr, Jonathan Silva, André Geraldes, Oriol Rosell, Ryan Gauld, Simeon Slavchev, Tanaka e Nani.

 

Dos jogadores supra mencionados já foi possível concluir (na minha opinião) que Naby Sarr e Oriol Rosell são jogadores a ter em muita atenção porque têm muita qualidade. Rabia, Paulo Oliveira, Jonathan Silva, Ryan Gauld, Simeon Slavchev e Tanaka são jogadores que merecem atenção mas neste momento não têm lugar na equipa principal. Num plantel com Cédric, Miguel Lopes e Esgaio, não há lugar para André Geraldes. Ver Nani e João Mário com a nossa camisola é um sonho para qualquer Sportinguista que adora ter jogadores da formação a jogar na equipa principal. Sejam todos bem-vindos e honrem a camisola!

 

Umas palavras finais sobre os restantes jogadores e outras questões. Também é importante manter jogadores como Jefferson, André Martins, Diego Capel e André Carrillo, porque para além da qualidade que demonstram têm espírito, gosto e respeito pelo clube. Preocupante é o facto de nos últimos anos termos perdido três defesas centrais formados no clube (Pedro Mendes, Eric Dier e Tiago Ilori) que tinham qualidade para estar na equipa principal.

Por fim, parabéns ao presidente por acautelar e renovar os contratos dos jogadores formados na academia. O futuro da equipa de futebol deve passar por Esgaio, Tobias, Mica, Wallyson, Chaby, Fokobo e Iuri. Ou seja, temos futuro!

 

Saudações Leoninas

 

PS: Nesta altura todos pensam que esqueci Rojo mas para mim o defesa-central/lateral-esquerdo era só um bom jogador. Apenas choro centrais como André Cruz, Stan Valckx ou Phil Babb.


comentar
18 Ago 14
Há Marco e Marco
Luciano Amaral

Uma coisa é criticar a equipa por um jogo pouco conseguido, outra é demolir tudo: que o teinador não presta, que a equipa não presta, que é tudo uma vergonha. Vale a pena lembrar como começou o campeão do ano passado: uma derrota no Funchal, seguida por uma vitória à rasquinha na Luz com o Gil Vicente e um empate em Alvalade. Pouco depois, viria um empate na Luz com o Belenenses. Acho que a maior parte dos benfiquistas já tinham desistido do campeonato nessa altura. Até então, o Porto tinha ganho praticamente tudo, com excepção de um empate no Estoril, se bem me lembro. Com mais ou menos um terço do campeonato, parecia encaminhado para mais uma vitória óbvia, embora (estranhamente) tivesse o Sporting às canelas. Viu-se como acabou tudo. Acho que ao fim de uma jornada (ou até de três) proferir sentenças definitivas sobre a equipa e o campeonato é uma coisa sem sentido.

 

Dito isto, parece-me importante constatar que a quebra de rendimento da equipa a partir da meia hora do jogo com a Académica não é fácil de compreender; que o William é o problema principal do Sporting, nomeadamente no que toca a saber se fica ou não; e que uma solução para marcar golos é urgente.


comentar ver comentários (1)
17 Ago 14

Já o ano passado, a partir de certa altura, era assim: joga-se bastante bem, marca-se um golito, falham-se dois ou três, começa-se a gerir a magra vantagem e não se sabe gerir: leva-se um golo. O ano passado, com tempo, a maior parte das vezes ainda se recuperava. Com dez e para lá do último minuto, era praticamente impossível. A sério que não percebo como foi possível, depois do bailinho inicial, deixar a Académica tomar conta do jogo a partir da meia hora. Marco como Leonardo.

 

Depois, há o William. Dá-me a impressão de que está pronto para oferecer rapidamente o lugar ao Rosell. O que ele hoje fez, não se faz. Está a pensar no Arsenal ou no United ou lá o que é? Então não pode ser considerado o jogador essencial da equipa. Não se pode confiar nele, ainda por cima com tanta responsabilidade sobre os ombros. O Rosell não é tão bom? Pois não, mas está certamente motivado e é certinho. Mais vale isso do que alguém que não parece querer continuar ali. E se vai mesmo embora, mais vale adiantar o processo. Ou será que, com o que fez hoje, mais a desvalorização no Mundial, afinal não vai?

 

Enfim, há o Montero. Se calhar, Marco terá de pensar a sério no Tanaka.


comentar ver comentários (3)
14 Ago 14
Notas soltas
Luciano Amaral

Tanto fogo sobre o Sporting (incluindo o fogo "amigo"), tão pouco tempo para o comentar. Só umas notas soltas:

 

1 - Se Rojo vale zero de encaixe para o Sporting, seja vendido por 20 milhões ou por 30 milhões, então é o motivo ideal para um braço-de-ferro: se o Sporting não ganha nada em vendê-lo, então, no caso de não ser vendido, quem perde é o jogador (pode perder mesmo a carreira) e é o fundo (que vê o valor do seu activo muito desvalorizado); o Sporting perde apenas o valor dos salários futuros do jogador se, como é previsível, ele não voltar a jogar;

 

2 - Como foi possível fazer um contrato assim?

 

3 - O único risco da atitude do presidente do Sporting é criar a ideia de que o Sporting é um clube que não vende; então, poucos jogadores bons e valorizáveis quereriam ir para o Sporting, com receio de nunca mais de lá saírem. Acho que ainda estamos longe desse ponto. Neste momento, talvez seja mais importante mostrar que não se negoceia com o Sporting como se negoceia com o Cascalheira. Mas no futuro, com outros contratos, o Sporting terá de vir a ser mais flexível;

 

4 - Até agora, as atitudes ditas intransigentes do presidente do Sporting têm corrido bem. Andavam ou queriam andar a sacar à grande no Sporting os seguintes: Bruma, que se perdeu nas brumas desse campeonato de referência que é o turco; Labyad, que se perdeu nas brumas do campeonato holandês; Elias, que se perdeu nas do brasileiro; e Ilori, nas do inglês; se ficassem cá, talvez a sorte deles tivesse sido diferente - pelos menos as oportunidades seriam;

 

5 - Já se percebeu que o Benfica quer um perdão de dívida. Que eu saiba, o Sporting não teve nenhuma dívida perdoada; teve dívida reestruturada, obtendo condições favoráveis no seu pagamento. Mas isso obrigou o Sporting a uma espécie de programa de austeridade. Se o Benfica quer "perdão de dívida", então que faça austeridade como o Sporting e não compre três plantéis milionários como no ano passado. Julgo que a banca, no estado em que está, nem sequer fará a coisa por menos, aliás;

 

6 - Depois das declarações de amor do Benfica ao Porto, seria bom acabar com a história do Sporting amiguinho dos andrades;

 

7 - Parece que há muita gente interessada em destruir a carreira do Sporting esta época logo desde o início. Fascinante.


comentar ver comentários (4)
12 Ago 14
On your marks
Luciano Amaral

A pré-época é sempre uma coisa cansativa: os jogos são a feijões, mas a gente já os sofre como se fossem a sério; será que o Sporting vai jogar o campeonato como jogou com o Gijón ou como jogou com o Utrecht? No final, nada disto interessa, a não ser para o treinador testar o que lhe apetece. Enfim, acabou. Agora, chegam as contas a sério. Como é que eu antecipo a época? Seguem umas notas despretensiosas, divididas pelos "três grandes":

 

1 - Começo pelo Bifica: é o que vai ter de fazer mais rapidamente a adaptação para baixo. Sofreu uma razia previsível. Foram anos de sobreinvestimento, com a ideia de fazer do Benfica outra vez o Benfica dos anos 60. Vieira e Jesus repetiram mais do que uma vez nos últimos cinco anos que queriam fazer uma equipa para ganhar a Champions. Esse foi, claramente, o plano do ano passado, o que lhes permitiu ter o melhor plantel do campeonato, mas, como era visível para todos menos para eles, mesmo assim insuficientíssimo para a Champions e apenas vagamente suficiente para a Liga Europa. O plano de fazer do Benfica outra vez um grande da Europa falhou e agora vem a ressaca. Como vimos na Supertaça, se conseguirem ficar com o Enzo Pérez, o Nico Gaitán e o Salvio manterão um onze-base muito próximo do ano passado. Se não conseguirem é que a porca vai torcer o rabo. Mesmo assim, a grande diferença vai estar no banco (olha a piadola...): vai ser impossível a Jesus ter três equipas de qualidade mais ou menos semelhante prontas a rodar conforme as competições. Vão ter de suar as estopinhas muito mais. Para além disso, depois das loucuras dos últimos anos e da crise do BES, a ameaça de "sportinguização" espreita mesmo.

 

2 - Passo ao Puârto: dados os reforços, o Porto começa a ser falado como o campeão antecipado. Eu teria um pouco mais de calma. Exactamente quem é Julen Lopetegui? O que é que ele já fez assim de tão determinante? Digam o que disserem, estamos perante uma incógnita. Depois, os jogadores. Parece que são bons, embora eu não conheça o suficiente a maior parte deles. Mesmo que sejam bons, provavelmente fazem do Porto uma equipa de 5º ou 6º lugar para baixo do campeonato espanhol, o que quer dizer que também terá de haver um período de adaptação importante sem intérpretes (jogadores e treinador) que garantam qualidade imediata. De qualquer modo, parece que o Porto está a ensaiar uma recuperação desesperada. Numa altura de crise, em que todos os clubes são obrigados a racionalizar despesas, de que poço sem fundo vem o dinheiro? A tentativa de recuperação desesperada tem que ver com o legado que Pinto da Costa quer deixar. O homem está velho e não quer ser lembrado como aquele que criou o Porto como grande potência e depois o destruiu. A parada é altíssima: não só têm de ganhar o campeonato como apontar seriamente às competições europeias. É uma "benfiquização", com o mesmo risco de "sportinguização" no horizonte. Acho que o Porto é o maior ponto de interrogação de entre os três grandes.

 

3 - Enfim, o nosso Sporting: parece, à partida, o mais estável, embora com dois pontos de interrogação importantes: William e Slimani (Rojo também, mas talvez seja menos significativo). Estabilidade não quer dizer melhor equipa. Tudo depende do que acontecer no Benfica, já que o Porto parece ter melhor plantel, embora sujeito às questões do ponto anterior. Mas estabilidade quer dizer que podemos esperar mais ou menos algo de parecido com a época passada, melhorado pela consolidação das rotinas - mais uma vez condicionadas pelo que possa acontecer com William e Slimani - e pelos reforços. Isto garante ao Sporting uma certa competitividade, mas não confiança suficiente para dizer, à partida, que vamos lutar pelo título. Depois, à medida que o campeonato for avançando, logo se verá. Uma coisa parece melhor do que a época passada: o banco; i.e. parece que já conseguimos a duplicação de jogadores para lugares cruciais, o que não nos irá deixar absolutamente aflitos quando um dos titulares não puder jogar, como na época passada. Mesmo assim, tudo foi feito de forma bastante económica, com recursos limitados. O Sporting tem a vantagem (se se pode chamar vantagem...) de já ter sofrido a "sportinguização" antes e de fazer tudo com uma expectativa e uma atitude menos histérica do que os outros dois. A desvantagem da "sportinguização" é a falta de meios, o que resulta no plantel aparentemente mais modesto de entre os três.

 

No final, diria que está tudo bastante aberto. E que ganhe o Sporting!


comentar ver comentários (4)

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Iguais ao Boavista, piore...

Sporting vs. Benfica tend...

Aguarela de Portugal

Cocó, Ranheta e facada

Um Benfica vs. Sporting e...

As pérolas vão, a Academi...

1 de Julho de 1906, um cl...

O campeonato dos três gra...

fácil vs. difícil

Um final de semana normal...

Arquivo

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

comentários

memória

bruno de carvalho

selecção

leoas

prognósticos

jorge jesus

vitórias

balanço

há um ano

slb

campeonato

arbitragem

benfica

rescaldo

jogadores

eleições

mundial 2014

taça de portugal

liga europa

godinho lopes

ler os outros

nós

golos

clássicos

árbitros

futebol

euro 2016

comentadores

crise

marco silva

cristiano ronaldo

scp

análise

humor

formação

chavões

liga dos campeões

slimani

todas as tags

Mais comentados
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds