Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Reforços

Jesus quer reforços? Aí os tem: Francisco Geraldes, Gelson Dala, Matheus Pereira. Um joga no Sporting B, os outros integram o plantel leonino e estão de momento emprestados (um ao Chaves, outro ao Rio Ave).
Num plantel onde figuram Mattheus Oliveira, Alan Ruiz e Petrovic, haverá certamente lugar para aqueles três "mosqueteiros".

Balanço dos 3 primeiros jogos oficiais

img_770x433$2017_07_20_02_09_31_1292049.jpg

 Após os 3 primeiros jogos oficiais gostava de debater com os leitores algumas observações que me saltam à vista.

 

1) Não seria melhor jogar com Doumbia junto a Bas Dost e ter mais presença na área, deixando Podence para desequilibrar o jogo na segunda parte como aconteceu na Vila das Aves, para não acontecer como hoje em que faltavam no banco opções para desequilibrar, uma vez que Iuri tem um tremendo potencial mas é um jogador diferente e que Mattheus Oliveira e Bruno César também estão longe de ter essas características? Bem sei que Matheus Pereira é um desequilibrador e foi emprestado, mas a verdade é que se trata de um jogador que precisa de jogar para render o que sabe, e já vimos pela época passada que não ia ter essa regularidade.

 

2) Temos uma das melhores duplas de centrais dos últimos anos. Espero que Mathieu não sofra dos problemas físicos do passado que me fizeram temer a sua contratação, pois poderá ser uma tremenda mais valia como tem demonstrado, e tambem porque a qualidade das alternativas, infelizmente não oferece segurança.

 

3) Fábio Coentrão, apesar de obrigar a uma gestão do esforço, é claramente um upgrade face aos nossos últimos laterais. Esse mesmo upgrade se verifica na ala esquerda do ataque com Acuña.

 

4) Não poderia Bryan Ruiz ser opção no plantel? Qualidade não lhe falta e num registo em que joga menos vezes, poderá render mais e ser importante para a qualidade da gestão da posse de bola em alguns jogos, algo de que a nossa equipa sofre, principalmente sem William, mesmo apesar do papel extremamente importante de Battaglia que permite à equipa recuperar a bola mais à frente.

 

5) Piccini até ver ainda não mostrou ser melhor que Schelotto. Resta esperar para ver Ristovski.

 

6) Bruno Fernandes ainda tem muito que trabalhar sem bola para ser Adrien, como se viu hoje, jogo em que o nosso capitão, mesmo não estando na melhor forma, permitiu à equipa outra capacidade de recuperação de bola e de pressão.

Décimo primeiro reforço

Stefan-Ristovski-Osjecamo-se-dominantno-a-kemija-s

 

E vão onze: acaba de ser anunciada a contratação do lateral direito macedónio Stefan Ristovski, que há meses se sagrou bicampeão croata, ao serviço do Rijeka. Tem 25 anos e chegou a actuar também como lateral esquerdo e médio direito. Já foi 32 vezes internacional pelo seu país.

Os outros nove reforços já recebidos são André Pinto, Fábio Coentrão, Battaglia, Mattheus Oliveira, Piccini, Bruno Fernandes, Doumbia, Mathieu, Acuña e Salin.

Os nove reforços sob escrutínio

Piccini: «Como é possível o Sporting iniciar um jogo com Bruno César a defesa-direito? É possível porque Schelotto foi dispensado, João Pereira foi vendido a meio da época passada e só há um tal Piccini, que já está lesionado – e que, quando não estiver, não terá concorrência para o lugar.»

Mathieu: «Pesadão, lento, com rins duros e que, a cereja em cima do bolo, já está lesionado. Se sofremos muitos golos o ano passado, cheira-me que este ano vamos sofrer muitos mais. Basta ver o que tem acontecido na pré-época.»

Coentrão: «Para a esquerda temos um jogador com problemas emocionais e que estava quase arrumado.»

André Pinto: «Temos um enorme problema na defesa por culpa exclusiva de Jesus e das más opções que tem tomado, quer ao nível das dispensas, quer no plano das contratações. Esperemos que André Pinto recupere da lesão para sentar Mathieu.»

Mattheus Oliveira: «Pode ser filho de Bebeto, mas não é jogador para uma equipa que luta pelo título. Vai ser despachado rapidamente ou jogará muito pouco.»

Battaglia: «Palhinha está uns furos acima dele [M. Oliveira] – e é da casa. Petrovic e Battaglia também são melhores e dão mais garantias.»

Doumbia: «Podence devia ter lugar obrigatório, assim como Bas Dost. Mas o que fazer com Doumbia, que é um avançado possante que pode ser muito importante contra equipas fortes?»

Acuña: «Mostrou empenho e combatividade.»

Bruno Fernandes: «Acima da média, só mesmo Bruno Fernandes, que tem excelentes pés e magnífica capacidade de passe. Mas lá está: sem Adrien e William, este meio-campo é pior do que o que existia com eles.»

 

Tirado daqui.

Reforços leoninos: primeiras impressões

Três jogos (contra Belenenses, Fenerbahçe e Valência) já permitem ficarmos com uma primeira impressão dos reforços leoninos para a temporada 2017/18.

Vou deixar aqui a minha opinião, ainda muito sucinta e naturalmente sujeita ao contraditório dos leitores.

 

..........................................................................................

 

Piccini (nota 4).

Mais: mostra vontade de acertar e de articular construção de jogo com o médio ala do seu flanco.

Menos: muito permissivo na manobra defensiva e demasiado contido nas acções ofensivas.

Mathieu (nota 6).

Mais: revela sentido posicional, intensidade no jogo aéreo e capacidade de sair com a bola controlada.

Menos: imprecisão no passe e falta de coordenação com o parceiro do eixo defensivo.

André Pinto (nota 5).

Mais: concentração e capacidade de dobrar o lateral.

Menos: excesso de timidez na primeira fase da construção ofensiva.

Fábio Coentrão (nota 4).

Mais: demonstra alguma vocação atacante, ainda muito incipiente.

Menos: velocidade reduzida, desguarnecendo com frequência a sua ala por eventuais limitações físicas.

Battaglia (nota 5).

Mais: ganha intensidade e consistência quando avança no terreno.

Menos: ineficaz como médio de contenção, desposicionando-se com facilidade.

Bruno Fernandes (nota 7).

Mais: lê bem o jogo e é rápido na tomada de decisão, baralhando marcações e abrindo linhas de passe.

Menos: falta precisão de remate à baliza e condição física ainda longe do ideal.

Mattheus Oliveira (nota 5).

Mais: faz a diferença na marcação de livres.

Menos: peca por falta de dinâmica, velocidade reduzida e alguma imprecisão posicional.

Doumbia (nota 6).

Mais: faro de golo, robustez física e vontade de assumir protagonismo junto à baliza adversária.

Menos: compreensíveis dificuldades de articulação com Bas Dost, seu parceiro na linha mais avançada.

 

Sem desculpas

A pré-época do Sporting inicia-se esta noite, no estádio do Algarve, num jogo-teste frente ao Belenenses. Antes do pontapé de saída cumpre assinalar aqui que Bruno de Carvalho não poupou meios nem despesas, uma vez mais, para fazer a vontade ao treinador. Jorge Jesus dispõe a partir de agora da melhor lista de reforços do próximo campeonato português: André Pinto, Battaglia, Bruno Fernandes, Doumbia, Fábio Coentrão, Mathieu, Mattheus Oliveira e Piccini vêm trazer novo alento - todos esperamos - ao plantel leonino. E a imprensa desportiva assegura que poderá chegar ainda o argentino Acuña, extremo-esquerdo do Racing de Avellaneda.

Concluindo e abreviando: Jesus não terá a menor desculpa perante um novo desaire. Deste Sporting 2017/18, que coloca a fasquia das expectativas num dos mais elevados patamares de sempre, ambicionamos que vá o mais longe possível em todas as frentes desportivas. Na frente interna, não nos contentamos com menos do que a conquista do campeonato.

Para já, só tenho isto a dizer. E o dia certo é este mesmo, horas antes de a bola começar a girar.

 

Iuri Medeiros

iurimedeiros[1].jpg

 

Na época anterior, ao serviço do Moreirense, marcou dez golos. Nesta época, envergando a camisola do Boavista, marcou oito e fez oito assistências - uma das quais ontem contra o Benfica, com influência directa nos dois golos axadrezados nesta partida, que terminou empatada.

Iuri Medeiros: o primeiro grande reforço do Sporting para a temporada 2017/18.

 

Futuro com laterais

Mais uma época em que, infelizmente, não estamos em Maio a viver o presente, mas sim, a zelar pelo futuro. Como acredito que estamos no caminho certo enquanto equipa e estrutura, depois do central André Pinto, espero que neste momento já se esteja a tratar de 3 a 4 defesa laterais, quer para esquerda quer para a direita. Se ainda der para mais, devemos ir buscar um bom médio, que complemente Adrien ou William, para diminuir a pressão sobre a equipa, caso um dos dois saia no defeso ou se lesione - como aconteceu ultimamente - em 2017/2018. Venha o futuro. Com laterais, acima de tudo.

Um passo à frente

Gostei muito que tivéssemos terminado a partida de ontem em Moreira de Cónegos com oito jogadores da formação em campo: Rui Patrício, Rúben Semedo, William Carvalho, Adrien Silva, Gelson Martins, Daniel Podence, Ricardo Esgaio e João Palhinha.

Um passo em frente sem haver necessidade de ter dado qualquer passo atrás.

A diferença

Nuno Espírito Santo tinha um novo jogador à sua disposição: Soares, vindo do V. Guimarães. Fê-lo jogar de início. Valeu a pena: foi o marcador dos dois golos do FC Porto. Um reforço aproveitado.

 

Jorge Jesus tinha dois novos jogadores à sua disposição: Francisco Geraldes e Podence, recém-vencedores da Taça CTT ao serviço do Moreirense. Manteve o primeiro no banco e só fez entrar o segundo aos 80 minutos. Dois reforços desaproveitados.

 

Ao analisarmos o clássico de sábado, este é um aspecto fundamental a ter em conta para explicar a derrota do Sporting no Dragão. Mais importante do que quase tudo o resto.

Dois enormes Leões

Daniel Podence e Francisco Geraldes, formados na Academia leonina, estão  de regresso a Alvalade, como reforços de Inverno, após terem sido cruciais na categórica vitória do Moreirense - treinado por Augusto Inácio - sobre o Benfica na meia-final da Taça da Liga, agora chamada Taça CTT.

Sejam bem-vindos, rapazes. Contamos convosco.

 

images[9].jpg

 Francisco Geraldes

 

images[4].jpg

Daniel Podence

Três erros de Bruno de Carvalho

 

Ter aumentado a massa salarial da equipa técnica do Sporting no final da época passada, em que só vencemos a Supertaça. Uma espécie de prémio real às vitórias morais.

 

Ter prolongado por um ano o contrato do treinador.

 

Ter dado luz verde à lista de contratações que Jorge Jesus lhe pôs à frente. Hoje sabemos bem o real valor dessa lista, que começou muito cedo a ser questionada.

 

"Reforços"

É verdade que o Benfica é uma equipa doutro campeonato, uma espécie de campeonato paralelo onde se pode jogar à bola com a mão, não há penáltis contra e existem imensas equipas amigas que gostam de ver uns rapazes de vermelho a passear com a bola nos pés (e nas mãos também). Mas há mais qualquer coisa que tem que ver connosco e que os jogos da semana passada revelaram.

 

Repare-se: para todos os efeitos, o Sporting jogou com menos dois dias de intervalo do que o Benfica (o dia do jogo propriamente dito mais uma viagem à noite que terminou só na madrugada do dia seguinte, inutilizando este também para descanso ou treino). Mesmo assim e mesmo descontando os números circenses de Pizzi & Cª, devidamente abrilhantados pelo árbitro, o Sporting merecia ter saído do estádio da Luz com outro resultado: pelo menos o empate. Ora, eu pergunto-me o que não teria sido se os nossos jogadores tivessem chegado ao jogo mais frescos. Não é seguro que ganhássemos, mas a avaliar pelo que se viu, as probabilidades eram muito maiores.

 

Se os nossos jogadores não chegaram mais frescos ao jogo foi porque não há alternativas que permitam uma rotação eficaz de alguns deles. O jogo em Varsóvia era para ter sido jogado com uma mistura de titulares e de segundas linhas à espera de um lugar na equipa A. Em vez disso, foi jogado maioritariamente por titulares, com um ou outro reforço, sob indicação expressa do treinador de que era para jogar "a 90%". Resultado, jogámos a 90% em Varsóvia e a 90% ou menos na Luz (porque apesar de tudo jogar a 90% também cansa) e perdemos das duas vezes contra equipas perfeitamente ao alcance.

 

Isto só acontece porque a equipa técnica e a direcção arranjaram um amontoado de coxos que não dão qualquer garantia (Elias, Markovic, Alan Ruiz, André, Petrovic...). E assim é preciso pôr sempre os mesmos a jogar e eles não não chegam para todas. Isto dá mesmo que pensar, quando nos lembramos que andaram a ser espalhados de empréstimo por aí jogadores da formação que, de certeza, pior não fariam: Mané, Podence, Iuri, Palhinha, Gauld... Lembra o ano de 2013, quando fomos salvos de uma vergonha ainda maior a partir do instante em que o Jesualdo se lembrou de empandeirar os cromos que tinham custado milhões e pôs os miúdos da equipa B a jogar. Agora pergunto: com o Setúbal temos de jogar outra vez com os mesmos, já que a seguir vem o Braga? Ora aqui está aquilo a que se deve chamar uma época mal planeada.

Carta ao Pai Natal

Querido Santa, com esta idade (não sou velho, mas já vou nos 56) contento-me que te preocupes apenas com os presentes para os meus netos. Nada de extravagante que brinquedos têm eles a dar com um pau.

Já o que tinhas reservado para mim, esquece.

Deixa-me no sapatinho apenas dois laterais de jeito. Eu juro que os ofertarei ao Sporting no dia de Reis.

Análise dos reforços leoninos

Dos reforços do Sporting, até agora, tenho a dizer o seguinte:

Alan Ruiz - Revela bom toque de bola, tem faro de golo e remate bem colocado. Falta-lhe disciplina táctica. Ainda não encontrou o lugar ideal para actuar.

André - Poder de remate e capacidade de fazer passes de ruptura. Falta-lhe integração no colectivo.

Bas Dost - É reforço, sim. Grande potencial de golo, homem de área por excelência, muito posicional, não perde a baliza de vista.

Campbell - Bom no confronto individual e na forma de tratar a bola, mas displicente em termos tácticos. Pouca ou nenhuma vocação para se envolver na organização defensiva. Sabe marcar golos, como já demonstrou.

Castaignos - Uma enorme incógnita.

Douglas - Outra enorme incógnita.

Elias - Regressou três anos depois a Alvalade, mais velho e aparentemente ainda mais lento. Tem boa leitura de jogo, mas as pernas não parecem funcionar ao mesmo ritmo. Prestação sofrível em Madrid.

Markovic - Movimentos desgarrados, inconsequentes. Nada fez até agora que deslumbrasse os adeptos neste regresso a Portugal.

Meli - Mal se deu por ele até agora. Onde andará?

Petrovic - Preso de movimentos, sem capacidade de passe. Ainda não se estreou na época oficial.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D