Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Balanço (21)

MatheusPereira1[1].jpg

 

  O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre MATHEUS PEREIRA:

 

- Francisco Vasconcelos: «A que se deve o eclipse de Matheus Pereira, ainda para mais com Bryan Ruiz visivelmente esgotado?» (29 de Outubro)

- Eu: «Com uma assistência para golo, voltou a ser o melhor em campo a actuar pelo Sporting B. Jorge Jesus está à espera de quê para o chamar enfim à equipa principal?» (30 de Outubro)

- Luís de Aguiar Fernandes: «Podem dizer que o André, Campbell, Castaignos e afins são piores que o Matheus.» (31 de Outubro)

- Francisco Chaveiro Reis: «Bruno César, Bryan e Matheus podem ser opções na esquerda e Markovic, no máximo, pode aspirar a jogar uns minutos na direita.» (20 de Dezembro)

- Rui Cerdeira Branco: «Temos três meses e algum sangue novo disponível e que, mais que não fosse, pelo baixo rendimento de alguns clássicos de Jorge Jesus, já justificam uma aposta continuada por uns jogos. Pelo menos Podence e provavelmente Geraldes e Matheus Pereira.» (6 de Março)

- Francisco Almeida Leite: «O Matheus Pereira teve "N" oportunidades esta época, inclusivamente em jogos decisivos, e o Gelson Dala, que anda a partir tudo na equipa B, só agora é convocado para um treino com a equipa A?» (9 de Maio)

Ainda o mister e o pequeno Palha

Ouvi as declarações que o Frederico aqui transcreveu. Não dei grande importância, é de Jorge Jesus que falamos. A meu ver, é um meet halfway. Não é capaz de dizer "eu não vi bem isto", mas também não vi ali intenção de queimar o Palhinha. Já o conheciamos, já sabiamos que não é de se conter, muito menos em flashes. Não adoro o estilo, sou sempre pelo recato nestas coisas, mas também não me surpreende ou ofende.

Acima de tudo, a sensação que tive quando o ouvi, foi que tinha estado a ler o mesmo que eu no twitter. Justificou a escolha de Palhinha, de Matheus, o abraço a Casillas e elogiou a nossa segunda parte.

O que me ofende, isso sim, é depois de Gelson e Palhinha serem bastante claros, ver jornalistas e outros tentarem fazer de quem os lê, parvo, descontextualizando e levantando falsas suspeitas em palavras claras. Os rapazes foram bem explícitos nas suas palavras. Se são eles ou não, pouco me importa, o que está lá escrito não deixa dúvidas. O que não me ofende, mas custa, é ver spotinguenses saltarem borda fora quando as coisas correm mal: aquele adepto que nestas alturas "até nem ligo muito". Já sei, vão dizer-me que não devo conhecer os adeptos do Sporting. Conheço lindamente, e é por isso que estas raridades me chamam tanto a atenção. Querem estar do lado certo, que nem sabem bem qual é. Acham que é o de quem ganha, e até pode ser, mas neste clube isso não tem acontecido muitas vezes (no futebol... já sei que o Sporting é mais que isso), portanto, ou se tem estofo ou não se tem. Não tendo, agradece-se que se pense antes de se disparatar.

Sigamos em frente, agora há espaço e tempo para experimentar miúdos, reforços, uns com os outros ou isolados. Ponha-se Esgaio na esquerda, não pareceu mal. 

Ah, e há eleições pela frente. Saibamos não perder a cabeça, não quero receber o meu leão de 25 anos de sócia de um erro de casting.

Balanço (21)

matheus_pereira_celebra_golo_sporting_fotoepa_jose

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre MATHEUS PEREIRA:

 

- Eu: «Neste seu segundo jogo na equipa A, o jovem extremo confirmou todas as expectativas que os adeptos depositam nele. Dinamizou o corredor direito logo nos minutos iniciais e apontou dois golos quase seguidos, aos 12' e aos 16', estreando-se a marcar no escalão principal. Exemplar nas movimentações da linha para o espaço central. Só jogou 60 minutos mas bastou para ser o melhor em campo.» (17 de Outubro)

- Francisco Melo: «Por cada Carrillo que cair... outro Matheus se levantará!» (23 de Outubro)

- Marta Spínola: «Que Matheus e companhia nos dêem nova alegria.» (25 de Outubro)

- Frederico Dias de Jesus: «Matheus Pereira fez 18 jogos (na Equipa A) contando com 715 minutos de jogo e cinco golos.» (9 de Maio)

Podence, Matheus Pereira e Ryan Gauld

600[1].gif

Foto: Mais Futebol

 

Grandes exibições de Matheus Pereira, Daniel Podence e Ryan Gauld na concludente vitória desta tarde do Sporting B contra o Benfica B, que continua a somar derrotas e luta para não descer de divisão.

A nossa equipa foi claramente superior durante todo o desafio disputado no Estádio Aurélio Pereira, em Alcochete, perante um oponente tão apático que se limitou a fazer três remates à baliza em 90 minutos e marcou o tento solitário no último lance da partida.

Matheus distinguiu-se com dois golos, aos 20' (de penálti) e aos 54'. Podence foi o dínamo da equipa e fez a assistência para o segundo golo. Ryan destacou-se a recuperar bolas e a distribuí-las, abrindo contínuas linhas de passe. Foi ele a desmarcar Podence no lance de que viria a resultar uma grande penalidade para o Sporting por mão na bola de um defesa encarnado.

Destaque ainda para o guarda-redes Stojkovic, que defendeu um penálti aos 31'.

Uma vitória que só peca por ter sido demasiado curta, como bem sublinha Sérgio Pereira no Mais Futebol.

 

ADENDA: Dezassete dos 18 convocados do Sporting B são jogadores da nossa formação.

Rescaldo do jogo de hoje

Gostei

 

Da goleada.  Foi a segunda consecutiva: nove golos marcados em dois jogos. Sinal evidente de que a nossa linha ofensiva está de boa saúde.

 

Desta nossa estreia na Taça de Portugal. Honrámos os nossos pergaminhos na competição, que vencemos na época passada, com um jogo em que dominámos do princípio ao fim e demonstrámos boa organização colectiva.

 

Da boa réplica do Vilafranquense.  Esta simpática equipa que participa no campeonato distrital revelou boa condição física e não se atemorizou perante o Sporting: até podia ter marcado por duas vezes.

 

Das mexidas operadas por Jesus na nossa equipa. Houve uma estreia absoluta no Sporting: a de Bruno Paulista. E três regressos que constituíram estreias nesta temporada: os de Marcelo Boeck (habitual suplente do lesionado Rui Patrício), Ewerton (que vem de uma longa paragem por lesão) e Tanaka.

 

De Matheus Pereira. Neste seu segundo jogo na equipa A, o jovem extremo confirmou todas as expectativas que os adeptos depositam nele. Dinamizou o corredor direito logo nos minutos iniciais e apontou dois golos quase seguidos, aos 12' e aos 16', estreando-se a marcar no escalão principal. Exemplar nas movimentações da linha para o espaço central. Só jogou 60 minutos mas bastou para ser o melhor em campo. Aproveitou muito bem esta oportunidade.

 

De Bruno Paulista. Estreia em bom nível, complementando a acção de William no meio-campo e ligando este sector à linha avançada. Mostrou dinamismo, disciplina táctica e um bom pé esquerdo. Marcou o nosso terceiro golo, de cabeça, elevando-se muito bem na sequência de um canto.

 

De Marcelo Boeck. Jogou pela primeira vez nesta época, mostrando-se em forma. Sobretudo a sair dos postes, sem hesitar nem complicar. Boas defesas aos 25' e 65'. Salvou um golo aos 87'.

 

De Aquilani. Movimentou-se em várias posições no campo, que foram evoluindo conforme as substituições, mas dando sempre boa resposta técnica e táctica. Começou no apoio ao ponta-de-lança (Montero) e terminou como médio defensivo. Esteve quase a marcar de cabeça aos 29'. Apontou muito bem o canto que aos 40' originou o golo de Bruno Paulista.

 

De Gelson Martins. Entrou aos 60' para render Matheus. E cumpriu, imprimindo ainda mais velocidade à nossa manobra ofensiva. Grande remate aos 62', para defesa muito apertada do guarda-redes vilafranquense. A prenunciar o golo que ocorreria cinco minutos mais tarde após dominar muito bem a bola em zona frontal, culminando um bom lance de futebol corrido.

 

De ver William Carvalho com a braçadeira de capitão. Ele merece.

 

Da nossa atitude competitiva. Nunca demonstrámos arrogância, nunca facilitámos, nunca subestimámos o adversário. Com um profissionalismo que merece ser assinalado.

 

Que o nosso treinador - já a pensar no dérbi - tivesse poupado habituais titulares, como Adrien, Jefferson, João Mário, Naldo, Slimani e Teo Gutiérrez. Foi uma boa oportunidade para rodar outros jogadores, que se mostraram à altura do desafio.

 

Que tivéssemos jogado com o equipamento Stromp. É o mais antigo e confesso que é aquele de que mais gosto.

 

Que não tivéssemos sofrido qualquer golo. Têm sido raros os jogos em que mantemos as nossas redes invictas. Este foi um deles.

 

 

Não gostei

 

Que o jogo não pudesse ter ocorrido em Vila Franca de Xira. O palco escolhido nesta eliminatória da Taça acabou por ser o estádio da Amoreira, no Estoril, por falta de lugares em número suficiente no campo do Vilafranquense.

 

Que Rui Patrício tenha estado ausente por lesão. Apesar de Marcelo Boeck ter dado boa conta do recado.

 

Da saída de Bruno Paulista por lesão. Nesta estreia, em que teve boa nota, o jovem reforço brasileiro, viu-se forçado a sair aos 71'. Mas recebeu o carinho dos adeptos leoninos, que não lhe negaram aplausos.

Jesus aposta na formação

Quem disse que Jorge Jesus não apostava na formação? Depois de Gelson Martins, ontem foi a vez de Matheus Pereira, saído da equipa B directamente para a Liga Europa.

E vão dois. Apenas em dois meses. Tantos como os que Leonardo Jardim lançou na época 2013/14 (William Carvalho e Carlos Mané) e como os que Marco Silva lançou em 2014/15 (João Mário e Tobias Figueiredo).

Com os olhos postos no Futuro

Em primeiro lugar, queria salientar o enorme privilégio que é escrever, comentar e participar num blog relacionado com a minha primeira paixão: o Sporting Clube de Portugal. 

 

Sou Sportinguista desde que me lembro, herança passada pelo Pai, que me "injectou" esta paixão quando ainda tinha dentes de leite. Desta forma, venho prestar ao blog uma visão da realidade Verde e Branca, mais jovem, mais de adepto de bancada mas sempre com imparcialidade e ao lado do clube.

 

Desta forma, segue o tema do meu primeiro post: Com os olhos posto no Futuro

 

Vi hoje a convocatória para o derradeiro jogo da "Liga SuperBock" contra o Rio Ave, e fiquei agradado com a presença de dois nomes que têm dados cartas da equipa B: Wallyson e Matheus Pereira.

 

O Wallyson já jogou pela equipa principal na "Taça Que Ninguém Liga", e mostrou valor, qualidade e argumentos para ter lugar na equipa principal do Sporting. O Matheus Pereira tem mostrado grande potencial da equipa B, e vê-se que tem aquela magia canarinha, tal como pode ser visto neste vídeo:

http://www.maisfutebol.iol.pt/sporting/fc-porto/video-a-magia-de-matheus-pereira-no-relvado-de-alvalade

 

Desta forma, no jogo contra o Rio Ave podemos estar na presença, para a próxima época, de mais um reforço para o nosso meio-campo (que já conta com três bons jogadores), e possivelmente, o substituto a médio prazo do André Carrillo, caso este decida abandonar o clube.

 

Saudações Leoninas,

 

Sporting Sempre.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D