22 Jun 17

«É difícil olhar para as contratações de Fábio Coentrão e Mathieu (esta ainda por confirmar) sem pensar de imediato que o Sporting pode estar a correr riscos semelhantes aos que assumiu quando avançou para Markovic e Elias. Há um ano, tanto o sérvio quanto o brasileiro pareciam soluções muito boas para Jorge Jesus e afinal foram verdadeiros flops. A um faltava ritmo competitivo; o outro já não o tinha.

Contratar jogadores pelo que se viu deles há dois ou três anos não é boa ideia. O momento é, quase sempre, tudo. E qual é o momento de Fábio Coentrão e Mathieu? Em rigor, não o sabemos. Porque o lateral português na última época foi utilizado em apenas seis jogos, no intervalo de lesões; porque o central francês, na última época, foi utilizado apenas 16 vezes, entre lesões arreliadoras, quando está a poucos meses de completar 34 anos.

Já se percebeu que para Jesus esta dupla terá papel decisivo na próxima época. Por quanto tempo? É essa a questão fundamental.»

José Ribeiro, hoje, no Record


comentar ver comentários (32)
20 Jun 17
Leitura recomendada
Pedro Correia

 

O 'best of' dos comentários à polémica dos emails (#15 - #11). Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.

 

Dava jeito conhecerem as regras do hóquei antes de começarem aos gritos. Do Cherba, n' A Tasca do Cherba.

 


comentar
12 Mai 17
Leitura recomendada
Pedro Correia

 

O reatamento de relações entre Sporting e Porto. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.

O reatamento de relações com o Porto e a manutenção de Jorge Jesus. No Míster do Café.

Paz sem aliança ou aliança sem paz? Do Javardeiro, no Leão de Plástico.

O poder. Do Captomente, no Com quem é que joga o Sporting?

Casamentos & funerais. Do José Duarte, no A Norte de Alvalade.


comentar
06 Mai 17
Leitura recomendada
Pedro Correia

 

Os campeões das comissões. No Mister do Café.

 


comentar
27 Abr 17

Neste campeonato SLB é o indiscutível e o mais destacado campeão. De José Duarte, no A Norte de Alvalade.

Luís Filipe Vieira armado em "jornaleiro". No Míster do Café.

As (exorbitantes) comissões pagas pelos clubes. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.

 


comentar ver comentários (3)
17 Mar 17
Leitura recomendada
Pedro Correia

Rescaldo das eleições, série #Bardamerda. Nº 3: Carlos Janela. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.


comentar ver comentários (1)
10 Mar 17
Leitura recomendada
Pedro Correia

 

Espadinha Papers, no Mister do Café.

Rescaldo das eleições: decomposição dos resultados, n' O Artista do Dia.

 


comentar ver comentários (1)
07 Mar 17
As evidências
Pedro Correia

«Jesus diz que tirou Bruno, Alan, depois Bryan, e que a equipa perdeu capacidade de construir. É verdade. Tal como é verdade que William se desnorteou tacticamente quando ficou com a missão de pressionar alto e que o Sporting acabou o jogo num 4-2-4 sem a mínima ligação e com os centrais sem saberem muito bem a quem entregar a bola. Enquanto isso, Podence nem saiu do banco, Matheus marca golos pela B e Francisco Geraldes, sentado na bancada, via, tal como eu, aquele vazio de quem pegasse na bola e pensasse o jogo.»

Cherba, n' A Tasca do Cherba

 

«Não compreendo como é que, estando a época perdida, não aproveitamos as oportunidades que temos (e que serão poucas) para dar mais oportunidades a jogadores que podem fazer parte do futuro do Sporting em relação aos que não farão parte do futuro do Sporting. Falo da colocação de Joel Campbell em campo. Daqui a dois meses e picos vai embora e dificilmente voltará. Não faria mais sentido colocar Podence, naquelas circunstâncias?»

Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia

 

«Não faz sentido algum que jogadores que sabemos serem opção para sair no final da época ganhem os minutos que jogadores com tanto futuro como Podence, Geraldes ou Matheus deveriam ganhar. São estas inconsistências que me fazem acreditar que não vale a pena ter “estrutura” nenhuma quando a decisão última de JJ contraria qualquer racionalidade e salta aos olhos de qualquer treinador de bancada que pelo menos Geraldes tem lugar no actual meio-campo do Sporting, muito mais que Bryan Ruiz.»

Javardeiro, no Leão de Plástico

 

«Não há como disfarçar: a quase totalidade da palavra fracasso com que se qualificará a época em curso tem sido escrita pela mão de Jorge Jesus. Começou por desbaratar a oportunidade que lhe foi concedida na carta branca embrulhada em vários milhões de euros e agora, na versão económica, não encontra a fórmula de rentabilizar os jogadores que tem à disposição, de forma a devolver competitividade à equipa e preparar o futuro.»

José Duarte, n' A Norte de Alvalade

 

«Um Sporting que, dois anos depois, ainda faz experiências na defesa à procura do Santo Graal defensivo, uma equipa que denuncia a cada momento o momento seguinte, que oscila como varas verdes com qualquer brisa, é uma equipa que dificilmente vencerá. Seja lá o que for. E não me venham falar de pressão. Coitadinhos dos jogadores. Pressão é levantar-se todos os dias para trabalhar, muitas vezes em empregos precários e sem tabuletas no horizonte a dizer: vacances.  Haja paciência!»

Gabriel Pedro, n' A Insustentável Leveza do Liedson

 

«Por quanto tempo mais teremos todos de continuar a ser confrontados, jogo após jogo, com os farrapos de desculpas de eventuais debilidades estruturais, de eventual falta de empenho dos atletas ou de eventuais erros de arbitragem e nunca, jamais, em tempo algum, a honesta e frontal assunção das culpas sobre cuja origem já nenhum adepto leonino terá dúvidas?!...»

Álamo, no Leoninamente


comentar ver comentários (42)
30 Jan 17
Video-árbitro
Edmundo Gonçalves

Já tinha aflorado neste post esta questão. Passou despercebido e não foi sequer comentado, talvez por aparecer como nota de rodapé.

Hoje o Mister do Café, com mais profundidade e com exemplos concretos, volta ao assunto.

Para reflectir.


comentar ver comentários (8)
29 Jan 17
Leitura recomendada
Pedro Correia

Os alertas de Vítor Serpa. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.


comentar ver comentários (6)
27 Jan 17
Um senhor e um burgesso
Edmundo Gonçalves

Francisco Geraldes, como pode ver-se no Sporting com Filtro, não é o segundo.


comentar ver comentários (7)
20 Jan 17
Leitura recomendada
Pedro Correia

Basta! O Sporting precisa de uma reflexão urgente. De João Branco, no Aventar.


comentar ver comentários (2)
11 Jan 17
Leitura Recomendada
Francisco Vasconcelos

A Inocência do Jogo, em O Dia de Jogo.


comentar ver comentários (1)
10 Jan 17
Leitura recomendada
Edmundo Gonçalves

Os Vieiras do apito, no Mister do Café.


comentar ver comentários (8)
06 Jan 17
Leitura recomendada
Pedro Correia

A saída de Gauld e André Geraldes do V. Setúbal. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.


comentar ver comentários (53)
30 Dez 16

«Os quatro anos de Bruno de Carvalho são incomparavelmente melhores que os quatro anteriores com Godinho Lopes e José Bettencourt. Não foi campeão? Quantos dos 25 presidentes leoninos o foram, no primeiro mandato, em 82 edições da prova? Nove. E nos últimos 50 anos apenas três em 11 (João Rocha, José Roquette e Dias da Cunha).»

José Ribeiro, hoje, no Record


comentar ver comentários (12)
22 Dez 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

 

O Sporting e a comunicação. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.


comentar ver comentários (2)
18 Dez 16
Leitura de domingo
Pedro Correia

Doyen Sports: o poder oculto que manipula o futebol

 

Alguns excertos (traduzidos por mim, com vénia ao jornal El Mundo):

 

«O então vice-presidente da FIFA, Michel Platini, definiu as suas práticas como "uma espécie de escravatura própria do passado". Há um ano e meio, o comércio de jogadores por parte dos fundos de investimento foi denunciado publicamente e proibido pelo organismo que regula o futebol mundial. Mas essas empresas continuam a ameaçar a integridade do desporto através da intervenção que mantêm enquanto proprietárias de clubes. Esta é a história do mais relevantes desses fundos: Doyen Sports.»

 

«Até 1 de Maio de 2015 o fundo de investimento havia completado dezenas de negócios lucrativos, com uma estratégia: comprar, negociar e vender uma percentagem de futebolistas recorrendo a tácticas discutíveis - uma prática conhecida como titularidade por parte de terceiros. Além de trabalhar como agência de representação, ganhando dinheiro em prémios de assinatura e renovações de contratos, a Doyen convertia-se em co-proprietária dos jogadores e negociava-os entre clubes. Até que surgiu a proibição da FIFA.»

 

«Em apenas quatro anos, desde 2011 até à decisão da FIFA, Nélio Lucas expandiu o negócio da Doyen Sports ao ponto de ter chegado a ser comparado com o agente português Jorge Mendes. Criado graças ao património acumulado por uns oligarcas pós-soviéticos, a família Arif, na indústria química do Casaquistão, o fundo garantia em 2013 ter investido 100 milhões de euros em direitos económicos de jogadores.»

 

«Com Radamel Falcão aconteceu algo semelhante. Pela saída do jogador do Atlético de Madrid, gerida pelo seu agente Jorge Mendes no Verão de 2013, a Doyen obteve uma receita de 15,3 milhões de euros. No final de 2011, o fundo havia conseguido 33% dos direitos económicos do futebolista por 10 milhões de euros e apesar de ser evidente a mais-valia, cinco milhões de lucro em apenas 18 meses, Lucas não ficou satisfeito. "O cabrão foi para o Mónaco", escreveu a Arif antes de insultar a mãe do avançado colombiano e concluir: "A carreira dele terminou. (...) Vai acabar desta maneira, a pagar impostos em França".»

 

 


comentar ver comentários (4)
13 Dez 16

comentar ver comentários (20)
04 Dez 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

Jorge Mendes: o "super-agente" sob suspeita. De Pedro Cifuentes, no El Español.


comentar ver comentários (8)
24 Nov 16

Ficaria mal com a minha consciência se não transcrevesse aqui, ainda antes de acabar o dia, um trecho desta excelente crónica de Pedro Santos Guerreiro hoje publicada na última página do diário Record.

Muita gente tem o péssimo hábito de medir todos os jornalistas pela mesma bitola. Isto é tão injusto como aplicar o mesmo critério a qualquer outra profissão. Por isso faço questão, sempre que possível, de remar contra a maré.

O Pedro Guerreiro é um daqueles jornalistas que merecem ser apontados como exemplo.

Aqui fica um excerto da crónica assinada no Record pelo director do semanário Expresso:

«De cada vez que falamos do que supostamente se passa na casa de alguém, expomos esse alguém à indiscrição generalizada e ao julgamento ignorante. Não é por esse alguém ser figura pública que ganhamos o direito a ter as chaves da sua vida privada. Até porque não é só a sua privacidade que invadimos: expomos também a da sua família. Incluindo filhos menores que são gozados nas escolas, amigos e amigas que são xingados nos supermercados, cônjuges que são olhados de lado e pelas costas. Não é uma generalização: isto aconteceu. E nós, se comentamos, se partilhamos, se olhamos, estamos a participar no ataque ao ponto mais vulnerável que qualquer pessoa tem, seja um jogador ou um presidente.»

Transcrevo, aplaudo e subscrevo.


comentar ver comentários (20)
23 Nov 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

O Palerma e os disparates. No Mister do Café.


comentar ver comentários (12)
28 Out 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

Doidos à solta. No Mister do Café.


comentar ver comentários (2)
23 Out 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

«Como se, à oitava jornada, ainda fosse normal andarmos a perceber quem deve fazer de Teo, como é que a equipa deve controlar a respiração com troca do zen João Mário pelo frenético Gelson e estivéssemos à espera de Janeiro para ir buscar pessoal que resolva problemas que estão detectados desde o final da época passada, altura em que o nosso futebol entusiasmava tudo e todos. Altura em que Jorge Jesus podia atirar frases como "Não tenho o melhor plantel, tenho é uma equipa trabalhada por mim e se está trabalhada por mim tem de ser a melhor! A diferença está no treinador."

O problema é que esta frase tem três semanas e é seguida por uma mão-cheia de exibições confrangedoras. O problema é que em milhares de adeptos começa a instalar-se um amargo déjà vu contra o qual, ontem, apenas Gelson Martins quis lutar.»

Cherba, na Tasca do Cherba


comentar ver comentários (5)
09 Out 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

"Good Morning Vietnam" - Os abutres e os pavões. No Mister do Café.

José António Saraiva e o jornalismo à portuguesa: preguiçoso e mal informado. De EB, na Superioridade Numérica.


comentar ver comentários (12)
30 Set 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

 

O problema dos quatro Campeonatos de Portugal e dos quatro Campeonatos da Liga (experimentais). No Com quem é que joga o Sporting?

 

O Sporting pode e deve apregoar orgulhosamente os seus 22 títulos de campeão nacional. N' O Artista do Dia.

 


comentar ver comentários (8)
21 Set 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

Existem duas coisas certas na vida. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.


comentar ver comentários (7)
10 Set 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

Os salários da administração do Sporting são um escândalo. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.


comentar ver comentários (36)
06 Set 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

Assim foi Islam Slimani. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.


comentar ver comentários (25)
22 Jul 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

Introducing Luís Aguilar. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.


comentar ver comentários (4)
12 Jul 16
Ruipatricismo
Edmundo Gonçalves

343789_med_.jpg.jpg

Todos os jogos que valem um título com o tempo acabam dando a volta, de modo que o fim se torna o começo, e vice-versa. Que ninguém duvide de que dentro de alguns anos, talvez décadas, quando um bebé actual se interessar por futebol e se interessar naquilo que aconteceu nesse verão distante de 2016, a primeira coisa que encontrará no Google será a foto de um punhado de eufóricos jogadores portugueses, levantando a taça, no palco de Saint-Denis. E aí, se ele quiser, pode experimentar tirar as suas próprias conclusões, num ensaio absurdo, mas por certo maravilhoso. Quem terá marcado mais golos? Quem terá sido o artista? Será que algum foi expulso nos últimos minutos? "Ao olhar para aquele careca eu diria" ...

...........................................................................................................

... Mas de volta para a foto de Portugal triunfante. Dela podem tirar-se várias ilações que, por mais que não se tenha seguido a final, não andarão longe da realidade. Ronaldo aparece no centro com o troféu na mão, uma veia saliente no pescoço, do tamanho de um tubo de uma fábrica de produtos químicos e uma ligadura castanha que cobre todo o joelho esquerdo.  Waterloo?  Vietname?  Aceitam-se apostas. O que é certo é que ele terá superado uma batalha dura e difícil e recuperou o seu lugar no centro do plantel para proclamar a sua vitória. Poucos metros à direita, também chama a atenção o rosto de João Mário, cuja felicidade se manifesta em várias rugas que chegam a cobrir-lhe as pálpebras. Mas por entre as dobras daquela pele "cubana" não se esconde apenas um triunfo nacional:  Ali está espelhada uma exibição individual do cara... que se reflete em muitas ofertas de contratos com muitos zeros a cair no seu mail. E se continuarmos nessa direção e a dirigir os olhos para o canto, deparamo-nos com a figura de Éder, que longe de se preocupar com a sua pose, faz uma selfie e é só sorrisos, consciente da sua singularidade. "Olha, mãe, sou eu. Sou eu e consegui, "coño". Fui eu que marquei!"

E será assim com todos. Bruno Alves, Quaresma, Pepe, Moutinho, André Gomes ... os jogadores de Fernando Santos foram congelados pelos flashes no momento certo, e as suas aparências e gestos contêm histórias com um pouco do esforço que qualquer um poderia adivinhar. O desfile de rostos, no entanto, está incompleto. Essa falta poderia ser irrelevante. Poderia não ser importante. Poderia por absurdo, ser uma trivialidade.

Mas é Rui Patricio que lá não está. E isso, no resumo daquela gesta, é uma ofensa grave, uma atrocidade. Demasiado afastado, na ponta do "pelotão" de campeões, o guarda-redes luso não ficou na "chapa" da grande maioria dos fotógrafos que cobriam o evento, deixando um buraco irreparável nos seus instantâneos.

Com essa decisão de se postar na ponta "esquecida", deixando todo o destaque para o resto do balneário, quedando-se na bruma das celebrações, o "porteiro" tinha apenas acabado de se apresentar à sociedade. Assistimos ao baptismo de um herói diferente. O ruipatricismo, em última análise. Essa corrente filosófica que nos marcará de agora em diante cada vez que alguém nos perguntar o que aconteceu naquele verão distante de 2016. Em primeiro lugar teremos que olhar bem para a fotografia. E, em seguida, falar sobre Rui Patrício. Pelo menos durante meia hora.

 

 

Com a devida vénia, daqui, com tradução minha, o que não é sinónimo qualidade. :)


comentar ver comentários (8)
19 Mai 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

O ferrari vermelho, o colete encarnado e o barrete verde. De José Duarte, n' A Norte de Alvalade.


comentar ver comentários (4)
26 Abr 16

comentar ver comentários (7)
09 Abr 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

Tempo sem penalties contra no campeonato. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.


comentar
15 Mar 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

E esta? Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.


comentar ver comentários (4)
07 Mar 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

Falhar golos certos será decisivo? No Goal Point.


comentar ver comentários (17)
04 Mar 16

comentar ver comentários (15)
10 Fev 16
Indignaçãozinha
Pedro Correia

«Há um novo género de jornalismo no pedaço: é o jornalismo feito para gerar partilhas nas redes sociais. Um exemplo? A notícia sobre a ida de um adjunto de Jorge Jesus ao hotel do Rio Ave. Nas letras pequenas lê-se que o homem foi ver a família. Mas as grandes eram suficientemente grandes para gerar a indignaçãozinha do dia. Toda a tarde recebi alertas.»

Joel Neto, ontem, n' O Jogo


comentar ver comentários (3)
04 Fev 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

Onze milhões em reforços de Bruno andam emprestados. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.


comentar ver comentários (5)
03 Fev 16
Leitura recomendada
Pedro Correia

O Jogo e as transferências de Inverno. Do Mestre de Cerimónias, n' O Artista do Dia.


comentar ver comentários (4)

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Sábias palavras de aviso

Leitura recomendada

Leitura recomendada

Leitura recomendada

Leituras recomendadas

Leitura recomendada

Leitura recomendada

As evidências

Video-árbitro

Leitura recomendada

Facebook
És a Nossa Fé no Facebook
Twitter
És a Nossa Fé no Twitter
Arquivo

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

comentários

memória

selecção

bruno de carvalho

leoas

prognósticos

jorge jesus

balanço

slb

há um ano

vitórias

campeonato

benfica

jogadores

eleições

rescaldo

arbitragem

mundial 2014

taça de portugal

nós

liga europa

ler os outros

godinho lopes

golos

clássicos

futebol

árbitros

euro 2016

comentadores

cristiano ronaldo

scp

humor

formação

análise

crise

chavões

liga dos campeões

derrotas

william carvalho

todas as tags

Mais comentados
53 comentários
42 comentários
38 comentários
36 comentários
28 comentários
26 comentários
25 comentários
24 comentários
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds