20 Mai 17
Parabéns (1)
Pedro Correia

2066288-43320976-640-360[1].jpg

 

O único título de futebol profissional que este ano podemos festejar é o do Mónaco, novo campeão francês.

Treinado pelo "nosso" Leonardo Jardim, que permite ao Sporting encaixar 250 mil euros extra.

Dão-nos muito jeito.


comentar ver comentários (25)
16 Mai 17

20188116_gHG5z[1].jpg

 

Em oito títulos possíveis, não mencionando a frente internacional, Jorge Jesus venceu só um enquanto técnico do Sporting - por sinal o mais irrelevante. A Supertaça, em Agosto de 2015.

Passaram duas épocas. O diagnóstico está feito, o quadro real está à frente de todos, falta apenas aplicar a terapia adequada à situação.

Ou nos conformamos com este triste e lamentável e tremido terceiro lugar, ou ambicionamos mais para o Sporting. Seja quem for o treinador.

Porque o caminho tem de ser em crescendo, como nos três anos iniciais da presidência Bruno de Carvalho. Não podemos prolongar a rota do retrocesso registada no quarto ano - por sinal o da reeleição do líder leonino.

 

Alguns vultos influentes nos bastidores têm-se movimentado nos últimos dias para defender a continuidade de Jesus, garantindo que ele faz parte da solução e não do problema.

Ignorando que a questão não é de nomes, mas de projecto.

Por outras palavras, em forma interrogativa: preferimos definir primeiro uma linha de rumo e escolher depois o treinador mais capaz de a pôr em prática ou optar pela navegação à vista em função das características do técnico, mesmo distorcendo e subvertendo o projecto?

 

De momento, o dilema está instalado.

Deve o Sporting sujeitar-se ao treinador ou este adaptar-se ao clube?

Deve o Sporting ceder aos caprichos de um técnico que exige dezena e meia de "reforços" estrangeiros para no fim aproveitar dois ou três, como sucedeu no Verão passado, ou colher os frutos de uma formação de reconhecida excelência, capaz de ombrear com a do Ajax que disputará com o Manchester United a final da Liga Europa?

 

Julgo que as coisas têm de ser postas neste plano e não em qualquer outro.

Por mim, não restam dúvidas. O projecto está acima do treinador e este só será parte da solução se o incorporar como seu. Sem reservas mentais. Sem desvirtuamentos nem distorções.

Jesus aceita-o? Que o diga com clareza ao presidente e aos sócios, sem entretantos nem entrelinhas. Só deste modo justificará uma tolerância suplementar dos adeptos, fartos de verem o Sporting triunfar apenas no campeonato da bazófia e coleccionar vistosos títulos em exclusivo nos jornais.

 

Se não for assim, invertem-se os dados da equação: o técnico passa a ser parte do problema. E só continuará em Alvalade pelo pior dos motivos: para evitar que lhe seja transferida uma indemnização milionária para as mãos.

Sacrifica-se tudo em função da racionalidade financeira. Mesmo mandando o projecto desportivo às urtigas. Mesmo ampliando a distância entre a gerência leonina e a massa adepta, cansada de ver tanta promessa desfeita no confronto com a realidade.

 

Tal como muitos outros, também eu cada vez mais me interrogo sobre os desafios da época que se avizinha. E, após tantas decepções acumuladas, sinto-me incapaz de renovar o capital de confiança que já depositei em Jesus.

Para mim, tornou-se uma solução esgotada. Porque não o vejo como intérprete do ADN leonino.

 

Precisamos de um treinador ainda jovem, dinâmico, ambicioso, de preferência com conhecimento da nossa cultura clubística e que goste de potenciar jogadores oriundos dos escalões da formação.

Precisamos de alguém com o perfil muito próximo de Leonardo Jardim - a primeira escolha de Bruno de Carvalho e que se prepara para festejar o título de campeão em França como timoneiro do Mónaco, batendo o milionário Paris Saint-Germain, que todos apontavam como favorito.


comentar ver comentários (60)
22 Fev 17
Jogo(s) de loucos
Edmundo Gonçalves

O Manchester City vs Mónaco de ontem à noite (que terminou com a vitória do City por 5-3) foi um daqueles jogos que dificilmente nos sairão da memória.

Houve de tudo, desde grandes golos a grandes frangalhadas e até à defesa/falhanço de um penalti. Memorável!

Entusiasmado com o desenrolar do marcador, Leonardo Jardim não terá pensado exclusivamente no resultado e tentou sentenciar ali a eliminatória.

Porém, para além de "ter" falhado um penalti, "sofreu" um peru de todo o tamanho. Teve azar, não lhe sairam bem os intentos, mas acho que fez bem. Com esta postura ganharam o futebol e os adeptos. Elogio enorme a Jardim, um dos nossos.

 

Agora aqui p'ra nós, que ninguém nos ouve, se lá no banco do Mónaco estivesse JJ e o resultado fosse o mesmo?...


comentar ver comentários (13)
18 Jan 16

            Sporting+Clube+de+Portugal+v+Chelsea+FC+UEFA+UNXea imagesSI2AXVK9.jpg

 

Que melhor homenagem ao critério de Bruno de Carvalho do que a imprensa desportiva e toda a comunicação social andarem há vários dias a dizer que Marco Silva e Leonardo Jardim são os treinadores que Pinto da Costa prefere no FC Porto?

Só falta acrescentarem o terceiro técnico da era Bruno. Esse mesmo, Jorge Jesus. Que - ninguém duvida - os do Dragão também gostariam de ver lá.


comentar ver comentários (16)
25 Fev 15

Geoffrey Kondogbia goal vs. Arsenal

 

Terminei o dia desportivo da melhor maneira: a ver em directo a excelente vitória do Mónaco ao Arsenal, em Londres, por 3-1. Um resultado que praticamente resolve a eliminatória, colocando a equipa do principado - onde jogam, entre outros, João Moutinho, Ricardo Carvalho e Bernardo Silva - já com um pé na próxima eliminatória da Liga dos Campeões.

O Mónaco venceu e convenceu. Confirmando o mérito do seu treinador, o nosso Leonardo Jardim. Que está de parabéns, sem qualquer dúvida.


comentar ver comentários (9)
04 Jan 15

leonardojardim9[1].jpg

  

DESPEDIDA DO ANO: LEONARDO JARDIM

Em Maio, confirmava-se a notícia que muitos receavam: Leonardo Jardim, o treinador que Bruno de Carvalho escolheu para reabilitar o débil futebol do Sporting, após a pior temporada de sempre, deixava o clube, dando lugar a Marco Silva. Partia, após ter passado apenas uma época em Alvalade, mas com a sensação do dever cumprido: deixava a equipa em segundo lugar no campeonato, com acesso automático à Liga dos Campeões, e à frente do FC Porto. Partia deixando um plantel valioso, muito valorizado pela sua intervenção.

O treinador madeirense, que nunca escondeu a ligação afectiva ao Sporting, iniciou no Verão um percurso internacional, assinando contrato com o Mónaco. Os cofres leoninos acabaram por ganhar com esta transferência: cerca de três milhões de euros. Números inéditos na história do nosso clube: nunca a saída de um treinador rendera algo semelhante.

No principado, e apesar de ter encontrado um plantel desfalcado em relação às promessas que lhe haviam feito, sem contar com Falcão e James Rodríguez, Leonardo Jardim não virou a cara ao desafio. E tem revelado sucesso. Não só no campeonato francês, onde segue em quinto lugar, com quatro vitórias consecutivas a fechar 2014, mas também na Liga dos Campeões, onde conquistou acesso aos oitavos de final, ao contrário do que sucedeu com o Zenit e o Benfica.

Mesmo à distância, mantém a popularidade incólume entre os sportinguistas. Já perto do fim do ano, deu uma extensa entrevista ao Record em que deixou palavras de grande elegância e notório respeito pelo Sporting e o presidente que o contratou.

Enfim, um técnico muito competente que deixou saudades. E um cavalheiro, como vai havendo poucos no futebol.

 

Despedida do ano em 2012: Polga

Despedida do ano em 2013: Wolfswinkel


comentar
29 Dez 14

leonardojardim9-415x260[1].jpg

 

E de repente, no meio da turbulência, ouvimos palavras de enorme sensatez. Que deitam água na fervura em vez de lançarem gasolina na fogueira. Palavras proferidas por Leonardo Jardim, que é também sportinguista do coração, numa boa entrevista conduzida por António Bernardino e hoje publicada no Record - fazendo uma enorme diferença em relação à mediocridade das peças jornalísticas dominantes.

 

O que diz o antecessor de Marco Silva, confrontado com a pergunta «Bruno de Carvalho é um presidente difícil de trabalhar»?

Vale a pena transcrever parte da longa resposta do nosso ex-treinador, actual responsável técnico do Mónaco:

«Tenho uma boa relação com ele. Trata-se de alguém que vive o Sporting com intensidade, foi necessário no processo de mudança do clube. É um facto que tem uma personalidade diferente da minha. Ele tinha as opiniões dele publicamente e em termos de futebol eu dava a estabilidade que eu entendia que o grupo necessitava. A sua forma de ser por vezes é difícil, realmente, se não estiver em consonância com aquilo que estamos a fazer, mas entre nós houve sempre respeito. Ao longo da época eu e Bruno de Carvalho tivemos algumas opiniões diferentes, mas as nossas decisões foram sempre em prol do êxito do Sporting. As opiniões entre um treinador e um presidente nem sempre convergem, pois um presidente defende o clube e o treinador o grupo, mas há que levar sempre em consideração a estrutura. A sua presença no banco? Quando estou no jogo nem sinto a presença do presidente ou de qualquer outro factor extra-jogo. A mim não me cria qualquer problema uma realidade dessas. Nunca senti que o presidente tentasse interferir no que quer que seja. Aliás, nem me lembro de conversar com as pessoas durante o jogo.»

E sobre a hipotética saída de Marco Silva?

«Os projectos devem ser sempre do clube e não dos treinadores. Contudo, também não acho nada positiva a alteração de um técnico que eventualmente poderia estar melhor na Liga, mas que nas outras provas está a fazer um bom trajecto. Não vejo motivo ou razão para existir uma ruptura, para despedir Marco Silva, mas estou só a falar em termos desportivos.»

 

(Os sublinhados a negro, naturalmente, são meus.)


comentar
28 Dez 14
Jogar como um grande
Duarte Fonseca

Quem quer comparar o futebol que joga o Sporting de Marco Silva com o de Leonardo Jardim, tem que perceber que está a comparar uma equipa que joga como um grande com uma equipa que joga para o resultado.

 

Com todos os problemas e virtudes que as duas posturas têm e mesmo com um plantel que não assegura qualidade em posições chave, eu prefiro jogar como um grande e ter menos 6 pontos, porque estruturalmente é muito mais importante.


comentar ver comentários (2)
10 Dez 14

93493730a2b4b7d6eb53bbf696446101-700x450[1].jpg

 

Com uma equipa de segunda linha, goradas as promessas de craques que lhe foram feitas no início da temporada, Leonardo Jardim inverteu o paradigma de Otto Glória: ao contrário do que dizia o técnico brasileiro que levou a selecção portuguesa ao Mundial de 1966, é possível fazer omeletes sem ovos. O ex-treinador do Sporting acaba de demonstrar isso mesmo: conduziu a equipa monegasca ao primeiro lugar do Grupo C na Liga dos Campeões, qualificando-a para os oitavos-de-final. À frente do Bayer Leverkusen (que também se qualificou), Zenit (que ruma à Liga Europa) e Benfica (que fica fora das competições europeias).

Parabéns, Mónaco.

Parabéns, Leonardo Jardim.


comentar ver comentários (10)
14 Set 14

 

Jorge Costa...

  

... ou Leonardo Jardim?


comentar
03 Set 14
It's all about money
Duarte Fonseca

Na essência, o que distingue a tão pouco criticada saída de Leonardo Jardim da tão criticada saída de jovens jogadores como Dier, Ilori e Bruma?

Nada.

Pode-se discutir a forma como agiram, a integridade das declarações, os comportamentos mais ou menos adequados, e afins, mas no fim de contas, todos sairam pelo mesmo motivo. Dinheiro!

Inclusivamento considero que qualquer um dos três jogadores referidos tomou uma melhor opção de carreira que Leonardo Jardim (que neste momento treina um plantel de qualidade inferior ao do Sporting). Se foi enganado só tem que se demitir.


comentar ver comentários (1)

«Uma das maiores fraudes do ano é o Mónaco e há um português envolvido e enganado. Leonardo Jardim livrou-se de Bruno de Carvalho porque o presidente do Sporting o queria obrigar a lutar pelo título não tendo ele equipa para isso e aterra no Mónaco onde, por este andar, o clube lutará por não descer de divisão. De candidato a destronar o Paris St. Germain e a fazer uma grande carreira na Champions, o Mónaco não só não se reforçou, como vendeu (a bom preço) James Rodríguez e agora cedeu ao preço da chuva a sua grande estrela - Falcão. Eis um caso claro de total ausência de política desportiva e onde o dinheiro e os nebulosos caprichos de ocasião ditam regras.»

Nuno Santos, no Record de ontem


comentar ver comentários (2)
22 Mai 14
A diferença
Pedro Correia

Acabou - a título definitivo, todos esperamos - o período em que o Sporting era conhecido por ser "cemitério de treinadores". Um período tristemente imortalizado pela expressão "Paulo Bento forever" pronunciada pelo então presidente pouco antes de despedir o actual seleccionador nacional.

Agora é diferente.

Mudou o treinador no fim da época, é certo, mas sai pelo seu pé e valorizado ao ponto de ir receber cerca de dez vezes mais no Mónaco mesmo sem ter ganho qualquer troféu em Portugal. O que diz muito do prestígio do Sporting.

Mudou o treinador no fim da época mas sai com elegância, sem guerras verbais e com um abraço ao presidente que foi mais do que uma expressão de cortesia. Leonardo Jardim sabe que deve a Bruno de Carvalho a oportunidade de concretizar esta experiência além-fronteiras, num clube aparentemente milionário, mantendo abertas as portas do clube que sempre disse ser do seu coração desde criança.

De cemitério de treinadores a trampolim para a valorização de treinadores no mercado internacional do futebol. Eis a diferença. E não é pouca.


comentar ver comentários (8)
Fui enganado
Edmundo Gonçalves

"O rei está morto. Viva o rei!"

 

Escrevi lá mais para trás sobre a renovação de Leonardo Jardim, fiado numa notícia d'A Borla (eu sei, a gente deve dar um grande desconto às "notícias" dos desportivos, mas a vontade enorme de que a "notícia" fosse verdadeira levou-me a extravazar os meus sentimentos, pronto...).

Fui enganado, no entanto não retiro nada ao que escrevi, que até nem foi extenso, mas dizia muito.

Continuo a achar que Leonardo Jardim foi a melhor aposta naquela altura e que fez um trabalho extraordinário. Uma estrutura directiva sólida permitiu-lhe trabalhar sem pressão e aplicar as suas ideias numa equipa completamente renovada e recheada de gente "imberbe". É um facto indesmentível que ultrapassou todas as previsões, até as mais optimistas. E aqui é que bate o ponto! Custa-me um pouco entender que alguém que (com mérito, é certo) chegou à sua "cadeira de sonho" e com um projecto a meio, o abandone por dinheiro. Sim, eu sei que a diferença entre o que lhe pagava o Sporting e o que lhe irá pagar o Mónaco ou outro qualquer não é dispicienda, mas caramba, imaginemos que lhe (nos) corria bem a próxima época! Não estaria ainda mais valorizado? Sim, estou a abrir mão de 3M de Euros, mas qual de nós não trocaria esses "trocos" por um título de campeão?!

Não quero sequer pensar que a saída de Leonardo Jardim tenha a ver com outra coisa, que não seja dinheiro. E assim sendo, a sua saída não abona muito em seu favor, lamento dizê-lo. Que não quisesse renovar já, ou que o não quisesse fazer pura e simplesmente, estaria no seu direito! E partir no final do contrato, com missão cumprida, dava-lhe uma margem enorme de crédito junto do Clube, para um dia voltar pela porta grande. Lamento dizê-lo, mas apesar de tudo o que de bom fez, a sua saída prematura talvez lhe tenha fechado as portas a um eventual regresso. A ver vamos... Mas, por tudo isto, senti-me enganado também por Jardim.

 

Agora o escolhido foi Marco Silva. Era expectável. Não sei se recusou ou não o Porto, não sei se foi abordado pelo benfica, sei que aceitou vir para o Sporting. E sei o que ouvi ontem na apresentação e gostei. Gostei muito! Se as palavras forem espelhadas em resultados, temos homem, teremos equipa e alcançaremos resultados e MS demonstrou já que sabe da poda; não esqueço o último jogo deste campeonato que agora terminou e da única equipa que jogou à bola, bem como da excelente campanha que fez com o Estoril, que ao longo pelo menos dos dois últimos anos apresentou um "fio de jogo" muito bom, fluente, de troca de bola, acutilante e venenoso para os adversários.

Gostei da duração do contrato, demonstração da confiança que tem a  direcção no seu projecto e que os sócios o reconhecerão em próximas eleições, sendo também um recado óbvio, para alguns que ainda teimam em ser "marretas", de que o Sporting caminha em direcção ao futuro e nada nem ninguém o vai parar!

Por mim, tenho certeza absoluta (no que o futebol pode deixar ser absoluto) que os títulos aparecerão, já que resultados excelentes os vamos conseguindo quase diariamente. E os títulos serão consequência desses resultados, que inevitavelmente tornarão o Sporting cada vez mais forte para enfrentar os seus inimigos, já que aos adversários muito em breve ultrapassaremos inexoravelmente.

Sem ter qualquer relevância para o caso, diz-se que Marco Silva é adepto dos encarnados. Também se diz que Jesus é dos nossos, e é vê-lo a trabalhar honestamente em prol de quem lhe paga. Não será por aí!

Seria até interessante que Marco Silva tivesse longa vida em Alvalade. Seria bom sinal!

 

O rei está morto. Viva o Rei!


comentar
Orgulho e pena
Filipe Moura

Considerando o notável trabalho desenvolvido por Leonardo Jardim, e o seu sportinguismo, sinto muita pena por o ver sair: considero-o um dos nossos. Mas temos que ver as coisas por outra perspetiva. Nos últimos 30 anos, que treinadores dos três grandes saíram mesmo por cima? No Benfica, só Sven-Goran Eriksson; no FC Porto, Artur Jorge, Bobby Robson (que "já era" Bobby Robson antes de treinar o FC Porto), José Mourinho e André Villas Boas. No Sporting, só Paulo Bento poderá ter saído por cima, mas não como Jardim. Os restantes ou cumpriam os seus contratos, que não eram renovados (caso raro no Sporting, mas normal, por exemplo, no FC Porto), ou eram despedidos precipitadamente (algo muito frequente no Sporting), ou eram despedidos por efetivos maus resultados e impossibilidade de melhoria (algo infelizmente frequente nas épocas mais recentes). Tudo isto junto, o Sporting tinha ganho, justamente, a reputação de "cemitério de treinadores". E é um clube com esta reputação, e que há pouco mais de um ano parecia à deriva, que agora pela primeira vez tem lucro graças a um treinador de futebol: recebe dinheiro por ele (a prática era exatamente o oposto). E isto só é possível graças ao excelente trabalho que foi desenvolvido, por esse treinador e pela estrutura diretiva. Por este facto só podemos sentir orgulho.

Desejo a melhor sorte a Leonardo Jardim, que senti que era o "meu" treinador como há alguns anos não sentia em relação a um treinador do Sporting, e espero que volte um dia para conquistar os títulos que não conseguiu nesta primeira passagem. Entretanto, a vida continua e obviamente o Sporting também. E devo acrescentar que considero que Leonardo Jardim não poderia ter sido melhor substituído. Mais uma razão para dar os parabéns à estrutura do futebol do Sporting.


comentar
21 Mai 14
Rei morto, rei posto
Tiago Loureiro

 

Tal como aconteceu no ano passado, o Sporting apresentou o seu novo treinador no dia a seguir ao anúncio da saída do anterior. Rei morto, rei posto. Aguardei esse anúncio oficial para falar da saída de Leonardo Jardim (mais para o final do post perceber-se-á porquê). 

 

Um ano após ter assumido a equipa, Leonardo Jardim parte com o registo de trabalho bem feito e como rosto da recuperação desportiva de um clube moribundo que acabara a época anterior num penoso 7º lugar. Este facto, associado a anos desastrosos, fez com que muitos sportinguistas, perante a sua saída, revelassem uma característica demasiado vista em ocasiões anteriores: o catastrofismo. A última vez que tal tinha acontecido fora precisamente por causa de um treinador. Na época passada, por esta altura, não faltava quem adivinhasse o caos no futuro do Sporting porque o clube abrira mão de Jesualdo Ferreira, treinador que, numa época catastrófica, nos tinha feito passar um pouco menos de vergonha. Não quero comparar a qualidade e o trabalho de Jardim com o de Jesualdo - a saída de Jardim justifica mil vezes mais as angústias e as preocupações dos sportinguistas do que a saída do professor medíocre - mas o mesmo complexo do homem providencial e da inevitabilidade do caos perante a mudança está lá.

 

Este estado de espírito até poderia fazer sentido num Sporting recente em que as boas opções eram mais excepção do que regra e em que as boas decisões pareciam tomadas por sorte. Mas agora é diferente. Porque se houve coisa que ficou provada na época que agora terminou para além da qualidade de Leonardo Jardim, foi a mudança na forma de funcionar do clube. Goste-se mais ou goste-se menos dos protagonistas, concorde-se ou não com os métodos, é inegável que o Sporting tem um rumo, uma estratégia e demonstra coerência no seu cumprimento.

 

Por isso, há um ano atrás, mais do que assumir a equipa do Sporting, Leonardo Jardim passou a integrar uma estrutura organizada e funcional. E, ao contrário dos sportinguistas catastrofistas, eu prefiro considerar que o sucesso desportivo da equipa, mais do que dever-se a um homem providencial, deveu-se à estrutura da qual o treinador fez parte, e na qual se destacam também Inácio e o Presidente. Leonardo Jardim foi mais uma peça dessa engrenagem que fez o Sporting funcionar como há muito não se via. Não quero com isto desvalorizar o papel de Jardim e considerá-lo uma peça fácil de substituir. Nada disso. Jardim tem valor e provou-o e não há muitos como ele. Apenas quero evidenciar que é muito mais fácil antever sucesso das mudanças feitas dentro de uma estrutura que funciona, do que num clube onde ela nem sequer existe.

 

Por isso, acredito que a substituição de uma peça tão importante como Jardim por um treinador competente e capaz será a garantia de que a engrenagem continuará em funcionamento. Marco Silva é esse treinador. Não o digo apenas porque não tenho outro remédio senão ter esta esperança, agora que se confirma que ele é o escolhido. Afirmo-o porque vejo nele há já algum tempo o próximo caso sério do futebol português. Mais até do que Jardim. É feeling, é fé, é o que quiserem. Mas é o que sinto e o que sinto levou-me a dois momentos de angústia durante a época que agora terminou: aquele em que ele foi dado como quase certo no fcporto e aquele em que ele foi dado como quase certo no benfica. A conclusão é a melhor de todas. Vai treinar o meu clube e fazer-me feliz.


comentar ver comentários (3)
A nossa fé
Luciano Amaral

Ando há para aí uma década no negócio do comentário político e económico e, até ao ano passado, nunca senti necessidade de falar sobre futebol e o Sporting (excepto um ou outro artigo neutral sobre o Mundial). Sempre me pareceu (e ainda parece) que há gente que sabe muito mais do que eu e que tem muito mais a dizer sobre o assunto do que eu, um adepto vulgar. O ano passado, no entanto, não aguentei tamanha desgraça (que continuava uma série já de si deprimente) e comecei a falar sobre o Sporting mais como catarse do que outra coisa qualquer: em vez de chorar no ombro de alguém, chorava no blogue. Enfim, valeu o convite para vir para aqui, graças ao olho de leão do Pedro Correia, cuja atenção e paciência lhe davam para seguir o meu obscuro pardieiro.

Isto para dizer que o ano passado fui pela permanência do Jesualdo e disse-o publicamente. Não por grande amor que lhe tivesse, mas por não estar a ver ninguém muito melhor para o substituir. Na altura, até comparei com aquele que vai ser o nosso treinador para o ano (porque era dele que se falava mais), dizendo que não via vantagem na substituiçâo. Sobretudo preocupava-me (e ainda preocupa) a questão do cemitério de treinadores: lagarto escaldado do novo treinador tem medo. Correu tudo espectacularmente e contra a minha opinião. Estou-me nas tintas para me enganar desde que seja em benefício do Sporting.

Este ano, pelas mesmas razões, preferia que Leonardo ficasse. Não fica, por um prato de lentilhas. O prato é muito grande, eu sei, mas, para um lagarto com 39 anos, não dava para ficar mais um aninho? Não importa. Acabou, acabou. Vem aí o Marco. É ele agora a nossa fé. Diz que é lampião. Espero que, depois de uns anos em Alvalade cheios de sucesso, veja a Luz e acabe Leão do coração.


comentar ver comentários (2)
20 Mai 14

No passado dia 16 de Dezembro escrevi este texto, onde temia a eventual saída de Leonardo Jardim no final da época. Com a rescisão esta tarde/noite anunciada por Bruno de Carvalho, quase ao mesmo tempo que um dos responsáveis do Mónaco comunicava o fim do contrato com Cláudio Ranieri, é (quase?) certo que o madeirense irá rumar a terras gaulesas durante as próximas temporadas.

 

O que eu receava aconteceu!!

 

Certamente que era impossível, nesta altura do “campeonato financeiro”, o Sporting lutar contra um qualquer clube milionário, ao mesmo tempo que não se podia nem devia cortar as hipóteses a Leonardo de abraçar um projecto, se não mais ambicioso, pelo menos mais apelativo, financeiramente falando.

 

Ao contrário de outros treinadores L.J. ficará na história do Sporting por ter feito “mais com menos”, enquanto outros fizeram “menos com mais”.

É a hora de outro técnico dirigir as hostes leoninas a um patamar de excelência donde nunca deviam ter saído. Marco Silva é para mim o preferido! Mas Manuel Machado ou até o Pedro Martins poderiam ser outrossim boas escolhas.

 

O senhor que se segue tem não só a responsabilidade de gerir os recursos humanos postos ao seu dispor mas manter a qualidade e excelência que LJ nos apresentou e habituou. Não será um trabalho fácil, mas alguém disse que o seria?


comentar ver comentários (5)

Além de lhe agradecer pelo trabalho feito, desejo os melhores sucessos desportivos ao nosso Leonardo Jardim. Tendo em conta o anunciado, o seu sucesso futuro significará mais receita para o Sporting. Já agora, esta não é melhor venda de treinador alguma vez feita (termos monetários) em Alvalade? 


comentar
Faz hoje um ano
Pedro Correia

 

O FC Porto sagrava-se campeão nacional. Mas o benfiquista Rui Gomes da Silva, no programa em que participa como comentador residente na SIC Notícias, recusou felicitar o clube rival. «Vão dar banho ao cão!»: foi a elegante expressão com que brindou os telespectadores nessa tribuna, dando assim um notável contributo para o incremento do fair play no futebol português.

«Acredito que o Benfica não perdeu o título com o Estoril, nem sequer com os festejos precoces no Funchal, mas sim na vitória manhosa frente ao Sporting. Aquele jogo em que viram perdoados três penáltis e outras tantas expulsões pelo apitador João Capela, o que convenceu os encarnados de que seriam campeões by all means necessary», escreveu, a propósito, o Leonardo Ralha. Com o Adelino Cunha a deixar bem claro: «Eu acuso João Capela de ter prejudicado conscientemente o Sporting. Eu acuso João Capela de ter aprofundado a crise do Sporting. Eu acuso João Capela de ter travado a ascensão do Sporting. Eu acuso João Capela de ter provocado danos no plantel do Sporting. Eu acuso João Capela.»

 

 

No Sporting a notícia era a apresentação aos sócios do novo treinador, Leonardo Jardim. O Tiago Loureiro dizia o essencial numa só palavra: «Bem-vindo.»

Entrava Leonardo, saía Jesualdo. «Foi bonito, digno e boa imagem do nosso clube o anúncio da saída de Jesualdo. Bruno de Carvalho e Jesualdo Ferreira merecem os parabéns", anotava o José Manuel Barroso nesse dia 20 de Maio de 2013.

«Jesualdo Ferreira está de partida. Resta-nos agradecer. Ponto. Sem drama, nem novela pois já vivemos muito nestes últimos anos. Colocou a equipa a jogar melhor? Como é óbvio, depois da anedota Vercaurteren, só poderia ter colocado», observava por sua vez o Diogo Agostinho. Enquanto o Filipe Moura concluía: «Não foi por culpa de Jesualdo Ferreira que o Sporting fez a pior temporada da sua história e não se qualificou para as competições europeias.»

Nessa hora de viragem, também fiz o meu balanço. Nestes termos: «Queremos melhorar, a partir de agora. E vamos melhorar, tenho a certeza. Mas com os pés no chão. Sabendo que não há milagres. Como cantava o sportinguista Sérgio Godinho nos idos da revolução, "só quer a vida cheia quem teve a vida parada". Como quem diz: não gritem agora exigências que nem ousaram sussurrar no passado.»


comentar
16 Mai 14
As saídas limpas
Adelino Cunha

Não soa nada bem ouvir Leonardo Jardim dizer adeus no dia seguinte a ter dito que estava a cumprir o sonho de treinar o Sporting e que o projecto estava a meio. Não soa nada bem também porque trabalhou muito e muito bem. É claro: não soa nada bem porque tínhamos uma base de equipa com enorme potencial de crescimento. É cedo para dizer se é uma saída limpa. Não será um divórcio litigioso: se ficar claro que Leonardo Jardim saiu apenas à procura de melhores condições financeiras. Não haverá luta pela custódia das crianças: a não ser que o Mónaco se lembre, por exemplo, de pescar William Carvalho. Eu preferia que Leonardo Jardim ficasse. Eu preferia que o Sporting continuasse a investir num projecto humilde mas com enorme carácter. Foi o carácter Sporting que nos permitiu esta época extraordinária de recuperação. Eu preferia que Bruno de Carvalho não anunciasse candidaturas a títulos. Eu preferia a inteligência do jogo a jogo. Eu não sei nada.


comentar ver comentários (1)
15 Mai 14

Talvez se percebam agora melhor certas coisas, como, por exemplo, as exibições tipo pastelão dos últimos tempos: se Leonardo Jardim já estava na calha para sair há algum tempo (e o mais provável é que já estivesse, que isto não fosse coisa só de agora e que já circulasse no balneário), depois de se acreditar que ficaria por alguns anos, talvez lhe fosse difícil mobilizar os jogadores.

Talvez se percebam também as "diferença de discurso" entre presidente e treinador, i.e. assunção de candidatura ao título ou não. Sendo que Jardim parece ter razão aqui: não pode haver candidatura nem Champions decente com o que hoje existe.

Só espero que esta complicada novela da partida de Jardim se tenha devido a dureza negocial da direcção para: 1) vender Jardim caro; 2) obter meios para reforços de verdadeira qualidade para o ano (a própria venda de Jardim certamente ajudará, claro).

E pronto, lá vem mais uma época para começar com ansiedade, quando tudo parecia indicar o contrário.


comentar
14 Mai 14
Vou desligar a Internet.
Filipe Arede Nunes

Esta semana são só más notícias. Não esperava que Leonardo Jardim saísse do Sporting este ano. Tenho pena. Desde que treinou o Beira-Mar que acompanho o seu percurso e acho que é um enorme treinador. Este era um projecto que merecia continuidade!


comentar ver comentários (1)
13 Mai 14

Eu tenho gostado deste namoro com o Leonardo Jardim. Começámos a gostar dele como as mulheres gostam umas das outras: sem nenhuma expectativa. Mas as coisas foram amadurecendo. Aprendemos a ultrapassar as dificuldades em conjunto e a pensar nas conquistas que hão-de vir. Leonardo Jardim fez muito pelo Sporting. Passámos a gostar dele com entusiasmo. E começámos a fazer planos para o futuro: porque sentimos que podemos mais. Era isto, não era? Eu sei: parece conversa de paneleiros, mas começo a ficar irritado. Se o Leonardo Jardim tem um flirt com o Mónaco, nada a dizer, mas se querem viver juntos, vamos lá fazer as malas e acertar contas. Digo isto enquanto é tempo: as coisas tendem a degradar-se. Não vale a pena dizer que se é do Sporting desde pequeno, que se está no Sporting por tudo menos por dinheiro, que se vive no Sporting a primeira fase de um projecto maior. Se é para sair, é sair agora, enquanto ainda temos afecto. Leonardo Jardim ou está no Sporting ou não está no Sporting. Talvez é que não.


comentar ver comentários (6)
Quem se lembra na história recente do nosso Sporting de, chegados ao final da época, termos um treinador pretendido por clubes dispostos a pagar para o levar?

Quem se lembra de estar de plantão, a aguardar apenas a confirmação ou não da saída do actual treinador, aquele que é considerado a grande revelação das últimas duas épocas?

Qual foi a época, dos últimos dez anos (ou mesmo vinte), em que no final temos um clube organizado, estável e que mesmo que se dê a saída do treinador, sentimos que a casa não vai abaixo e lá teremos que começar um novo ciclo, com alteração de prioridades nas aquisições?

Eu não me lembro.


comentar ver comentários (1)
12 Mai 14

Vejo os meus confrades sportinguistas muito preocupados com os dois últimos jogos do campeonato. Eu não fiquei: o quê, valorizar o campeonato do Benfas esfalfando-nos até à última quando já nem o próprio Benfas se esfalfa? Era o que faltava. Desde que o 2º lugar ficou definido, jogaram para cumprir calendário e chega. Para o Estoril é que ganhar ao Sporting em Alvalade é como serem campeões.

 

Já fico mais preocupado é com as conversas sobre treinadores. Retiro já o que aqui disse sobre o Sporting não ter problemas existenciais. Esqueci-me momentaneamente que o Sporting continua a ser o Sporting... Não haverá maneira de nos livrarmos desta fama de cemitério de treinadores? À típica maneira sportinguista, vejo imensos sportinguistas a bufar com o Leonardo Jardim e a agradecerem-lhe que vá para o Mónaco. Eu não sei se eles estão bem a ver a coisa. O homem pegou no monte de farrapos que sobrou da trágica época passada e com meia-dúzia de tustos montou uma equipa que ainda podia ganhar o campeonato a três jornadas do fim, contra o Benfica mais milionário de sempre. A equipa era arranjadinha, estava tudo bastante bem encaixado mas, dadas as limitações, nunca deu para inventar. Não sei quantos treinadores seriam capazes de fazer o mesmo com a matéria-prima que havia. Por mim, a coisa resolvia-se facilmente para o ano: dar um bocado mais de dinheiro a Jardim (dentro do pouco que temos) e deixá-lo tentar montar uma equipa que fizesse umas gracinhas na Champions (passar a fase de grupos, por exemplo), andasse no topo do campeonato e lutasse pela Taça. Era preciso que ele quisesse, claro. Era preciso que a direcção quisesse...


comentar ver comentários (2)
09 Mai 14
Chegou o vazio
Diogo Agostinho

É extraordinário ler a sequência de notícias sobre Leonardo Jardim e a suposta vontade do Mónaco. Certo certo é que o nosso Leonardo está no mesmo patamar que o mestre da táctica. O resto é conversa e como o próprio hoje disse, tem mais um ano de contrato. E para o nosso Sporting será sempre bingo. Ficar com Leonardo Jardim será consolidar o projecto e continuar um trajecto que se quer em crescendo, mas se algum milionário se chegar à frente, pois que remédio e são 15 milhões se faz favor. 


comentar ver comentários (3)

comentar
08 Mai 14
Obrigado Leonardo!
Pedro Quartin Graça

Pelo bom futebol e, já agora, pela receita inesperada. E boa sorte no Mónaco. Bem-vindo Sr. S! Continuamos a apostar em treinadores nacionais.


comentar ver comentários (14)
05 Mai 14
Prémios merecidos
José da Xã

Na edição de hoje do diário desportivo “Record”, este jornal elege William Carvalho como sendo o melhor jogador da época 2013/2014. Mesmo faltando ainda uma jornada, o “nosso” médio ganhou vantagem em relação aos restantes atletas em competição. Também Leonardo Jardim se encontra muito bem colocado para ganhar o prémio de melhor treinador. Outro atleta leonino em destaque é Rui Patrício, que pode vir a ser considerado o melhor guarda-redes do campeonato. Tem no entanto o seu colega de posição Adriano, do Gil Vicente, com apenas um ponto de avanço. Tudo somado, temos que o Sporting não ganhou nenhum título, é certo, mas jogou muito bom futebol e mostrou como se gerem e valorizam os efectivos, nascidos e criados na Academia. Mais uma prova de como se pode fazer (muito) mais gastando (muito) menos.


comentar ver comentários (2)
30 Abr 14
Olha que bela notícia!
Edmundo Gonçalves

Segundo o jornal oficial do clube da Luz, Leonardo Jardim vai prolongar o contrato com o Sporting até 2017.

Ora bem! com coisas sérias, não se brinca!


comentar
19 Abr 14
Cumprir
Alexandre Poço

Objectivo da época cumprido, tal como já tinha antecipado aqui. Sem euforias, porque euforias só com títulos. Estamos de novo no nosso habitat, entre os "maiores da Europa". Grande época. Bruno de Carvalho e Leonardo Jardim merecem todos os louros. Cabeça fria, responsabilidade, gestão sólida e sustentabilidade a médio/longo-prazo. Os títulos chegarão. O trabalho está começado, é só continuar. Viva o Sporting Clube de Portugal! SEMPRE!


comentar ver comentários (2)
09 Abr 14

«Tal como há um ano sensivelmente, quando foi anunciada a sua contratação [de Leonardo Jardim] e me questionaram que expectativas é que eu tinha para esta época ainda em curso, e respondi que eram altas... pois as minhas expectativas para a próxima época são altas.»

Ayres Soares, neste meu texto


comentar
04 Mar 14

Somos a todo o momento assediados por lugares-comuns. Relativamente ao nosso clube, vou tomando nota de alguns. Um deles é este: "o Sporting tem um plantel curto".

A dado momento, o lugar-comum torna-se um axioma inquestionável. O problema é que a realidade se vai encarregando de contrariar esta pseudo-evidência. Porque apesar do "plantel curto", a verdade é que o Sporting prossegue isolado na segunda posição do campeonato, com mais quatro pontos do que o tricampeão FC Porto, equipa que dispõe de um plantel muito "longo". Há um ano, por esta altura, mais de 30 pontos separavam as duas equipas, com os Leões a afundarem-se na tabela classificativa. Isso apesar de termos então um plantel nada "curto".

Convém andarmos precavidos contra as falácias dos lugares-comuns.

 

{#emotions_dlg.meeting}

 

Como o Rui Cerdeira Branco já aqui assinalou, e muito bem, pela primeira vez em muitos anos o Sporting está a subir a ladeira enquanto outros aceleram ladeira abaixo. A leitura comparativa dos relatórios e contas das três principais agremiações desportivas portuguesas, referentes ao primeiro trimestre de 2014, não permite outra conclusão. Pela nossa parte, registo com agrado que o Sporting liderado pelo "péssimo gestor" (na opinião de alguns) Bruno de Carvalho inverteu a preocupante situação de há um ano, quando ainda estava em funções o "excelente gestor" (na opinião de alguns) Godinho Lopes. Em linguagem perceptível, passámos de 7,7 milhões de euros de prejuízo para 7,2 milhões de lucro. Enquanto o Benfica atingia os 9,2 milhões de euros em resultados negativos e o FC Porto - paradoxalmente com as contas a vermelho - via os prejuízos ascenderem a 12,4 milhões.

Dirão alguns cínicos que os bons resultados do Sporting se deveram essencialmente às transferências de Ilori e Bruma. Sem repararem que, com isso, estão a prestar a melhor homenagem ao talento negocial de Bruno de Carvalho.

 

{#emotions_dlg.meeting}

 

Não vale a pena perder muito tempo a discutir as convocatórias de Paulo Bento para o jogo "amigável" de amanhã contra os Camarões. Basta a ausência de Rui Patrício da lista dos seleccionados para se concluir que estamos muito longe de um ensaio geral para o Mundial do Brasil.

Mas convém ficarmos atentos ao critério do seleccionador. Não quero crer que Paulo Bento deixará de fora três dos jogadores portugueses que mais se têm destacado neste Sporting, equipa-revelação do campeonato nacional 2013/14. Refiro-me não só a William Carvalho, a quem o técnico já deu oportunidade de actuar no play off contra a Suécia (e William cumpriu, como todos esperávamos), mas também a Adrien e Cédric, que continuam ausentes das convocatórias.

Ninguém esqueceu ainda a escandalosa ausência de João Moutinho do Mundial da África do Sul, por razões que o seleccionador Carlos Queiroz saberá mas que a própria razão desconhece. 

{#emotions_dlg.meeting}

 

Os mesmos de sempre criticam Leonardo Jardim. São aqueles que no Sporting dão constantes provas de vida pela via da crítica permanente. O mais insólito é que criticam por vezes com maior vigor quem ganha do que quem perde.

Vale a pena comparar. Alguns dos que há um ano entoavam hossanas a Jesualdo Ferreira - que entretanto optou por trocar Alvalade pelo Braga, onde não foi feliz - enquanto o ex-treinador portista ia acumulando empates e derrotas são os mesmos que procuram desvalorizar cada vitória leonina com a equipa sob o comando do seu sucessor. Chegam a criticar o técnico madeirense por não "fazer a gestão" dos cartões amarelos (algo que já mereceu o meu aplauso a Leonardo Jardim) enquanto alertam que até ao fim do campeonato todos os jogos serão importantes e até mesmo decisivos.

Nem sequer reparam na flagrante contradição em que caem enquanto dizem e escrevem uma coisa e outra.

 

{#emotions_dlg.meeting}

 

E regresso ao tema do início: desde a época 2001/02, em que fomos campeões, nunca o Sporting tinha quatro pontos de vantagem sobre o FCP à 21ª jornada. Ninguém previa isto. Nunca como neste campeonato, no que toca ao Sporting, haverá tanta discrepância entre as previsões e os resultados. Anotei muito do que se disse antes do arranque da Liga 2013/14, pelos "especialistas" do costume, e vou-me divertindo ao revisitar esporadicamente esses prognósticos falhados. No final do campeonato tenciono partilhar convosco alguns destes recuerdos.

Para não ficar a sorrir sozinho...


comentar ver comentários (8)
03 Mar 14

1. Têm sido raras as vezes em que discordo de Leonardo Jardim. Mas não posso concordar com o que disse no final do jogo de sábado sobre Magrão. Recordo que Leonardo Jardim na conferência de imprensa disse que: Magrão, ao contrário das opiniões gerais, é um bom jogador e que sempre que foi chamado à equipa, correspondeu.

Infelizmente não posso, de todo, concordar com estas declarações. Apesar de compreender o seu alcance. Magrão significa, para mim, o tipo de jogadores que quero esquecer (e que num passado recente estiveram em força nos nossos plantéis), o tipo de jogadores que nada fizeram ou fazem para merecer vestir a camisola mais bonita do mundo. Ao contrário de Jardim, não acho que tenha qualidade nem sequer que tenha correspondido minimamente.

 

2. Apesar de não se ter dado relevância ao facto, na minha opinião, a entrada de Capel em campo foi decisiva para o desfecho do jogo de sábado contra o Braga. Permitiu ganhar posse de bola e verticalização, mas acima de tudo foi a entrada de Capel que fez com que Jorge Paixão sentisse necessidade de alterar a estrutura defensiva (Dabó já tinha amarelo e quando Capel entrou arrancou-lhe logo duas faltas), mudando Baiano para a direita e colocando Sasso, um defesa central, na lateral esquerda. Foi Sasso que cometeu o penalti sobre Mané, perdendo um lance interior. E foi o golo de penalti que lançou a equipa, porque até então nada perfilhava uma vitória leonina no jogo, antes pelo contrário.

 

3. Carrillo está a um pequeno passo de estabilizar num patamar acima do que tem demonstrado (para depois subir outro). Na primeira parte do jogo de sábado fez algo que raramente tinha feito. Ajudou sempre nos processos defensivos (evitou dois cruzamentos que poderiam levar perigo para a nossa baliza) e nos dois lances em que teve oportunidade de desequilibrar no ataque fez uma clara assistência de golo, infelizmente não concretizada. No segundo tempo desapareceu do jogo e quando teve oportunidade de desequilibrar decidiu mal. No dia em que conseguir ser consistente nos processos ofensivos (desequilíbrio e decisão) e defensivos ao longo de 65 minutos do jogo (com as suas capacidades não precisa de mais tempo em jogo) dará o salto. No sábado só lhe faltaram 20 minutos.


comentar ver comentários (6)
27 Fev 14

«Fico triste porque não é uma notícia de caráter desportivo. O pai do Mané está fora do país há mais de um ano e só agora é que se lembraram disto. Não terá qualquer influência no seu rendimento. Cresceu num bairro mas passou a viver na Academia. Soube ultrapassar as dificuldades do meio onde foi criado. Tornou-se um profissional sério, um exemplo. Não acredito que isto possa criar instabilidade nele.» O nosso mister


comentar
12 Fev 14
Começo de angústia...
Jose Manuel Barroso

Já me começam a preocupar duas coisas. Uma: as primeiras partes da nossa equipa. Outra: que Leonardo Jardim venha recorrentemente dizer que a culpa é dos jogadores. A primeira pequena coisa para um divórcio é o apontar público de dedo ao outro, em vez de se discutir em casa o que não está a correr bem. E eu nem quero ouvir falar em divórcio.


comentar ver comentários (1)
09 Fev 14
A luz fundida
Pedro Correia

 

As más condições de segurança no estádio que poderá servir de palco à final da Liga dos Campeões impediram Leonardo Jardim de potenciar o seu efeito surpresa para o confronto com o Benfica, agora adiado para terça-feira. Mas os sinais que o nosso treinador evidencia são excelentes, confirmando a sua garra: fazer alinhar Slimani, Montero e Heldon de início provocaria sinais de alarme à defensiva encarnada, prendendo também o meio-campo adversário em zonas mais recuadas. Jorge Jesus dispõe agora de 48 horas para adaptar o dispositivo táctico do SLB à ousadia leonina. Partindo do princípio de que o forro do estádio não continuará a chover sobre os espectadores.

Como os gauleses das histórias do Astérix, não tememos nada. Excepto que o céu nos caia em cima da cabeça. Ou as placas metálicas da cobertura de um estádio que não oferece condições de segurança aos seus adeptos, colocando-os em perigo iminente. Como hoje bem se viu.


comentar ver comentários (24)
07 Fev 14
Dier e mais dez!
Edmundo Gonçalves

Eu confesso que não sou muito adepto das qualidades de Eric Dier, mas é apenas um simples gosto pessoal, que não retira nada à enorme qualidade do nosso menino.

Leonardo já disse que ele está lá de pedra e cal e eu tenho cá pra mim que o "puto" vai dar conta do recado.

Vaticinei até que um dos nossos golos vai ter a sua assinatura e ele é bem capaz disso.

 

Esteve bem Jardim, neste particular.

Demonstra que vai "de peito feito" a casa do adversário e que relativiza a falta de W. Carvalho. E bem! demonstra que o que conta é o colectivo e que as individualidades, sendo preciosas, não se sobrepõem aos interesses da equipa.

 

Que diferença para a época passada, em que sabíamos que ia Patrício, o único em quem confiávamos, e depois iam mais dez "paus de sebo".


comentar
03 Fev 14

Lembro-me perfeitamente das declarações de Leonardo Jardim no final do jogo de Guimarães. Jogo esse que, como se devem recordar, ganhámos por 1-0 com um golo de Slimani nos instantes finais.

Nessa altura, Leonardo Jardim respondendo ao porquê de só ter colocado Slimani nos últimos minutos, disse algo semelhante com isto: efectuámos algumas alterações no modelo de jogo da equipa de maneira a prepará-la para a entrada de Slimani e consequentemente passar a jogar com dois avançados.

Relembro que Slimani foi a terceira substituição desse jogo, entrando para o lugar de André Martins apenas aos 83 minutos. E Leonardo Jardim quando se referiu à preparação da equipa não se referiu apenas à troca de jogadores que anteciparam a entrada de Slimani, mas sim à forma de jogar.

 

Ontem, Leonardo Jardim fez exactamente o contrário, não preparou a equipa para o 4-4-2, apenas o implementou retirando um médio e colocando em campo um avançado. Provavelmente cedendo à tentação da facilidade e dos bons resultados que normalmente tem tido a entrada do argelino.

Na minha opinião foi um erro. Wilson Eduardo e Mané são extremos que procuram muito o jogo interior, logo, a possibilidade de maximizar o 4-4-2 diminuem. Além disso, Mané, com todo o potencial que tem, ainda não está preparado para jogar de início em jogos com esta importância, que são completamente diferentes dos jogos para a Taça da Liga.

 

Mas esta questão leva-me a outra mais importante. A qualidade de jogo do Sporting em 4-4-2. E neste caso, provavelmente ao contrário de muitos leitores, considero que sempre que passamos para o 4-4-2 perdemos imensa qualidade de jogo. Pode resultar nalguns casos, como já resultou, mas a probabilidade de manter qualidade de jogo em 4-3-3 é muito maior que em 4-4-2. Mesmo com a devida preparação que ontem não aconteceu. Porque o 4-3-3 é o sistema mais rotinado, porque é o sistema em que encaixam melhor as características dos jogadores do plantel, mas acima de tudo porque a posição mais fraca do plantel neste momento, não contando com os reforços para esta análise, é a de extremo. O que se pede a um extremo em 4-4-2 é completamente diferente do que se pede em 4-3-3 e os extremos do Sporting, exceptuando Carrillo pela sua capacidade de explosão, têm muita dificuldade em actuar em 4-4-2, por várias razões, desde cruzarem mal, até à (falta de) capacidade técnica. Provavelmente terá sido este último o motivo da entrada de Mané no onze inicial.

                             

Posto isto, há duas formas óbvias de Slimani entrar em jogo (quando começa como suplente): 1) em 4-3-3 substituindo Montero; 2) em 4-4-2 jogando com Montero nas suas costas.

 

Leonardo Jardim, na maioria das vezes, tem optado pela segunda opção. Ontem fê-lo novamente. Slimani ainda teve uma oportunidade flagrante de golo, mas nada mais do isso. O impacto não foi o esperado, e não o foi porque a equipa não estava convenientemente preparada para a sua entrada e porque a qualidade de jogo em 4-4-2 é muito inferior à do 4-3-3. Não tem que ver com Slimani directamente, até porque gostava de o ver jogar de início em 4-3-3 para o campeonato.


comentar ver comentários (9)

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Parabéns (1)

Parte da solução ou parte...

Jogo(s) de loucos

Também nisto vão atrás de...

Leonardo Jardim soma e se...

2014 em balanço (6)

Palavras sensatas de Leon...

Jogar como um grande

Parabéns, Leonardo Jardim

O próximo seleccionador n...

Facebook
És a Nossa Fé no Facebook
Twitter
És a Nossa Fé no Twitter
Arquivo

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

comentários

memória

selecção

bruno de carvalho

leoas

prognósticos

jorge jesus

balanço

há um ano

slb

vitórias

campeonato

benfica

jogadores

eleições

rescaldo

arbitragem

mundial 2014

taça de portugal

nós

liga europa

ler os outros

godinho lopes

golos

clássicos

futebol

árbitros

euro 2016

comentadores

cristiano ronaldo

scp

humor

análise

crise

formação

chavões

liga dos campeões

derrotas

william carvalho

todas as tags

Mais comentados
68 comentários
25 comentários
24 comentários
16 comentários
14 comentários
13 comentários
13 comentários
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds