19 Mar 17
O dia seguinte
Pedro Correia

António Bernardino, Record: «O Sporting cumpriu a missão de vencer o Nacional (2-0), somando o quinto triunfo nos últimos seis jogos (tem um empate pelo meio), naquela que passou a ser a melhor série de resultados na época, e ao mesmo tempo conseguiu conciliar o objectivo de "empurrar" Bas Dost para o topo dos goleadores europeus. Com o bis de ontem, o internacional holandês aumentou para 24 os golos no campeonato, 151 em toda a carreira a nível de clubes, e ainda se colocou à frente de Messi na luta pelo prémio de goleador europeu.»

 

Hugo Forte, A Bola: «Faltam agora oito jornadas para o campeonato terminar e a época do leão - não é novidade - está feita. Os dois primeiros lugares são de dificílimo acesso, do terceiro também já não deverá sair e está fora das competições a eliminar. Nesta perspectiva, resta a Jorge Jesus começar a lançar bases para a próxima temporada e, ainda olhando para 2016/17, tentar que Bas Dost consiga a Bota de Prata de melhor marcador nacional e, quiçá, a Bota de Ouro, que premeia o melhor goleador europeu.»

 

Mário Duarte, O Jogo: «Era um jogo em fase adiantada de estação, com uma equipa já sem quase nada para ganhar e outra a procurar evitar perder tudo. O Sporting não foi, contudo, a equipa alegre e entusiasmante perspectivada de véspera por Jorge Jesus, no sentido de recompensar os adeptos pelo apoio incansável prestado a um conjunto longe dos lugares de conquista com que se partira em Alvalade para esta época - ontem foram anunciados 43.167 espectadores nas bancadas -, mas cumpriu o mínimo exigível  e levou de vencida um Nacional batalhador, abnegado, sempre na luta, com os argumentos possíveis e brindou os adeptos com um triunfo incontestável, apesar da réplica dos insulares.»

Dos jornais de hoje


comentar ver comentários (8)
12 Mar 17
O dia seguinte
Pedro Correia

Filipe Alexandre Dias, O Jogo: «De Bas Dost a Podence vão... 34 centímetros de diferença mas foi muito por obra e graça de dupla tão díspar nas alturas que o Sporting voltou às vitórias e deixou o Tondela em embaraços maiores para se arrancar do cada vez mais espesso lodaçal da descida. O póquer do gigante holandês, que lhe reforça a liderança da artilharia da Liga, até se poderia ter construído mais cedo com as ofertas do 56 de estatura meã, mas nem a terceira grande penalidade falhada pelo aríete ao cair do pano lhe deslustrou a exibição a quatro golos, dois de castigo máximo. O Sporting pode ter achado finalmente uma dupla ofensiva tão improvável quanto profícua. Gelson e Matheus fizeram bem a sua parte, vale dizer.»

 

João Pimpim, A Bola: «Bas Dost foi gigante. Muito maior que os quase dois metros da sua altura. Foi een echte leeuw! Ou, traduzindo para português: um verdadeiro leão! Mas, mesmo tendo marcado os quatro golos da vitória, a verdade é que não reinou sozinho na selva do interior beirão. A seu lado, como fiel escudeiro, esteve um menino, 31 centímetros mais baixo do que ele, e que responde pelo nome de Podence, ou Daniel, como a ele se refere Jorge Jesus.»

 

Rui Dias, Record: «Foi um Sporting competente, que resistiu à desinspiração e soube esperar pela sua hora, aquele que venceu tranquilamente em Tondela, um jogo no qual, em boa verdade, foi sempre superior. Mesmo quando não jogou bem. Os leões souberam ainda tirar todo o partido das contingências favoráveis que o duelo lhes proporcionou.»

 

Dos jornais de hoje


comentar
05 Dez 16
O dia seguinte
Pedro Correia

José Carlos Freitas, Record: «O que fica, na perspectiva do emblema leonino, é um sinal claro para o Benfica - em Alvalade respira-se confiança porque a equipa está a jogar bem, tem soluções para os problemas e confirma-se como forte candidata ao título.»

 

João Pimpim, A Bola: «Insaciável, o leão manteve o pé no acelerador, devorando tudo e todos pelo caminho, não dando qualquer chance ao adversário de construir um lance com princípio, meio e fim - e muitas foram as vezes em que se ficou simplesmente pelo princípio. estava faminto o rei da selva, uma vontade imensa que, naturalmente, não se pode dissociar da surpreendente derrota do Benfica na noite anterior.»

 

Rui Miguel Gomes, O Jogo: «William consumou a gula da noite após o aviso de Bas Dost. O colectivo mostrava-se agressivo sobre o portador da bola, Adrien pressionava, Gelson e Bruno César desmultiplicavam-se entre acções verticais no corredor e momentos de superioridade numérica no processo de recuperação junto à dupla do miolo e o V. Setúbal asfixiava. O engano de Bruno César - um faz-tudo recuperado em Alvalade - a Bruno Varela, em livre cobrado com excelência, foi a materialização individual de um domínio colectivo que chegou a ter jogadas de envolvimento capazes de conferir confiança aos mais cépticos.»

 

Dos jornais de ontem


comentar ver comentários (9)
29 Nov 16
O dia seguinte
Pedro Correia

Bernardo Ribeiro, Record: «O talento de Gelson parece ser, nesta altura, infindável. O naipe de soluções que o jovem dá ao ataque é invejável. Mas a verdade é que na primeira parte houve mais do que isso. William e Adrien dominaram a zona central sem problemas, tendo até a ajuda de Bruno César, que deixava as correrias na esquerda para Zeegelaar - bom jogo do lateral - e ajudava no jogo interior, onde o Sporting dominava a seu bel-prazer.»

 

Filipe Alexandre Dias, O Jogo: «O Sporting arrancou um triunfo que sempre lhe é saboroso no Bessa, num desafio em larga parte por si dominado, mas no qual o Boavista sempre esteve vivo, dando prova disso no final, com os leões reduzidos a dez e a queimarem tempo para saírem vivos. (...) O leão ganhou bem, mas com futebol para não sofrer tanto.»

 

Nuno Raposo, A Bola: «Ciente da sua superioridade, ciente das limitações adversárias, também, o Sporting, ainda com ritmo Champions, lançou-se no ataque, que durante a primeira parte chegou a ser um assombro de qualidade. Expoente máximo disso foram três minutos, o 23, o 24 e o 25, com Gelson e Adrien a ensaiarem primeiro o que Bas Dost concretizou depois no golo que, solitário, daria a vitória aos leões - antes já atirara uma bola ao poste.»

 

Dos jornais de anteontem


comentar ver comentários (58)
23 Nov 16
O dia seguinte
Pedro Correia

 

Rogério Azevedo, A Bola: «O Sporting fecha 180 minutos com o campeão da Europa sem que, globalmente, tenha sido inferior. A não ser, claro, no detalhe com que se ganham jogos: remates e golos. Só aí os fadistas portugueses foram inferiores aos tenores do Real Madrid. E volte a registar-se a intensa ousadia de o Sporting continuar a querer ganhar ao campeão da Europa mesmo após a expulsão de João Pereira.»

 

Rui Miguel Gomes, O Jogo: «Um adeus feito de bravura e abnegação deram os comandados de Jorge Jesus à Liga dos Campeões, caindo em casa perante o actual campeão europeu, que, mesmo em superioridade numérica, consentiu o empate e viu-se em trabalhos para manter viva a pretensão de terminar no primeiro lugar do Grupo F.»

 


comentar ver comentários (17)
09 Nov 16
O dia seguinte
Pedro Correia

António Bernardino, Record: «Para uma equipa que vinha de três jogos seguidos sem vencer, no campeonato, que ainda não tinha ganho após os compromissos da Champions e que sabia que FC Porto e Benfica haviam empatado no Dragão, o regresso de Adrien foi uma espécie de catalisador.»

 

Rogério Azevedo, A Bola: «O Sporting não fez exibição brilhante, mas teve momentos muito bons. Ganhou por 3-0 e podia ter vencido (pelo menos) por 4-0, pois Adrien falhou uma grande penalidade. Fica a ideia de que este Sporting andará perto do ideal: sem Markovic e com Ruiz mais na frente e com Campbel a dar profundidade. E, claro, com Adrien: o cérebro.»

 

Rui Miguel Gomes, O Jogo: «O ego leonino cresceu, a confiança também, os sectores surgiram próximos, Campbell apareceu no jogo, Adrien ligava-o e Bas Dost sentiu-se bem como referência.»

 

Dos jornais de segunda-feira, 7 de Novembro


comentar ver comentários (10)
23 Out 16
O dia seguinte
Pedro Correia

António Varela, Record: «Três jogos a seguir a jornadas da Liga dos Campeões e sete pontos perdidos pelo Sporting no campeonato nacional. Jorge Jesus continua sem descobrir o remédio para atacar o vírus que lhe vai minando a equipa e ontem acabou definitivamente com o clima de lua-de-mel que se vivia entre ele os adeptos desde que Bruno de Carvalho o resgatou ao Benfica.»

 

João Pimpim, A Bola: «O pouco que houve aconteceu, basicamente, nos pés de Gelson que, aqui e ali, conseguiu soltar os seus pozinhos de magia, a sua classe e virtudes, fazendo a diferença - e que abissal foi essa diferença, uma vez mais, para os restantes companheiros, a par do que já sucedera na derrota com o Dortmund. Pois... Gelson não merecia um final assim.»

 

Mário Duarte, O Jogo: «O Sporting não conseguiu mandar no jogo porque o Tondela não deixou e os beirões iam equililbrando as operações tanto quanto os leões lhes permitiam. Elias nunca conseguiu pegar e armar jogo e a coordenação com William não resultava, sucedendo-se as perdas de bola e passes transviados; o entendimento de Marvin com os companheiros também resultava pouco menos que impraticável, tendo que ser dobrado várias vezes por William, Rúben Semedo ou Coates.»


comentar ver comentários (2)
24 Set 16
O dia seguinte
Pedro Correia

Mário Duarte, O Jogo: «O Sporting chegou à vantagem com naturalidade, na sequência dos atributos técnicos dos seus jogadores em manobra interpretada por Gelson - arranca pela direita e tira o cruzamento calibrado ao segundo poste - e Bas Dost antecipa-se a Lucas Farias e faz o golo de cabeça em gesto técnico perfeito -, porventura duas das figuras em maior destaque nesta fase da época entre os leões: um pela sua explosão, o outro pela eficácia demonstrada desde a chegada à equipa.»

 

Rogério Azevedo, A Bola: «Se esquecêssemos as balizas, o futebol verde-e-branco chegou a ter pormenores deliciosos. Porém, era quase tudo fora da área. Muitas trocas de bola que encantavam os adeptos, mas bastante dificuldade para entrar na área. Até que Bryan Ruiz descobriu Gelson na direita e este, depois de receber a bola e olhar para a área, descobriu a cabeça de Bas Dost. Não era, aliás, difícil: o holandês era o mais alto da área. E, sendo o mais alto, foi-lhe relativamente simples colocar a bola no fundo da baliza de Moreira. Se já não há Slimani, parecia passar a haver Bas Dost. Muito Bas Dost, sejamos ainda mais objectivos.»

 

Sérgio Krithinas, Record: «Foi com as feridas abertas por duas derrotas bem dolorosas, cada uma à sua maneira, que o leão voltou a casa. À sua espera, o apoio de mais de 40 mil pessoas, compreensivas e carinhosas, mesmo aquilo que se pretende depois de um mau dia no trabalho. E o leão agradeceu, sacudindo os fantasmas antes mesmo de eles poderem aparecer, vencendo o Estoril de forma clara, numa demonstração de força que não deve ser subestimada pelos rivais.»


comentar ver comentários (4)
19 Set 16
O dia seguinte
Pedro Correia

Paulo Alves, A Bola: «13 é o número do azar mas o Sporting apenas se pode queixar de si mesmo para o tropeção com estrondo que ontem deu em Vila do Conde. 13 foi o número de jogos que o leão esteve sem conhecer o sabor da derrota na Liga: ontem não conseguiu passar em casa do Rio Ave, foi surpreendido e totalmente dominado na primeira parte por uma equipa desinibida e ciente do que pretendia fazer.»

 

Pedro Rocha, O Jogo: «O Sporting abanou e, num ápice, encaixou três golos, abrindo caminho para uma vitória incontestável dos vilacondenses. Evaporavam-se assim os elogios granjeados na última partida da Liga dos Campeões e a tal possibilidade de repetir um início de campeonato tão bom como em 1993/94, sob o comando de Bobby Robson, com cinco vitórias seguidas.»

 

Rui Dias, Record: «Nada fazia prever o que ontem sucedeu em Vila do Conde, onde o Sporting sucumbiu com estrondo numa fase em que a penosa derrota em Madrid estava a ser aproveitada como exemplo da qualidade do futebol exibido. Quatro dias depois de colocar em xeque o campeão da Europa, a equipa de Jorge Jesus sofreu um KO impensável frente ao Rio Ave, que não precisou de um milagre para operar a grande surpresa.»


comentar ver comentários (4)
11 Set 16
O dia seguinte
Pedro Correia

António Varela, Record: «Quatro jogos, quatro vitórias. Um golo sofrido. Doze pontos. Há 22 anos que o Sporting não conseguia uma série vitoriosa assim a abrir a época. Ontem a vítima do líder da Liga foi o Moreirense, mas a nota artística que Jorge Jesus gosta de conjugar com os resultados volumosos foi adiada.»

 

Mário Duarte, O Jogo: «Campbell furou várias vezes pela esquerda, Dost lutou como ainda não se vira, William "secou" o meio-campo, Alan Ruiz foi mostrando, a espaços - como o lance do segundo golo -, pormenores de grande nível. Bas Dost marcou na estreia (3-0), Campbell estreou-se a marcar (2-0) e o Sporting segue imparável na frente do campeonato, com todos os pontos conquistados (12).»

 

Nelson Feiteirona, A Bola: «Desde cedo se percebeu que este era um jogo que dificilmente o Sporting poderia perder, porque também desde os primeiros minutos assumiu claramente o domínio e a intenção de o vencer.»


comentar ver comentários (6)
29 Ago 16
O dia seguinte
Pedro Correia

Bernardo Ribeiro, Record: «Longe de ter sido uma grande partida de futebol, o confronto de Alvalade mostrou duas equipas com ideias de jogo muito diferentes, casos bem decididos e o triunfo do melhor conjunto, ainda que para isso tenha tido de saber sofrer até ao fim. As lágrimas de Slimani, decisivo mesmo de saída, foram o bónus para os adeptos leoninos.»

 

João Sanches, O Jogo: «Antes desse tiro [de Gelson, a marcar o segundo golo] já os verdes e brancos tinham mão na partida, porque o "cérebro" William, atrás, com liberdades concedidas pelo miolo contrário, teve espaço e tempo para pôr a equipa a carburar, combinando rápido no meio e forçando pelos flancos. E assim prosseguiria o homem que virou o tabuleiro, juntando a isso inúmeras recuperações e até incursões na área azul e branca. Se o mercado estava a vê-lo, cuidado...»

 

José Manuel Delgado, A Bola: «O Sporting apresentou-se contra o FC Porto fortíssimo, mandou quase sempre na partida e promete a solidez que lhe faltou na época passada, comprometendo as ambições da equipa. E ainda deve ser trazida aqui à colação a fantástica dinâmica que existe em Alvalade entre a equipa e os adeptos. O estádio do Sporting está transformado num vulcão, onde os adversários sentem o calor da paixão leonina. Um caso muito sério.»


comentar ver comentários (2)
21 Ago 16
O dia seguinte
Pedro Correia

Rafael Toucedo, O Jogo: «O Sporting voltou a apresentar-se com a identidade da época anterior, o que significa ter elevada eficácia defensiva (na época 2015/16 os verdes e brancos terminaram como a melhor defesa da Liga). Em dois jogos na presente edição da prova o Sporting ainda não encaixou qualquer golo, tranquilizando os adeptos que sofreram ao ver o deficitário registo dos jogos de pré-temporada...»

 

Ricardo Quaresma, A Bola: «O Sporting ganhou por um, podia ter conseguido vantagem maior, mas mais golo menos golo o importante eram mesmo os três pontos. E a bem da verdade o Sporting fez mais do que o suficiente para merecê-los.»

 

Vítor Almeida Gonçalves, Record: «A equipa já exibiu algo que o treinador considera essencial para a construção de um colectivo forte e que é a solidez defensiva, assente em rigor táctico e organização. Aspectos que poderiam resumir-se na exibição de Coates, providencial no corte sobre Cícero que garantiu os três pontos, a dois minutos do fim. Com Coates, Semedo e William Carvalho a unir as pontas soltas, o corredor central do Sporting está já muito próximo da qualidade com que terminou a última temporada.»


comentar ver comentários (2)
14 Ago 16
O dia seguinte
Pedro Correia

Mário Duarte, O Jogo: «A equipa comandada por Jorge Jesus dominou por completo a partida, sendo quase esmagadora na segunda parte. (...) A pressão alta imposta por Adrien e o sentido posicional de William e dos centrais leoninos esbatiam todas as iniciativas de Fransérgio e seus pares. A segunda parte foi 'toda' do Sporting.»

 

Rogério Azevedo, A Bola: «A entrada do Sporting na segunda parte foi arrasadora. Sobretudo por força dos desequilíbrios criados por Gelson e pela capacidade agregadora de Adrien. (...) Era, nesta fase, jogo de um sentido só: o da baliza de Gottardi. E tantas vezes a bola andou a namorar as redes do Marítimo que entrou. E justamente.»

 

Rui Dias, Record: «O Sporting começou a época emitindo os sinais esperados: será um grande protagonista da época. (...) Na segunda parte, a exibição leonina atingiu, por fim, níveis de excelência. Mal chegou ao 2-0, a equipa afastou os temores e iniciou um processo de crescimento que a levou a momentos de exuberância.»

 


comentar ver comentários (12)

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

O dia seguinte

O dia seguinte

O dia seguinte

O dia seguinte

O dia seguinte

O dia seguinte

O dia seguinte

O dia seguinte

O dia seguinte

O dia seguinte

Arquivo

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

comentários

memória

bruno de carvalho

selecção

leoas

prognósticos

jorge jesus

vitórias

balanço

há um ano

slb

campeonato

arbitragem

benfica

rescaldo

jogadores

eleições

mundial 2014

taça de portugal

liga europa

godinho lopes

ler os outros

nós

golos

clássicos

árbitros

futebol

euro 2016

comentadores

crise

marco silva

cristiano ronaldo

scp

análise

humor

formação

chavões

liga dos campeões

slimani

todas as tags

Mais comentados
58 comentários
17 comentários
12 comentários
10 comentários
9 comentários
8 comentários
6 comentários
4 comentários
4 comentários
2 comentários
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds