08 Fev 17
Noutros lugares, outra normalidade
José Navarro de Andrade

Jose Mourinho blames Manchester United players for derby defeat: "They didn't give me what I want" Mourinho was left furious with the first half performance, which saw his United team fall two goals behind after defensive errors. Ronaldo: Players to blame not Ancelotti.


comentar ver comentários (3)
10 Jan 17

 

Foram estes os termos que me vieram à cabeça quando soube como votou Carlos Queiroz: Messi em vez de Cristiano Ronaldo como melhor jogador do ano, Fernando Santos fora do pódio dos melhores treinadores do mundo.

Um gesto destes define muito bem um cidadão, seja ou não profissional do futebol. Mais que cem imagens, mais que mil palavras.

 

Adenda:justificação de Queiroz.


comentar ver comentários (37)
13 Dez 16

cristiano-ronaldo-portugal-denmark-2016-euro-quali

 

Pela quinta vez, um jogador formado pelo Sporting recebe a Bola de Ouro, troféu que premeia o melhor jogador internacional do ano. Uma distinção mais que justa para Cristiano Ronaldo, cinco meses após se ter sagrado campeão da Europa ao serviço da selecção nacional e seis meses depois de ter contribuído para a vitória do Real Madrid na Liga dos Campeões.

Ronaldo vence pela quarta vez a Bola de Ouro (2008, 2013, 2014, 2016), também atribuída a Luís Figo (em 2000). Motivos de sobra para todos os sportinguistas sentirem orgulho. Motivos de sobra para todos os desportistas sentirem o mesmo, independentemente da sua cor clubística. Motivos de sobra para cada português perceber até que ponto devemos todos ao Sporting grande parte do prestígio de que goza o futebol nacional a nível planetário.

Muitos parabéns, Cristiano. Mereces um forte, sincero e vibrante aplauso de todos nós. 

 

ADENDA: Nesta votação, destaque também para Rui Patrício, que ficou em 12.º, entre os 30 jogadores pré-seleccionados. O guarda-redes do Sporting, igualmente bastião da selecção nacional, só foi ultrapassado por outro jogador na sua posição: o italiano Buffon, que ficou em 9.º lugar. E ficou à frente de craques como Iniesta, Higuaín, Agüero, Koke, Godín, Kroos, Neuer, Lloris, Payet e Modric.


comentar ver comentários (32)
22 Nov 16
Homenagem à Lisboa de Ronaldo
Francisco Chaveiro Reis

sem nome.png

 

Clique na imagem para ver o vídeo. Password: cr7. 


comentar
13 Nov 16

«O Sporting, a sua academia, e Aurélio Pereira produziram o melhor jogador de futebol de sempre (com licença do grande Eusébio)! Cristiano Ronaldo pode sempre voltar e merece uma estátua à porta do estádio. Sporting Sempre!»

Luís Lisboa, neste meu texto


comentar ver comentários (16)
11 Nov 16

CXUokZ6WcAAal5S[1].jpg

 

Tu vais regressar, Cristiano. Mesmo que seja aos 41 anos, voltaremos a aplaudir-te de pé em Alvalade. Sempre Leão, seja com que idade for.


comentar ver comentários (20)
07 Nov 16

comentar ver comentários (34)
17 Set 16

Li com atenção, com respeito mas não com concordância este post do José Navarro de Andrade e este do Francisco Chaveiro Reisum jogador como Cristiano Ronaldo tem de se comportar, profissionalmente, em todas as situações do jogo.

Nós, nas nossas profissões, não nos atiramos para o chão para daí retirarmos vantagem, pois não?

Nunca gostei da expressão "cavar faltas" gosto muito mais da expressão "jogar limpo" e por muito que isso custe a admitir a alguns sportinguistas, Ronaldo por vezes, muitas vezes, na minha opinião, tem atitudes à Gonçalo Guedes.

Deixemos as manhosices futebolísticas para quem está habituado a vencer assim.

Termino com um conselho para Cristiano Ronaldo, joga à bola, pá, deixa-te disto!


comentar ver comentários (21)
15 Set 16

14355670_2113103388913988_2883281382596130332_n.jp

Ronaldo foi empurrado para fora do Sporting

Ronaldo foi assobiado pelos adeptos do Sporting ontem e sempre

Ronaldo festejou efusivamente o golo marcado ao Sporting

Ronaldo fez declarações que visavam prejudicar o Sporting

Ronaldo mostrou-se distanciado dos jogadores do Sporting

Ronaldo mostrou falta de respeito pelo presidente do Sporting


comentar ver comentários (16)
Qual é a dúvida?
José Navarro de Andrade

img_FanaticaBig$2016_09_14_22_34_12_1157149.jpg

 


comentar ver comentários (5)
14 Set 16
First things first
Edmundo Gonçalves

Estou aqui que nem posso.

Eu quero lá saber dos ordenados do outro.

Eu quero é que cheguem as dezanove e quarenta e cinco minutos.

Eu quero é ver os nossos baterem-se que nem Leões no Bernabéu.

 

E nunca desejei tanto que por noventa minutos um jogador tivesse uma das três doenças...


comentar ver comentários (2)
12 Set 16
Sonhar não custa
Diogo Agostinho

8-Cristiano-Ronaldo-no-Sporting.jpg

 

O Presidente Bruno de Carvalho aponta o regresso do nosso Sócio 100.000. Gosto da ambição e da vontade. Um Sócio deste gabarito tem sempre lugar no seu clube do coração.


comentar ver comentários (1)
25 Ago 16

14040029_10153695766971555_2311621460405491345_n.p

Parece que ninguém acertou na previsão. Foi um sorteio à Sporting. Sem a sorte dos nossos rivais, mas nada é impossível, estamos cá sempre para lutar e certamente vamos dar uma óptima réplica.

Vai ser bonito ver o melhor jogador português de todos os tempos regressar à casa que o formou. Venham de lá esses jogos.


comentar ver comentários (14)
19 Jul 16

13697014_1138104886246250_1105509604169442165_n.jp

 

Andei aqui muito caladinha, muito distraída com o euro e umas coisinhas mais, mas tropecei agora mesmo nesta capa e queria só dizer que o Ronaldo é O MELHOR JOGADOR PORTUGUÊS DE SEMPRE! Custa muito a uns e a outros, eu sei, mas é preciso ter total falta de noção e ser-se muito pouco inteligente para não perceber que este é o pior momento para mostrar tamanha pequenez. Porque os factos falam por si. Os troféus, as conquistas, as vitórias, a persistência, a dedicação, as lágrimas (sim, também), a entrega, a vontade. 

Esforço, dedicação, devoção e glória. Sempre!

Ah e tal, porque no meu tempo só podia comprar um carro por ano e agora eles podem comprar casas todos os dias! Ah e tal, porque nem o Maradona fazia isto! Haja paciência, que a mim me falta. Que gentinha, pá!


comentar ver comentários (35)
11 Jul 16

Em 2004 choraste, e eu, que nunca chorei com a selecção, tive vontade de chorar contigo. "É tão menininho..." pensava, dizia. Nunca te deixei, segui-te sempre, quis saber sempre mais, ver mais. Saber onde podias chegar. Ano após ano.

IMG_20160711_221650.jpg

Ontem, quando te vi no chão e depois em lágrimas, pensei "não chores. Não chores, que também choro". Voltaste, porque és o maior e não desistes à primeira, não desististe em 12 anos, nunca viraste a cara a tanta ingratidão que se viu e ouviu, não sei quantos teriam essa capacidade, mas tu tens.

Não deu para continuares, e vieram as lágrimas novamente. Porque vives para todos os jogos, mas aqui entre nós, uma final é uma final, e detestas não estar presente.

Depois o momento de um verdadeiro capitão. E deixa-me dizer já aqui que muitas vezes eu disse: "ser capitão é uma pressão de que ele não precisa", e hoje sei por que nunca deixaste de o ser. Cresceste, amadureceste, sabes ser capitão nos momentos cruciais. Quem me conhece sabe como gosto do capitão da Itália e - detesto admitir isto - vê-lo de costas nos penalties dos colegas, quando se apregoavam um grupo unido, custou-me. Podem ser superstições, crendices, pode ter sido para não dar um grito ao Zaza, mas esse gesto ficou-me. No prolongamento vieste dar ânimo a todos, dentro e fora de campo. Abraços, gritos ou sussurros, o capitão estava ali com eles. O mimado, o birrento (atenção, adoro essas pequenas birras), estava ali a dar de si aos restantes.

Mais lágrimas no golo do Éder. És maravilhoso quando choras de alegria. És o maior, o melhor do mundo mesmo a chorar,quero lá saber. Chorei contigo antes, chorei contigo agora.

Quando levantaste a taça, senti as lágrimas chegarem. Talvez por tudo o que ouvi e li de 2004 para cá, em cada europeu e mundial, sempre a mesma conversa, sempre os mesmos argumentos idiotas e ressabiados. Ou talvez me tenha voltado simplesmente a emocionar com Portugal.

Doze anos, esperei 12 anos para te ver ali, assim. E vi. És o maior, meu  ric'menine.


comentar ver comentários (3)
09 Jul 16

comentar ver comentários (10)
07 Jul 16
Pergunta com 12 anos
Francisco Melo

ronaldo-fernando-santos.jpg

Como teria sido a carreira de Fernando Santos no Sporting se Ronaldo tivesse permanecido no plantel?

Para ajudar: na época 2003/2004, o Sporting terminou em 3º a 1 ponto do Benfica e a 9 do Porto.


comentar ver comentários (3)
06 Jul 16

Numa lendária final da NBA faltavam 7 segundos para acabar o jogo e o treinador dos Celtics pediu "time out". Só havia tempo para uma jogada, se os Celtics marcassem eram campeões, se não, perdiam o jogo e o campeonato. O treinador começou a dar a táctica para a jogada final mas Larry Bird disse: "não há cá esquemas, passem-me a bola que eu marco." No regresso à quadra Bird avisou o adversário que o marcava: "vou receber a bola e encestar." Passaram-lhe a bola, ele encestou e foi campeão.

O Larry Bird que se foda, como agora se diz, isto é Cristiano Ronaldo.


comentar ver comentários (3)

euro_2016_logo_detail[1].jpg

6 de Julho de 2016: pela segunda vez na história do futebol português, a selecção nacional ganha o acesso à final de um Campeonato da Europa. Uma conquista com todo o mérito naquele que foi o melhor dos nossos jogos neste certame, com uma vitória sem contestação frente ao País de Gales - selecção que vinha causando sensação, sobretudo desde que afastou a forte Bélgica nos quartos-de-final.

Portugal dominou em duas partes diferentes. Prioridade ao rigor defensivo nos primeiros 45 minutos, acautelando todas as vias de acesso à nossa baliza pelas faixas laterais, com controlo absoluto do centro do terreno. No segundo tempo o nosso domínio foi ainda mais evidente, sobretudo a partir do golo inicial, construído com um cruzamento perfeito de Raphael Guerreiro e concluído da melhor maneira com um cabeceamento fortíssimo de Cristiano Ronaldo, numa impulsão que deixou os centrais galeses no andar de baixo. Um golo excepcional.

Gareth Bale bem tentava remar contra a maré, mas teve de actuar sempre em zonas muito recuadas porque o tampão defensivo português nunca deixou de funcionar - contido, seguro e sólido. Joe Allen, muito pressionado por Adrien e logo condicionado por um cartão amarelo aos 7', foi uma sombra do que tem sido noutros desafios. Raras vezes o País de Gales chegou à nossa baliza. E quando o fez, sempre através de Bale, encontrou um Rui Patrício irrepreensível, confirmando ser um dos melhores guarda-redes europeus.

Atordoados pelo primeiro golo, aos 50', os galeses - em estreia num Campeonato da Europa - ficaram ainda mais abalados com o segundo, três minutos depois. Também com intervenção directa de Ronaldo, que recuperou e rematou, cabendo a Nani corrigir a rota da bola com precisão milimétrica.

Foram dois, mas podiam ter sido mais. Desde logo se o árbitro sueco tivesse assinalado uma grande penalidade claríssima cometida sobre Cristiano Ronaldo logo aos 10', com Collins a agarrá-lo dentro da área. Pela terceira vez somos prejudicados em lances deste género, após derrubes de Nani no jogo contra a Croácia e de Ronaldo no embate com a Polónia. Parece que os árbitros estão proibidos de apontar grandes penalidades a nosso favor.

No início eram 24 selecções, restam três neste Europeu. Ultrapassámos seis neste percurso até à final: Islândia, Áustria, Hungria, Croácia, Polónia e País de Gales. Falta saber quem será o último adversário, aquele que defrontaremos no próximo domingo em Paris. Alemanha ou França? Amanhã saberemos. Agora é tempo de festejar. Estes jogadores e este seleccionador que formam um grupo muito unido e com enorme força mental merecem que festejemos com eles.

 

Portugal, 2 - País de Gales, 0

.................................................

 

Os jogadores portugueses, um a um:

 

Rui Patrício - Revelou a segurança que sempre tem evidenciado neste Campeonato da Europa. Sem falhas nem grandes sobressaltos. Foi intransponível perante Bale: travou um bom remate do melhor jogador galês aos 77' e três minutos depois fez a defesa da noite ao defender um tiro desferido pelo mesmo jogador.

 

Cédric - Desta vez sem lapsos defensivos, cumpriu muito bem a missão de que foi incumbido, policiando com autoridade a lateral direita. Os seus centros neste jogo foram mais raros e com menos pontaria do que é habitual, mas o essencial foi feito. Justificou a titularidade, superando Vieirinha - escolha inicial do técnico.

 

Bruno Alves - Escolha talvez inesperada de Fernando Santos para compensar a ausência de Pepe, com problemas musculares. Estreou-se no Euro 2016 com uma exibição em bom nível, sem revelar o menor temor face ao poderio físico dos galeses. Podia ter evitado o cartão amarelo aos 71'.

 

José Fonte - Melhora de jogo para jogo, exibindo cada vez mais qualidades. Hoje funcionou como o patrão da defesa nacional, num desempenho com maturidade e classe. Secou Robson-Kanu, que tinha sido um dos melhores galeses contra a Bélgica. E ainda foi à frente cabecear com perigo aos 71', após a marcação de um canto.

 

Raphael Guerreiro - Regressou em boa hora ao nosso onze titular após os problemas musculares que o afectaram. Foi um dos melhores em campo. Fechou bem o flanco e foi mais atrevido do que Cédric na manobra ofensiva. Grande tabelinha com Adrien aos 44'. E um centro perfeito aos 50': funcionou como assistência para o golo de Ronaldo.

 

Danilo - Substituiu William, ausente por acumulação de cartões. Começou algo intranquilo, deixando-se ultrapassar de quando em vez, mas melhorou a prestação à medida que o jogo aquecia. Essencial no processo defensivo, em que soube impor o físico. Quase marcou aos 78': o guardião galês segurou a bola junto à linha de golo.

 

Adrien - Neutralizou Allen no corredor central, condicionando-lhe a acção ofensiva: exerceu pressão constante e nunca desistiu da luta pela bola. Protagonizou o melhor lance da primeira parte, aos 44', num grande cruzamento para a cabeça de Ronaldo. Excelente recuperação aos 78': serviu Danilo e o golo esteve quase a acontecer.

 

Renato Sanches - Voluntarioso e com rasgos ocasionais, teve no entanto a sua mais apagada prestação neste Europeu. Nem sempre acertou nos passes e foi várias vezes ultrapassado junto à lateral direita: o processo defensivo ainda não é o seu forte. Arriscou o remate aos 73', mas atirou para a bancada. Saiu no minuto seguinte.

 

João Mário - Nova missão de sacrifício do médio, mais habituado a fazer incursões da linha para o meio. Cabia-lhe resguardar o flanco, numa segunda linha defensiva, tal como Renato na ala oposta. Fez uma boa tabelinha com Cristiano Ronaldo aos 16', rematando ao lado. Falhou uma recarga aos 65', com a baliza à sua mercê.

 

Nani - Exibição com duas faces. Mal se deu por ele no primeiro tempo, mas foi crucial no segundo ao apontar o golo que carimbou a nossa vitória e deu tranquilidade à selecção. Confirma-se: é intuitivo como poucos dentro da área quando joga de trás para a frente. Forte remate aos 65', bem colocado: novo sinal de perigo. Saiu aos 87'.

 

Cristiano Ronaldo - Com um golo soberbo abriu o triunfo português. E vão três no Euro 2016 e nove nas fases finais de Europeus, igualando a marca de Platini em 1984. Alvo de um penálti não assinalado aos 10'. Participou na construção do segundo golo. Podia ter marcado o terceiro de livre, aos 63': falhou por pouco. O melhor em campo.

 

André Gomes - Entrou em campo já com o resultado feito, rendendo Renato Sanches aos 74'. Pedia-se-lhe apoio ao processo defensivo e tentativa de criar situações de desequilíbrio na manobra ofensiva. Desempenhou com zelo - embora sem brilho - ambas as missões.

 

João Moutinho - Substituiu o fatigado Adrien aos 79' com a missão de continuar a estabelecer a ligação entre as linhas portuguesas mantendo o nosso controlo da faixa central, o que obrigava os galeses a transferir para as alas todo o processo ofensivo. Cumpriu.

 

Quaresma - Só entrou aos 87', rendendo Nani e deixando a impressão de que poderia ter entrado mais cedo. Mas ainda chegou a tempo de pôr a defesa do País de Gales em sentido com a sua capacidade de vencer confrontos individuais em áreas de alto risco para a equipa adversária. Associou-se com mérito à vitória.

 


comentar ver comentários (9)
04 Jul 16
Um capitão e um cobarde.
Luís de Aguiar Fernandes

 

Um vídeo que diz bem do cáracter dos dois.


comentar ver comentários (7)
24 Jun 16

«Bom seria que tivéssemos médicos, engenheiros, gestores, economistas, escritores e etc tão bons nas suas quanto o Ronaldo é na dele. De certeza que Portugal seria um país bem mais desenvolvido. Com melhores empresas, com vários "Nobel". Mas não. Continuamos pequeninos. Quando temos um cidadão português várias vezes reconhecido como o "melhor do mundo" na sua actividade, somos os primeiros a dizer mal quando as coisas não correm bem.»

Romão, neste meu postal


comentar ver comentários (1)
23 Jun 16

A selecção continua a impressionar. Como diria Luís Freitas Lobo, Fernando Santos é um homem com "princípios tácticos muito bem definidos". Julgo que o maior desses princípios (Freitas Lobo também lhe chamaria "cultura táctica") é o seguinte: "nenhuma equipa por mim treinada jogará bom futebol". Foi arreigado a este princípio basilar que Santos, ainda para mais depois de verificar que também os utilizadores do site da UEFA partilham a mesma "cultura táctica", voltou a escolher João Moutinho para titular. E a verdade é que Moutinho correspondeu perfeitamente, com uma exibição esplendorosa: nem um passe perigoso, centros inconsequentes, muitos passes curtinhos para os centrais ou os colegas do lado. Enfim, toda uma panóplia técnica capaz de deixar os utilizadores do site da UEFA maravilhados. A exibição só não foi perfeita porque acabou por inspirar Cristiano Ronaldo a fazer uma espectacular assistência "à Xavi" para o primeiro golo de Portugal. Ronaldo, ao fim de 40 minutos daquela geringonça, passou-lhe uma ideia pela cabeça: "deixa-me cá explicar ao Moutinho como é que se faz".

 

Não se percebe porque razão Santos abdicou dos seus princípios tácticos para o início da segunda parte, quando retirou Moutinho (porquê, se estava claramente a ser o pior em campo?) e promoveu a entrada de Renato Sanches e, depois, quando retirou André Gomes (um jogador também ao estilo de Santos, com o pequeno problema de estar a jogar um bocadinho melhor do que Moutinho) e fez entrar Quaresma. Foi aí que tudo se desvirtuou. Sanches não andou muito longe dos tais princípios tácticos, mas foi melhor do que Moutinho, o que não terá sido do agrado do treinador. Sobretudo, com Quaresma encostado à linha e a bola a avançar um bocadinho nos pés de Sanches, João Mário ficou na sua posição natural (e não naquela em que Santos o coloca normalmente) e Wiliam com mais espaço. Não é que a selecção começou a jogar bem? Tudo começou a ser mais fluido, com a bola a correr entre os três do meio-campo (William, Renato e João Mário) e a chegar perigosa a Nani, Quaresma e Ronaldo. O espectáculo era insuportável para Fernando Santos, que decidiu pôr cobro à situação: a certa altura, com o resultado em 3-3 e a Hungria encostada às cordas, decidiu jogar com dois trincos. Enfim, sempre é a Hungria, de que Fernando Santos se lembra bem na infância: em cada húngaro ele via um Puskás, um Czibor, um Kocsis. "Estes gajos estiveram quase a ganhar o Mundial de 1954, quem sabe o que nos farão a nós", pensou. E assim se segurou aquele resultado precioso.

 

No meio disto tudo, o grande problema de Santos é Cristiano Ronaldo. Ele bem parecia já ter abosrvido a cultura táctica de Santos nos dois primeiros jogos, relançando o eterno tópico "a culpa é do Ronaldo" (para citar os clássicos) com que o português gosta de se entreter. Mas já estava a ser demais para ele. Vai daí e arranca uma exibição desastrosa: uma assistência preciosa, um golo de antologia e outro golo que, não sendo de antologia, só ele sabe fazer, com uma elevação à basquetebolista. Que decepção, Ronaldo. Estávamos a ir tão bem. Não repitas, por favor.


comentar ver comentários (2)

Passámos a fase de grupos, que bom.

Agora o que interessa; então temos o presidente da comissão da carteira profissional de jornalistas a afirmar, e de peito feito, que Cristiano Ronaldo cometeu um crime ao fazer mergulhar em águas internacionais, de forma intencional, um microfone da cmtv.

O senhor Henrique Pires Teixeira, de sua graça, assegura-nos mesmo que tal crime, foi já decidido como tal deve, e será, investigado pelo nosso, dos portugueses, ministério público. Nesta demanda sobre o respeito que todos nós, Cristiano incluído, devemos à classe, deles, é este presidente acompanhado por Luís Filipe Simões, escriba, logo jornalista, do desportivo A Bola e membro da direcção do sindicato dos jornalistas.

Neste paraíso onde habitamos, temos também lagos mas de águas nacionais, e mar, muito mar, com sol, boa comidinha, que nos altera amiúde o colesterol, e hábitos mediterrânicos que nos fazem ferver em água, às vezes muita na maioria pouca. É aqui então que cresceu, foi crescendo, uma trupe que se protege, cuida e que reivindica, também de peito cheio, um tratamento especial. Não um tratamento a eles, mas sim o tratamento que proporcionam aos outros. Falamos de, vá, pessoas, que têm como fito de vida a busca da calúnia, a propagação de mentira, e a ocultação da verdade que não vende.

Intitulam-se jornalistas e, pior, os dirigentes desta classe, falamos de uma profissão que tem “carteira”, isto é, para que a exerçam alguém tem que os certificar, defendem-nos apenas e só por que são jornalistas. Estes dirigentes não se interessam se o que aquelas, vá, pessoas trasvestidas de jornalistas fazem diariamente. Não querem saber se são ou não avençados de interesses que chocam com a sua profissão. É-lhes indiferente, olham para os botões das suas camisas e fazem a escolha mais fácil e também a mais cobarde: defendem a podridão, defendem aqueles que destroem a credibilidade da sua classe e assim asseguram a manutenção dentro do sistema. Vão a festas, recepções, cocktail´s e que mais haja para encher a barriga, que a conação dá fome.

Esta reação corporativa apenas nos confirma a podridão que ainda existe por cá.

Bom, venha a Croácia no sábado.


comentar ver comentários (3)

«Cristiano Ronaldo assenhora-se da bola e não deixa mais ninguém fazer nada. Por muito melhor do mundo que seja. Raphael Guerreiro é muito superior a bater os livres. Até o Talisca o faz muito melhor.»

Corvo, neste meu postal


comentar ver comentários (13)
22 Jun 16
A ver o Europeu (4)
Pedro Correia

euro_2016_logo_detail[1].jpg

Um jogo atípico. A pior primeira parte e a melhor segunda parte de Portugal neste Europeu - excepto os dez minutos finais, que foram para esquecer. Com um balanço nada adequado aos nossos pergaminhos: três jogos, três empates frente a selecções que nunca conseguiram derrotar-nos. Terminamos a fase de grupos com apenas três pontos. Com vitórias em vez de empates, poderíamos ter nove.

O nó que hoje ficou por desatar deveu-se sobretudo ao descalabro do nosso quarteto defensivo, embora com diferentes responsabilidades na repartição de culpas. Os laterais fizeram o pleno pela negativa: nem souberam fechar o corredor a defender, nem conseguiram rasgá-lo a atacar.

Esta foi a faceta pior do Portugal-Hungria, disputado hoje em Lyon, no maior recente estádio francês, em tarde de calor e sol. O melhor foi Cristiano Ronaldo, que se mostrou enfim ao seu verdadeiro nível nesta partida: marcou dois dos nossos três golos, aos 50' e aos 62', e ainda foi dele a assistência para o inicial, muito bem apontado por Nani aos 42'. O primeiro dele, marcado com o calcanhar, foi uma obra de arte. Candidata-se desde já a melhor golo do Euro 2016.

Ao bisar desta forma, Ronaldo torna-se o maior goleador em fases finais de mundiais e europeus - e vão sete certames consecutivos a facturar. Torna-se também o segundo melhor marcador de campeonatos da Europa, já com oito golos - menos um que Michel Platini, ainda recordista com os nove que marcou pela França no Euro 84.

 

Dir-se-á que tudo está bem quando acaba bem: para já conseguimos alcançar o nosso primeiro objectivo - o acesso aos oitavos-de-final, em que defrontaremos a poderosa Croácia. O jogo será este sábado, às 20 horas. Sabendo-se desde já que os portugueses terão menos 24 horas de descanso que os croatas, ontem vitoriosos perante uma Espanha frágil e desarticulada.

Enfim, até agora não ganhámos nem perdemos - o que denota falta de ambição da selecção das quinas. Limitámo-nos a cumprir os mínimos. E com alguma sorte à mistura: a Hungria ainda nos enviou uma bola ao poste.

 

Transitamos para os oitavos mas sem termos conseguido melhor do que o terceiro lugar no nosso grupo, atrás de islandeses e húngaros. E até podíamos ter sido os primeiros se não fosse a insólita falta de ambição revelada por Fernando Santos, que mandou a equipa recuar a dez minutos do apito final quando dominávamos a Hungria - hoje desfalcada de quatro titulares - e o resultado estava 3-3. Bastaria mais um para sairmos vencedores. Do jogo e do grupo.

Estranhamente, o seleccionador trocou Nani por Danilo, reforçando o nosso meio-campo defensivo e dando sinal aos jogadores de que a ordem não era para avançar mas para recuar no terreno.

A partir daí todos se conformaram. E o jogo terminou de forma penosa, com uns e outros aparentando querer sair de campo mais cedo do que o relógio determinava. Notória falta de ambição. Uma lamentável falta de respeito pelos portugueses que continuam a apoiar esta selecção nos mais recônditos recantos do globo.

 

Portugal, 3 - Hungria, 3

.................................................

 

Os jogadores portugueses, um a um:

 

Rui Patrício - Ao contrário do que o resultado final indicia, não teve má prestação em campo. Simplesmente não podia ter feito melhor em nenhum dos golos. Esticou-se bem em qualquer dos casos, mas eram remates indefensáveis.

 

Vieirinha - Outra exibição muito apagada do nosso lateral direito, em défice ofensivo e defensivo. O pior são os centros, que continuam a sair-lhe de forma deficiente: ou remata contra os adversários ou cruza para terra de ninguém.

 

Pepe - Prestação oscilante. Saiu várias vezes de posição e revelou desentendimentos pontuais com Ricardo Carvalho. Alguns cortes deficientes, vários passes desperdiçados. Mas cavou o livre de que resultou o nosso primeiro golo.

 

Ricardo Carvalho - O menos mau do nosso quarteto defensivo, embora sem revelar o fulgor de partidas anteriores. Deu a sensação de que podia ter feito melhor no segundo golo que sofremos.

 

Eliseu - Rendeu Raphael Guerreiro devido a problemas físicos do lateral esquerdo titular. Tímido a atacar, inseguro a defender. Ao perder a bola proporciona o primeiro golo húngaro. No terceiro, não cobre o rematador como devia.

 

William Carvalho - Pouco influente na manobra ofensiva durante a primeira parte, melhorou de rendimento na etapa complementar, soltando-se, quando Fernando Santos percebeu enfim que Moutinho e André Gomes precisavam de sair.

 

Moutinho - Confirma-se: não está em forma. Por isso se estranha a insistência do seleccionador em fazê-lo alinhar enquanto deixa Adrien e Rafa no banco. Hoje só actuou no primeiro tempo. Esteve 45 minutos a mais em campo.

 

André Gomes - Em notória má forma física, errou muitos passes e andou escondido naquele confuso meio-campo português. Deu lugar a Quaresma aos 61' - e logo se percebeu a diferença. Custa entender porque foi hoje titular.

 

João Mário - De longe o melhor do nosso meio-campo. Mas isso só se tornou evidente na segunda parte, quando Moutinho e André Gomes já tinham saído. Aí carregou no acelerador e fez uma assistência primorosa para o primeiro golo de Ronaldo.

 

Nani - Ao contrário dos colegas, destacou-se mais na primeira parte - onde foi o melhor português em campo. Fez o golo do empate (1-1) aos 42'. E vão 20, em 99 desafios ao serviço da selecção. Esgotado, cedeu o lugar a Danilo aos 81'.

 

Cristiano Ronaldo - Uma partida quase perfeita do nosso capitão: dois golos marcados - um deles de calcanhar - e uma assistência para o de Nani. Foi ele que fez a diferença. Faltou-lhe apenas acertar nos livres: só um, defendido in extremis aos 29', levava selo de golo.

 

Renato Sanches - Voltou a ser suplente utilizado, rendendo Moutinho aos 46'. Superior ao colega, o que não era difícil, mas começou inseguro e demorou a encontrar posição em campo. Bom lance individual aos 57'. Um passe rasgado para Ronaldo aos 80'.

 

Quaresma - Está em excelente forma, o que voltou a confirmar-se frente à Hungria. Entrou aos 61', para substituir o apático André Gomes, e no minuto seguinte já estava a servir Ronaldo para o segundo golo - terceiro de Portugal.

 

Danilo - Substituição incompreensível. Saltou do banco aos 81', para reforçar o bloco defensivo, quando Portugal dominava e nos bastaria mais um golo para vencer e subir ao primeiro lugar no grupo. Não esteve mal. Mas entrou para quê?


comentar ver comentários (14)
O melhor do mundo...
Francisco Chaveiro Reis

...a atirar microfones para lagos vem da nossa Academia. Pumba.


comentar ver comentários (11)
E agora?
Edmundo Gonçalves

E agora, como vai CR7 pagar o raio do microfone à CMTV?

Ou, como quem não se sente, não é filho de boa gente. E como a D.ª Dolores é uma joia de pessoa...

 

Mais a sério: Que esperava o repórter da CMTV, estação com quem Ronaldo tem relações cortadas, depois duma abordagem destas?


comentar ver comentários (19)
20 Jun 16

Fernando Santos deve tirar Ronaldo do nosso onze titular?


comentar ver comentários (75)
07 Jun 16
Emplastro?
Edmundo Gonçalves

600.jpg

 Daqui, de onde mais poderia ser?


comentar ver comentários (22)
03 Jun 16

                    cr7[1].jpg FIGO3[1].jpg

 Cristiano Ronaldo (Bola de Ouro 2008, 2013 e 2014) e Luís Figo (Bola de Ouro 2000)


comentar ver comentários (38)
02 Jun 16
Outras claques
Edmundo Gonçalves

Cristiano Ronaldo, n' A Tasca do Cherba.


comentar ver comentários (6)
29 Mai 16
O momento decisivo
Pedro Correia

cristianoronaldo-cropped_1cm7klyh6t0ld1pmi5fdqn8vb

 

Outros dirão, naquele jargão cultivado com tanto esmero pelos especialistas da bola, que Ronaldo "passou ao lado de uma grande partida" e "estava lá mas era como se não estivesse".

Não acreditem.

Ontem à noite, na final da Liga dos Campeões disputada em Milão entre as duas potências futebolísticas de Madrid seguida com calor e paixão nos recantos mais recônditos do planeta, o português guardou-se para o momento decisivo - aquele em que tudo se desenrola em fracções de segundos, aquele em que se comprova com inequívoco rigor quem tem fibra de campeão, aquele em que mais se exige perícia técnica servida por nervos de aço. O momento do penálti que decide um destino, que traça a linha separadora da exígua fronteira entre o sucesso e o fracasso: quem não a transpõe é humilhado na praça pública por multidões de adeptos inconformados, quem a ultrapassa ascende mais um patamar no panteão reservado aos escassos heróis contemporâneos com dimensão global.

Nesse momento decisivo ele estava lá.

Fixou a baliza adversária como se nada mais houvesse para mirar no mundo, tomou balanço, trotou resoluto para a bola e desferiu o golpe fatal com toda a convicção da sua força mental comandando a arte incomparável do seu pé direito. 

Ainda antes de centenas de milhões de gargantas gritarem a mágica palavra golo, já ela se havia tornado realidade na mente daquele homem que foi um pobre menino das ladeiras do Funchal e soube torcer as voltas à vida, construindo uma carreira milionária a pulso. A inevitável inveja alheia só lhe confere motivação acrescida. Porque ele parte sempre à conquista de um novo troféu como se fosse o primeiro que ganha.

É isto que conta: nunca falhar no momento decisivo. Quem ignora que o futebol é uma metáfora do percurso humano tem muito a aprender com Cristiano Ronaldo.

 

Também aqui


comentar ver comentários (36)
28 Mai 16
Comandante
Paula Caeiro Varela

fotografia.JPG

 

Siiiiiiiiii! 💚

 

(Messi deve estar a vomitar, Blatter à espera da ordem de prisão)


comentar ver comentários (7)
22 Abr 16

                    

 

Não é nada fácil compararmos jogadores de épocas diferentes. Porque as mudanças registadas em cada década no futebol - do plano da organização táctica das equipas à preparação física, passando pelo acompanhamento clínico - é totalmente diferente. Mesmo assim, continuamos a assistir às incessantes comparações entre Eusébio e Cristiano Ronaldo com vista à designação do melhor futebolista português de todos os tempos. Com muitas opiniões favoráveis ao antigo goleador do Benfica, infelizmente já falecido. Sobretudo pela sua brilhante prestação no Campeonato do Mundo de 1966, em que Portugal surpreendeu tudo e todos com a conquista do terceiro lugar.

Não consigo acompanhar estas teses.

Eusébio conseguiu uma única proeza a nível de selecção. Essa mesmo, em 1966. De resto, com ele no activo, a selecção nacional falhou o apuramento para os Mundiais de 1962, 1970 e 1974. E falhou as presenças em todas as fases finais de europeus (1964, 1968, 1972). 
Além disso Eusébio jogou na selecção praticamente com a equipa do Benfica: as rotinas estavam mais que firmadas, os automatismos estavam mais que estabelecidos. Nada a ver com os tempos actuais, em que a selecção é uma manta de retalhos, com jogadores das mais diversas proveniências, alguns dos quais nem chegaram a jogar em Portugal.
Cristiano Ronaldo participou em três Mundiais - chegando num deles, em 2006, às meias-finais, tal como Eusébio, mas com mais equipas em competição na fase final. E actuou em três Europeus: num deles (2004) fomos à final, noutro (2006) atingimos as meias-finais.
Não há comparação possível. Com Eusébio, a regra era falharmos o apuramento. Com Ronaldo, a regra é conseguirmos o apuramento. 
Em 2014 queixámo-nos - e com razão - de termos caído na fase de grupos (após termos perdido contra a Alemanha, com apenas dez jogadores). Aos Mundiais de 1930, 1934, 1938, 1950, 1954, 1958, 1962, 1970, 1974, 1978, 1982, 1990, 1994 e 1998 nem lá chegámos. Antes de Cristiano Ronaldo.
Depois de Ronaldo, não falhámos um.

 

Texto reeditado


comentar ver comentários (52)
12 Abr 16
Liga dos Campeões
João Távora

Cristiano Ronaldo 3 - O Wolfsburgo. Estamos bem representados na liga dos campeões.


comentar ver comentários (14)
22 Mar 16

Golo de CRISTIANO RONALDO

Sporting - Moreirense, 3-0

7 de Outubro de 2002, Estádio José Alvalade

 

O melhor jogador do mundo, formado na academia leonina, começou com pé direito a sua extraordinária carreira como profissional do futebol. De verde e branco. Muitos de nós ainda nos lembramos de testemunhar ao vivo este fantástico golo do jovem atacante, então com apenas 17 anos.

O astro madeirense era ainda júnior de primeiro ano quando se estreou como titular da equipa principal à sexta jornada do campeonato 2002/03, disputada no histórico Estádio José Alvalade. O Sporting, campeão em título, derrotou o Moreirense neste encontro, em que Ronaldo marcou dois golos.

O primeiro tornou-se inesquecível. Para ele e para nós. O futuro Bola de Ouro recebeu a redondinha a meio-campo, com um passe de calcanhar de Toñito, e correu com ela, caminhando para a glória. Deixou três adversários pelo caminho e fuzilou o guarda-redes forasteiro, desencadeando calorosos aplausos e entusiásticas expressões de euforia em todo o estádio. Era o prenúncio de um dos mais brilhantes destinos já registados no desporto-rei. Com a nossa marca de origem.

"Minha Nossa Senhora! Que golo magistral de Cristiano Ronaldo!", exclamou o narrador do jogo, em vibrante e espontânea homenagem à capacidade técnica do jovem funchalense, que não escondia a pressa em tornar-se monarca coroado do reino do futebol.

"Quem viu, viu; quem não viu, visse!": podemos dizer isto hoje, ao recordar este golo, parafraseando António Oliveira. No final da temporada, despedimo-nos do velho estádio, que viria a ser demolido, e de Ronaldo, que rumou a Manchester. Por uma quantia tão ridícula que devia envergonhar quem tratou desse negócio: só 8,2 milhões de euros chegaram aos cofres leoninos, como depois se saberia.

Mas essa é uma história triste, que não me apetece aprofundar agora. Fiquemo-nos pela feliz memória daquele golo inicial do adolescente de raízes modestas que não tardaria a ser conhecido nos mais recônditos recantos do globo.

 


comentar ver comentários (6)
28 Dez 15
Sócio 100.000
Edmundo Gonçalves

Tão pródigo a utilizar as redes sociais para contactar os seus fãs, não seria boa ideia que Cristiano Ronaldo esclarecesse o Mundo onde nasceu para o futebol?

Ou não quer melindrar o afilhado?


comentar ver comentários (10)
16 Set 15
Nunca mais
Pedro Correia

Ronaldo-Sporting-Lisbon[1].png

 

Cristiano Ronaldo, o melhor jogador do mundo e estrela maior da nossa formação, foi transferido em 2003 de Alvalade para o Manchester United por 17 milhões de euros - dos quais só 8,8 milhões terão realmente rumado aos cofres leoninos. Seis anos depois, saía para o Real Madrid por uma quantia recorde: 94 milhões de euros.

 

João Moutinho, titular da selecção nacional e capitão do Sporting, rumou em 2010 ao FCP por módicos 11 milhões de euros. Perdemos duas vezes com este negócio: pela saída de um melhores valores formados em Alcochete e por vê-lo jogar num concorrente directo, sem salvaguarda contratual prévia. Três anos depois, Moutinho saía do Dragão para o Mónaco numa transferência que envolveu também James Rodríguez, a troco de um chorudo pacote financeiro: 70 milhões.

 

Em 2013, outro capitão do Sporting, Daniel Carriço, foi vendido apressadamente ao Reding por apenas 750 mil euros, quando meses antes a direcção leonina recusara transferi-lo por três milhões - valor pelo qual o seu passe continua avaliado. Passou a jogar pouco depois no Sevilha, onde este central da nossa formação já venceu por duas vezes a Liga Europa.

 

Três valores do futebol internacional - cada qual à sua escala - formados na Academia do Sporting. Três jogadores vendidos ao desbarato por gestores incompetentes.

Não queremos disto. Nunca mais.


comentar ver comentários (14)
22 Ago 15
Ronaldo em terras de fim de mundo
Helena Ferro de Gouveia

Acabo de tirar esta fotografia da janela do carro. É a segunda camisola de Cristiano Ronaldo que vejo aqui em Juba, no Sudão do Sul. Confesso que num terreno tão duro como este são instantes que me confortam. Não resisti em partilhar.

 

18745777_aIzeq[1].jpg


comentar ver comentários (2)
06 Ago 15
Gostei de ler!
José da Xã

As duas páginas centrais do desportivo Record trazem hoje uma entrevista a Cristiano Ronaldo sob a rubrica "O onze do Século".

Li com todo o cuidado as declarações do melhor do Mundo. Entre muitas, realço a seguinte frase:

"Depois de tantas conquistas, ainda me falta no currículo o título de campeão pelo Sporting. Não sei se acontecerá ou não, porque ninguém sabe o que vai suceder no futuro, mas que seria um orgulho... lá isso seria."

Gostei do que li... lá isso gostei.


comentar ver comentários (2)

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Noutros lugares, outra no...

Pequenino e mesquinho

Parabéns, Cristiano

Homenagem à Lisboa de Ron...

Os nossos comentadores me...

Irei onde o coração me le...

Gratidão

Tropeçando na minhoca

Para quem gozou com o gol...

Qual é a dúvida?

Arquivo

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

comentários

memória

bruno de carvalho

selecção

leoas

prognósticos

vitórias

jorge jesus

há um ano

balanço

campeonato

slb

arbitragem

benfica

jogadores

mundial 2014

rescaldo

taça de portugal

liga europa

eleições

godinho lopes

ler os outros

clássicos

árbitros

golos

euro 2016

nós

futebol

comentadores

crise

marco silva

scp

cristiano ronaldo

análise

formação

humor

chavões

liga dos campeões

slimani

todas as tags

Mais comentados
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds