22 Mai 17

 

O Braga terminou o campeonato na quinta posição, a oito pontos do quarto lugar.

 

Tags:

comentar ver comentários (44)
07 Mai 17
Afundador
Pedro Correia

A este ritmo, voraz coleccionador de derrotas, o presidente do Braga qualquer dia muda de apelido. Deixa de ser Salvador, passa a Afundador.
Ao contrário do que sucede em Guimarães, terra do nosso Fundador. A verdadeira capital futebolística do Minho.

Tags:

comentar ver comentários (16)
02 Mai 17

O Sporting venceu em Braga, mas nenhum dos nossos apostadores ganhou. Alguns prognósticos andaram lá perto, mas nenhum coincidiu com o 2-3 final.


comentar ver comentários (5)
01 Mai 17
Lembram-se?
Pedro Correia

Lembram-se daqueles palpiteiros da pantalha que ainda há pouco juravam a pés juntos que o Braga "era já praticamente o terceiro grande" do futebol português, destronando o Sporting do pódio clubístico?

Estes imbecis andavam a confundir os distritos minhotos com o País. O Braga é, sim, um dos três grandes. Mas do Minho, onde aliás existe um clube com mais qualidade exibicional e melhor classificação no campeonato nacional de futebol: o bravo Vitória de Guimarães, a que presto a minha homenagem.

Quanto ao Braga, segue 16 pontos abaixo do Sporting. Lá continua alegremente, treinador após treinador, de trambolhão em trambolhão.

 

Adenda: António Salvador descobriu, a três jornadas do fim, que "esta Liga e esta classificação é(sic) uma mentira". Certamente por coincidência, só falou assim após a merecida derrota em casa da sua equipa frente ao Sporting.


comentar ver comentários (64)
30 Abr 17

Gostei

 

Da justa vitória leonina em Braga.  Num campo tradicionalmente difícil para outras equipas, embora não para a nossa, o Sporting honrou os pergaminhos ao triunfar na Cidade dos Arcebispos. Por 3-2, numa partida em que os bracarenses venciam por 1-0 ao intervalo

 

De Bas Dost. Segundo hat trick do holandês nesta Liga, em que soma 31 golos. Só menos dois do que Messi na corrida que ambos mantêm para a disputa do título de melhor marcador do futebol europeu. Três golos decisivos - o primeiro marcado de grande penalidade, aos 50'; o segundo de cabeça, superando a oposição de dois defesas adversários, aos 75'; o terceiro também de cabeça, numa elevação perfeita, aos 84'. Soma e segue: naturalmente, foi o melhor em campo.

 

De Gelson Martins. Voltou a dar nas vistas, desde os primeiros minutos de jogo, com velozes arrancadas pelo seu flanco. Suscitou grandes defesas de Marafona aos 3' e 4'. Podia ter marcado aos 37'. Foi ele a conquistar a grande penalidade aos 49' de que viria a resultar o nosso primeiro golo. E ainda participou na construção do terceiro. Terminou o jogo esgotado, mas certamente com a sensação do dever cumprido.

 

De Podence. Entrou cedo, aos 28', por lesão de Alan Ruiz. E voltou a demonstrar que merece ser titular nesta equipa. Muito melhor do que o argentino, deu profundidade e velocidade ao jogo, criando sucessivos desequilíbrios. Menos de dois minutos depois de ter entrado, já estava a conquistar um penálti, que Adrien viria a desperdiçar. Sempre muito bem colocado entre linhas, protagonizou excelentes lances aos 37', 47' e 53'. Grande remate aos 62'.

 

Da segunda volta do Sporting no campeonato. Levamos 12 jogos invictos - com dez vitórias e apenas dois empates. Mais significativo ainda: este foi o nosso quinto triunfo consecutivo fora de casa.

 

Da homenagem da equipa a Virgolino de Jesus. Os jogadores tinham prometido ao técnico que tudo fariam para conseguir em Braga uma vitória a dedicar ao pai de Jorge Jesus, falecido na quinta-feira, aos 92 anos. Promessa cumprida: não apenas pelo triunfo alcançado mas também pela qualidade da nossa exibição na capital minhota, sempre com boa circulação de bola e um fluxo ofensivo quase ininterrupto.

 

Da "vingança" da primeira volta. Com Abel Ferreira temporariamente ao leme do Braga, esta equipa foi vencer a Alvalade na primeira volta. Agora com o mesmo treinador de regresso ao banco bracarense, já com carácter definitivo (embora com o presidente António Salvador nova dança de treinadores seja um cenário sempre a considerar), a sua estrelinha parece ter-se apagado.

 

Da confirmação do nosso terceiro lugar em 2016/17. Está garantido o acesso ao play off da Liga dos Campeões.

 

Da arbitragem de Nuno Almeida. Merece elogio por contrastar claramente com várias outras a que temos assistido ao longo da época.

 

 

Não gostei

 

Da lesão de Alan Ruiz. Ocorreu ainda numa fase inicial do encontro, no minuto 25, e parece ter sido grave. Má notícia para o jogador. E para a equipa.

 

Do penálti falhado por Adrien. O Sporting perdia 0-1. Corria o minuto 31' quando Podence conquista uma grande penalidade. Jorge Jesus queria que fosse Bas Dost a convertê-la, mas acabou por ser Adrien. Que atirou para fora. É pelo menos a quarta vez que os nossos jogadores falham penáltis nesta temporada. Um número excessivo.

 

Da nossa defesa. Apanhada em contrapé em três ocasiões (numa delas resultando um golo anulado por fora de jogo), foi claramente o elo mais fraco da equipa. Marvin é batido nos dois golos, iniciados no seu corredor, e Paulo Oliveira falha o corte aos 79', facilitando o segundo bracarense. Levamos 30 golos sofridos: nenhuma equipa consegue ser campeã com números destes.

 

De Bruno César. Segundo jogo consecutivo de eclipse do brasileiro, que voltou a pecar por falta de protagonismo. Parece demasiado ansioso e desgastado, o que o torna pouco consistente.

 

De Bryan Ruiz. Confirma-se: deixou de ser titular, o que facilmente se compreende. Hoje entrou só aos 69', substituindo Bruno César. Na primeira vez em que tocou na bola, enrolou-se em dribles e atirou frouxo para fora. Na segunda, a meio-campo, foi facilmente desarmado. Com ele em campo, passámos a jogar só com dez.

 

Que Gelson e Podence tenham visto os quintos amarelos. Por acumulação de cartões, ficarão de fora no próximo desafio.


comentar ver comentários (78)
29 Abr 17

Próximo jogo do Sporting: amanhã, pelas 18 horas, frente ao Braga na Cidade dos Arcebispos. Com Nuno Almeida a apitar.

Quais são os vossos prognósticos?


comentar ver comentários (24)
26 Abr 17
Outra vez Abel?
Edmundo Gonçalves

À consideração do nosso treinador.

Erros arbitrais à parte, a ver se o "conhecimento dos jogadores" não é desta vez factor decisivo.


comentar ver comentários (1)
19 Abr 17
Discrepâncias
Pedro Correia

O Braga fez contra o FC Porto o dobro das faltas que havia feito, escassas semanas antes, frente ao Benfica. Nem parecia a mesma equipa.

São discrepâncias destas que contribuem para o fascínio do futebol português.


comentar ver comentários (56)
20 Dez 16

Já era de esperar: ninguém acertou no resultado do Sporting-Braga. Esperemos que a pontaria ande mais acertada no próximo desafio do Sporting, frente ao Belenenses. Pontaria aqui no blogue. E sobretudo pontaria dentro de campo.


comentar ver comentários (5)
18 Dez 16
Cinema Paraíso
Edmundo Gonçalves

Nos meus tempos de jovem, em Tomar, no Cine-Teatro não havia filmes de estreia.

Porque a televisão tinha apenas dois canais e um deles apenas funcionava de forma intermitente, a sala estava sempre muito bem composta, apesar dos seus cerca de 750 lugares, principalmente aos fins-de-semana.

Era portanto o clássico cinema de reprise.

E hoje senti-me com 12, 13 anos a assistir a mais um filme esbatido pelo tempo e pelas vezes que a cópia rodou nas máquinas de projecção. Um  western spaghetti com um final previsível, com mais uma vitória dos cowboys sobre os índios. Ou mais uma batalha épica do 7.º de Cavalaria, do temível General Custer.

Hoje o filme foi o de tantas vezes e a apresentação foi tal, que no início da segunda parte disse para o meu vizinho do lado "já vi este filme muitas vezes".

Enganei-me, este era um filme de estreia. 

Esta era uma produção milionária.

O produtor abriu os cordões à bolsa.

O realizador teve o budget que quis e contratou os actores que quis.

Era previsível um estrondoso êxito e a conquista de alguns  óscares.

O que é certo é que tendo ganho um prémio num festival de média importância logo após a estreia, a carreira deste filme, apesar da boa nota artística, veio em modo decrescente até à projecção de hoje.

Hoje, uns actores gastos, cansados, desorientados, sem os textos decorados, andaram pela tela de forma amorfa e o filme que ameaçava tornar-se um blockbuster, levou uma machadada tal, que é hoje já quase certo que será um enorme flop.

O que eu sei é que nalguns filmes de reprise que vi em Alvalade, os actores se esforçavam por representar bem o seu papel, apesar de tudo. Hoje qualquer actor amador se sentiria envergonhado pelo desempenho destes profissionais.

Ao contrário dos previsíveis filmes da minha juventude, que apesar de esbatidos e nalguns casos mal representados, chamavam público, porque a concorrência era ínfima e de má qualidade, este filme não chama ninguém.

Não sei o que pensará fazer o produtor, ou sequer se pode fazer alguma coisa, mas ou algo muda, ou perderá muito mais que os espectadores.

Porque os possíveis óscares, já perdeu.

 

 


comentar ver comentários (6)

Não gostei

 

Da derrota. O Braga veio a Alvalade vencer o Sporting num jogo pautado por uma prestação medíocre da nossa equipa. Bastou um golo bracarense para nos impor a primeira derrota caseira neste campeonato. Antes do Braga, só Borussia Dortmund e Real Madrid tinham aqui vencido na época 2016/17.

 

Da exibição. Segunda derrota consecutiva do Sporting na Liga, desta vez frente a uma equipa que vinha de três desaires consecutivos e se apresentou em Alvalade com um treinador improvisado (Abel Ferreira). A equipa leonina foi incapaz de contrariar o Braga e viu-se manietada pela superior estratégia do onze adversário, muito bem posicionado no terreno, enquanto o Sporting se revelava pouco ou nada agressivo na reacção à perda de bola. O último quarto de hora foi confrangedor, com pontapé para a frente, de qualquer maneira. Os adeptos saíram do estádio frustrados e envergonhados. E deve ter acontecido o mesmo com a maioria dos jogadores.

 

Do festival de passes falhados. Adrien, William, João Pereira, Marvin - há muito tempo que não me recordava de ver esta estonteante sucessão de jogadas interrompidas por desconcentração, fadiga, apatia ou desinteresse dos jogadores, que insistiam em mandar as bolas para fora ou entregá-las sem cerimónia aos adversários. Isto prolongou-se até ao último minuto da partida, quando dois jogadores (Douglas e Adrien) entregaram de bandeja a bola aos bracarenses e estivemos quase a sofrer o 0-2.

 

Da nossa incapacidade de marcar golos. Houve posse de bola, domínio ofensivo do Sporting (45 ataques, contra 14 do Braga) mas um desencontro total entre os nossos jogadores e a baliza. Bryan desperdiçou dois cabeceamentos, travados pelo guarda-redes bracarense. Campbell, aos 35', teve um inacreditável falhanço de frente para a baliza. Adrien, aos 59', mandou uma charutada para as nuvens. O melhor que se conseguiu foi um remate ao poste, disparado por Gelson Martins - o menos mau dos nossos jogadores nesta noite fria, para esquecer. Ou para lembrar.

 

Da lesão de Rúben Semedo. O jovem central magoou-se na primeira parte e já não regressou ao relvado após o  intervalo. Substituído por um Douglas preso de movimentos e apático, com um deslize comprometedor a poucos segundos do fim.

 

Da falta de frescura física dos jogadores. William Carvalho e Adrien, em particular, pareceram já ter entrado em campo fatigados. Resta saber se esta fadiga é apenas no plano físico ou também no plano psicológico.

 

Do balanço dos últimos quatro jogos. Três derrotas (para a Champions, com o Legia, e para o campeonato frente ao SLB e agora no desafio com o Braga) e apenas uma vitória tangencial, para a Taça de Portugal, no campo do Setúbal.

 

Da segunda despedida. Já tínhamos dito adeus à Liga dos Campeões, sem acedermos sequer à Liga Europa. Hoje praticamente pusemos fim ao sonho de conquistar o campeonato: oito pontos, nesta fase, é uma distância muito difícil de transpor. O pior é recordarmos que há duas jornadas estávamos apenas a dois pontos do primeiro, com hipóteses de passar para a frente.

 

Do tombo na classificação. Fomos ultrapassados no terceiro lugar pelo Braga, que tem 29 pontos. Ficamos com apenas 27 - a mesma pontuação que o V. Guimarães, que segue em quinto.

 

De andar para trás. Há um ano - com João Mário, Slimani e Montero na equipa - tínhamos 35 pontos. Oito acima dos que temos agora.

 

 

Gostei

 

Da confiança dos adeptos na equipa. Apesar dos percalços anteriores, esta noite houve 42.148 espectadores em Alvalade. Ou muito me engano ou tão cedo este número de presenças não voltará a repetir-se no nosso estádio.

 

De Gelson Martins. Voltou a ser o melhor dos nossos, escapando ao naufrágio geral da equipa. Esteve quase a marcar na primeira parte, com um remate a rasar a baliza do Braga (32') e na segunda parte atirou ao poste (50'). Teve a qualidade ofensiva a que já nos habituou e ainda foi várias vezes atrás, desempenhando missões defensivas no corredor direito.

 

De Abel Ferreira. Treinador da formação bracarense, surgiu inesperadamente no banco em Alvalade devido ao despedimento de José Peseiro. Montou bem a equipa e leu bem o jogo. Regresso feliz ao nosso estádio deste ex-jogador leonino que comandou a equipa B do Sporting já durante o mandato de Bruno de Carvalho. É caso para dizer que gostaríamos de o ver de volta.

 

De Wilson Eduardo. Outro ex-jogador da nossa formação, que vestiu sempre com brio a camisola verde e branca. Dispensado pelo Sporting, sem clube do coração, viu-se forçado a outras escolhas. Foi ele o  marcador do golo bracarense, aos 70', num lance em que Rui Patrício não está isento de culpa. E quase marcou outro, na primeira parte. Ao ver o irmão de João Mário a actuar pelo Braga, dei por mim a pensar que Wilson Eduardo faz hoje falta no Sporting.


comentar ver comentários (56)
16 Dez 16

O Sporting defonta o Braga este domingo, a partir das 20.15, em Alvalade com arbitragem de Hugo Miguel. Na época anterior, vencemos a turma bracarense em casa por 3-2 (golos de Adrien, Montero e Slimani).

Qual será o resultado desta vez?


comentar ver comentários (68)
19 Jun 16
Balanço (30)
Pedro Correia

 

OS SEIS MELHORES GOLOS DO SPORTING - IV

Montero, no Sporting-Braga [ver 11' 40'']

(10 de Janeiro de 2016)


comentar ver comentários (6)
23 Mai 16
Pé-frio maligno
Luciano Amaral

Quando me sentei com os meus filhos a ver a final da Taça disse-lhes logo: isto é para o Braga, com o pé-frio do Peseiro do outro lado. E elaborei um pouco mais a teoria: eu sei do que falo, este já foi o nosso pé-frio e, com ele, acontece sempre merda (bem, não usei este termo em frente às crianças, mas foi o primeiro que me veio à cabeça). Estava a brincar, mas a verdade é que não foi preciso muito tempo para a teoria ficar empiricamente provada: dois momentos de aselhice, dois golos do Braga; o Porto consegue levar o jogo para penáltis, mas ingloriamente. Peseiro vintage.

 

Eu lembro-me bem do pé-frio do Peseiro porque foi com ele que começou o mais recente ciclo negativo do Sporting. Em 2005, o Sporting podia ter ganho o campeonato e a Taça UEFA (esta em Alvalade, meu Deus!) e perdeu os dois títulos em cima da recta da meta. Repare-se: uma vitória em 2005 dava, à época, metade dos campeonatos do século XXI ao Sporting e estabelecia uma linha de normalidade nas vitórias: 2000, 2002, 2005. Uma vitória europeia fazia do Sporting o outro clube português, para além do Porto, a ter uma vitória europeia recente. Não custa imaginar o afago psicológico que isto não teria sido, para um clube ainda há pouco saído dos 18 anos seguidos de seca. Em vez disso, instalou-se um fatalismo que ainda não abandonou Alvalade. O pé-frio do Peseiro pode ser maligno e nós sabemo-lo bem.


comentar ver comentários (6)
22 Mai 16

Parabéns ao Sporting de Braga, que acaba de conquistar a Taça de Portugal derrotando o FC Porto por grandes penalidades após 120 minutos de jogo, que terminou empatado 2-2. Com quatro golos marcados por jogadores portugueses (Rui Fonte e Josué pelo Braga, bis de André Silva pelo FCP). E duas grandes defesas do guarda-redes Marafona nos penáltis que ditaram o vencedor.

Há precisamente meio século que os bracarenses tinham conquistado a única Taça de Portugal da sua história. Não podia haver melhor maneira de assinalarem a efeméride.


comentar ver comentários (32)
17 Mai 16

Desta vez os melhores prognósticos ficaram cá na casa: pertenceram ao Alexandre Poço e ao Luís de Aguiar Fernandes, nossos colegas de blogue, que acertaram em cheio no resultado do Sp. Braga-Sporting, antevendo a goleada leonina por quatro golos sem resposta.

Aplicado o critério do desempate, referente aos marcadores dos golos, a vitória cabe ao Luís de Aguiar Fernandes, que vaticinou remates certeiros de Slimani e Teo Gutiérrez.

E assim termina este desfile de prognósticos. Para a próxima temporada haverá mais.


comentar ver comentários (4)
15 Mai 16

Gostei

 

De terminar o campeonato com mais uma goleada. Outra vitória, por números muito expressivos, desta vez em casa do Braga. Era um dos desafios que alguns comentadores consideravam dos mais difíceis que tínhamos pela frente. Afinal foi um dos mais fáceis. Vencemos 4-0 e estivemos mais perto do quinto golo do que os bracarenses estiveram do primeiro.

 

Da nossa exibição. Entrada fulgurante em jogo, com uma dinâmica que condicionou por completo a manobra táctica da equipa anfitriã. Antes da meia-hora já vencíamos 2-0.

 

De Bryan Ruiz. O melhor em campo, uma vez mais. Marcou dois golos, aos 71' e aos 80', e fez assistência para um terceiro - aos 20' (de Teo Gutiérrez). Protagonizou ainda a melhor jogada do desafio, logo aos 7', quando tirou quatro bracarenses do caminho em dribles no interior da grande área. Chega ao fim da Liga 2015/16 com sete golos e 12 assistências.

 

De Slimani. Combativo como sempre. Marcou hoje o nosso segundo golo, aos 27', e foi dele a assistência para o de Bryan Ruiz. Termina o campeonato com um bom pecúlio: 27 golos só no campeonato.

 

De Teo Gutiérrez. Foi melhorando de jogo para jogo. Hoje foi um dos obreiros deste triunfo. Coube-lhe abrir o caminho para a vitória com um remate fulminante que inaugurou a goleada.

 

De Schelotto. Incansável, o italo-argentino confirmou que merece a titularidade. Correu vezes sem conta na sua ala, centrando sempre de forma acutilante e certeira. Destacou-se ainda na assistência para o segundo golo de Bryan Ruiz.

 

De Gelson Martins. Boa exibição do nosso ala, que desta vez alinhou a titular. Alguns dos melhores lances leoninos foram protagonizados por ele. 

 

Que tivéssemos terminado o jogo com seis jogadores portugueses em campo. Rui Patrício, Rúben Semedo, Paulo Oliveira, Ricardo Esgaio, William Carvalho e João Mário

 

Que não tivéssemos sofrido qualquer golo. Confirmou-se: tivemos a melhor defesa do campeonato.

 

De ver o apoio da nossa massa adepta no estádio. Milhares de sportinguistas compareceram na Pedreira, incentivando e aplaudindo a equipa. Mantiveram a fé até ao fim.

 

 

Não gostei

 

Da ausência de Adrien. Imposibilitado de jogar por acumulação de cartões, o nosso habitual capitão merecia ter alinhado neste último encontro da Liga.

 

Da lesão de Coates. O internacional uruguaio teve de abandonar o campo logo aos 14', devido a um problema muscular, dando lugar a Paulo Oliveira.

 

Que o Sporting só estivesse campeão durante cerca de quatro minutos. Quando Teo marcou, aos 20', tudo era ainda possível. Mas o sonho leonino nesta última jornada durou pouco.


comentar ver comentários (16)
13 Mai 16

Último jogo do Sporting no campeonato, marcado para as 17 horas de domingo, em Braga, com arbitragem de Hugo Miguel.

Quais são os vossos prognósticos?


comentar ver comentários (50)
09 Mai 16
Outra vez
António Manuel Venda

Como no ano passado. Entramos para a discussão final de uma prova, desta vez o campeonato, e pela frente temos de novo o Sporting de Braga, a única equipa portuguesa que este ano – com o Futebol Clube do Porto lá perto – conseguiu dar-nos luta nos jogos que disputámos. Será que vamos conseguir repetir o final feliz?

 


comentar ver comentários (37)
15 Abr 16

É comum, é normal e até aceitável, que as equipas com aspirações a ganhar os troféus em disputa possam, ou melhor, optem por certas provas em detrimento de outras. Foi assim com o Sporting este ano, com a desvalorização das competições europeias e a taça da liga. Resulta esta opção pela sobrecarga de jogos em determinados momentos da época, que podem e vão influenciar de forma decisiva a participação dos clubes nas provas onde competem. Faz parte das regras do jogo, os planteis são formados com esse pressuposto e alterar apenas para alguns esta regra é obviamente alterar a verdade desportiva de todas as competições.

Este sábado 16 de Abril disputa-se a final da taça da liga. De facto é a data que está marcada desde o início do ano futebolístico. O problema é que hoje, dia 15 de Abril, ainda falta disputar uma das meias-finais, a que opõe o Braga ao benfica. E tudo indica que esta meia-final só irá ser disputada em data que convenha ao clube da luz. Ontem Paulo Fonseca, treinador do Braga, adiantou o dia 21 de Abril, próxima quinta-feira, como data dessa meia-final. Foi de imediato desmentido pelo benfica.

Assim temos uma competição, que ao longo da sua ainda curta história já nos proporcionou episódios tão caricatos como demonstrativos da podridão em que assenta o futebol luso, a ser mais uma vez a prova em como se alteram calendários, com a anuência dos responsáveis da Liga, apenas para beneficiar um clube em relação a todos os outros. 

O benfica lá continua a fazer o seu papel, tem apenas o campeonato para disputar e recusa-se a jogar a meia-final na quinta-feira, data que cumpre as 72 horas regulamentares. 

A meia-final e a final hão-de ser jogadas quando der jeito aos donos do pré-fabricado. Porventura depois do fim do campeonato.


comentar ver comentários (23)
05 Abr 16
Lions never quit
Luciano Amaral

Leicester.png

Lá passei uns dias de trabalho em Inglaterra, incluindo o fim-de-semana e a segunda-feira. A excitação com o Leicester é contagiante, de tal maneira que começa a dar a impressão de que até os outros clubes querem que eles ganhem o campeonato. E eles continuam a fazer justiça ao seu lema: foxes never quit (as raposas nunca desistem), ganhando jogo atrás de jogo. A história parece boa demais para ser verdadeira: há dois anos estavam na segunda divisão, há exactamente um ano estavam no último lugar da primeira, com menos 50 pontos do que agora. A estrela da companhia, Jamie Vardy, é um tipo que ainda há meia dúzia de anos trabalhava numa siderurgia em Sheffield. A surpresa é tal que nem se consegue arranjar uma mísera t-shirt. O meu filho pediu-me uma. Passei por três cidades, uma delas Londres, e por não-sei-quantas lojas: simplesmente não há merchandising do Leicester.

 

Como estava fora, não vi nada dos jogos portugueses. Mal soube do resultado dos lampiões com os lampiões do norte e da história do pénalti aos oitenta e tal minutos, cheirou-me tudo a palhaçada. Foi palhaçada, de certeza. Ontem, o meu voo de Londres, que deveria ter saído às 20.25, saiu atrasado, às 21.00, exactamente à hora do começo do Benfica C - Sporting. O avião aterrou cerca de duas horas depois, mais ou menos na altura em que o jogo acabou. Na clássica entrada pelo Tejo, pude ver o estádio do Restelo bem iluminado. Com a minha tradicional superstição sportinguista, achei que a hora de partida e a hora de chegada eram bom sinal. Mal pude ligar o telemóvel, confirmei que sim, apesar do resultado estranho. As palhaçadas do clube do karateka da Musgueira são cansativas. Por mim, era já este ano que acabávamos com elas.

 

As raposas não desistem? Muito menos os leões.


comentar ver comentários (3)
13 Jan 16

«Então o Sr. Salvador voltou a botar faladura depois dos jogos? Mas é só nos jogos com o SCP, porque nos jogos com o FCP o gato come-lhe a língua, mesmo que seja gamado à grande como aconteceu na época passada (penso eu de que), num jogo contra o Porto. Que coerência...»

Jorge Ferreira, neste meu texto


comentar ver comentários (8)
12 Jan 16

Houve muitos prognósticos, mas apenas um acertou no alvo: foi o do nosso colega de blogue Gabriel Santos, que anteviu a vitória difícil mas saborosa do Sporting sobre o Braga por 3-2.

Esqueceu-se de antecipar os marcadores dos golos, mas como mais ninguém acertou desta vez nem foi preciso aplicar o critério de desempate.


comentar
11 Jan 16

Os especialistas em arbitragem do diário O Jogo não têm dúvidas: ficou um penálti por marcar ontem no Sporting-Braga, aos 64', quando o braço do bracarense Ricardo Ferreira desviou a trajectória da bola.

Eis as opiniões:

Jorge Coroado: «Motivo bastante para penálti. Ricardo Ferreira jogou a bola com o antebraço direito, ficando com ela dominada. Penálti mais evidente que o assinalado [aos 57'].»

Pedro Henriques: «Embora o árbitro considere que o remate foi a curta distância, Ricardo Ferreira é deliberado a movimentar o braço. Infracção passível de penálti.»

José Leirós: «Lance duvidoso, num movimento de braço direito a rodopiar, impedindo que a bola seguisse a sua trajectória, dominando-a e jogando-a. Grande penalidade por assinalar.»

 

Mas não foi só O Jogo a considerar que o árbitro Jorge Sousa perdoou um penálti limpinho ao Sporting. Outro diário desportivo, A Bola, é da mesma opinião:

Hugo Forte: «Ricardo Ferreira tem o braço afastado do corpo quando toca a bola dentro da área, por isso havia razão para a marcação da grande penalidade. Decisão errada.»

Miguel Cardoso Pereira: «Fica por assinalar um penálti a favor do Sporting, por mão na bola de Ricardo Ferreira (65') - se se mantivesse o critério que terá sustentado o primeiro penálti, portanto.»

 

E como não há dois sem três, igualmente o Record não tem dúvidas: Jorge Sousa prejudicou a nossa equipa ao deixar por marcar aquela falta dentro da grande área bracarense.

António Magalhães: «Ricardo Ferreira tem o braço aberto e é com ele que impede o passe de Montero para Ruiz. Jorge Sousa entende como fortuito e não aplica o critério do lance anterior.»


comentar ver comentários (23)
10 Jan 16
2-0 é que é
Luciano Amaral

Jogo do Sporting com o Braga em que o Sporting não esteja a perder por 2-0 ao intervalo, não gosto. Viu-se em Braga: empate ao intervalo, e depois acabou como acabou.


comentar

Um jogo disputado sob chuva torrencial serviu de saborosa desforra à tangencial derrota que sofremos em Braga para a Taça de Portugal. Voltou a ser um desafio emocionante e muito competitivo, mas desta vez com um desfecho oposto. A vitória sorriu-nos em Alvalade.

Uma vitória que só começou a ser construída na segunda parte, com golos de Adrien (57'), Montero (76') e Slimani (90') perante 42 mil espectadores que não cessaram de puxar pela equipa. Na primeira parte, após uma bola enviada por Paulo Oliveira ao poste (35'), os bracarenses marcaram dois golos (40' e 45'), contrariando o domínio leonino bem traduzido no tempo de posse de bola.

Uma vez mais, as substituições feitas por Jorge Jesus na equipa funcionaram como o toque de Midas. Primeiro ao fazer entrar Gelson Martins para render William Carvalho, logo no recomeço da partida; depois ao optar pelo regresso de Montero, substituindo Bruno César. Resultou: fomos empurrando os bracarenses para o seu reduto e a todo o momento se adivinhava a reviravolta no resultado, que acabou por suceder - uma vez mais - ao cair do pano.

O melhor em campo, para mim, foi Adrien.

 

............................................................................

 

 

RUI PATRÍCIO (7). Felino. Sem culpas nos golos, fez uma grande defesa aos 49'. Impediu um terceiro golo do Braga quando Rafa se isolou perante ele aos 85'.

JOÃO PEREIRA (7). Combativo. Nunca baixou os braços, percorrendo a sua ala num constante vaivém em apoio à nossa linha ofensiva.

PAULO OLIVEIRA (7). Sólido. Não se limitou a ser o patrão da defesa, cortando diversos lances perigosos. E foi à frente, inconformado. Quase marcou aos 35'.

NALDO (6). Vigilante. Deu a sensação de estar mal posicionado nos dois golos sofridos. Compensou com uma segunda parte sem falhas.

JEFFERSON (6). Aguerrido. Melhor a atacar do que a defender. Fez a assistência para o segundo golo. Mas os dois do Braga nasceram do flanco que estava à guarda dele.

WILLIAM CARVALHO (4). Apático. O que se passa com o nosso médio defensivo? Errou passes, pecou por lentidão. Jesus fê-lo sair ao intervalo.

ADRIEN (8). Astuto. Incansável, o nosso capitão cumpriu todas as missões que lhe estavam incumbidas - incluindo no plano defensivo. Marcou o penálti que deu asas à nossa vitória.

JOÃO MÁRIO (8). Batalhador. É impressionante a forma como trata a bola, com mestria técnica. Foi um dos principais obreiros do triunfo leonino.

BRUNO CÉSAR (5). Discreto. Tentou ser influente, como tinha acontecido quatro dias antes em Setúbal, mas desta vez não chegou a fazer jus ao cognome de Chuta-Chuta. Saiu aos 59'.

BRYAN RUIZ (7). Influente. O relvado encharcado foi o principal obstáculo a este tecnicista que fez um cruzamento perfeito para o terceiro golo, aos 90'.

SLIMANI (8). Eficaz. Nunca desiste de chegar ao golo. E tanto tenta que acaba por conseguir. Aconteceu hoje novamente, perto do fim do jogo. Quase marcou aos 28' e 71'.

GELSON MARTINS (7). Ousado. Com ele em campo, no segundo tempo, o Sporting foi muito mais eficaz. Partiu várias vezes os rins aos bracarenses. Fundamental no centro que originou o penálti (56').

MONTERO (7). Felino. Entrou aos 59', revelando bons apontamentos técnicos. O golo que marcou, aos 76', foi precedido de uma excelente recepção de bola.

AQUILANI (6). Pendular. Rendeu o esgotado João Mário aos 81' e teve um papel importante a refrescar a equipa e ajudar a empurrá-la para a frente.


comentar ver comentários (6)

Gostei

 

Da vitória. Mais uma, desta vez sobre o Braga. Reforçamos a liderança, chegamos com pelo menos quatro pontos de avanço em relação ao segundo classificado nesta 17ª jornada, que assinala a dobra do campeonato.

 

Da desforra. Esta vitória soube-nos ainda melhor por constituir a desforra da nossa imerecida eliminação da Taça de Portugal que ocorreu em Braga. No conjunto foram dois grandes jogos de futebol.

 

De termos concluído com êxito uma ronda de três desafios muito difíceis. Depois de ganharmos ao FCP em casa (2-0) e golearmos o V. Setúbal no Bonfim (6-0), desta vez superámos o Braga em Alvalade (3-2). Balanço: 11 golos marcados e apenas dois sofridos.

 

Da excelente exibição leonina. Uma vez mais uma grande organização colectiva. Sobretudo na segunda parte, em que marcámos os três golos.

 

Da reviravolta.  Não é qualquer equipa que a perder por 2-0 ao intervalo contra o Braga consegue dar a volta em 45 minutos.

 

De Adrien. Correu o campo todo, de fôlego incessante. E foi decisivo na construção do nosso triunfo ao marcar uma grande penalidade, aos 57', com a frieza habitual. É o segundo marcador da nossa equipa, após Slimani. Merece, mais que nunca, a braçadeira de campeão. E foi, para mim, o melhor jogador neste encontro.

 

De Slimani. Voltou a marcar: foi dele o golo da vitória, aos 90', correspodendo a um soberbo cruzamento de Bryan Ruiz. Leva já 13 golos nesta Liga 2015/16. Decisivo, uma vez mais.

 

De João Mário. Um autêntico todo-o-terreno. Voltou a demonstrar que é um elemento imprescindível no onze-base deste Sporting que sonha com o título de campeão. Bom a construir jogo, a servir os colegas e também a rematar (o primeiro sinal de perigo para a baliza bracarense foi dele, logo aos 14').

 

De Gelson Martins. Rendeu um apagado William Carvalho na segunda parte. E com ele em campo o Sporting foi mais rápido e acutilante. Fez a cabeça em água à defensiva bracarense com os seus dribles no lado direito do nosso ataque. De um deles nasceu a grande penalidade que esteve na origem do primeiro golo leonino.

 

Do golo de Montero. O colombiano saltou do banco aos 59', substituindo Bruno César. E aos 76' marcou o segundo, após assistência de Jefferson, com uma excelente recepção de bola na grande área. Esperemos que este golo lhe dê mais confiança para futuros desafios.

 

 

Não gostei

 

Da chuva. Começou a cair torrencialmente a poucos instantes do apito inicial e prolongou-se por toda a partida, deixando o terreno em péssimo estado.

 

De sofrer dois golos em cinco minutos. Esboçou-se para nós uma espécie de pesadelo entre os 40' e os 45' com esses golos de Wilson Eduardo e Rafa Silva. Houve quem previsse o pior. Felizmente tais previsões falharam.

 

Do festival de golos falhados. Anotei estes: João Mário aos 14', Slimani aos 28', Paulo Oliveira aos 35' (bola ao poste), Bryan Ruiz aos 48', novamente Slimani aos 71'.

 

De William Carvalho. Exibição pálida do nosso médio defensivo, lento e aparentemente desconcentrado. Foi substituído ao intervalo.

 

De Bruno César. Depois de uma estreia de sonho em Setúbal, desta vez o Chuta-Chuta não chutou. Esforçou-se mas sem sucesso. Deu lugar a Montero aos 59'.

 

De ver o "nosso" Wilson Eduardo marcar contra nós. Marcou mas não festejou, em homenagem ao clube da formação, onde jogou 11 anos em todos os escalões. Saiu sob merecidos aplausos.


comentar ver comentários (12)
08 Jan 16

O Sporting recebe o Braga no próximo domingo, a partir das 16 horas. Servirá a última jornada da primeira volta de oportunidade para nos vingarmos da recente eliminatória da Taça de Portugal disputada no Minho?

Aceitam-se os vossos prognósticos a partir de agora. Falta acrescentar que este jogo será arbitrado por Jorge Sousa.


comentar ver comentários (46)
18 Dez 15

Com a devida vénia, eis quem é o "pintassilgo".

TOM CRUISE poster.png


comentar ver comentários (21)
17 Dez 15
Um grande jogo?
Edmundo Gonçalves

Para início de conversa, declaro que considero os erros dos árbitros perfeitamente normais.

Em circunstâncias normais. E se há coisa onde a normalidade é um acaso, é o futebol português...

Posto isto, é inegável que o Braga fez um grande jogo e nos 120 minutos até considero que foi melhor que nós, tendo em conta que as soluções que vieram do banco acrescentaram algo ao seu jogo, o que as nossas não conseguiram fazer ao nosso.

No tempo regulamentar merecíamos claramente ter ganho. Apesar de o Braga ter demonstrado muita garra, mais velocidade até, os nossos controlaram o jogo e as trocas de bola foram sempre uma arma difícil de bater pelos adversários, o que não impediu o golo que lhes deu o prolongamento, mas já lá vamos.

O golo de Ruíz é pleno de oportunidade e até ao golo do empate por uma ou outra vez poderíamos ter aumentado o score. E aqui aparece o imponderável: numa jogada de início de ataque do Sporting, três bracarenses, três, derrubam William, sem bola. Dizem as leis do jogo que é falta punida com cartão amarelo, ora um dos três, um tal de Luis Carlos, tinha já sido advertido e receberia o segundo e iria para a rua. Não foi e deu golo. Em fora-de-jogo, que a Sportv não quis mostrar!

E depois levámos o segundo numa rosca de Alan e respondemos de imediato, numa bela cabeçada de Slimani e ainda marcámos o terceiro, num excelente remate em jeito de William. Tínhamos o jogo controlado.

Aqui chegados, seria avisado defendermos o resultado, povoarmos o meio-campo, já que o Braga joga muito e bem no contra-golpe, mas não foi isso que aconteceu e confesso que não percebo porquê, e numa jogada onde a defesa andou aos papéis, o Braga empatou, num remate que ressaltou creio que em Paulo Oliveira e enganou Rui Patrício.

No prolongamento Slimani marcou. O árbitro e o auxiliar, não necessariamente por esta ordem, entenderam assinalar fora-de-jogo ao argelino. A sportv não mostrou, mas estava claramente em jogo.

Continuaram o Sporting sempre a pressionar na procura do golo e o Braga na espreita do contra-golpe, que resultou em golo.

Depois o Sporting ainda fez o golo do empate, numa jogada em que o árbitro, só ele, viu falta de William Carvalho, como se o futebol fosse voleibol e não fosse um jogo de contacto.

A coisa foi tão gritante que até os papagaios de serviço à pantalha já não conseguiam disfarçar o incómodo.

 

Ora, resumindo e para responder à minha própria pergunta, sim, foi um grande jogo.

Um grande jogo em que os jogadores não mereciam os árbitros que tiveram, pela entrega que deram ao mesmo.

Um grande jogo onde, azar dos azares, há três erros crassos e para não variar são "ambos" os três para o lado dos mesmos de sempre. Propositados? Não creio, mas estou a lembrar-me das capas dos desportivos desta semana e dou comigo a pensar que isto é um pouco como as bruxas...


comentar ver comentários (77)

comentar ver comentários (1)
16 Dez 15

Foi o melhor jogo desta temporada 2015/16 do futebol português. Um autêntico jogo de final. Vitória tangencial do Braga em casa, por 4-3. Mas podia ter sido ao contrário. Nomeadamente se o árbitro não tivesse anulado, por pretenso fora de jogo inexistente, um lance em que Slimani se isolou frente à baliza adversária.

Ninguém merecia perder.

Fica o registo: os nossos golos foram apontados por Bryan Ruiz, Slimani (após centro de Aquilani) e William Carvalho. E ficam os meus parabéns ao Braga. Que siga em frente na demanda do troféu que em 31 de Maio perdeu no confronto connosco, na final do Jamor.

Nós ficamos, a partir de agora, ainda mais concentrados na campanha que realmente nos interessa: a conquista do campeonato.


comentar ver comentários (37)
Mais logo? é pra ganhar!
Edmundo Gonçalves

Quando os rapazes de verde e branco
entram em campo, é pra ganhar
não têm medo jogam à bola
e a camisola é pra suar

 

 


comentar ver comentários (7)
09 Jun 15

http://www.maisfutebol.iol.pt/liga/08-06-2015/sp-braga-avanca-para-despedimento-com-justa-causa-de-sergio-conceicao

 

Lamento imenso que haja sportinguistas que não percebam que existe um nível a que não se desce.


comentar ver comentários (1)
08 Jun 15
Tags:

comentar ver comentários (7)
04 Jun 15


comentar
29 Mai 15

30 de Abril de 2005, um sábado como tantos outros.

1 de Maio de 2005, um domingo como tantos outros, mais uma jornada de glória para as nossas cores.

O dia de Pinigol e de um hat trick verdadeiro.

Braga, 0 vs. Sporting, 3; a primeira derrota do Braga de Jesualdo Ferreira no campeonato com um dos grandes (empatara duas vezes com o Benfica, uma com o Porto, outra com o Sporting e fora vencer ao Dragão).

Maurício Pinilla, internacional chileno, com 21 anos, demora 21 minutos a marcar três golos que contribuiriam para os 63 que o Sporting de Peseiro somava nessa jornada 31 (o Benfica de Trap tinha 49, o Porto de Couceiro 35).

Voltemos então ao dia 30 de Abril, o jogo com o Estoril no Algarve tinha sido na jornada anterior, nessa noite o Benfica recebia na Luz o Belenenses, o verdadeiro Belenenses. A equipa de Belém domina o jogo mas perde da forma habitual naquelas paragens. O grande herói benfiquista nesse dia chama-se Mário Mendes (o árbitro) assinala mal um penalty a 20 minutos do fim, marcado por Simão e no último minuto do jogo sonega ao clube da cruz de Cristo a oportunidade de empatar, Ricardo Rocha, defesa do Benfica atropela o rápido Lourenço (mais um da nossa formação) mas Mário Mendes que antes vira o que não aconteceu desta vez não consegue ver o acontecido. "Colinho" ontem, "colinho" hoje... há coisas no futebol português que não mudam.

O jogo acaba; Mário Mendes 1; Belenenses verdadeiro 0.

Aquilo que peço para domingo é que os nossos "Pinillas" sejam mais fortes, melhores e mais competentes que os "Mários Mendes" deles... que seja um grande jogo de futebol e que o Sporting vença.


comentar ver comentários (9)
19 Mai 15

Houve um leitor, chamado Raúl, que quase acertou. Mas a verdade é que todos falharam: ninguém previu a goleada do Sporting contra o Braga nesta despedida de Alvalade na Liga 2014/15. Por um vez, ao contrário do que é costume, a generalidade dos prognósticos foi menos optimista do que o resultado real.

Sinal dos tempos? Questão para reflectir.


comentar ver comentários (4)
17 Mai 15

Gostei

 

Da goleada. Despedimo-nos da Liga 2014/15 em casa com uma vitória categórica sobre o Braga, que já tinhamos derrrotado na primeira volta: 4-1 em Alvalade. Um excelente "treino" para a final da Taça de Portugal, a verdadeira, que irá disputar-se no Jamor a 31 de Maio contra a mesma equipa.

 

Da nos termos mantido invictos em Alvalade. É a primeira vez que o Sporting chega ao fim da Liga sem derrotas em casa num campeonato com mais de 30 jornadas.

 

De Adrien. Dois dos quatro golos leoninos foram marcados por ele. No primeiro, aos 44', confirmou ser o nosso melhor especialista em grandes penalidades. O segundo, aos 74', vai ficar durante muito tempo na memória dos adeptos: um petardo disparado à entrada da área. Foi um dos grandes golos do Sporting nesta temporada. Adrien merece ser eleito o melhor em campo.

 

De Carrillo. Criativo, veloz, em contínua mobilidade, sabendo jogar para a equipa, criou numerosas situações de perigo - incluindo o lance do penálti, convertido por Adrien, e a magnífica assistência para o golo de Slimani. Prepara-se para terminar o campeonato como um dos jogadores mais valorizados da temporada.

 

De João Mário. Incansável. Criou sucessivas situações de desequilíbrio, pondo em alerta contínuo a defensiva contrária. É outro jogador que chega ao fim deste campeonato muito mais valorizado do que quando começou: ninguém discute a sua titularidade no Sporting.

 

De William Carvalho. Foi novamente aquele médio influente e batalhador que tanto nos deslumbrou na última época. A recuperar bolas, a lançar a equipa para o ataque, a dar profundidade ao nosso jogo. Um dos baluartes leoninos na partida de hoje.

 

De Slimani. O argelino tem características de homem-golo: tem reflexos rápidos, sabe movimentar-se muito bem dentro da grande área e abrir linhas de passe. Marcou o quarto, quase ao cair do pano, tornando a nossa festa ainda mais saborosa.

 

Do entusiasmo no estádio. Quase 37 mil espectadores numa tarde cheia de sol, em bancadas onde não faltou vibração. Sobretudo na segunda parte, em que marcámos três dos nossos golos.

 

Da merecida ovação a Nani. Desta vez não houve assobios: o excelente avançado formado na nossa academia, regressado esta época por empréstimo do Manchester United, despediu-se de Alvalade sob uma prolongada chuva de aplausos que certamente não esquecerá. Um momento de emoção proporcionado por Marco Silva ao substituí-lo (por Carlos Mané) quando decorria o minuto 83.

 

Da homenagem aos nossos Iniciados. Os pequenos campeões nacionais, que hoje conquistaram o título derrotando o Benfica no Seixal, mereceram um justíssimo tributo dos adeptos ao intervalo do Sporting-Braga.

 

 

Não gostei

 

Da primeira parte. Demasiado insípida, caracterizada sobretudo pelo antijogo dos bracarenses, que começaram demasiado cedo a defender o golinho tangencial obtido de grande penalidade quase logo a abrir a partida.

 

Que tenhamos estado mais de meia hora a perder 0-1. Entre os 13' e os 45', quando o Braga nada havia feito para justificar tal resultado.

 

Da arbitragem. Carlos Xistra mostrou-se igual a si próprio: contemporizou demasiado tempo com o antijogo do Braga, que fazia tudo para retardar cada lance, exibiu cartões amarelos inexplicáveis (Nani lá foi contemplado com mais um para a colecção) e assinalou dois penáltis muito duvidosos. Erros que teriam bastado para estragar a partida. Felizmente não aconteceu.


comentar ver comentários (4)
15 Mai 15

Tenho muita curiosidade em saber os vossos prognósticos. Qual será o resultado do Sporting-Braga, a disputar domingo, a partir das 18 horas, com arbitragem de Carlos Xistra?


comentar ver comentários (30)

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Diziam que era "grande".....

Afundador

Os prognósticos passaram ...

Lembram-se?

Rescaldo do jogo de hoje

Prognósticos antes do jog...

Outra vez Abel?

Discrepâncias

Os prognósticos passaram ...

Cinema Paraíso

Arquivo

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

comentários

memória

selecção

bruno de carvalho

leoas

prognósticos

jorge jesus

balanço

há um ano

slb

vitórias

campeonato

benfica

eleições

jogadores

rescaldo

mundial 2014

arbitragem

taça de portugal

liga europa

godinho lopes

nós

ler os outros

golos

clássicos

árbitros

futebol

euro 2016

comentadores

cristiano ronaldo

scp

humor

análise

formação

crise

chavões

liga dos campeões

derrotas

william carvalho

todas as tags

Mais comentados
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds