Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Acham isto normal?

É voz corrente que hoje em dia, no futebol, já não há amor à camisola. A nova versão legitimadora de trocas clubísticas designa-se de profissionalismo, sendo que esta palavra serve também para honrar a dedicação de jogadores e treinadores a quem lhes paga. Por isso ouvimos jogadores fazer declarações apaixonadas por um clube, mas quando jogam contra ele querem ganhar pois, acima de tudo, são profissionais.

Pois é. Até parece que assim é. Mas a realidade, por vezes, desmente estas teorias inabaláveis. Incrédulo, li online o seguinte:

"Mourinho faz as contas do benfica: «os nove pontos podem chegar». Com 9 pontos é possível. Se ganharmos ao CSKA e Basileia, os nove pontos do Benfica podem chegar. Espero que não sejam 9, mas talvez a Liga Europa seja possível. Relativamente à qualidade do Benfica, o Benfica é melhor do que os outros dois. Continuo com essa ideia...".

E para não ser voz isolada, saiu Matic da cartola:

"Para o Benfica vai ser muito difícil agora, mas tem de fazer tudo para ganhar os últimos três jogos. O Benfica tem uma boa equipa, com muitos jogadores jovens que vão aprender e crescer. O Benfica tem um bom futuro".

Conclusão: ambos desejam o apuramento do benfica. É bonito e simpático, apesar de ser o Manchester United, o clube que lhes paga os principescos salários. Mas a vida e a matemática têm destas coisas. É bom lembrar que o próximo jogo é entre estes dois clubes. E a matemática não perdoa. Para um ganhar o outro tem de perder. E se, hipoteticamente, o clube em frente ao colombo ganhasse os três jogos que faltam e o Manchester, por sua vez, os perdesse, não passando aos oitavos de final? Hipoteticamente, claro...

Neste caso, teríamos uma confusão entre profissionalismo e amor à camisola, com maus resultados? Que lágrimas chorariam?

Com declarações destas parece mais que estamos na "twilight zone". Acham isto normal?

 

mou-mat-twz

A mudança que não virá

Parece que ontem, logo pela manhã, depois de cortesmente alguém ter avisado a comunicação social, a PJ deslocou-se, em grande número, às instalações do Benfica.  Supomos que esta deslocação está relacionada com a divulgação de uns e-mails no Porto canal e que de forma generalista, a comunicação social, principalmente a dita especialista em desporto, ignorou durante todo este tempo, a bem do futebol, claro.

Que há situações no futebol em Portugal que no mínimo são pouco claras e nos levam a pensar que há de facto acções de intervenientes directos, que podem alterar ou condicionar resultados, é evidente para todos. Mas estes todos, nós todos, não chegamos para que algo possa ser mudado. Pede-se à justiça, que é apenas neste caso uma espécie de conceito vago, constituída por órgãos a que pertencem pessoas, algumas ou mesmo todas que também pertencem ao "nós todos", que actue com rapidez e, lá está, que faça justiça, que consiga provar algo que é denunciado e que condene quem o fez ou faz, permitindo que a verdade desportiva, outro conceito tão vago como a própria justiça, seja reposta. O histórico sobre casos semelhantes e a história nunca se repete, mas tem constantes, diz-nos que daqui nada vai resultar. Iremos ter uma investigação morosa, repleta de procedimentos, questões jurídicas elaboradas ao pormenor, recursos e contra recursos, escritórios de advogados que entre eles decidirão os tempos perfeitos para que o resultado seja o esperado, ou seja, nada. 

Todos os intervenientes directos e aqui estão incluídos os dirigentes do clube em questão, os dirigentes da FPF, da Liga, dos diversos conselhos, os representantes dos árbitros, os diversos sindicatos, ou associações dos homens do apito, estarão todos do mesmo lado da barricada. E não, não será o lado da verdade ou do cumprimento da lei. Estarão, orgulhosos, na trincheira funda e imunda onde vive o futebol português. Tudo farão, e recursos financeiros não lhes faltam, para que se mantenha o status quo. As mudanças, como em tudo na vida, requerem coragem, precisam de pessoas, que mesmo sabendo que um passo em frente na direcção contrária à habitual, poderá ditar o fim da sua descansada e folgada vida, poderá originar um novo paradigma. E desses temos poucos.

Como diria o outro, é a vida.

Ética - A educação e o desporto

Este postal ocorreu-me após um confesso adepto de um clube rival ter afirmado numa nossa caixa de comentários que as suas visitas a este blogue não eram de cortesia, significando isso que os seus comentários não seriam delicados, amáveis, educados ou civilizados, como se não fosse dever de uma pessoa que visita a casa de alguém portar-se de forma cortês, com elegância.

De facto, o desporto hoje está à mercê de um conjunto de energúmenos que confundem o que deveria ser a sã rivalidade entre 2 grandes emblemas com a guerra, a picardia com a bravata, o humor com o ódio, a troca de ideias com a violência verbal e física, a liberdade de pensamento com o totalitarismo de cartilhas.

Mais do que um problema do desporto, este é um drama das sociedades modernas. O desporto acaba por sublimar a falta de educação, de urbanidade, de boa formação humana, de valores, por ser uma válvula de escape, o circo romano dos nossos dias.

A ajudar a festa, a política de comunicação dos clubes agudiza o problema. Em vez de realçar os méritos do que faz e como faz, a comunicação incide sobre o adversário, dir-se-ia (erradamente) inimigo, deitando continuadamente lama para a ventoinha, sem qualquer eficácia e ao arrepio do mais elementar bom-senso, descurando o efeito das suas palavras nos adeptos. 

Uma comunicação eficaz deve basear-se essencialmente no "porquê" das coisas. A bandeira da verdade desportiva, por exemplo, é meritória, na medida em que antagoniza na cabeça dos adeptos com o ganhar a qualquer preço. As pessoas entendem porque é que se persegue esse caminho, compreendem o valor da ética e do "fair-play" e está a ser dado um bom exemplo para a sociedade.

Nem tudo o que é legal, é ético. Mas, necessáriamente, o que é ético tem de ser legal. A verdade desportiva tem de ser acompanhada por um conjunto de regras definidas pelos supervisores desportivos - impõe-se um Código de Ética do agente desportivo - e pela actuação das autoridades, na certeza de que o desporto e, em concreto, o futebol, não pode ser visto pelos seus cidadãos como um fenómeno à parte da sociedade. 

Neste marasmo, cumpre-me registar o exemplo de comportamento civilizacional dado por Miguel Maia e pelo médico do Sporting - Dr Miguel Costa - no último Domingo, por ocasião do derby que marcou o regresso (vitorioso) do nosso clube ao voleibol, que prontamente auxiliaram e prestaram assistência ao atleta benfiquista Ary Neto, lesionado com gravidade, enquanto o público, esmagadoramente afecto ao Sporting, com "fair-play", aplaudia o voleibolista encarnado. O Benfica, no Twitter, agradeceu o apoio prestado pelo médico leonino, um gesto igualmente de salientar. Bons exemplos!

 

fairplay.jpg

 

Sem Lógica e Burros

Nos últimos tempos tenho assistido a algumas demonstrações de lógica carnidense nada surpreendentes.

Como é que um clube que apregoava aos sete ventos ser o principal defensor da verdade desportiva se declara contra uma ferramenta como o VAR que visa diminuir o erro no futebol?

Mas, para mim, a melhor é mesmo a defesa da prevaricação sem consequência, só porque no passado outros já o conseguiram. Falo, pois claro, de críticas ao pequeno castigo a um dos jogadores mais violentos do campeonato, o grego Samaris. Ao seu bom estilo defendem que, porque no passado se errou ao não castigar outros jogadores, se continue a errar.

Vá-se lá perceber o que vai naquelas cabeças. Parecem crianças que depois de levarem uma reprimenda da mãe por estarem a comer doces antes do jantar se defendem dizendo que o irmão também o fez.

Hoje giro eu - Quando se fala de Rankings

Depois de ler várias opiniões de benfiquistas, semanas a fio, suscitando o tema de o Benfica ser o 10º do ranking da UEFA e o Sporting ocupar apenas o 44º lugar, cheguei à seguinte conclusão:

 

1) o Benfica perdeu, em casa, com o 36º classificado do dito ranking;

2) o Sporting ganhou, fora, ao 27º colocado do mesmo ranking.

 

Assim sendo, a derrota do Benfica deve ser assumida como um escândalo (ó Rui Vitória!), a vitória do Sporting deve ser valorizada como um feito extraordinário. Ou então, os rankings não servem para nada, a não ser para mandar uns bitaites.

 

Estamos conversados?

 

Já agora, o AC Milan, 7 vezes vencedor da Champions League (com mais títulos, só o Real Madrid), é o 57º do ranking...

Hoje giro eu - E esta, hein?

Aqui há alguns anos atrás, Fernando Pessa apresentou um conjunto de reportagens vintage - escola BBC - onde eram descritas variadíssimas situações bizarras ou insólitas que ocorriam na cidade de Lisboa e que terminava com a frase: "E esta, hein?".

Vem este arrazoado a propósito das previsões  dos "especialistas" do futebol português para o desempenho na Champions, condenando, ao melhor estilo manuel machadês, o Sporting à luta pela qualificação para a Liga Europa e dando favoritismo a Benfica e Porto para seguirem para a segunda fase da prova milionária.

Sabe-se lá por que sortilégio da fortuna, então não é que a realidade lhes pregou uma peça nesta primeira ronda , tendo o "underdog" Sporting vencido (e fora) e os super-híper favoritos Benfica e Porto perdido (em casa)?

Pode ser que isto fique por aqui, mas que deu gozo ver a cara dos gurus da bola depois destes acontecimentos, lá isso deu. Homenageando (e parafraseando) o grande Pessa, é caso para dizer: "E esta, hein?".  

pessa.jpg

 Sentido obrigatório para a Segunda Fase da Champions?

 

Alvaro-Cunhal.jpg

Olhe que não, olhe que não...

Ver e ter medo de apitar

A decisão ontem conhecida do conselho de disciplina em não castigar Eliseu adequa-se. Foi esta época disponibilizada mais uma ferramenta para auxiliar a equipa de arbitragem a tomar as melhores decisões em casos específicos. Assim, como as imagens plenamente demonstram, Eliseu teve uma entrada violenta sobre um jogador do Belenenses. Tanto o árbitro principal, junto do lance, como o árbitro que analisava as imagens da inequívoca agressão, decidiram que naquele caso nada de anormal se havia passado. Aliás, a jogada prosseguiu com um lançamento lateral a favor do Benfica. Este caso onde uma tão evidente agressão é branqueada por uma equipa de 5 juízes prova de forma clara que há árbitros em Portugal que se sentem condicionados em tomar decisões que penalizem o Benfica. É incompreensível para todos que aquela entrada não fosse de imediato sancionada, seja pelo árbitro principal, fosse com intervenção do árbitro que tinha acesso às imagens das diversas câmaras. Os detractores do VAR, curiosamente na sua maioria adeptos e dirigentes do Benfica, exultam com esta decisão, não vendo o óbvio: Não foi o sistema do vídeo-árbitro, que eles tanto contestam e abominam, que falhou. Quem falhou de forma escandalosa foi quem estava a analisar as imagens e quem no campo não foi capaz de “ver” aquela agressão. Este condicionalismo em decidir contra o Benfica, que afecta a grande maioria dos juízes no activo, vai esta época, com a ajuda do VAR, ser ainda mais evidente. E o problema, um de muitos, do futebol português está aqui, nesta vantagem significativa que aquele clube tem em relação a todos os outros.

Vasco Santos, o árbitro que esteve em Vila do Conde a analisar as imagens em directo, foi um dos árbitros referidos nos e-mails divulgados.

Os impunes

O blog “oficioso” do Benfica decretou ontem, depois de aturada “investigação” (hehehe, peço desculpa), que nada de nadinha vai acontecer ao Benfica, nem na justiça desportiva (hehehe, peço desculpa outra vez) nem na civil. O blog onde os adversários são insultados diariamente, com toda a espécie de adjectivos, onde todos os comentadores e autores são anónimos, é onde se pratica a forma mais ignóbil da cartilha: Lançam umas postas de pescada muito indignadas, para inglês ver, e com isso pretendem afirmar a sua independência em relação à actual direcção. Têm sempre muitos exclusivos, a piada que isto tem, usam e abusam de interjeições exclamativas, que de forma natural são muito bem aceites por quem os lê. A adoração de que são alvo nas imundas caixas de comentários, onde a boçalidade domina, revela a cepa da maioria dos adeptos daquele clube. Mas o mais curioso, ou não, ou não, é que um dos vários “anónimos” que escrevinha naquela imundice, que passa por ser um, senão o maior, analista técnico-desportivo, deste triste panorama em Portugal, escreve, orgulhoso, que nada vai acontecer ao Benfica porque… bem, porque a justiça desportiva acabou de decretar a absolvição do Porto e seus dirigentes, no famoso processo do Apito Dourado. Uma verdadeira pescadinha de rabo na boca, os que no passado tanto criticavam, e bem, a forma como o Porto conseguiu a maioria dos seus títulos, agora que pelos mesmos processos, senão piores, também ganham, servem-se de uma absolvição, um mero acto administrativo, depois da justiça civil já há muito ter decretado como ilegais as escutas onde se baseava toda a acusação, para justificar os seus próprios actos e poder afirmar que nada lhes acontecerá.

Dúvidas houvesse, que não há, este Benfica é de facto o herdeiro natural do Porto dos anos 90 e 00. Limpinho, limpinho.

O bruxo está de férias

«Dois jogadores do Benfica expulsos no mesmo jogo de duas selecções diferentes - a piada fácil é que o bruxo pelos vistos está de férias... Mas dá para ver o que são jogadores profissionais: Jiménez viu bem o segundo amarelo, porque levantou muito a perna e acertou em Eliseu, só que acertou no corpo, não na cara, que foi de onde se queixou logo o seu colega de clube. Nelson Semedo também viu o segundo amarelo por falta idêntica, mas acertando mesmo na cara de Chucky Lozano.»

Manuel Queiroz, hoje, n' O Jogo

Quem será a toupeira do Benfica?

Toupeira,%20engenheira%20do%20sub-solo1[1].jpg

 

Este Verão futebolístico promete ser escaldante com novas e cada vez mais trepidantes revelações sobre a correspondência electrónica revelada ao país e ao mundo pela toupeira do Benfica.

A propósito: quem será ela?

Deixo os palpites à consideração dos nossos leitores. Uma coisa é certa: tem de estar muito bem colocada nos bastidores do pré-fabricado para ter acesso àquela porcaria toda que vem trazendo cá para fora.

Parabéns (2)

 

Pelo quarto ano completo e consecutivo desde que Bruno de Carvalho tomou posse como presidente do Sporting, venho dar os parabéns a todos os benfiquistas, que viram o seu emblema sagrar-se campeão nacional. Foi o último dos chamados três grandes clubes portugueses a sagrar-se tetracampeão - com dois técnicos diferentes a comandar a equipa ao longo deste tempo, iniciado pelo actual treinador do Sporting. Mas as coisas são o que são: manda o mais elementar desportivismo que saibamos dar os parabéns a quem venceu.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D