23 Mar 17

"Nestes 4 anos percorremos um caminho difícil, com Esforço, Dedicação e Devoção e conseguimos voltar a colocar o Sporting CP no lugar que é seu por direito, concretizando 120 medidas que prometemos e cumprimos.

Enumero aqui algumas das que considero mais importantes:

-Reestruturação financeira
-Sporting TV
-Auditoria de gestão
-16 novas modalidades, com transferência para o Clube do total da receita de quotização e consequente aumento do investimento nas 51 modalidades.
-Inauguração de novas Escolas Academia Sporting em Portugal e no Estrangeiro.

E foi graças a estas e a muitas outras medidas integradas numa política de gestão rigorosa e, sobretudo, graças ao apoio dos melhores Sócios e Adeptos do mundo que atingimos os seguintes objectivos:

-Passámos do 7º lugar para o 2º lugar com acesso direto à Liga dos Campeões em apenas 1 ano;
-Passámos a ter lucros regularmente nas contas do Clube e da SAD;
-Fizemos a maior venda de um jogador português para o estrangeiro e inscrevemos 4 jogadores no top 10 das maiores vendas da história do Clube;
-Fizemos o maior negócio do futebol português relativo a direitos televisivos;
-Conquistámos uma Taça de Portugal e uma Supertaça no futebol;
-Conquistámos 2 troféus europeus (Taça CERS em Hóquei Patins e Taça dos Clubes Campeões Europeus de Atletismo Feminino);
-Construímos o Pavilhão João Rocha que inauguraremos em breve;
-Recuperámos 37 passes de jogadores;
-Criámos a Gala Honoris Sporting;
-Melhorámos as infraestruturas: Academia, Multidesportivo e Estádio;
-Aumentámos o número de sócios em mais de 65 mil, atingindo o top 5 mundial com mais de 155 mil associados;
-Aumentámos a assistência média no Estádio José Alvalade para mais de 40 mil espectadores por jogo;
-Aproximámos os adeptos do Clube e superámos os 2,5 milhões de seguidores na plataforma Facebook, somando 2 milhões aos 600 mil que tínhamos ."

 

Esta parte do facebook eu gosto.


comentar ver comentários (2)
08 Jan 17

 

FRASE DO ANO: "PELO TEU AMOR EU SOU DOENTE"

Alvalade, 2 de Janeiro de 2016. Uma canção diferente irrompe nos microfones do Estádio José Alvalade. Minutos antes do jogo Sporting-FC Porto, todos quantos ali estávamos começámos a trauteá-la, ainda com a letra mal conhecida mas já contagiados pelo efeito mobilizador que dela emanava.

"O mundo sabe que / Pelo teu amor eu sou doente / Farei o meu melhor / Para te ver / Sempre na frente / Irei onde o coração / Me levar e sem receio / Farei o que puder / Pelo meu Sporting."

Era uma versão do célebre tema My Way, popularizado mundialmente na voz de Frank Sinatra, numa adaptação feita por Paul Anka do original francês Comme d' Habitude, de Claude François e Jacques Revaux. Começou a soar na curva sul, onde se concentra a Juventude Leonina, e a partir do jogo inaugural de 2016 tornou-se num novo hino do Sporting Clube de Portugal, gravado por Miguel Pacheco, fervoroso Leão. O nosso Sinatra. The Voice, que já gravara o mega-êxito da JuveLeo Só eu sei (porque não fico em casa).

O Mundo Sabe Que passou desde então a ser cantado a plenos pulmões por todo o estádio. E também pelo treinador: Jorge Jesus, aliás, não esconde o entusiasmo pelo vibrante tema, já comparado à mítica You'll Never Walk Alone, que acompanha os jogos do Liverpool.

Um novo hino que nos deu sorte: logo nessa jornada inaugural de 2016 derrotámos o FC Porto em casa, recuperando a primeira posição no campeonato. E manteremos a confiança de que haveremos de cantá-lo muitas vezes para festejar a conquista de futuros troféus. Não por acaso dizem que o verde é a cor da esperança.

 

Frase do ano em 2013: «O Sporting é nosso outra vez»

Frase do ano em 2014: «Estamos em casa»

Frase do ano em 2015: «Temos de acordar o Leão adormecido»


comentar ver comentários (16)
07 Jan 17

 

GOLO DO ANO

Houve vários, muitos deles memoráveis. Mas talvez nenhum tão emocionante para os adeptos sportinguistas como aquele que Bruno César marcou na baliza de Casilla, na segunda parte do Real Madrid-Sporting. Iam decorridos 48 minutos, desfazia-se o nulo inicial, os sonhos mais remotos prometiam tornar-se realidade.

Não esqueceremos essa data: 14 de Setembro de 2016. Estivemos tão perto da glória e afinal saímos derrotados de Madrid depois de termos vulgarizado a turma comandada por Zidane durante 75 minutos. Fizemos o mais difícil. Mas deixámos fugir a vitória no penúltimo minuto do tempo regulamentar, com um livre marcado por Cristiano Ronaldo (que marcou sem festejar porque mantém o Sporting no coração). Um golo de Morata já no tempo extra transformou o sonho em pesadelo.

Foi um jogo em que Gelson Martins, estreante na Champions, deslumbrou não apenas os sportinguistas mas toda a Europa do futebol. Desmarcou-se, fez tabelinhas, centrou, baralhou a defesa, fez a cabeça em água a Marcelo, passou com medida, assinou algumas das mais vistosas jogadas do desafio. E - muito mais importante - revelou eficácia, ao ajudar a construir o nosso golo.

Um belo lance colectivo iniciado numa excelente recuperação de bola por Adrien e prosseguido por tabelinhas entre Gelson e Bryan Ruiz, sendo concluído da melhor maneira por Bruno César. Com o seu fortíssimo pé esquerdo, o Chuta-Chuta fez jus ao cognome.

Jorge Jesus, com protestos exuberantes e histriónicos, acabou expulso. Diria no fim do jogo que o Sporting não teria perdido com ele no banco - frase deselegante para o seu adjunto, Raul José, e pouco abonatória para o seu próprio desempenho junto à linha. Mas o técnico leonino só poderia queixar-se de si próprio: ao mandar sair os nossos dois melhores jogadores, Gelson e Adrien, fazendo entrar Elias e Markovic, pôs o Sporting a jogar com nove.

E Zidane agradeceu.

 

Golo do ano em 2012: Xandão, contra o Manchester City

 Golo do ano em 2013: Montero, contra a Fiorentina

Golo do ano em 2014: Nani, contra o Maribor

Golo do ano em 2015: Slimani, na final da Taça de Portugal


comentar ver comentários (4)
06 Jan 17

800[1].jpg

 

VITÓRIA DO ANO: FINAL DO CAMPEONATO DA EUROPA

Tínhamos tudo contra nós. Jogávamos em casa da selecção adversária, perante um público maioritariamente hostil e tradicionalmente muito arrogante. Éramos apontados como “patinho feio” em todas as casas de apostas desportivas. Para cúmulo, vimos o nosso melhor jogador – e melhor jogador do mundo – inutilizado a partir do minuto 8 por falta que o árbitro entendeu não assinalar.

Mas soubemos resistir a todas as adversidades. Abdicámos do tradicional futebol-espectáculo que durante décadas nada mais nos trouxe senão umas quantas “vitórias morais” e trouxemos para Portugal o mais cobiçado troféu até hoje conquistado pelo futebol português: o Campeonato da Europa ao nível de selecções seniores, arrebatado na épica final do Parque dos Príncipes, em Paris.

 

Como de costume, não faltaram desde o início os profetas da desgraça ao nível do comentário desportivo, prontos a vaticinar o desaire da equipa das quinas. Um desses comentadores destacou-se mesmo por ir criticando sempre a exibição dos jogadores comandados por Fernando Santos.

”A selecção nacional está transformada no clube do Ronaldo”, começou por dizer (19 de Junho) o tal comentador, corporizando todos os Velhos do Restelo cá do burgo. Uma semana depois (26 de Junho) proclamava com gravidade perante das câmaras da estação televisiva que lhe serve de palco: “Nós ainda não entrámos no campeonato da Europa! Nós ainda não entrámos no campeonato da Europa!» Dias depois (2 de Julho), assinalava: “Nada do que aconteceu neste Campeonato da Europa deve ser considerado um êxito, bem pelo contrário.” A uma semana do jogo decisivo (3 de Julho), não encontrou nada melhor para dizer senão isto: “Eu só dou grande mérito a Portugal quando ganhar a final.” Ainda antes da final (6 de Julho), torcia pelos nossos adversários: “A França é uma equipa que me encanta.» No fim de tudo (11 de Julho), lá teve de meter a viola no saco, mas resmungando ainda: “A selecção nacional, na final, foi melhor sem Ronaldo do que com Ronaldo.”

 

Indiferente a esta e muitas outras aves agoirentas, a selecção trilhou a sua rota ascendente, passo a passo, com persistência, sem nunca perder: 1-1 com a Islândia, 0-0 com a Áustria, 3-3 com a Hungria, 1-0 com a Croácia, 1-1 com a Polónia (vitória no desempate por penáltis), 2-0 com o País de Gales e 1-0 na final de 10 de Julho frente à anfitriã, França.

Cristiano Ronaldo (3), Nani (3), Renato Sanches, Quaresma e Éder marcaram os golos portugueses. Rui Patrício foi designado melhor guarda-redes deste torneio que nos encheu de orgulho e júbilo.

E por que motivo o Euro 2016 figura aqui? Porque nos 23 seleccionados de Fernando Santos havia quatro jogadores do Sporting (todos titulares) e dez formados na nossa Academia.

Motivos redobrados para festejarmos o maior título de sempre do futebol português.

 

Vitória do ano em 2012: meia-final da Liga Europa (19 de Abril)

Vitória do ano em 2013: 5-1 ao Arouca (18 de Agosto)

Vitória do ano em 2014: eliminação do FCP da Taça no Dragão (18 de Outubro)

Vitória do ano em 2015: conquista da Taça de Portugal (31 de Maio)


comentar ver comentários (8)
05 Jan 17

04878682[1].jpg

 

DERROTA DO ANO: 0-1 CONTRA O BENFICA

Há jogos assim, em que tudo parece fadado para correr mal em termos de resultados. Mesmo correndo bem em termos de exibição. Sucedeu com o Sporting a 5 de Março, quando recebeu o Benfica em Alvalade. Foi um desafio decisivo para a atribuição do título de campeão nacional.

Se a vitória sorrisse ao Sporting, que liderava o campeonato pela margem mínima, dificilmente a conquista da Liga 2016/17 fugiria à nossa equipa, que passaria a depender apenas de si própria. Se fosse o Benfica a vencer, ascenderia à liderança e teria de ser desalojado.

Houve excesso de triunfalismo por parte dos sportinguistas, que receberam em euforia o autocarro transportando os jogadores, celebrados como quase conquistadores do campeonato. Perdeu-se de vista uma regra de ouro das competições: nunca se deve participar com a certeza antecipada da vitória. Este excesso de confiança costuma ser mau conselheiro.

E assim foi. O Sporting, que tinha derrotado o Benfica em três ocasiões nessa mesma época (vitória da Supertaça a 9 de Agosto, vitória por 3-0 na Luz a 25 de Outubro para o campeonato e triunfo na Taça de Portugal a 21 de Novembro), soçobrou naquele que parecia ser o desafio mais acessível, disputado em sua casa, na segunda volta da Liga, perante 49.699 espectadores (recorde de assistência à época). Com o Benfica remetido à defesa durante quase todo o encontro, Jefferson a rematar com estrondo à barra e Bryan Ruiz a falhar duas soberanas ocasiões de golo que teriam ditado uma sorte muito diferente ao desafio – e à própria marcha do campeonato.

Havia ainda bastantes jogos. Mas muitos de nós tivemos a convicção de que aquela derrota em Alvalade traçava uma espécie de linha de fronteira. Que transformava o título há tanto tempo sonhado numa hipótese remota, na medida em que deixávamos de depender apenas de nós próprios e ficávamos a partir daí à mercê de um putativo tropeção do nosso rival mais directo.

Que nunca aconteceu, como sabemos.

 

 

Derrota do ano em 2012: final da Taça de Portugal (20 de Maio)

Derrota do ano em 2013: 0-1 em casa contra o Paços de Ferreira (5 de Janeiro)

Derrota do ano em 2014: 3-4 contra o Schalke 04 em Gelsenkirchen (21 de Outubro)

Derrota do ano em 2015: 1-3 contra o CSKA em Moscovo (26 de Agosto)


comentar
04 Jan 17

islamslimani-cropped_1o8uxib6zjz7i1ou88gsd8792t[1]

 

DESPEDIDA DO ANO: SLIMANI

Muitos sportinguistas nem queriam acreditar: pressentiam, e com aparente razão, que com ele fora de Alvalade as nossas possibilidades de conquistar o campeonato nacional diminuíam. Mas esse dia triste chegou, a 28 de Agosto, quando o ponta-de-lança argelino se despediu do nosso estádio e do nosso clube lavado em lágrimas, sob uma impressionante ovação dos adeptos.

Alguns imbecis especulavam antes deste desafio sobre o ânimo de Islam Slimani, considerando que já estaria com a cabeça noutro local, e que certamente iria "poupar-se" para preservar eventuais lesões. Enganaram-se redondamente: ele foi a figura do jogo, batendo-se com bravura, como se aquele não fosse o último mas o seu primeiro dia a actuar de Leão ao peito.

Despediu-se como merecia: num jogo grande, com uma vitória. Foi na terceira jornada desta Liga 2016/17, no primeiro clássico da temporada: foi dele o golo inaugural da vitória leonina frente ao FC Porto, que nos colocava na liderança do campeonato. Rumou então ao Leicester, campeão de Inglaterra, onde já marcou seis golos – um na Premier League, outro na Liga dos Campeões.

Deixou muitos adeptos inconformados com esta saída, apesar de ter sido a segunda mais lucrativa de sempre na história do Sporting: a transferência do internacional argelino, de 28 anos, para o mais disputado campeonato mundial rendeu 30 milhões de euros. Mais lucrativa só a saída de João Mário para o Inter, dias antes, por 40 milhões – outra despedida que todos lamentámos também.

Slimani tem manifestado desde então, nas redes sociais, o seu incondicional carinho pelo clube que adquiriu o seu passe em Agosto de 2013, por irrisórios 300 mil euros, e no qual viu o seu valor contratual multiplicar-se por cem. Em Alvalade, cresceu e multiplicou o talento, bem ilustrado em golos: marcou 57 em três épocas, 31 dos quais na fabulosa temporada 2015/16, sob o comando de Jorge Jesus, sagrando-se melhor marcador sub-30 da Liga. Foi ainda ele a marcar o golo que iniciou a nossa reviravolta na trepidante final da Taça de Portugal em 2015.

Como não ter saudades de um jogador assim?

 

Despedida do ano em 2012: Polga

Despedida do ano em 2013: Wolfswinkel

Despedida do ano em 2014: Leonardo Jardim

Despedida do ano em 2015: Marco Silva 


comentar ver comentários (2)
03 Jan 17

356183_med_sporting_x_moreirense_liga_nos_2016_17_

 

 DECEPÇÃO DO ANO: ELIAS

Nunca devemos voltar aos locais onde já fomos felizes, diz quem sabe. Por maioria de razão, devemos evitar o regresso aos locais onde fomos infelizes. Nada garante que aquilo que à primeira não funcionou bem passe a funcionar melhor quando se dispõe de uma segunda oportunidade.

O brasileiro Elias Mendes Trindade, paulista de 31 anos, dispôs dela. E acabou por regressar a Alvalade três anos depois da abortada tentativa de conquistar um troféu ao serviço do Sporting – com tanto mais responsabilidade quanto era sabido que tinha sido o jogador mais caro da história leonina, custando cerca de 8,8 milhões de euros aos nossos cofres.

Os adeptos torceram o nariz. Para quê trazer de volta este médio que ficou ligado ao humilhante sétimo lugar de 2012/13 – a pior classificação de sempre do clube onde noutros tempos brilharam brasileiros como Géo, Osvaldo Silva, André Cruz, Jardel e Liedson?

Fui dos mais cépticos, confesso. Nem lhe concedi o benefício da dúvida. “Dizem que um tal Elias está em Lisboa para ‘substituir Adrien’. Só pode ser anedota de mau gosto. Na melhor das hipóteses, vem reforçar a equipa B”, escrevi aqui a 31 de Agosto, mal foi conhecida a notícia do seu regresso. Bem recordado da entrevista que o jogador deu há quatro anos em que confessava sentir-se “infeliz no Sporting”.

Gostaria de ter-me enganado. Infelizmente, não foi o caso. O Elias que voltou era demasiado semelhante ao Elias que partira: incapaz de acertar as marcações, falhando passes, rematando para trás, soltando a bola como se lhe queimasse os pés.

Em boa verdade, talvez não devesse ser decepção. Porque nunca foi ilusão. Quem disse que a história não se repete?

 

Decepção do ano em 2012: Elias

Decepção do ano em 2013: Bruma

Decepção do ano em 2014: Eric Dier

Decepção do ano em 2015: Carrillo 


comentar ver comentários (5)
02 Jan 17

PWPLQEHO.jpg

 

CONFIRMAÇÃO DO ANO: GELSON MARTINS

A aposta que Jorge Jesus nele fez em 2015 teve plena tradução prática ao longo do ano que agora terminou. Gelson Dany Batalha Martins, hoje com 21 anos, é um dos valores mais seguros do Sporting, como ficou amplamente demonstrado em 2016. Ganhou a titularidade no campeonato, como médio ofensivo actuando na ala direita, e deslumbrou os adeptos leoninos com os desequilíbrios que foi capaz de criar, flectindo da linha para o eixo do ataque.

Em nenhum desafio isso foi tão evidente como na eliminatória no Santiago Bernabéu frente ao Real Madrid, para a Liga dos Campeões. O menino nascido na Cidade da Praia, em Cabo Verde, deu espectáculo num dos mais temíveis palcos futebolísticos do mundo, a 14 de Setembro: desmarcou-se, fez tabelinhas, centrou, baralhou a defesa madridista e quebrou os rins ao brasileiro Marcelo, seu antagonista mais directo. Uma exibição culminada na assistência para o golo de Bruno César, que pôs o Sporting a vencer até cinco minutos antes de soar o apito final.

No dia seguinte, o cronista do influente El País, chamava “filão” ao jovem Gelson, formado na Academia de Alcochete. Olheiros dos principais emblemas europeus passaram a estar desde aí com particular atenção ao desempenho do luso-caboverdiano. Por coincidência ou talvez não, duas semanas depois, Fernando Santos chamou-o pela primeira vez aos trabalhos da selecção nacional. A estreia ocorreu a 7 de Outubro, num desafio contra Andorra.

Seguro por uma cláusula de 60 milhões de euros, Gelson Martins vai certamente continuar a passear a sua classe pelos estádios portugueses até ao fim da presente temporada. Já com dois golos e sete assistências contabilizados na Liga 2016/17. Não custa vaticinar que o aguardam voos cada vez mais elevados no mundo do futebol. Saiba ele ter a lucidez para perceber que não deve queimar etapas: na inevitável ascensão à glória, cada passo deve ser dado de sua vez.

 

Confirmação do ano em 2012: André Martins

Confirmação do ano em 2013: Adrien

Confirmação do ano em 2014: João Mário

Confirmação do ano em 2015: Paulo Oliveira


comentar ver comentários (8)
01 Jan 17

img_770x433$2016_05_23_01_54_22_1105328[1].jpg

 

PROMESSA DO ANO: FRANCISCO GERALDES

Por estes dias, tem circulado uma notícia que enche os sportinguistas de satisfação: Francisco Geraldes pode regressar a Alvalade. É um dos jovens mais promissores do campeonato nacional de futebol, tendo-se destacado mais recentemente com a camisola do Moreirense, onde actua por empréstimo do Sporting.

Chegou de facto a hora de Francisco Oliveira Geraldes provar o que vale no clube que o viu nascer para o futebol e ao qual está vinculado há sete épocas. Médio criativo, com forte capacidade de desequilíbrio, excelente leitura de jogo e uma maturidade competitiva superior aos seus 21 anos de idade, este jovem natural de Lisboa tem arrancado justos elogios à imprensa desportiva: são frequentes as menções ao seu nome, como melhor em campo, nas actuações ao serviço da turma de Moreira de Cónegos.

Já nas duas temporadas anteriores assim foi: deu nas vistas como profissional do Sporting B, onde se revelou um dos elementos mais dinâmicos, que faz da velocidade um argumento em campo e é capaz de cruzamentos milimétricos quando se movimenta junto à linha, o que sucede com alguma frequência. Em 2014/15 e 2015/16 cumpriu 62 jogos pela segunda equipa leonina, tendo marcado 11 golos.

Jorge Jesus, ao que parece, não tarda a chamá-lo à equipa principal. Faz bem: Francisco Geraldes merece. Não custa muito vaticinar que daqui a uns anos poderá ser referenciado como um valor seguro não apenas do Sporting mas da própria selecção nacional. Como antes dele foram um Quaresma, um Moutinho ou um Nani.

Assim tenha a sorte do seu lado. Assim tenha as oportunidades que merece.

 

Promessa do ano em 2012: Eric Dier

Promessa do ano em 2013: William Carvalho

Promessa do ano em 2014: Carlos Mané

Promessa do ano em 2015: Gelson Martins

 


comentar ver comentários (6)
31 Dez 16

XZYH5R6B.jpg

 

TREINADOR DO ANO: FERNANDO SANTOS

Tem sido justamente reconhecido e premiado a nível internacional neste final de ano. É caso para isso: Fernando Santos conduziu a selecção nacional de futebol sénior à maior conquista da sua história, sagrando-se campeã da Europa. Um exemplo do que Portugal devia fazer noutros sectores mas que apenas alcança no desporto.

Santos foi o grande obreiro deste triunfo. Mais do que ninguém, ele acreditou sempre. Num país em que o derrotismo é moeda corrente e onde nenhum profeta da desgraça está desempregado, o mais célebre engenheiro do futebol português ministrou sucessivas injecções de optimismo nos adeptos nacionais, transmitindo-lhes toda a confiança do mundo. Uma atitude que ficou bem expressa nestas suas palavras, proferidas a 19 de Junho: “Já avisei a família que só volto no dia 11 [de Julho] e vou ser recebido em festa.”

Gozaram com ele, dedicaram-lhe piadas e anedotas, mas no fim quem mais sorriu foi Fernando Santos. Portugal conquistou um título que desde sempre ambicionava (e que lhe fugira em casa, 12 anos antes, na frustrante final frente à Grécia) e alcançou tal proeza com brilho, derrotando na final a própria selecção anfritrã da prova – a arrogante França, de Lloris, Griezmann, Payet e Dogba. A França que já nos afastara das meias-finais dos Europeus de 1984 e 2000. A França contra quem praticamente ninguém ousava apostar.

Mesmo com Cristiano Ronaldo lesionado logo aos 8’, por falta que o árbitro não sancionou, a selecção das quinas nunca baixou os braços no jogo decisivo. O nosso esquema táctico funcionou na perfeição. Rui Patrício brilhou entre os postes. E já no prolongamento a sorte sorriu-nos com aquele remate à meia-volta de um Éder que se estreou como vilão e terminou como herói no Euro-2016.

Nunca esqueceremos esta façanha – uma das maiores de sempre do futebol português. Sobretudo nós, sportinguistas, que tínhamos quatro jogadores no onze titular da selecção: Adrien, João Mário, Rui Patrício e William Carvalho. E outros seis seleccionados oriundos da formação leonina: Cédric, João Moutinho, José Fonte, Nani, Quaresma e Ronaldo – o melhor jogador do mundo.

O Sporting é uma fábrica de talentos. Como Fernando Santos se encarregou de evidenciar neste Europeu do nosso contentamento.

 

Treinador do ano em 2012: Domingos Paciência

Treinador do ano em 2013: Leonardo Jardim

Treinador do ano em 2014: Marco Silva

Treinador do ano em 2015: Jorge Jesus


comentar ver comentários (32)
30 Dez 16

adrien4[1].jpg

 

JOGADOR DO ANO: ADRIEN

Entre os obreiros do futebol-espectáculo proporcionado pelo Sporting em 2016, Adrien Silva figura em natural destaque. Desde logo por ser capitão de equipa - e não se limita a usar a braçadeira, pois assume-se como o maestro do onze leonino no eixo do terreno. Depois por nascer nos pés dele grande parte das nossas jogadas de ataque - sempre com a bola bem controlada, constante abertura de linhas de passe e uma superior visão do jogo. Adrien é um jogador cheio de intensidade e fulgor, ao nível dos melhores médios de sempre na história do Sporting Clube de Portugal. E no ano que agora acaba revelou maior destreza técnica que nunca, fruto já do seu trabalho com Jorge Jesus.

Idolatrado em Alvalade, invejado pelos emblemas rivais, o n.º 23 deu um enorme desgosto aos adeptos no final de Agosto, ao anunciar que trocaria o Sporting por uma equipa estrangeira (supostamente o Leicester). Mas acabou por dar o dito por não dito, permanecendo no seu clube do coração e procurando assim mais uma hipótese de se sagrar campeão nacional.

O título de campeão europeu já é dele: a 10 de Julho, na emocionante final de Paris frente à França, Portugal arrebatou o eurocampeonato à turma da casa - consumando assim a maior proeza de sempre do futebol pátrio.

Quem viu, não esquece. Quem não viu, que visse. Todo o país desportivo rendido à virtuosa magia da equipa das quinas, capitaneada pelo nosso Adrien. Ídolo do Sporting, elogiado até por adeptos de clubes rivais e reconhecido em toda a Europa do futebol.

 

Jogador do ano em 2012: Rui Patrício

Jogador do ano em 2013: Montero

Jogador do ano em 2014: Nani

Jogador do ano em 2015: Slimani


comentar
25 Out 16
A limpeza das espingardas*
Edmundo Gonçalves

Está lançado aqui no blogue o mote para fazermos todos, sportinguistas, o balanço do que se vai passando na equipa de futebol e no Clube, que críticas ou reparos, ou propostas, ou sugestões temos para ajudar a ultrapassar esta fase menos boa.

Um dos visados nas críticas, para além do treinador, é o presidente e a sua atitude e forma de actuar/comunicar, considerando-se exagerada, desfasada, despropositada até, a sua forma de governar a comunicação do Sporting e inclusive o relacionamento para dentro.

Eu já não acho!

Em relação ao presidente, o que eu temo, sinceramente, é que ele comece a deixar-se vencer pelo status quo.
É que, concordando que aqui ou ali deu alguns tiros nos pés (ninguém é perfeito), há temas que, se estão na ordem do dia, a ele o devemos.
Quando dizemos que hoje o presidente está "muito melhor" e nunca deixamos de referir os episódios em que esteve mal (e que eu subscrevo), quer dizer que o "desgraçado" do presidente tem um sacana dum carimbo na testa do qual nunca se irá livrar e haveremos de, ad eternum, cobrar-lhe esses excessos fruto de uma clara imaturidade inicial, que todos lhe desculpámos em tempo.
O homem há-de ser sempre preso por ter cão e por não o ter; Se fala é porque fala, se se cala é porque deveria ter falado. É claro para mim que "diálogo" do presidente, só com outros presidentes, mas não será esse o objectivo dos outros presidentes, forçar um diálogo de surdos? Senão, porque anda calado que nem rato o tipo dos camiões e não se houve falar o azeiteiro dos chocolatinhos, se não for com o intuito óbvio de cortar o pio a quem os pode colocar em causa e às suas manigâncias?
Exagera? Por certo, mas creio que o tempo do verbo deverá ser conjugado no passado. Hoje por hoje, não me parece que as intervenções do presidente sejam factor de desestabilização e aquele comunicado após a derrota de Madrid, p.e.,  tem um claro objectivo que é o de dar um voto de confiança à equipa. Não creio que o facto de "valorizar uma derrota" tivesse sido prejudicial à equipa e aos jogadores.  Está claro para mim que o problema actual da falta de resultados é mais do foro psicológico que de outra coisa qualquer e aprecio a atitude do presidente dando um voto de confiança ao grupo. Se não gostei do episódio Guimarães (Marco Silva), não posso criticar a forma que foi encontrada para dizer aos jogadores que estava com eles, ainda que a forma talvez não tivesse sido a ideal. E conhecendo já um pouco de Bruno de Carvalho, estou em crer que uma parte do recado foi dada no recato do balneário e não terá sido tão simpática quanto a versão dada a público.

Tenho um reparo a fazer-lhe: Já é tempo de se virar para dentro e deixar para outras pessoas da estrutura o pesado fardo de guerrear com os adversários. Há ainda tanta coisa e tão importante a fazer dentro do Clube, que o presidente é valioso demais para perder o seu tempo com fait divers.

 

Há no entanto um tónico excelente para a resolução do problema porque ora passamos: Vitórias. Tenho certeza que começando a ganhar, ninguém prestará atenção às eventuais incontinências do presidente.

 

 

 * Sem nada ter a ver com guerra, antes com a lúdica actividade cinegética, é em tempo de descanso que se limpam as espingardas e se pensa na melhor forma de atacar a presa.


comentar ver comentários (17)
24 Out 16
Em jeito de balanço
Edmundo Gonçalves

 

A transposição de um comentário a este post do Pedro Correia, que veio à página principal por sua sugestão e que é a minha visão do momento actual do Sporting.

Vale o que vale.

 

Ponto prévio:
A ausência de Adrien por lesão, importante sem dúvida, não justifica o mau momento da equipa. É importante lembrar que em Vila do Conde, onde encaixámos três,  Adrien esteve presente.

O que se verifica, para além de uma clara falta de qualidade de alguns jogadores, é uma gritante falta de atitude competitiva que tira a paciência ao mais santo.


Posto isto, a minha análise, por sectores:
Laterais. Só um cego não vê que são fraquinhos, todos os quatro, sendo que na direita João Pereira ainda disfarça com a ratice própria da idade e não defende mal; Eu diria que era o único com que ficava, se tivesse o poder e o dinheiro para decidir. Convém no entanto fazer a ressalva de que se os laterais têm que ajudar no processo ofensivo, os médios e até os alas, têm o dever de compensar no processo defensivo e valha a verdade que isso não tem acontecido. Ora sendo eles fracotes, convinha haver um pouco mais de solidariedade entre sectores.
Médios. Como já se disse, Adrien faz muita falta,  mas William não está a conseguir disfarçar essa falta, coisa que o capitão fez com grande competência o ano passado, quando a situação se inverteu e enquanto William esteve em campo a fazer número, passe o exagero. Não quer isso dizer que William esteja mal, não tem é a bravura do capitão, nem as suas características e o seu jogo ressente-se disso e em consequência o jogo da equipa (se o motor do carrossel não funciona, a "bicharada" não anda à roda). Depois há Elias, que me parece completamente deslocado. Provavelmente renderia mais no apoio ao(s) ponta(s), a dez, ou "nove e meio", uma vez que até já demonstrou ter facilidade de remate na zona da meia lua. André não é definitivamente para aquela posição; Segundo avançado, tudo bem; Ali, nas costas de Bas Dost, não me parece que renda grande coisa, até porque perde na expontaneidade de remate para Elias. No último jogo teve algumas oportunidades de rematar e deu sempre mais aquele toque desnecessário que o levou a perder ou o tempo, ou a posição de remate.
Alas. Bryan Ruíz entre jogos europeus, selecção e campeonato, não pode com uma gata p'lo rabo; Vai disfarçando com a refinada técnica que tem, mas isso começa a ser insuficiente. Precisa de descanso urgentemente. Gelson está em grande forma e demonstra que é uma aposta ganha.
Ponta. Bas Dost pegou de estaca.

Esta tem sido, mais ou menos, a equipa base, sem qualquer preocupação de esquema táctico da minha parte.


Começando pelo princípio, Jesus será o meu treinador, sem reticências. Não há melhor em Portugal. Domar-lhe o ego será mister complicado, mas convinha tentar.
E como treinador de bancada eu faria mais ou menos isto:
Rui é intocável, mas finalmente tem alguém a fazer-lhe sombra, Beto.
Para as laterais apostava em J. Pereira para os jogos da Liga, na direita e em Esgaio na esquerda (fez um belo torneio olímpico naquela posição) até Dezembro e começava a pensar seriamente em ir às compras em Janeiro para ambas as posições, ou regressando Jonathan, apostar em Esgaio na direita.
De centrais estamos bem servidos, daí que não me custava nada fazer alinhar P. Oliveira ou Douglas a fazer parelha com Coates e avançar Semedo para trinco, deixando o processo de construção ofensiva a cargo de William, que faria simultâneamente o primeiro tampão ao jogo adversário, já que se viu que os nossos avançados não pressionam.
Ora com Semedo a seis, William a oito, resta a posição dez que entregaria, como disse atrás, a Elias.
As alas ficariam a cargo de Ruíz e Gelson e a ponta com Dost. Conviria então que as bolas lá chegassem, coisa que hoje raramente acontece.

Em alternativa ao Elias, entra de estaca Bruno César, que tem também remate fácil e poderoso e face à falta de força de Ruíz, pode fazer a compensação na lateral esquerda. Ruíz que, nesta fase, poderá muito bem ser trocado por Matheus, sendo que com um ou outro, Bruno César tem sempre que alinhar, uma vez que nenhum defende.

Comprou-se muito lá para a frente, para posições onde já havia gente a mais e comprou-se sobretudo para onde já havia prata da casa. Curiosamente, para onde todos os focos apontavam, todas as campaínhas tocavam e todas as luzes de perigo piscavam, as laterais, não veio ninguém. Continua a ser para mim um mistério ninguém ter dado pelo "chinfrim".

Parece-me que seria salutar fazer regressar alguns dos emprestados.  Jonathan Silva, claramente, que evitará uma aquisição, Palhinha, Geraldes...

É normal as equipas terem picos de forma, em alta e em baixa, mas parece-me que o que está a acontecer com o Sporting é como disse lá mais em cima, um grave problema de (falta de) atitude e isso é claramente do foro psicológico. Parece-me fulcral contratar alguém que levante a moral das tropas. As coisas hoje funcionam por compartimentos e a saúde psicológica dos jogadores é talvez, a seguir à sua capacidade técnica, o factor mais importante do todo.

A bem da cultura de exigência, tão propalada e bem pelo presidente, tenho a certeza que é necessário tomar medidas. Estas, ou outras. Como está é que não!
 


comentar ver comentários (17)
22 Ago 16

ng8d92dbbd-e719-42c3-9bcd-b887bdfd8d61[1].jpg

 

Nunca consegui perceber a aversão que O Jogo tem a William Carvalho - bem patente nas pontuações em regra atribuídas pelo jornal ao nosso campeão europeu que destronou o portista Danilo como titular da selecção nacional.

Durante toda a Liga 2015/16 este foi o único periódico desportivo que omitiu o nosso n.º 14 do rol dos melhores em campo, na linha do que já acontecera na segunda volta da Liga 2014/15. Felizmente o seleccionador Fernando Santos não elabora os seus juízos com base no jornal mais conotado com o FC Porto.

 

E no entanto, mesmo sem o ritmo competitivo ideal por ter começado a integrar-se mais tarde nos treinos da equipa, William tem sido um dos mais influentes jogadores leoninos neste início do campeonato. Isso mesmo, de resto, foi sublinhado por diversos observadores na imprensa portuguesa.

Segundo o jornalista Vítor Almeida Gonçalves, que assinou ontem a crónica do jogo no Record, o nosso médio defensivo foi fundamental no desafio de Paços de Ferreira para "unir as pontas soltas" no corredor central, contribuindo para que o Sporting saísse invicto do estádio Capital do Móvel. Alexandre Carvalho, editor-adjunto do mesmo jornal, elogiou sem reticências o contributo de William neste confronto: "Nos movimentos defensivos a equipa reorganizava-se e promovia uma espécie de 'mutação táctica': William Carvalho mantinha o controlo absoluto da área imediatamente à frente do quarteto defensivo."

Carlos Xavier, ex-jogador convidado pelo Record para analisar o jogo, destacou o "acerto de William e Adrien no meio-campo". Na sua perspectiva, ambos "foram muito importantes na manobra da equipa e para que esta conseguisse chegar ao triunfo em Paços de Ferreira".

 

O Record atribui a William três pontos (em cinco) enquanto A Bola lhe dá seis (em dez). Mas O Jogo, fiel à sua máxima de desvalorizar o trabalho do campeão leonino, atribui-lhe apenas cinco pontos (em dez). A mesma pontuação - algo verdadeiramente espantoso - concedida a Carlos Mané (que esteve pouco mais de dez minutos em campo) e ao apagado Marvin (que não chegou a jogar meia hora).

"Falhou um número anormalmente alto de passes e recorreu muitas vezes à falta quando já tinha cartão amarelo, atitude que o colocou à beira de uma expulsão que podia ter comprometido a equipa. Redimiu-se nos minutos finais ao segurar bem a bola perante a pressão do adversário": foi esta a justificação dada pelo jornalista Duarte Tornesi para lhe atribuir a nota mais baixa.

 

Alguém imagina o Sporting a sair invicto e vitorioso de Paços de Ferreira com um William a actuar como O Jogo descreve e pontua?


comentar ver comentários (7)
09 Ago 16

Antes do arranque do campeonato nacional de futebol 2016/17, relembro os prognósticos sobre a prestação do Sporting em cada jornada da Liga anterior feitos aqui no És a Nossa Fé.

É um passatempo que aqui recomeçará em breve, pelo quarto ano consecutivo.

 

14 de Agosto (Tondela, 1 - Sporting, 2): Ninguém acertou

22 de Agosto (Sporting, 1 - Paços de Ferreira, 1): Ninguém acertou

30 de Agosto (Académica, 1 - Sporting, 3): Grande Artista Goleador

13 de Setembro (Rio Ave, 1 - Sporting, 2): Gato Preto, Mauro Rebelo, Sam, SCPSempre

21 de Setembro (Sporting, 1 - Nacional, 0): José da Xã

26 de Setembro (Boavista, 0 - Sporting, 0): Ninguém acertou

4 de Outubro (Sporting, 5 - V. Guimarães, 1): Ninguém acertou

25 de Outubro (Benfica, 0 - Sporting, 3): João António

31 de Outubro (Sporting, 1 - Estoril, 0): Gonçalo e Miguel C

8 de Novembro (Arouca, 0 - Sporting, 1): Octávio

30 de Novembro (Sporting, 1 - Belenenses, 0): Ninguém acertou

5 de Dezembro (Marítimo, 0 - Sporting, 1): Luciano Silva e Luís de Aguiar Fernandes

13 de Dezembro (Sporting, 3 - Moreirense, 1): Ninguém acertou

19 de Dezembro (União da Madeira, 1 - Sporting, 0): Corvo

2 de Janeiro (Sporting, 2 - FC Porto, 0): Fernando Teixeira de Sousa, José Vieira, Jorge Ferreira e Vicente Sousa

6 de Janeiro (V. Setúbal, 0 - Sporting, 6): Ninguém acertou

10 de Janeiro (Sporting, 3 - Braga, 2): Gabriel Santos

15 de Janeiro (Sporting, 2 - Tondela, 2): Ninguém acertou 

23 de Janeiro (Paços de Ferreira, 1 - Sporting, 3): D, Grande Artista Goleador e Leão do Fundão

30 de Janeiro (Sporting, 3 - Académica, 2): Ninguém acertou 

8 de Fevereiro (Sporting, 0 - Rio Ave, 0): Ninguém acertou

13 de Fevereiro (Nacional, 0 - Sporting, 4): Ninguém acertou

22 de Fevereiro (Sporting, 2 - Boavista, 0): JMFS e GAG

29 de Fevereiro (V. Guimarães, 0 - Sporting, 0): Ninguém acertou

5 de Março (Sporting, 0 - Benfica, 1): Ninguém acertou

12 de Março (Estoril, 0 - Sporting, 2): José Vieira

19 de Março (Arouca, 1 - Sporting, 5): Ninguém acertou

4 de Abril (Belenenses, 2 - Sporting, 5): Ninguém acertou

9 de Abril (Sporting, 3, - Marítimo, 1): Francisco Chaveiro Reis

16 de Abril (Moreirense, 0 - Sporting, 1): Fernando e David Almeida

23 de Abril (Sporting, 2 - União da Madeira, 0): Cristina Torrão

30 de Abril (FC Porto, 1 - Sporting, 3): Cristina Torrão e SuperSlim

7 de Maio (Sporting, 5 - V. Setúbal, 0): José da Xã

15 de Maio (Braga, 0 - Sporting, 4): Luís de Aguiar Fernandes

 

CONCLUSÃO:

Houve um vencedor, que aproveito desde já para cumprimentar: o nosso leitor GRANDE ARTISTA GOLEADOR, destacando-se com três vitórias. No Arouca-Sporting, no Paços de Ferreira-Sporting e no Sporting-Boavista.

Merece os parabéns de todos nós.

 

Uma palavra de saudação especial também para três dos meus colegas: CRISTINA TORRÃO, JOSÉ DA XÃ e LUÍS DE AGUIAR FERNANDES. Todos se destacaram, com dois vaticínios certos cada.

Tal como aconteceu com o leitor JOSÉ VIEIRA.

Foi pena que ninguém tenha acertado em 15 dos 34 jogos. Esperemos que no campeonato 2016/17 a pontaria se revele mais afinada.

 

Aproveito para recordar que na Liga 2013/14 houve por cá sete vencedores: Bruno Cardoso, Edmundo Gonçalves, João Paulo Palha, João Torres, José da Xã, Lina Martins e Octávio.

No campeonato 2014/15, apenas um: Leão do Fundão.

Faltam poucos dias para começar o próximo. Aberto, como os anteriores, a todos quantos fazem e lêem este blogue.


comentar ver comentários (4)
07 Ago 16

Em jeito de balanço, aqui fica a lista dos jogadores que receberam a menção de melhores em campo no último campeonato pela soma das classificações atribuídas pelos diários desportivos após cada jornada.

De salientar que Slimani lidera as três classificações e João Mário está presente em cada pódio. Gelson Martins parece ter impressionado favoravelmente os periódicos, excepto A Bola, que por sua vez não esconde a admiração por Bryan Ruiz. William Carvalho, vá-se lá saber porquê, volta a ser ignorado pelo diário O Jogo.

 

Slimani: 31

João Mário: 15

Gelson Martins: 12

Bryan Ruiz: 11

Adrien: 8

Montero: 4

Teo Gutiérrez: 4

William Carvalho: 3

Rui Patrício: 3

Bruno César: 3

Marvin: 3

Carrillo: 2

Coates: 1

Esgaio: 1

 

A Bola: Slimani (11), Bryan Ruiz (6), João Mário (4), Adrien (2), Montero (2), Gelson Martins (2), Rui Patrício (2), Bruno César, Marvin, William Carvalho, Teo Gutiérrez, Carrillo

Record: Slimani (8), João Mário (7), Gelson Martins (6), Adrien (5), William Carvalho (2), Bryan Ruiz (2), Teo Gutiérrez (2), Marvin, Esgaio

O Jogo: Slimani (12), João Mário (4), Gelson Martins (4), Bryan Ruiz (3), Montero (2), Carrillo, Adrien, Teo Gutiérrez, Bruno César, Rui Patrício, Coates, Marvin


comentar
06 Ago 16

Balanço dos jogadores do Sporting que mais se destacaram em cada desafio do campeonato 2014/15:

 

Slimani: 9 (Académica-Sporting; Rio Ave-Sporting; Boavista-Sporting; Sporting-V. Guimarães; Sporting-FC Porto; Paços de Ferreira-Sporting; Nacional-Sporting; Estoril-Sporting; Belenenses-Sporting)

Adrien: 5 (União da Madeira-Sporting; Sporting-Braga; Sporting-Académica; Sporting-Rio Ave; Moreirense-Sporting)

João Mário: 5 (Benfica-Sporting; V. Setúbal-Sporting; Sporting-Benfica; Arouca-Sporting; FC Porto-Sporting)

Bryan Ruiz: 4 (Arouca-Sporting; V. Guimarães-Sporting; Sporting-V. Setúbal; Braga-Sporting)

William Carvalho: 3 (Sporting-Estoril; Sporting-Belenenses; Sporting-União da Madeira)

Carrillo: 2 (Tondela-Sporting; Sporting-Paços de Ferreira)

Gelson Martins: 2 (Sporting-Moreirense; Sporting-Tondela)

Rui Patrício: 1 (Marítimo-Sporting)

Montero: 1 (Sporting-Nacional)

Teo Gutiérrez: 1 (Sporting-Marítimo)

Ewerton: 1 (Sporting-Boavista)

 

Por curiosidade, aqui lembro o balanço da época anterior.


comentar ver comentários (4)
05 Ago 16

Antes do arranque do campeonato nacional de futebol 2016/17, relembro os meus apontamentos da época passada. Para recordar os jogadores que se evidenciaram mais em cada desafio.

 

15 de Janeiro (Sporting, 2 - Tondela, 2): GELSON MARTINS

«Substituiu William após o intervalo e a sua entrada em campo fez toda a diferença. Imprimiu velocidade, consistência e qualidade à nossa equipa, baralhando por completo as marcações do Tondela. E teve uma rara felicidade, mais do que merecida: aos 60' coube-lhe apontar o nosso segundo golo. O golo cinco mil do Sporting em toda a história do campeonato nacional de futebol.»

 

23 de Janeiro (Paços de Ferreira, 1 - Sporting, 3): SLIMANI

«Dois golos (63' e 84') e uma assistência para outro (40'). Os números dizem tudo sobre mais uma actuação de alto nível do artilheiro argelino, que merece o título de mais influente em campo. Já com 16 golos registados, caminha a passos largos para se sagrar como melhor marcador do campeonato.»

 

30 de Janeiro (Sporting, 3 - Académica, 2): ADRIEN

«Mais uma exibição de cinco estrelas do nosso capitão, que marcou o golo inaugural do Sporting à meia hora de jogo. Um golo que fez levantar o estádio e vai figurar certamente entre os melhores deste campeonato. O luso-francês voltou a ser o melhor em campo, jogando à campeão.»

 

8 de Fevereiro (Sporting, 0 - Rio Ave, 0): ADRIEN

«No dia em que foi anunciado o prolongamento do vínculo contratual que o liga ao Sporting, o nosso capitão voltou a ser uma mais-valia - para mim, o melhor em campo. Teve dois bons remates, aos 26' e 90'+1', que forçaram o guarda-redes Cássio a defesas muito apertadas.»

 

13 de Fevereiro (Nacional, 0 - Sporting, 4): SLIMANI

«Marcou mais dois golos (um dos quais de penálti, já com Adrien fora). E ainda mandou uma bola à barra. Merece ser distinguido como melhor em campo. E sobe para 22 o número de golos que já marcou nesta temporada - 18 dos quais no campeonato.»

 

22 de Fevereiro (Sporting, 2 - Boavista, 0): EWERTON

«Muito dinâmico, foi duas vezes à frente com vontade de marcar. À terceira resultou: grande desmarcação do nosso central, elevando-se ao primeiro poste e dando a melhor direcção ao canto marcado por Bryan Ruiz. Foi o primeiro golo do Sporting nesta partida e também o primeiro golo de Ewerton neste campeonato. Além disso teve um desempenho impecável na defesa, onde esteve sempre muito atento. Grandes cortes aos 77' e 84'.»

 

29 de Fevereiro (V. Guimarães, 0 - Sporting, 0): BRYAN RUIZ

«Foi perdulário: isolado, podia ter marcado aos 60'. Mas foi também o elemento mais criativo da nossa equipa: procurou sempre a bola, tentando servir os companheiros. Aos 19' e 83' fez passes que foram quase assistências para golos.».

 

5 de Março (Sporting, 0 - Benfica, 1): JOÃO MÁRIO

«Remate de João Mário rasou o poste benfiquista: forte e bem colocado, poderia ter dado golo ao Sporting aos 82' por parte do nosso jogador, que talvez mereça ser considerado o melhor elemento leonino em campo.»

 

12 de Março (Estoril, 0 - Sporting, 2): SLIMANI

«O homem do jogo: voltou aos golos, marcando dois (5' e 45'). E voltou também às grandes exibições. Podia ter marcado mais dois e ainda serviu Bryan Ruiz de calcanhar num dos melhores lances do desafio, aos 27'. Já leva 24 golos marcados nesta temporada.»

 

19 de Março (Arouca, 1 - Sporting, 5): JOÃO MÁRIO

«Marcou dois golos (18' e 32') e participou na construção do quinto, conferindo o seu habitual toque de classe à organização ofensiva do Sporting.»

 

4 de Abril (Belenenses, 2 - Sporting, 5): SLIMANI

«Marcou mais dois golos, ultrapassando a meia centena ao serviço do Sporting. O primeiro, logo aos 23', teve uma excelente execução técnica do argelino, que fez uma boa recepção, mudou de pé tirando um defesa do caminho e rematou com muito boa colocação, abrindo caminho à goleada. O segundo golo da equipa foi também dele, de penálti. E ainda marcou um terceiro, aos 59', anulado por um fora de jogo muito mal assinalado pelo árbitro auxiliar.»

 

9 de Abril (Sporting, 3 - Marítimo, 1): TEO GUTIÉRREZ

«E vão cinco golos em três partidas consecutivas. Hoje abriu o marcador aos 42', levando a equipa a vencer 1-0 ao intervalo. Um golo que culminou uma excelente exibição - a sua melhor de sempre ao serviço do Sporting. Saiu ao minuto 89, com merecida ovação: foi o jogador mais em destaque neste jogo.»

 

16 de Abril (Moreirense, 0 - Sporting, 1): ADRIEN

«Com ele em campo a nossa equipa ganha mais dinâmica ofensiva e melhora a ligação entre a defesa e o ataque. Um longo passe para isolar João Mário aos 15' ilustra bem a importância do capitão na manobra da nossa equipa.»

 

23 de Abril (Sporting, 2 - União da Madeira, 0): WILLIAM CARVALHO

«Melhora de partida para partida. Hoje voltou a ser um dos nossos pilares, com um rendimento elevado durante todo o desafio, organizando muito bem o nosso meio-campo. Uma exibição sem falhas.»

 

30 de Abril (FC Porto, 1 - Sporting, 3): JOÃO MÁRIO

«Partida fantástica do nosso internacional que hoje jogou essencialmente como ala direito, confirmando-se como o melhor jogador jovem do campeonato português - e também o melhor em campo neste clássico. Fez duas excelentes assistências para golo: aos 23' (o primeiro) e aos 85' (o terceiro).»

 

7 de Maio (Sporting, 5 - V. Setúbal, 0): BRYAN RUIZ

«É dele a assistência para o primeiro golo de Gelson. E foi ele a marcar o quarto e o quinto da goleada - aos 71', dando o melhor seguimento à marcação de um livre apontado por Bruno César, e já no segundo minuto do tempo extra ao marcar ele próprio um livre directo de forma superior.»

 

15 de Maio (Braga, 0 - Sporting, 4): BRYAN RUIZ

«Marcou dois golos, aos 71' e aos 80', e fez assistência para um terceiro - aos 20' (de Teo Gutiérrez). Protagonizou ainda a melhor jogada do desafio, logo aos 7', quando tirou quatro bracarenses do caminho em dribles no interior da grande área. Chega ao fim da Liga 2015/16 com sete golos e 12 assistências.»

 

(Conclusão do balanço iniciado ontem)


comentar
04 Ago 16

Antes do arranque do campeonato nacional de futebol 2016/17, relembro os meus apontamentos da época passada. Para recordar os jogadores que se evidenciaram mais em cada desafio.

 

14 de Agosto (Tondela, 1 - Sporting, 2): CARRILLO

«Jogou muito e fez jogar. Dominou o corredor ofensivo central. Fez excelentes passes aos colegas nos últimos 30 metros. Foi ele quem começou a desenhar o nosso golo inaugural.»

 

22 de Agosto (Sporting, 1 - Paços de Ferreira, 1): CARRILLO

«Fez a diferença ao marcar o nosso golo, iam decorridos 41'. Fez também a diferença pela atitude em campo, sem nunca esmorecer. E pelos seus dotes técnicos - cada vez mais evidentes, cada vez mais úteis à equipa - como ficou claro num passe longo que fez aos 64' para Slimani, que só seria travado em falta.»

 

30 de Agosto (Académica, 1 - Sporting, 3): SLIMANI

«Marcou o segundo golo leonino. Um grande golo, que fez levantar o estádio. E nunca deu descanso à defensiva da Académica. Arrancou um penálti aos 82' ao ser carregado em falta na grande área.»

 

13 de Setembro (Rio Ave, 1 - Sporting, 2): SLIMANI

«Marcou o segundo golo leonino. E foi sempre um elemento em grande destaque: nunca deu descanso à defensiva de Vila do Conde, conferindo profundidade ao nosso ataque.»

 

21 de Setembro (Sporting, 1 - Nacional, 0): MONTERO

«Saiu do banco aos 54' e revelou-se bem melhor do que o seu compatriota Teo Gutiérrez, titular da posição. Foi ele a desatar um nó que parecia cego, quase ao cair do pano. Decisivo como nenhum outro nesta partida.»

 

26 de Setembro (Boavista, 0 - Sporting, 0): SLIMANI

«Admirável entrega do argelino ao jogo, do primeiro ao último minuto. Foi sempre o mais inconformado dos nossos jogadores. Marcou um golo limpo, absurdamente ilegalizado pelo árbitro. E viu um cabeceamento à baliza desviado pela mão de um defesa do Boavista que o árbitro não sancionou com grande penalidade, como se impunha. O melhor em campo - até porque jogou sempre contra 12.»

 

4 de Outubro (Sporting, 5 - V. Guimarães, 1): SLIMANI

«Marcou três golos (15', 58', 78') neste desafio à chuva que dificilmente se apagará da memória do argelino. Está em excelente forma, hoje deixou isso bem claro. Numa clara demonstração de que todos os nossos adversários terão de receá-lo ainda mais a partir de agora.»

 

25 de Outubro (Benfica, 0 - Sporting, 3): JOÃO MÁRIO

«Boa parte do êxito do Sporting tem a ver com o desempenho deste jovem médio, que Jesus voltou a colocar na posição em que mais rende: junto à ala direita, como falso extremo, apoiando o ataque com sucessivas incursões para o eixo do terreno. Pondo a render a sua qualidade técnica, manteve a defesa encarnada continuamente em sentido com estes movimentos rápidos.»

 

31 de Outubro (Sporting, 1 - Estoril, 0): WILLIAM CARVALHO

«Desta vez sem Adrien a complementar o seu trabalho no meio-campo, voltou a ser um bastião da equipa. A recuperar bolas, a abrir linhas de passe e a organizar jogo.»

 

8 de Novembro (Arouca, 0 - Sporting, 1): BRYAN RUIZ

«Outra demonstração de grande classe do jogador costarriquenho, que sobressaiu pela qualidade individual em diversos lances. Partiu dos pés dele o passe longo que esteve na origem do nosso golo.»

 

30 de Novembro (Sporting, 1 - Belenenses, 0): WILLIAM CARVALHO

«Recuperou bolas, abriu linhas de passe, empurrou a equipa para a frente. E protagonizou o momento do jogo ao marcar de forma exemplar, com nervos de aço, a decisiva grande penalidade que nos deu a vitória aos 93'.»

 

5 de Dezembro (Marítimo, 0 - Sporting, 1): RUI PATRÍCIO

«Foi a figura do jogo, com três grandes defesas: aos 14' negou o golo a Marega; aos 77' fez levantar o estádio detendo o mais perigoso lance do Marítimo, a remate de Diego Sousa; e aos 88' ainda se esticou com êxito a travar outro disparo. Dá uma enorme estabilidade à nossa equipa.»

 

13 de Dezembro (Sporting, 3 - Moreirense, 1): GELSON MARTINS

«Marcou o primeiro golo verde-e-branco, iam decorridos 29'. Foi também o seu primeiro golo ao serviço do Sporting nesta Liga 2015/16. Mais que merecido: jogou e fez jogar, combinou muito bem com Slimani, deu inúmeras dores de cabeça à equipa de Moreira de Cónegos na ala direita do nosso ataque. E também soube ajudar a defesa: grande corte aos 53', correndo à dobra de Esgaio. Consolida a titularidade.»

 

19 de Dezembro (União da Madeira, 1 - Sporting, 0): ADRIEN

«Foi talvez o mais inconformado dos nossos jogadores. Lutou, correu, criou espaços, passou a bola, rematou - do primeiro ao último minuto.»

 

2 de Janeiro (Sporting, 2 - FC Porto, 0): SLIMANI

«Marcou dois golos (26' e 85'), poderia ter marcado um terceiro (rematou à barra aos 64') e foi incansável na construção da vitória. Fez um centro perfeito para o remate de Bryan Ruiz aos 69'. Até se envolveu com frequência na manobra defensiva, sem egoísmos de qualquer espécie.»

 

6 de Janeiro (V. Setúbal, 0 - Sporting, 6): JOÃO MÁRIO

«Uma exibição sem mácula - a melhor da nossa equipa esta noite no Bonfim. Marcou o melhor golo, o quarto, participou na construção do terceiro e serviu Aquilani para o sexto. Com a capacidade técnica que todos lhe reconhecemos, foi um elemento essencial na edificação desta vitória. E chegou a ser aplaudido pelos próprios adeptos da equipa da casa.»

 

10 de Janeiro (Sporting, 3 - Braga, 2): ADRIEN

«Correu o campo todo, de fôlego incessante. E foi decisivo na construção do nosso triunfo ao marcar uma grande penalidade, aos 57', com a frieza habitual. É o segundo marcador da nossa equipa, após Slimani. Merece, mais que nunca, a braçadeira de campeão.»

(Conclui amanhã)


comentar
03 Ago 16
Balanço (33)
Pedro Correia

Golos marcados pelos jogadores do Sporting na Liga 2015/16:

 

Slimani: 27

(Académica, Rio Ave, V. Guimarães, V. Guimarães, V. Guimarães, Benfica, Arouca, Moreirense, FC Porto, FC Porto, V. Setúbal, V. Setúbal, Braga, Tondela, Paços de Ferreira, Paços de Ferreira, Nacional, Nacional, Estoril, Estoril, Belenenses, Belenenses, Marítimo, Moreirense, FC Porto, FC Porto, Braga)

Teo Gutiérrez: 11

(V. Guimarães, Benfica, Estoril, Arouca, Arouca, Belenenses, Belenenses, Marítimo, União da Madeira, V. Setúbal, Braga)

Adrien: 8

(Tondela, Académica, V. Guimarães, Marítimo, Braga, Académica, Nacional, Belenenses)

Bryan Ruiz: 8

(Benfica, Académica, Boavista, Arouca, V.Setúbal, V. Setúbal, Braga, Braga)

João Mário: 5

(Tondela, V. Setúbal, Nacional, Arouca, União da Madeira)

Bruno César: 4

(V. Setúbal, V.Setúbal, Paços de Ferreira, FC Porto)

Aquilani: 3

(Académica, Moreirense, V. Setúbal)

Gelson Martins: 3

(Moreirense, V. Setúbal, V. Setúbal)

Montero: 3

(Nacional, Braga, Académica)

William Carvalho: 2

(Belenenses, Marítimo)

Carlos Mané: 1

(Académica)

Ewerton: 1

(Boavista)

Carrillo: 1

(Paços de Ferreira)

 

Por curiosidade, aqui lembro o balanço da época anterior.


comentar ver comentários (10)
21 Jun 16
Balanço (32)
Pedro Correia

 

OS SEIS MELHORES GOLOS DO SPORTING - VI

Adrien, no Belenenses-Sporting 

(4 de Abril de 2016)


comentar ver comentários (3)
20 Jun 16
Balanço (31)
Pedro Correia

 

OS SEIS MELHORES GOLOS DO SPORTING - V

Slimani, no Benfica-Sporting 

(25 de Outubro de 2015)


comentar ver comentários (2)
19 Jun 16
Balanço (30)
Pedro Correia

 

OS SEIS MELHORES GOLOS DO SPORTING - IV

Montero, no Sporting-Braga [ver 11' 40'']

(10 de Janeiro de 2016)


comentar ver comentários (6)
18 Jun 16
Balanço (29)
Pedro Correia

 

OS SEIS MELHORES GOLOS DO SPORTING - III

Teo Gutiérrez, no Sporting-Besiktas [ver 2' 44'']

(10 de Dezembro de 2015)


comentar ver comentários (2)
17 Jun 16
Balanço (28)
Pedro Correia

 

OS SEIS MELHORES GOLOS DO SPORTING - II

João Mário, no V. Setúbal-Sporting [ver 1' 30'']

(6 de Janeiro de 2016)


comentar ver comentários (1)
16 Jun 16
Balanço (27)
Pedro Correia

 

OS SEIS MELHORES GOLOS DO SPORTING - I

Adrien, no Sporting-Académica

(30 de Janeiro de 2016)


comentar ver comentários (2)
15 Jun 16
Balanço (26)
Pedro Correia

img_770x433$2016_02_08_02_22_06_1061881[1].jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre SLIMANI:

 

- Eu: «Eficaz. De novo o matador da nossa equipa. Veloz, combativo, inconformado. E cada vez melhor do ponto de vista técnico.» (13 de Setembro)

- Edmundo Gonçalves: «Não merecia ter entrado em campo. Um jogador destes não pode ficar associado a uma exibição e uma derrota como esta!» (18 de Setembro)

- Filipe Moura: «A maior parte dos adeptos do Sporting converteu-se a Jesus, mas eu continuo fiel acima de tudo ao Islam.» (9 de Novembro)

- João Távora: «Slimani trabalha que nem um mouro.» (13 de Dezembro)

- Pedro Almeida Cabral: «Ainda sou do tempo em que ofertas aos melhores jogadores do plantel me faziam tremer. Especialmente se fossem a meio da época.  Ainda sou do tempo em que o Crystal Palace podia oferecer 15 milhões pelo Slimani e havia o perigo real de o Sporting dizer que vendia por 10 milhões se pagassem a pronto.» (6 de Janeiro)

- Duarte Fonseca: «É impressionante o que Adrien e Slimani ganham com o modelo de jogo de Jesus. Todos ganham, mas estes dois são os mais beneficiados.» (7 de Janeiro)

- José da Xã: «Pois eu guardei-me para o melhor… para aquela cabeçada de Slimani que quase deitou o estádio abaixo. Foi a altura de extravasar os meus sentimentos reprimidos durante 90 minutos. E gritei então bem alto: Gooooooooooooolo! E repeti vezes sem conta: Golo, golo, golo…» (11 de Janeiro)

- Luciano Amaral: «Estava farto de ver aqueles lançamentos para o Slimani em "fora-de-jogo" e nada. Já tinha dito para mim mesmo: isto é uma parvoíce, o Slimani é um tosco. Chama-lhe tosco, chama: é só ver.» (24 de Janeiro)

- Francisco Chaveiro Reis: «Sem ter feito ginásio, ter aprendido a falar português ou se ter mudado para a Rússia, Slimani pode tornar-se no novo Hulk.» (25 de Janeiro)

- João Caetano Dias: «À ameaça de suspensão de Slimani, às incessantes expulsões de dirigentes e técnicos e ao condicionamento da arbitragem através de nomeações e classificações, juntam-se as patéticas ameaças do Benfica de processos por tudo e por nada.» (31 de Janeiro)

- Helena Ferro de Gouveia: «Avé Slimani / Cheio de graça / Bendito sois vós entre os jogadores de futebol / Bendito o fruto do vosso pé, o golo.» (13 de Fevereiro)

- Cristina Torrão: «Mas de que lado era o golo? O homem não se calava! Acaba lá de dizer golo! E ele acabou. E depois ouviu-se: Sli, Sli, Sli, Slimani!» (14 de Fevereiro)

- Francisco Vasconcelos: «E ao que parece, ao fim deste tempo todo a condicionar um dos melhores jogadores do Sporting, o enorme Islam Slimani não vai ser castigado.» (8 de Abril)

- Marta Spínola: «Eu quero é ver o João Mário passar três jogadores e oferecer o golo a Slimani, o Slimani saltar isolado e marcar de cabeça, ter a lei da vantagem, o Bruno César perceber João Mário e arriscar. Goloooooo!» (1 de Maio)


comentar ver comentários (30)
14 Jun 16
Balanço (25)
Pedro Correia

hernan-barcos-lamentando-sporting-efe-715[1].jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre BARCOS:

 

 - Francisco Chaveiro Reis: «Perto de fazer 32 anos, Barcos é um valor sólido, experiente e tem bom porte físico como Jesus gosta. Pode fazer dupla com o argelino ou lutar com ele pela titularidade. A confirmar-se, é um bom reforço.» (1 de Fevereiro)

- Edmundo Gonçalves: «O Barcos é capaz de ser reforço, mas não será avisado que esteja na área, ao invés de ser ele a fazer os centros?» (8 de Fevereiro)

- Francisco Melo: «Barcos, nos dez minutos de ontem em Guimarães, jogou muito mais do que Teo nos referidos 223 minutos.» (1 de Março)

- Eu: «Deu enfim um ar da sua graça neste jogo, em que entrou aos 71', rendendo Gelson. Incapaz de dominar uma bola que Teo lhe passou aos 74', dez minutos depois rematou forte com o pé esquerdo.» (8 de Maio)


comentar ver comentários (12)
13 Jun 16
Balanço (24)
Pedro Correia

 

^25CC96879479DEB4C10B2FFDC0DBEB6D28446FE98356CA87E

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre TEO GUTIÉRREZ:

 

- Eu: «Quatro jogos oficiais, três golos marcados. O caminho faz-se caminhando.» (28 de Agosto)

- José da Xã: «Teo Gutiérrez marcou um golo... E que golo, meus senhores. Aquela finta a tirar o defesa do caminho....» (11 de Dezembro)

 - Pedro Boucherie Mendes: «Assobiar jogadores é tiro no pé e criar uma má relação entre a torcida e Teo não é a melhor das iniciativas. Podemos vir a precisar dele a sério, da sua ratice e finta curta, do seu sentido de oportunidade e da sua experiência.» (19 de Fevereiro)

- Luciano Amaral: «O Jesus faz aquele número do Teo só para nos chatear, não faz?» (6 de Março)


comentar ver comentários (10)
12 Jun 16
Balanço (23)
Pedro Correia

img_770x433$2016_01_30_01_06_31_1057927[1].jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre MONTERO:

 

- Edmundo Gonçalves: «Marcou um golaço. Não percebo porque saiu e ficou o colega [Teo] em jogo, sobretudo se era para jogar com Slimani, com quem até costuma fazer boa dupla.» (18 de Setembro)

- Eu: «Saiu do banco aos 54' e revelou-se bem melhor do que o seu compatriota Teo Gutiérrez, titular da posição. Foi ele a desatar um nó que parecia cego, quase ao cair do pano. Decisivo como nenhum outro nesta partida.» (21 de Setembro)

- José Navarro de Andrade: «Neste Sporting não há lugar para o enfado existencialista de Montero que aborda todos os lances à experiência.» (20 de Dezembro)

- Duarte Fonseca: «Vi partir aquele que para mim era, tão só, o melhor jogador do plantel. O único jogador que se assemelhava a um ídolo. Aquele jogador que me fazia subir os 10 lances de escadas até ao meu lugar sempre com a ilusão de ver algo extraordinário.» (2 de Fevereiro)

- Luciano Amaral: «Ainda fazia belos golos e belas assistências. Vejo com tristeza a partida de um dos heróis da ressurreição do Sporting. Agora é mais fácil jogar no Sporting do que quando ele veio.» (2 de Fevereiro)

- José da Xã: «Sempre fui um apreciador das qualidades de Montero. Sagaz, felino, de técnica apuradíssima, faltou-lhe quiçá sorte…» (2 de Fevereiro)

- Filipe Moura: «Ninguém o vai esquecer nem momentos de magia como este, em Alvalade, contra o Marítimo, a época passada. Foi provavelmente o melhor golo que alguma vez presenciei. Obrigado por tudo e felicidades, avioncito.» )2 de Fevereiro)

- Alda Telles: «Ficará para sempre na história e sobretudo no coração do nosso Clube. Com a certeza que também ficaremos no dele. Sporting e Portugal estão indissoluvelmente ligados a esta família luso-colombiana.» (3 de Fevereiro)

- Zélia Parreira: «Obrigada Montero! Obrigada pelos golos, obrigada pela dedicação, obrigada pelo brio com que vestiste a camisola.» (20 de Fevereiro)


comentar ver comentários (10)
11 Jun 16
Balanço (22)
Pedro Correia

BDT80CFM.jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre GELSON MARTINS:

 

- Filipe Arede Nunes: «Gelson Martins joga que se farta. Tem potencial para ser um enorme jogador de futebol.» (18 de Agosto)

- Duarte Fonseca: «O que Gelson pensa ainda não é acompanhado pela forma como executa.» (18 de Setembro)

- Edmundo Gonçalves: «Começou bem, dinâmico, com boas trocas com Teo e Montero. É dele o passe para Jefferson que dá o primeiro golo do adversário e que o colega não recepcionou. Raramente desceu do meio campo, sendo nula a sua ajuda a João Pereira.» (22 de Setembro)

- Pedro Almeida Cabral: «É impossível não dar o mérito da vitória de ontem a Jesus. Soube tirar Montero, lançar Gelson, reposicionar João Mário e, sobretudo, responder a uma boa entrada do Benfica.» (22 de Novembro)

- Eu: «Os adeptos não lhe regateiam elogios - convictos de que Gelson Martins tem uma longa e bem-sucedida carreira pela frente. Para já, mantém-se vinculado ao Sporting até 2021, com uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros. Cá estaremos para continuar a tributar-lhe os aplausos que ele bem merece.» (1 de Janeiro)

- Francisco Vasconcelos: «Grande Gelson, espero que continues a espalhar o perfume do teu futebol durante muito tempo.» (11 de Maio)


comentar ver comentários (6)
10 Jun 16
Balanço (21)
Pedro Correia

matheus_pereira_celebra_golo_sporting_fotoepa_jose

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre MATHEUS PEREIRA:

 

- Eu: «Neste seu segundo jogo na equipa A, o jovem extremo confirmou todas as expectativas que os adeptos depositam nele. Dinamizou o corredor direito logo nos minutos iniciais e apontou dois golos quase seguidos, aos 12' e aos 16', estreando-se a marcar no escalão principal. Exemplar nas movimentações da linha para o espaço central. Só jogou 60 minutos mas bastou para ser o melhor em campo.» (17 de Outubro)

- Francisco Melo: «Por cada Carrillo que cair... outro Matheus se levantará!» (23 de Outubro)

- Marta Spínola: «Que Matheus e companhia nos dêem nova alegria.» (25 de Outubro)

- Frederico Dias de Jesus: «Matheus Pereira fez 18 jogos (na Equipa A) contando com 715 minutos de jogo e cinco golos.» (9 de Maio)


comentar ver comentários (4)
09 Jun 16
Balanço (20)
Pedro Correia

56927a282dd5e[1].jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre CARLOS MANÉ:

 

- Edmundo Gonçalves: «Trapalhão, não ganhou um lance de jeito ao defesa direito russo. Complicou o que parecia fácil e abusou dos passezinhos curtos com Jefferson. Um figo para o lateral contrário.» (18 de Setembro)

- Duarte Fonseca: «Foi preciso entrarem Martins, Mané e (principalmente) Montero para que o Sporting tivesse algumas variações ao jogo que fazia desde o início da segunda parte, que consistia em lateralizar e cruzar ao calhas em busca de um cabeceador.» (22 de Setembro)

- José Navarro de Andrade: «O Mané arrasta-se ociosamente em campo, tenta uns berloques quando recebe a bola para perdê-la com arte, ou corre com ela por entre os pinos dos adversários até que um estica a perna e rouba-lha, eu começo a insultá-lo cá de cima e ele acaba por me calar com um toque, um toquezinho apenas, que resolve a coisa.» (22 de Setembro)

- Eu: «Estiveste bem, miúdo. Agora quero ver-te jogar na nossa equipa com a mesma alegria, a mesma vivacidade e o mesmo talento. Não esperes que a inspiração te visite: trabalha sempre. Porque a sorte só sorri a quem a conquista com muito trabalho.» (15 de Novembro)


comentar ver comentários (4)
08 Jun 16
Balanço (19)
Pedro Correia

img_770x433$2015_12_31_01_46_18_1045442[1].jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre BRYAN RUIZ:

 

- Zélia Parreira: «Depois o Bryan Ruiz arrumou o assunto para o intervalo e eu descansei.» (30 de Janeiro)

- Edmundo Gonçalves: «Este é, na minha modesta opinião, o nosso melhor jogador e o melhor artista a jogar em Portugal.» (6 de Março)

- Luciano Amaral: «O Bryan Ruiz faz aqueles números em frente à baliza de propósito, não faz?» (6 de Março)

- Francisco Melo: «A última coisa que o Sporting precisa, a começar no seu treinador Jorge Jesus e a acabar no seu mais virtuoso jogador Bryan Ruiz, é a de se colocar na posição de humilhado.» (7 de Março)

- Eu: «Dois golos, uma assistência (no primeiro) e ainda intervenção decisiva noutro (o terceiro), ao iniciar a jogada. O capitão da selecção da Costa Rica teve uma actuação quase perfeita, contribuindo para que esta seja a melhor equipa leonina em muitos anos.» (8 de Maio)

- António Manuel Venda: «O Bryan Ruiz é um jogador fabuloso, o melhor entre os estrangeiros em Portugal, como o João Mário é o melhor entre os portugueses.» (18 de Maio)


comentar ver comentários (7)
07 Jun 16
Balanço (18)
Pedro Correia

img_770x433$2016_02_19_16_26_33_1066354[1].jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre JOÃO MÁRIO:

 

- Eu: «Boa parte do êxito do Sporting tem a ver com o desempenho deste jovem médio, que Jesus voltou a colocar na posição em que mais rende: junto à ala direita, como falso extremo, apoiando o ataque com sucessivas incursões para o eixo do terreno.» (25 de Outubro)

- Pedro Almeida Cabral: «Há uma intensidade de jogo que o Sporting há muito não tinha. Ontem, não se podia pedir mais a Slimani, Adrien e João Mário. Ganhámos. Ganhámos bem.» (22 de Novembro)

- João Távora: «Espera-se que Fernando Santos preste atenção àquele assombroso triângulo de meio campo composto por Adrien Silva, William Carvalho e João Mário.» (3 de Janeiro)

- Francisco Melo: «Ao assistir ontem a mais uma exibição categórica de Ronaldo, dei por mim a pensar em como temos de segurar, dê por onde der, o João Mário para a próxima época. Julgo que caminha, a passos largos, para ser aquele jogador de quem se dirá o Sporting é o João Mário e mais 10.» (13 de Abril)

- Marta Spínola: «Eu quero é ver o João Mário passar três jogadores e oferecer o golo a Slimani, o Slimani saltar isolado e marcar de cabeça, ter a lei da vantagem, o Bruno César perceber João Mário e arriscar. Goloooooo!» (1 de Maio)

- Francisco Vasconcelos: «Sei que é complicado garantir que um jogador com tamanha qualidade e inteligência permaneça por cá muito tempo. Sei também que, por toda a classe que tem, quando partir vai deixar muitas saudades.» (6 de Maio)

- António Manuel Venda: «O Bryan Ruiz é um jogador fabuloso, o melhor entre os estrangeiros em Portugal, como o João Mário é o melhor entre os portugueses.» (18 de Maio)


comentar ver comentários (2)
06 Jun 16
Balanço (17)
Pedro Correia

091fc344600453ec71cff5beca614175[1].jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre ANDRÉ MARTINS:

 

- Edmundo Gonçalves: «É dele o único passe de ruptura de todo o jogo do Sporting. Diz bem da qualidade do futebol praticado. Durante o pouco tempo que esteve em jogo esteve bem, demonstrando que até poderia ter entrado no lugar de Aquilani (não posicional, mas a oito, deixando a tarefa defensiva a Adrien, a seis).» (18 de Setembro)

- Duarte Fonseca: «Foi preciso entrarem Martins, Mané e (principalmente) Montero para que o Sporting tivesse algumas variações ao jogo que fazia desde início da segunda parte, que consistia em lateralizar e cruzar ao calhas em busca de um cabeceador(mento) perdido.» (22 de Setembro)

- Eu: «Estavam já decorridos 79 minutos quando o treinador lhe deu ordem de entrada em campo, substituindo João Mário. Pedia-se-lhe contenção e retenção da bola. E ele assim fez.» (26 de Novembro)


comentar ver comentários (4)
05 Jun 16
Balanço (16)
Pedro Correia

aquilani.jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre AQUILANI:

 

- Filipe Arede Nunes: «Aquilani não engana, tem muito futebol naqueles pés.» (18 de Agosto)

- Edmundo Gonçalves: «A prova provada que nomes não jogam à bola. Banhos e massagens costuma resultar.» (18 de Setembro)

- Francisco Chaveiro Reis: «Aquilani não aguenta 90 minutos.» (1 de Fevereiro)

- Eu: «Rendeu Adrien aos 72', mas foi um pálido substituto, sem a dinâmica do capitão. Pareceu desenquadrado do colectivo, com pouca inspiração.» (4 de Abril)


comentar ver comentários (4)
04 Jun 16
Balanço (15)
Pedro Correia

img_770x433$2016_03_02_01_36_29_1071217[1].jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre ADRIEN:

 

- Francisco Melo: «No último Sporting x Benfica para a taça em Alvalade (o mítico 5-3), Adrien também começou a partida como titular mas fez uma exibição tão confrangedora que ainda na primeira parte fora substituído. Anos depois, que diferença entre o Adrien actual e o Adrien desse último derby!» (23 de Novembro)

- João Távora: «Espera-se que Fernando Santos preste atenção àquele assombroso triângulo de meio campo composto por Adrien Silva, William Carvalho e João Mário.» (3 de Janeiro)

- Duarte Fonseca: «É impressionante o que Adrien e Slimani ganham com o modelo de jogo de Jesus. Todos ganham, mas estes dois são os mais beneficiados.» (7 de Janeiro)

- Eu: «Correu o campo todo, de fôlego incessante. E foi decisivo na construção do nosso triunfo ao marcar uma grande penalidade, aos 57', com a frieza habitual. É o segundo marcador da nossa equipa, após Slimani. Merece, mais que nunca, a braçadeira de capitão.» (10 de Janeiro)

- Pedro Almeida Cabral: «Não falo do penálti claro que foi bem assinalado e que não deixa dúvidas. Falo de quando Adrien faz balanço, marca o penálti e continua a correr sem parar para ir buscar a bola aninhada nas redes bracarenses. Não parou nem um segundo. Mal fez golo, pôs a mão na bola para garantir que nada daquilo ia ficar sem resposta. Dizem-me que é assim que fazem todos os jogadores quando a equipa inicia uma reviravolta. E eu respondo que só um grande capitão numa corrida em que marca e traz a bola no braço ao mesmo tempo é que consegue transmitir tudo o que lhe vai na alma. É para ver isto que se vai ao estádio.» (11 de Janeiro)

- Edmundo Gonçalves: «Quero recordar a atitude de verdadeiro capitão que teve ontem Adrien, depois do segundo falhanço de Ruiz, ao confortar o colega. Ainda que apenas adivinhando-as, faço minhas as palavras do 23.» (6 de Março)


comentar ver comentários (8)
03 Jun 16
Balanço (14)
Pedro Correia

williamcarvalho4[1].jpg

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre WILLIAM CARVALHO:

 

- Duarte Fonseca: «Esta equipa tem menos de dois meses de trabalho com aquele que para mim é o melhor treinador português da actualidade, o que por conseguinte me leva a acreditar que a equipa só pode melhorar (William, volta!; Montero, acorda!) e que, invariavelmente, seremos superiores a todos os adversários no que à qualidade de jogo diz respeito, o que fará com que estejamos sempre mais próximos da vitória.» (28 de Agosto)

- Francisco Almeida Leite: «Estive com William Carvalho há pouco tempo, em Alvalade, e posso testemunhar o que Jesus disse. A recuperação decorre a bom ritmo e William é a nossa grande contratação. Dará muita segurança à linha média com uma atitude que fará a diferença.» (14 de Setembro)

- Filipe Arede Nunes: «Com William a equipa é mais equilibrada e o músculo que ganha no centro do terreno é fundamental, sobretudo, no processo defensivo. Parece claro que ainda não está no ponto da sua forma mas meio William é melhor do que qualquer outro jogador da equipa naquela posição. Espero que o regresso do Rei seja o que faltava para que o Sporting comece a jogar mais e melhor.» (6 de Outubro)

- Eu: «Recuperou bolas, abriu linhas de passe, empurrou a equipa para a frente. E protagonizou o momento do jogo ao marcar de forma exemplar, com nervos de aço, a decisiva grande penalidade que nos deu a vitória aos 93'. O melhor Leão em campo.» (30 de Novembro)

- João Távora: «Espera-se que Fernando Santos preste atenção àquele assombroso triângulo de meio campo composto por Adrien Silva, William Carvalho e João Mário.» (3 de Janeiro)

Edmundo Gonçalves: «Custa-me ver William Carvalho uns furos abaixo daquilo que realmente vale.» (11 de Janeiro)

Francisco Melo: «Alguém apostava que William Carvalho iria durar mais do que uma época?» (13 de Abril)

Francisco Chaveiro Reis: «Cansado e lesionado, William tardou a encontrar o seu ritmo. Arrisco-me a dizer que só agora, no fim do campeonato, é que começa a estar ao seu nível. Ao Sporting teria dado jeito que Sir William tivesse aparecido mais cedo mas ainda é bem-vindo.» (17 de Abril)


comentar ver comentários (7)
02 Jun 16

Ultrapassámos o recorde de assistência no estádio actual.

 

Registámos a maior assistência média neste estádio, superando pela primeira vez a barreira dos 40 mil espectadores em jogos do campeonato.

 

Conseguimos a melhor pontuação do clube em jogos da Liga realizados ao longo de 34 jornadas.

 

Obtivemos a melhor marca pontual desde a temporada 1979/80.

 

Melhor registo pontual de sempre à primeira volta.

 

Alcançámos o sétimo melhor aproveitamento pontual de sempre.

 

Subimos ao pódio com o terceiro melhor registo defensivo dos últimos vinte anos.

 

Voltámos a ser "campeões de Inverno" 14 anos depois.

 

Maior número de golos marcados desde a época 1973/74.

 

Maior número de vitórias conseguidas em toda a nossa história.

 

.........................................................................................


Há três anos, convém recordar, tínhamos terminado o campeonato com o nosso pior resultado de sempre: um sétimo lugar, a 36 pontos de distância do líder. Abandonámos a luta pelo título logo em Outubro, com quatro empates e uma derrota à sétima jornada, tendo sido nesse mesmo mês afastados da Taça de Portugal pelo Moreirense. E chegámos a estar um escasso ponto acima da linha de despromoção à Liga B.

 

Convém nunca esquecer.


comentar ver comentários (32)

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Afinal sempre há algo imp...

2016 em balanço (10)

2016 em balanço (9)

2016 em balanço (8)

2016 em balanço (7)

2016 em balanço (6)

2016 em balanço (5)

2016 em balanço (4)

2016 em balanço (3)

2016 em balanço (2)

Arquivo

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

comentários

memória

bruno de carvalho

selecção

leoas

prognósticos

jorge jesus

vitórias

há um ano

balanço

slb

campeonato

arbitragem

benfica

jogadores

rescaldo

eleições

mundial 2014

taça de portugal

liga europa

godinho lopes

ler os outros

clássicos

golos

árbitros

nós

euro 2016

futebol

comentadores

crise

marco silva

cristiano ronaldo

scp

análise

humor

formação

chavões

liga dos campeões

slimani

todas as tags

Mais comentados
68 comentários
32 comentários
30 comentários
27 comentários
19 comentários
17 comentários
16 comentários
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds