Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Vamos pôr fim aos assobios?

Vamos receber duas grandes equipas europeias na fase de grupos da Liga dos Campeões. Messi, Iniesta, Suárez, Buffon, Higuain, Dybala, Cuadrado, Piqué, Busquets, Chiellini, Khedira, Umtiti e Rafinha vão jogar em Alvalade. Perante casa cheia, seguramente.

É mais que tempo, portanto, de pôr fim aos sonoros assobios ao hino da Champions no nosso estádio. A menos que os sócios e adeptos que assim se comportam preferissem que o Sporting estivesse fora da competição máxima do futebol mundial a nível de clubes.

Guardem lá os assobios para os nossos velhos rivais e os árbitros incompetentes. E deixem-se de exibir complexos de inferioridade. É bom sinal ouvirmos o hino em Alvalade - sinal que o Sporting está onde merece. Entre os melhores.

Nada pode ficar na mesma

Aos 20 minutos de jogo, já Marvin e Bryan Ruiz, enredando-se em toques e voltinhas para acabarem a passar para trás, começavam a ser assobiados nas bancadas. Por uma vez o "tribunal" de Alvalade estava cheio de razão. Como se antevisse que esta mentalidade de jogo-treino entre jogadores que pareciam entretidos a brincar na areia só poderia acabar mal.

E acabou.

Nada pode ficar na mesma depois de um resultado destes.

Nada pode ficar na mesma depois de uma exibição destas - que desrespeitou profundamente 45 mil espectadores que compareceram em Alvalade numa manhã cheia de sol.

Assobiar ou não assobiar

Como já escrevi várias vezes, discordo profundamente das vaias aos nossos jogadores por parte dos adeptos em Alvalade durante as partidas. Eu até hoje só assobiei árbitros: nunca me lembro de ter assobiado um jogador, muito menos enquanto os jogos decorriam.

Feita esta ressalva, que não é de somenos, consigo entender a insatisfação das bancadas perante o desempenho de alguns profissionais do nosso clube - como ficou bem patente sobretudo durante a segunda parte do Sporting-Nacional.

Fica a pergunta aos leitores: entendem que alguém merece ser assobiado?

Lenços e assobios

Nenhum problema - nenhum mesmo - se resolve no Sporting com lenços a esvoaçar nas bancadas logo na primeira vez em que o nosso actual treinador soma duas derrotas consecutivas num campeonato. Nem com assobios bem sonoros aos jogadores durante as partidas, como esta noite aconteceu ainda na primeira parte, visando por exemplo Bryan Ruiz e Marvin.

Quem não perceber isto não aprendeu nada de essencial sobre os inúmeros erros cometidos nas últimas três décadas em Alvalade.

Assobios mais que merecidos

Nunca assobiei nenhum dos nossos jogadores em Alvalade - e, confesso, vontade não me faltou uma vez ou outra. Mas sou por sistema contrário àqueles que procuram "incentivar" a equipa em campo durante os jogos enquanto vaiam os jogadores do alto das bancadas, produzindo efeitos opostos ao que pretendem.

Há no entanto sempre uma excepção. Pouco me importa que Elias seja assobiado ainda antes de se atingir a meia hora, como sucedeu sábado frente ao Tondela. Eu próprio o fiz. Não no estádio, mas aqui no blogue, há quase dois meses.

Ideias para abrilhantar os intervalos

Sim, aquele jogo de bolas é engraçadote, o bola na caixa às vezes prende a atenção, mas no último jogo em casa eu sugeria um novo passatempo: o jogo do assobio! O speaker ia puxando pelos especialistas, e estes dariam o seu melhor. Já que são tão lestos durante os jogos, que demonstrem as suas capacidades "canoras" quando não chateiem. Será pedir demais?

Outro tipo de assobios

No sítio onde ontem estava no estádio (diferente do costume), a grande implicação foi com o Miguel Lopes e o Nani. Ele era assobios, ele era gritos de "palhaço", ele era gritos de "chuta" mal passavam a linha de meio-campo. Tem graça, no monumento do Nani, só há dois intervenientes: o Miguel Lopes e o Nani. Nani, para calar os silvos da lagartada, lembra-se mesmo de chutar, de um sítio que parece impossível. Vale sempre a pena rever:

 Como já não podiam implicar com aqueles dois, passaram a implicar com a equipa toda a partir do 2-0, por andar a trocar a bola sem tentar atacar. Não lhes ocorreu que o jogo estava controlado, que na 5ª feira tinha havido um jogo muito difícil e esgotante, que na próxima 5ª haverá outro, que depois vêm o Porto e o Nacional. Não há maneira de aprenderem?

Eu gostei muito do 4-0, não se pense que não. 

E amei de paixão o passe do William para o grande golo de Carrillo. E do Paulo Oliveira mostrar-se um grande - maior, que grande já nós sabiamos - homem, e do golo do Montero. E do Tobias. E do Tanaka e do João Mário. E de praticamente tudo hoje. 

Mas, e eu não estive no estádio, gostava até de ter percebido mal, de há um tempo para cá as assobiadelas a jogadores do Sporting pelo público são grandes. Não gosto disto, pronto. Nem em épocas bem piores se ouviram assim. É moda? Pega-se? Não gosto, pronto. Continuarei em silêncio, esperando equilibrar e contagiar outros com isso. 

Gosto do resto, agora que o circo das últimas semanas parece ter acalmado, e gosto muito do Sporting. Sempre. 

 

PS - Não sou santa, em tempos assobiava um jogador quando o nome dele era dito no inicio do jogo. João V. Pinto. E no fim o rapaz até se portou bastante bem. Manias.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D