Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Balanço dos prognósticos 2016/17

Antes do arranque do campeonato nacional de futebol 2017/18, relembro os prognósticos sobre a prestação do Sporting em cada jornada da Liga anterior feitos aqui no És a Nossa Fé.

É um passatempo que aqui recomeçará, pelo quinto ano consecutivo, mal soe o apito de saída da próxima Liga.

 

13 de Agosto (Sporting, 2 - Marítimo, 0): Liga dos Mancos

20 de Agosto (Paços de Ferreira, 0 - Sporting, 1): José da Xã

28 de Agosto (Sporting, 2 - FC Porto, 1): Ceoma, Cristina Torrão, Francisco Vasconcelos, Gabriel Santos, Moisés Paiva

10 de Setembro (Sporting, 3 - Moreirense, 0): Edmundo Gonçalves, José Almeida

18 de Setembro (Rio Ave, 3 - Sporting, 1): Ninguém acertou

23 de Setembro (Sporting, 4 - Estoril, 2): Ninguém acertou

1 de Outubro (V. Guimarães, 3 - Sporting, 3): Ninguém acertou

22 de Outubro (Sporting, 1- Tondela, 1): David e Leão de Tondela

28 de Outubro (Nacional, 0 - Sporting, 0): Ninguém acertou

6 de Novembro (Sporting, 3 - Arouca, 0): Polik

36 de Novembro (Boavista, 0 - Sporting, 1): José da Xã

3 de Dezembro (Sporting, 2 - V. Setúbal, 0): Leão do Fundão e SportingSempre

11 de Dezembro (Benfica, 2 - Sporting, 1): Simão

18 de Dezembro (Sporting, 0 - Braga, 1): Ninguém acertou

22 de Dezembro (Belenenses, 0 - Sporting, 1): José da Xã

8 de Janeiro (Sporting, 1 - Feirense, 0): Tiago

14 de Janeiro (Chaves, 2 - Sporting, 2): Ninguém acertou

21 de Janeiro (Marítimo, 2 - Sporting, 2): Ninguém acertou

28 de Janeiro (Sporting, 4 - Paços de Ferreira, 2) Ninguém acertou

4 de Fevereiro (FC Porto, 2 - Sporting, 1): Tony Cebola

12 de Fevereiro (Moreirense, 2 - Sporting, 3): Ninguém acertou

19 de Fevereiro (Sporting, 1 - Rio Ave, 0): Ninguém acertou

25 de Fevereiro (Estoril, 0 - Sporting, 2): Carlos Silva, José da Xã, Leão do Fundão, Leoa Maria, Orlando

5 de Março (Sporting, 1 - V. Guimarães, 1): Ninguém acertou

11 de Março (Tondela, 1 - Sporting, 4): Pedro Wasari

18 de Março (Sporting, 2 - Nacional, 0): Cristina Torrão

2 de Abril (Arouca, 1 - Sporting, 2): Leão de Queluz

9 de Abril (Sporting, 4 - V. Setúbal, 0): Orlando

14 de Abril (V. Setúbal, 0, - Sporting, 3): Leão do Fundão, Pedro Wasari

22 de Abril (Sporting, 1 - Benfica, 1): Ninguém acertou

30 de Abril (Braga, 2 - Sporting, 3): Ninguém acertou

7 de Maio (Sporting, 1 - Belenenses, 3): Ninguém acertou

13 de Maio (Feirense, 2 - Sporting, 1): Ninguém acertou

21 de Maio (Sporting, 4 - Chaves, 1): Ninguém acertou

 

CONCLUSÃO:

Houve um vencedor, que cumprimento efusivamente pela pontaria tão certeira: o nosso estimado colega de blogue JOSÉ DA XÃ, que se destacou com quatro palpites certos. No Paços de Ferreira-Sporting, no Boavista-Sporting, no Belenenses-Sporting e no Estoril-Sporting. Curiosamente, sempre com a equipa leonina na condição de visitante.

Ele é já repetente nestas lides: foi um dos triunfadores destes prognósticos na época 2013/14. Merece os redobrados parabéns de todos nós.

 

Outra palavra de saudação especial ao leitor LEÃO DO FUNDÃO, vencedor em 2014/15, e que desta vez ficou em segundo lugar, acertando três resultados (Sporting-V. Setúbal, Estoril-Sporting e V. Setúbal-Sporting).

Merecem igualmente menção a minha colega CRISTINA TORRÃO e os leitores ORLANDO e PEDRO WASARI, com dois vaticínios certos cada.

 

Foi pena que ninguém tenha acertado em 16 dos 34 jogos - quase metade, incluindo as últimas cinco jornadas.

Esperemos que no campeonato 2017/18 a pontaria se revele mais afinada.

 

Aproveito para recordar que na Liga 2013/14 houve por cá sete vencedores: Bruno Cardoso, Edmundo Gonçalves, João Paulo Palha, João Torres, José da Xã, Lina Martins e Octávio.

No campeonato 2014/15, apenas um: Leão do Fundão.

Em 2015/16, triunfou o Grande Artista Goleador.

 

Falta pouco mais de um mês para começar o próximo. Aberto, como os anteriores, a todos quantos fazem e lêem este blogue.

Os melhores jogadores da época passada (1)

Antes do arranque do campeonato nacional de futebol 2017/18, relembro os meus apontamentos da época passada. Para recordar os jogadores que se evidenciaram mais em cada desafio.

 

13 de Agosto (Sporting, 2 - Marítimo, 0): GELSON MARTINS

«Excelente exibição do nosso extremo direito, com uma segunda parte perfeita, em primorosa articulação com João Pereira. É dele o cruzamento-assistência que proporcionou o segundo golo, aos 60': Bryan Ruiz só teve de encostar o pé.»

 

20 de Agosto (Paços de Ferreira, 0 - Sporting, 1): ADRIEN

«Excelente execução técnica do capitão leonino, numa semi-rotação, disparando para fora do alcance do guarda-redes. Este golo, a um minuto do fim da primeira parte, valeu-nos três pontos. E confirmou o nosso n.º 23 como o melhor jogador em campo. Absolutamente decisivo.»

 

28 de Agosto (Sporting, 2 - FC Porto, 1): SLIMANI

«Conquistou o livre que nos valeu o primeiro golo, marcado por ele (14'); foi sempre o primeiro jogador a perturbar o início da manobra ofensiva portista; forçou os defesas adversários a estar em alerta permanente. No final da partida despediu-se em lágrimas, sob fortíssima ovação, neste que terá sido o seu último jogo pelo Sporting. Despede-se com uma vitória.»

 

10 de Setembro (Sporting, 3 - Moreirense, 0): GELSON MARTINS

«Desbloqueou o nulo inicial com um belo golo marcado aos 27' que acabou por ser decisivo nesta partida: grande desmarcação em diagonal, dominando muito bem a bola e rematando de forma acrobática. Teve ainda intervenção decisiva no terceiro golo: foi dele o passe a desmarcar Schelotto, autor da assistência.»

 

18 de Setembro (Rio Ave, 3 - Sporting, 1): ADRIEN

«Melhor jogador do Sporting - um dos poucos que tentaram sacudir a apatia colectiva que se apoderou do onze titular. Combativo, persistente, nunca virou a cara à luta e venceu sucessivos duelos individuais.»

 

23 de Setembro (Sporting, 4 - Estoril, 2): BAS DOST

«O internacional holandês marcou dois belos jogos (13'+62') e foi sempre uma referência no ataque leonino, o que me leva a elegê-lo como melhor jogador em campo. Justamente saudado com calorosos aplausos ao ser substituído.»

 

1 de Outubro (V. Guimarães, 3 - Sporting, 3): GELSON MARTINS

«Sempre muito dinâmico na ala direita, que dominou como quis durante quase todo o jogo, sem descurar missões defensivas. Soberba intervenção no golo inaugural do Sporting, ganhando uma bola dividida com uma exímia rotação que lhe permitiu galgar terreno e rematar à baliza.»

 

22 de Outubro (Sporting, 1 - Tondela, 1): GELSON MARTINS

«Novamente o mais destacado jogador do Sporting - deixando a larga distância quase todos os companheiros. Destacou-se logo ao minuto 4, rematando ao poste após uma brilhante incursão pela ala direita. E foi dele a assistência para o golo de Campbell, no minuto final. Fez tudo para merecer a vitória.»

 

28 de Outubro (Nacional, 0 - Sporting, 0): RÚBEN SEMEDO

«Foi talvez o jogador do Sporting que errou menos nesta partida. Foi também um dos poucos que revelaram genuína atitude leonina, bem patente na forma como nos últimos minutos procurou empurrar a equipa para diante.»

 

6 de Novembro (Sporting, 3 - Arouca, 0): BAS DOST

«O internacional holandês voltou aos golos, bisando nesta partida. Marcou o primeiro e o último dos três, aos 9' e aos 63'. Já soma seis na Liga 2016/17. Foi um elemento fundamental nesta vitória.»

 

26 de Novembro (Boavista, 0 - Sporting, 1): GELSON MARTINS

«Partiu os rins ao lateral esquerdo do Boavista, criando sucessivos desequilíbrios na sua ala e à entrada da grande área axadrezada. Fez a assistência para o golo e esteve ele próprio muito perto de marcar. Tem um fôlego inesgotável: não acusa o menor indício de desgaste físico.»

 

3 de Dezembro (Sporting, 2 - V. Setúbal, 0): BRUNO CÉSAR

«Marcou um golo que fez levantar o estádio, de livre directo, fazendo voar a bola para o fundo da baliza sadina, sem qualquer hipótese de defesa. Um golo que decidiu o encontro, estavam apenas decorridos 36 minutos. Por isto e pela sua combatividade exemplar merece ser considerado o melhor em campo.»

 

11 de Dezembro (Benfica, 2 - Sporting, 1): CAMPBELL

«Jesus deu-lhe ordem para avançar na segunda parte e mal entrou o campo o costarriquenho abanou o jogo, criando sucessivos desequilíbrios. Serviu exemplarmente Bas Dost em dois primorosos lances da ala esquerda - um dos quais deu origem ao nosso golo. Foi pena que tivesse jogado só 45 minutos.»

 

18 de Dezembro (Sporting, 0 - Braga, 1): GELSON MARTINS

«Voltou a ser o melhor dos nossos, escapando ao naufrágio geral da equipa. Esteve quase a marcar na primeira parte, com um remate a rasar a baliza do Braga (32') e na segunda parte atirou ao poste (50'). Teve a qualidade ofensiva a que já nos habituou e ainda foi várias vezes atrás, desempenhando missões defensivas no corredor direito.»

 

22 de Dezembro (Belenenses, 0 - Sporting, 1): CAMPBELL

«A sua entrada em campo aos 57', substituindo o compatriota Bryan Ruiz, contribuiu muito para dinamizar o caudal ofensivo do Sporting. Com velocidade, desequilíbrios, bons passes. Aos 67' cavou um livre muito perigoso, marcado por Adrien, que possibilitou ao guardião Joel Pereira a defesa da noite, fazendo a bola embater na barra. E foi dele a assistência para o golo de Bas Dost, com um cruzamento muito largo para o segundo poste.»

 

8 de Janeiro (Sporting, 2 - Feirense, 1): BAS DOST

«Foi o melhor em campo não só por ter bisado mas também pelos lances que construiu, servindo os companheiros. Com 13 golos por sua conta nesta época, ascendeu hoje à posição de melhor goleador do campeonato.»

 

14 de Janeiro (Chaves, 2 - Sporting, 2): BAS DOST

«O holandês marca há seis jogos consecutivos. Hoje bisou pela quarta vez no campeonato, reforçando a liderança na lista dos melhores marcadores. Já marcou 13 na Liga 2016/17 - os mesmos de Slimani à 17.ª jornada, faz agora um ano. E vão quinze no total das competições desta época oficial.»

(Conclui amanhã)

O que dói…. 2ª e última parte

 

Continuação daqui.

O que dói é que Bruno de Carvalho tem tanto capital emocional e político investido em Jorge Jesus que dificilmente encarará a hipótese de arrepiar caminho e encontrar um treinador mais adequando às nossas atuais capacidades e interesses. O que dói é que JJ é velho demais para mudar genuinamente, percebendo que os riscos que corre com a canalhada dificilmente se compararão pior do que o que “conquistou” com as escolhas feitas este ano. O Sporting termina a época em terceiro, perto do nível de quarto e dando vários passos atrás. Termina a época com menos titulares indiscutíveis do que no ano passado e com um grande ponto de interrogação para o futuro quanto a qual a estratégia a privilegiar.

O que dói é que a relação com o treinador e o plantel vai ter de cair de podre ou estar inteiramente dependente do tal fator que raramente nos tem bafejado.

Três ou quatro contratações galácticas, aparentemente pouco promissoras (três ou quatro Slimanis para diferentes posições, num acerto de scouting que no ano passado esteve longe de se concretizar), uma conjuntura de maior fragilidade nos adversários que não se adivinha (pelo menos o benfica) e uns milagres altamente improváveis nas competições europeias.

A esperança nunca morre, mas arrisca-se a iniciar a próxima época internada no hospital à espera de um renascimento, talvez lá para o natal.

Está difícil sequer conseguir esfregar as mãos com o “para o ano é que é”.

Dito isto, espero que os próximos meses amenizem este estado de espírito e este balanço e que daqui a um ano estejamos aqui a celebrar. Para já, com o realismo possível de quem “só” sabe o que vê em público, é isto que tenho digerido. Imensas dúvida quanto à razoabilidade de manter a aposta no atual treinador. Imensas.

O que dói… 1ª parte de duas

O que dói é que há um ano terminámos o campeonato a jogar o melhor futebol da liga, derrotados por uma nesga de fortuna mas legitimamente confiantes de que iriamos enfrentar a época seguinte num patamar superior àquele com que tínhamos entrado a época que findava.

Terminar melhor do que se começou, avançando mais do que os adversários é a única forma de nos aproximarmos decisivamente da glória e é a única coisa – juntamente com o apoio dos adeptos – que depende estritamente de nós, naquilo que é uma prova longa, cheia de imponderáveis e até de eventuais cartilhas e encartados.

Sporting

 

Se o que depende de nós não for bem feito, sobra pouco crédito como capital de queixa e entregamos a uma imensa sorte – que raramente nos bafeja – para atingir aquele que será sempre um sucesso improvável.

 

Eu quero é o Sporting campeão

800[1].jpg

 

 

1

Faz hoje apenas um mês, a selecção nacional conquistou a nossa maior proeza de sempre no futebol. Uma vitória há décadas sonhada por milhões de portugueses apreciadores da modalidade que mais apaixona o planeta desportivo. E no entanto parece ter já acontecido há bastante mais tempo. E poucas lições terão sido extraídas deste feito inédito, conseguido com dez jogadores formados na Academia de Alcochete, incluindo quatro do actual plantel leonino.

Como se fosse algo banal. Como se isto estivesse sempre ao nosso alcance.

Num país que andou meio século a entoar hossanas a um terceiro lugar num Mundial como se fosse a última coca-cola no deserto, verdadeiro paradigma das "vitórias morais", confesso o meu espanto por esta tentativa de esquecer tão depressa uma vitória bem real.

 

2

Lamento, mas eu não esqueço. 

Quanto mais revejo as imagens dos desafios do Euro 2016, mais me convenço que com Fernando Santos a treinar nunca teríamos perdido em 1984 a meia-final do Campeonato da Europa frente à França de Michel Platini e Alain Giresse. Desperdiçada porque em momentos cruciais vários dos nossos jogadores não souberam segurar a bola nem integrar-se nas missões defensivas que se impunham.
Esta foi também a lição que o Euro 2016 nos transmitiu: o rigor técnico - ter o adversário bem estudado, anular-lhe a manobra ofensiva - é uma componente essencial do futebol moderno.
Porque o futebol também é xadrez, não é só pugilismo, ao contrário do que alguns imaginam.
 
3
Manuel Fernandes, eterno capitão do Sporting, declarou que u
m dos melhores jogos do Campeonato da Europa foi o Alemanha-Itália, que terminou empatado 1-1, ao fim de 120 minutos. Com apenas um golo marcado em lance corrido.
Ele, homem do futebol, sabe bem do que fala. Porque de nada vale a técnica sem a táctica, de nada vale o poderio físico sem a inteligência para utilizá-lo no instante exacto (como Cristiano Ronaldo demonstrou naquela cabeçada certeira contra o País de Gales, que passará a figurar em todas as antologias dos melhores golos de sempre).
 
4
Não por acaso, Portugal teve quatro dos seus jogadores no onze ideal do Europeu.
Não por acaso, Portugal teve dois golos nos cinco melhores do Euro 2016 seleccionados pela UEFA.
Não por acaso, Portugal teve o melhor jogador jovem do torneio.
Não por acaso, Cristiano Ronaldo prepara-se para receber a Bola de Ouro pela quarta vez.

5
Isto não resulta de fé, nem de fezadas. É trabalho continuado, que a Federação Portuguesa de Futebol tem desenvolvido.
Não por acaso, já vencemos quatro europeus sub-16 e três europeus sub-19.
Não por acaso, somos vice-campeões europeus sub-21 (final perdida há um ano, contra a Suécia, por grandes penalidades).
 
6
Isto é produto de um plano rigoroso, de muito esforço, de muito trabalho.
É também produto do bom planeamento desenvolvido nos clubes.
Nunca em Portugal se trabalhou tanto e tão bem no futebol.
Quando Manuel José vem dizer que prefere o tempo em que se "jogava à bola" está a insultar demasiada gente ao mesmo tempo.
Está a insultar alguns dos melhores profissionais que temos em Portugal. Porque em nenhuma outra actividade europeia ou mundial podemos competir tão bem com qualquer outro país como no futebol.
 
7
Quanto ao nosso Sporting: eu quero é vê-lo campeão. Quer jogue bonito ou jogue feio. Esta deve ser, para os sportinguistas, a principal lição a extrair do Europeu que conquistámos.

Quinze anos de jejum já bastam.

Um mês

Dentro de um mês, os principais mercados de transferências estarão a fechar. Até lá, a expectativa sobre o que podemos fazer na época 2016/17 é ainda incerta. Quem sai, quem substitui, quem NOS paga os reforços, etc. Nos últimos anos, não me lembro de um começo de época assim, com tanto a poder mudar com a saída de 2/3 atletas. Se o presente está assim, só o está porque o passado recente tem sido digno de boa nota. De outra forma, ninguém quereria levar uns cepos. Para rematar, dizer que são bons, têm qualidade e ajudam muito o Sporting. Se ficarem, ficaremos mais fortes, mais próximos dos objetivos. Se saírem, não sendo o Apocalipse verde-e-branco, a época será, com certeza, mais difícil. 

A pressão

Se isto for pressão, pois bem: considerem-na como tal. Eu não exijo a Jorge Jesus - décimo melhor treinador do mundo - nada menos do que exigi a Fernando Santos no Campeonato da Europa: a conquista do título.

Chega de paleio, basta de desculpas, nem tolero ouvir falar nas famigeradas vitórias morais: 15 anos de jejum já bastam.

Quero o Sporting campeão nacional em Maio de 2017.

O bom e o bonito em 2016/2017

Quando faltam poucas horas para vermos em acção o mais importante reforço para a equipa de futebol de 2016/2017, à semelhança de Pedro Correiadeixo aqui o meu voto para esta época futebolística.

Esqueçam a forma empatativa como a selecção de futebol foi campeã europeia e imitem antes a selecção de hóquei em patins.

Um futebol onde se joga para o empate e se espera que um milagre resolva pode ser suficiente para vencer uma competição a eliminar (quando as equipas mais fortes se vão eliminando entre elas. Itália elimina Espanha. Alemanha elimina Itália. França e arbitragem eliminam Alemanha) mas é, manifestamente, insuficiente para se vencer um campeonato.

Vejamos em 7 jogos em França, Fernando Santos conseguiu 9 pontos, vitória com o País de Gales e empates com a outra meia dúzia de equipas que defrontámos; Islândia, Áustria, Hungria, Croácia, Polónia e França.

Como seria num campeonato com 34 jornadas se os resultados fossem iguais?

Ora bem, conseguiria, 43.71 pontos, vá 44, para facilitar as contas, ficaria em nono lugar à frente do Belenenses, atrás de clubes como o Arouca, o Estoril, o Rio Ave e o Paços de Ferreira, com menos 44 pontos (metade, portanto) que o Benfica e com menos 42 pontos que o Sporting. 

O importante reforço que referi acima, é o relvado. Espero que, finalmente, tenhamos um relvado à altura do futebol que gosto de ver praticado, um futebol rápido, com passes de risco, com a bola a ir para extremos colados à linha, mas que não tenham medo de arriscar no um para um, que driblem para o meio e rematem, que não tenham medo de correr com a bola, que não tenham medo de ser felizes. Um futebol bem jogado em todo o campo, na horizontal e não na vertical como os comentadeiros apregoam (a única coisa vertical num campo de futebol são as bandeirolas de canto e os postes de iluminação).

Parafraseando o meu colega Pedro "Quero jogadores que conquistem o campeonato."

Mesmo a jogar bonito.

(ao fim ao cabo todos os sportinguistas querem o mesmo: o Sporting campeão).

 

Os imprescindíveis

Na minha opinião, de momento, há nove no plantel do Sporting para enfrentarmos as diversas frentes da temporada 2016/17.

Eis os nomes deles:

 

Adrien

Bryan Ruiz

Coates

Gelson Martins

João Mário

Rúben Semedo

Rui Patrício

Slimani

William Carvalho

 

Isto é: quatro campeões europeus, dois outros valores da nossa formação e três verdadeiros reforços.

Não bastam estes, claro. Mas quanto aos restantes, veremos. Leões a sério têm de provar que o são em campo, não em bravatas nas redes sociais. Sempre em campo.

Um plantel

O Sporting já regressou aos trabalhos tendo em vista a preparação para a época de 2016/2017, que se deseja plena de êxitos. Ainda é muito cedo mas deixo aqui a composição possível de um plantel que, creio, assentará na continuidade dos seus principais elementos.

 

Guarda-redes – Rui Patrício será o dono da baliza e Stojkovic, a terceira opção. Acredito que Jug será emprestado e que Eduardo, várias vezes falado, será o suplente. O jogador quererá regressar a Portugal para junto do filho e da companheira, atleta do Sporting.

Defesa-direito – Schelotto é o titular, sem espinhas. Para já, ainda há João Pereira mas creio que chegará um outro homem para completar a posição. Miguel Lopes até poderia ser esse homem mas já se sabe que vai jogar na Turquia. Riquicho lesionou-se e perdeu grande parte da época e seria arriscado apostar nele já. Deverá rodar, deixando espaço a Mama Baldé para evoluir na B. Mayke (Cruzeiro) já foi apontado mas penso que a opção será mais barata, já que o brasileiro não custaria menos de cinco milhões.

Defesa-esquerdo – Bruno César e Marvin Zeegelaar parecem estar na frente da corrida. Jefferson é para negociar se alguém oferecer seis milhões por ele, se não, fica. Acredito que estes três ficarão por cá a lutar pelo lugar, sendo que César jogará no meio-campo, sempre que necessário.

Defesa-central – Coates e Ruben Semedo são a dupla da confiança de Jesus. A terceira opção será Naldo e a quarta, provavelmente, Paulo Oliveira. Tobias já foi emprestado e Domingos deve seguir o mesmo caminho. Ewerton é para vender e Douglas, amor antigo, não deve mesmo vir, devido ao seu salário. Parece-me que os quatro que ficarão dão todas as garantias, não sendo de descurar a saída de Naldo ou Oliveira por uma boa quantia e a chegada de um substitudo.

Médio defensivo – Bruno Paulista e Rado Petrovic somam quase seis milhões de investimento e terão que ficar no plantel. Ou seja, Palhinha deverá ser de novo emprestado. William é para já o titular, caso não seja transferido. Se for, creio que o Sporting se terá que virar para uma opção de grande qualidade, logo…cara.

Médio ofensivo – Adrien é o dono e senhor do lugar e parece aguentar uma época em alta rotação. Ainda assim, terá duas alternativas. Uma será um jovem: Esgaio (aposto no empréstimo), Bakic (a chegar) ou Wallyson (a recuperar de lesão) serão esse homem. Outra, será um homem mais experiente que não Aquilani, de saída. Não há nomes falados, se não o colombiano Lerma, caro e jovem que até pode ser opção para a posição seis.

Médio direito – Partindo do princípio que Slimani e William estão em melhores condições de sair, João Mário mantem-se. Gelson é a alternativa. Contas fáceis e posto muito bem entregue.

Médio esquerdo – Sem contar com César, teremos dois homens: Bryan (um dos melhores da época passada) e Iuri, desequilibrador-nato que no Moreirense foi também goleador. A Matheus, jovem de grande qualidade, restará um empréstimo par poder jogar com regularidade.

Segundo avançado – Duvido que mais uma birra de Téo acabe bem. Mesmo que não seja vendido, será encostado. Não queremos quem não queira cá estar ou só esteja a meio gás. Faltará um craque para a posição. Se fizermos uns milhões, sonhemos com Bou (Racing), Vargas (Hoffenheim) ou Campbell (Arsenal). Se não, teremos que ser mais modestos. Alan Ruiz será a alternativa ou, quem sabe, revela-se logo um craque. Podence deve ser emprestado para jogar regularmente na primeira divisão.

Ponta-de-lança – Acredito em Barcos e Spalvis mas faz falta mais um. Slimani será vendido e o Sporting precisará de mais um nove. Com os 30 milhões do argelino, não me importava de ter, por exemplo, Blandi (San Lorenzo)

 

Para emprestar – Jug, Riquicho, Domingos, Rafael Barbosa, Ryan Gauld, João Palhinha, Slavchev, Wallyson Mallmann, Podence, Matheus e Ponde;

Para deixar sair a custo zero, com percentagem numa venda futura – Kikas, Zezinho, Betinho e Cissé;

Para vender à melhor oferta – João Pereira, Ewerton, Rosell, Aquilani e Mané.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D