Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Ruipatricismo

343789_med_.jpg.jpg

Todos os jogos que valem um título com o tempo acabam dando a volta, de modo que o fim se torna o começo, e vice-versa. Que ninguém duvide de que dentro de alguns anos, talvez décadas, quando um bebé actual se interessar por futebol e se interessar naquilo que aconteceu nesse verão distante de 2016, a primeira coisa que encontrará no Google será a foto de um punhado de eufóricos jogadores portugueses, levantando a taça, no palco de Saint-Denis. E aí, se ele quiser, pode experimentar tirar as suas próprias conclusões, num ensaio absurdo, mas por certo maravilhoso. Quem terá marcado mais golos? Quem terá sido o artista? Será que algum foi expulso nos últimos minutos? "Ao olhar para aquele careca eu diria" ...

...........................................................................................................

... Mas de volta para a foto de Portugal triunfante. Dela podem tirar-se várias ilações que, por mais que não se tenha seguido a final, não andarão longe da realidade. Ronaldo aparece no centro com o troféu na mão, uma veia saliente no pescoço, do tamanho de um tubo de uma fábrica de produtos químicos e uma ligadura castanha que cobre todo o joelho esquerdo.  Waterloo?  Vietname?  Aceitam-se apostas. O que é certo é que ele terá superado uma batalha dura e difícil e recuperou o seu lugar no centro do plantel para proclamar a sua vitória. Poucos metros à direita, também chama a atenção o rosto de João Mário, cuja felicidade se manifesta em várias rugas que chegam a cobrir-lhe as pálpebras. Mas por entre as dobras daquela pele "cubana" não se esconde apenas um triunfo nacional:  Ali está espelhada uma exibição individual do cara... que se reflete em muitas ofertas de contratos com muitos zeros a cair no seu mail. E se continuarmos nessa direção e a dirigir os olhos para o canto, deparamo-nos com a figura de Éder, que longe de se preocupar com a sua pose, faz uma selfie e é só sorrisos, consciente da sua singularidade. "Olha, mãe, sou eu. Sou eu e consegui, "coño". Fui eu que marquei!"

E será assim com todos. Bruno Alves, Quaresma, Pepe, Moutinho, André Gomes ... os jogadores de Fernando Santos foram congelados pelos flashes no momento certo, e as suas aparências e gestos contêm histórias com um pouco do esforço que qualquer um poderia adivinhar. O desfile de rostos, no entanto, está incompleto. Essa falta poderia ser irrelevante. Poderia não ser importante. Poderia por absurdo, ser uma trivialidade.

Mas é Rui Patricio que lá não está. E isso, no resumo daquela gesta, é uma ofensa grave, uma atrocidade. Demasiado afastado, na ponta do "pelotão" de campeões, o guarda-redes luso não ficou na "chapa" da grande maioria dos fotógrafos que cobriam o evento, deixando um buraco irreparável nos seus instantâneos.

Com essa decisão de se postar na ponta "esquecida", deixando todo o destaque para o resto do balneário, quedando-se na bruma das celebrações, o "porteiro" tinha apenas acabado de se apresentar à sociedade. Assistimos ao baptismo de um herói diferente. O ruipatricismo, em última análise. Essa corrente filosófica que nos marcará de agora em diante cada vez que alguém nos perguntar o que aconteceu naquele verão distante de 2016. Em primeiro lugar teremos que olhar bem para a fotografia. E, em seguida, falar sobre Rui Patrício. Pelo menos durante meia hora.

 

 

Com a devida vénia, daqui, com tradução minha, o que não é sinónimo qualidade. :)

8 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D