Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Ainda o Eterno Fantasma de Godinho Lopes

Quando entrei na última AG depois de falar com algumas pessoas e ouvir várias conversas fiquei plenamente convencido que o conselho diretivo ia conseguir aprovar a quase totalidade dos 13 pontos que iram ser votados. E se alguns fossem reprovados sê-lo-iam porque se tratam de alterações estatutárias que exigiriam 75% dos votos. Dos seis que foram a votos, recorde-se, a apoio foi esmagador e bem superior a 75%, incluindo as contas do clube e autorizações sobre imobiliário e o universo empresarial do clube.

Havendo humildade democrática e sem surpresas de andamento este desfecho era o mais natural e, na minha opinião, desejável. Estava até convencido que se houvesse votação por alíneas de alteração estatutária, como tantas vezes se faz na Assembleia da República (e a que o presidente aludiu há poucos dias como sendo algo que tinha ideia de vir a propor na AG passada), a percentagem de alterações estatutárias chumbadas seria diminuta pois os pontos de desconforto eram mesmo só dois ou três em dezenas de alterações.

O problema da AG não foi o Carlos Severino nem os associados que falaram antes que foram defender a honra perante as acusações diretas e pessoais feitas pelo presidente. Desconfio que só as pessoas da primeira e segunda fila é que percebiam o que o senhor Severino estava a gritar. E poucos ou nenhum estavam ávida e permanentemente a ver o que era ou não publicado pelos media, fora da AG com fonte na AG (vídeos, cartas…), aparentemente com exceção dos órgãos sociais.

O que sobrava para quem lá estava e que via e ouvia os gritos do presidente, de alguns diretores e dos visados era apenas um espetáculo triste e de duvidosa utilidade face aos objetivos principais daquela AG.

A verdade é que com a condução dos trabalhos feita pela Mesa e com as intervenções do presidente, conseguimos estar, já com várias horas de atraso, a discutir pela enésima vez as eleições de 2011 e o que é que fulano e sicrano tinham ou não tinham feito ou deviam ter feito!

O presidente “carregava” nuns botões e esses “botões” reagiam numa troca que não me interessava de todo e que, me atrevo a dizer, interessaria mesmo a muito poucos que iam vendo as horas a passar e o cerne da questão a ser adiado para as calendas para dar prioridade àquele lavar de roupa suja, sete anos depois dos eventos sucedidos.

Chegar à discussão dos estatutos, está quieto e havia ainda a promessa do presidente de ir falar, um por um, dos sportingados, fazendo o seu libelo de acusação e, naturalmente, conceder tempo de réplica. Mesmo assim, mesmo com a gestão desastrosa da AG pelo seu presidente, em nenhum momento senti que se estivesse a criar um movimento anti-direção e menos ainda que aqueles 700 e tal maduros ali estivessem representando uma federação de grupos e grupinhos prévia e secretamente combinados.

Por tudo isto, é muito triste ver agora o presidente passar um atestado de estupidez ou burrice (cada um interprete como quiser) aos mais de 700 associados presentes que pela sua análise ou eram participantes de um complot conspirativo ou eram peões que foram manipulados pela sageza dos conspiradores.

Não posso estar mais em desacordo com esta interpretação dos factos e, acreditando que ela é sincera, só posso dizer ao senhor presidente que tem grande dificuldade em perceber os associados que tem. A reação que teve foi ela própria ofensiva, pois impediu-nos sequer de votar a possibilidade de votar um requerimento, extrapolou como quis o que não chegou a acontecer e, basicamente, forçou outra AG porque aqueles 700 e tal tinham deixado de lhe interessar.

O que vejo hoje são várias tentativas de tornar em “realidade” uma interpretação mistificadora do que se passou na AG que está a ter como consequência escavar trincheiras que a poucos interessam, elevando a um grau de importância associados que há muito nada mexem ou dizem ao comum sportinguista com o aparente fito (peço desde já desculpa que me engano) de exaltar ódios e apoios para remendar as consequências dos enormes tiros no pé que os órgãos sociais deram durante a AG com especial destaque para o presidente da Mesa e do Clube.

Provavelmente, tudo será sanado dia 17, não porque os mais de 75% dos sócios dessa AG serão melhores do que os 700 e tal que estavam na AG anterior mas porque a maioria clara ainda considerará que, pesando os prós e os contras, vale a pena continuar a apoiar os atuais órgãos sociais. Muito provavelmente, se não tivesse presenciado a última AG não me abespinharia tanto com a truculência, falta de respeito e falta de rigor que tenho visto nos últimos dias e, muito provavelmente também apoiaria a direção atual. É caso para dizer que felizmente só lá estiveram 700 e tal.

Dito isto, os dois tostões que aqui deixo não são para convencer ninguém, são um mero exercício de liberdade e respeito pela minha consciência e pela verdade.

Uma coisa é certa, se a atual direção continuar a alienar associados válidos, empenhados e que até os apoiavam, com a ligeireza com que enfia alguns críticos no saco dos proscritos e candidatos a expulsão, não só dificilmente os recuperará como apoiantes como irá continuando a ver a sua base de apoio erodir-se, pondo em risco aquele que é um legado positivo que qualquer sócio e adepto que ama o Sporting consegue reconhecer e valorizar.

Despreze o que é desprezável, deixe os críticos mais vezes a falar sozinhos. Encerre de vez o passado onde ele merece estar há já alguns anos e canalize todas as energias para as batalhas que interessam e que estão muito mais fora do clube do que no seu interior. E parta do princípio que os sócios e adeptos do Sporting são muito inteligentes e nunca burros a quem é preciso explicar as coisas muito devagarinho, um tique que lhe fica muito mal e a que recorre amiúde.

Escolhemos Godinho Lopes mas depois escolhemos Bruno de Carvalho.  Deixe-nos gozar o sucesso da sua direção sem termos sombras por cima da cabeça e trincheiras alimentadas pelos nossos próprios dirigentes e deixemos de uma vez por todas de dar cartaz ao eterno fantasma de Godinho Lopes e seus apaniguados.

E viva o Sporting.

3 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D